A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O BARROCO Pequei, Senhor, mas não porque hei pecado/Da Vossa alta clemência me despido;...

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O BARROCO Pequei, Senhor, mas não porque hei pecado/Da Vossa alta clemência me despido;..."— Transcrição da apresentação:

1 O BARROCO Pequei, Senhor, mas não porque hei pecado/Da Vossa alta clemência me despido;...

2 O BARROCO NO SÉCULO XVII, O SER HUMANO VIVE EM CONFLITO, ATORMENTADO POR DÚVIDAS EXISTENCIAIS, DIVIDIDO ENTRE UMA POSTURA RACIONAL E HUMANISTA E UMA EXISTÊNCIA ASSOMBRADA PELA CULPA CRISTÃ. NO SÉCULO XVII, O SER HUMANO VIVE EM CONFLITO, ATORMENTADO POR DÚVIDAS EXISTENCIAIS, DIVIDIDO ENTRE UMA POSTURA RACIONAL E HUMANISTA E UMA EXISTÊNCIA ASSOMBRADA PELA CULPA CRISTÃ.

3 RENASCIMENTO SÉCULO XVI IDEOLOGIA ANTROPOCÊNTRICA E RACIONALISTA; IDEOLOGIA ANTROPOCÊNTRICA E RACIONALISTA; VALORIZAÇÃO DO SER E DO AGIR HUMANO; VALORIZAÇÃO DO SER E DO AGIR HUMANO; IMPORTÂNCIA DA EXPERIÊNCIA CONCRETA; IMPORTÂNCIA DA EXPERIÊNCIA CONCRETA; PRAZERES MUNDANOS; PRAZERES MUNDANOS;

4 RENASCIMENTO SÉCULO XVI SUPERIORIDADE DA RAZÃO SOBRE O MITO E A MAGIA (MENTALIDADE MEDIEVAL); SUPERIORIDADE DA RAZÃO SOBRE O MITO E A MAGIA (MENTALIDADE MEDIEVAL); DOMÍNIO SOBRE A NATUREZA = PROGRESSO TECNOLÓGICO & EXPANSÃO MARÍTIMA (ERA DAS NAVEGAÇÕES); DOMÍNIO SOBRE A NATUREZA = PROGRESSO TECNOLÓGICO & EXPANSÃO MARÍTIMA (ERA DAS NAVEGAÇÕES); ARTE OBJETIVA E EQUILIBRADA ARTE OBJETIVA E EQUILIBRADA

5 RENASCIMENTO SÉCULO XVI O HOMEM RENASCENTISTA O HOMEM RENASCENTISTA SATISFAÇÃO PESSOAL SATISFAÇÃO PESSOAL CRENÇA NA SOLIDEZ DO MUNDO CRENÇA NA SOLIDEZ DO MUNDO

6 CRISE DO RENASCIMENTO DECADÊNCIA DAS CIDADES ITALIANAS DECADÊNCIA DAS CIDADES ITALIANAS A REFORMA DE LUTERO A REFORMA DE LUTERO BURGUESIA FORTALECIDA BURGUESIA FORTALECIDA NOBREZA AMEAÇADA NOBREZA AMEAÇADA CONTURBAÇÕES SOCIAIS E RELIGIOSAS CONTURBAÇÕES SOCIAIS E RELIGIOSAS CONCÍLIO DE TRENTO(1545) CONCÍLIO DE TRENTO(1545) CONTRA-REFORMA CONTRA-REFORMA

7 CRISE DO RENASCIMENTO A HARMONIOSA IMAGEM DA VIDA DO HOMEM RENASCENTISTA DISSOLVE-SE NA ANGÚSTIA E NO CAOS. A HARMONIOSA IMAGEM DA VIDA DO HOMEM RENASCENTISTA DISSOLVE-SE NA ANGÚSTIA E NO CAOS. A REALIDADE PERDE A SUA COERÊNCIA, OS FUNDAMENTOS DO MUNDO SE DESMANCHAM. A REALIDADE PERDE A SUA COERÊNCIA, OS FUNDAMENTOS DO MUNDO SE DESMANCHAM.

8 CRISE DO RENASCIMENTO O INDIVÍDUO = CONTRADIÇÕES = O INDIVÍDUO = CONTRADIÇÕES = ESPIRITUALISMO RELIGIOSO ESPIRITUALISMO RELIGIOSO X VIVÊNCIAS HUMANAS VIVÊNCIAS HUMANAS

9 CRISE DO RENASCIMENTO O HOMEM DIVIDIDO: O HOMEM DIVIDIDO: ORGULHO X FRAGILIDADE ORGULHO X FRAGILIDADE TENSÃO ENTRE ELEMENTOS CONTRÁRIOS = PERDA DAS CERTEZAS TENSÃO ENTRE ELEMENTOS CONTRÁRIOS = PERDA DAS CERTEZAS

10 CRISE DO RENASCIMENTO O QUE É CERTO? O QUE É CERTO? O QUE É JUSTO? O QUE É JUSTO? O QUE É VERDADEIRO? O QUE É VERDADEIRO? QUEM SOU EU? QUEM SOU EU? To be or not to be? To be or not to be? Hamlet = Shakespeare Hamlet = Shakespeare

11 RENASCIMENTO X BARROCO RENASCIMENTO: Recusa os valores religiosos e artísticos da Idade Média. RENASCIMENTO: Recusa os valores religiosos e artísticos da Idade Média. BARROCO: Tenta inutilmente conciliar a visão medieval da vida e da arte com a visão renascentista. BARROCO: Tenta inutilmente conciliar a visão medieval da vida e da arte com a visão renascentista.

12 BARROCO DILACERAMENTOS: DILACERAMENTOS: ALMA X CORPO; ALMA X CORPO; VIDA X MORTE; VIDA X MORTE; CLARO X ESCURO; CLARO X ESCURO; CÉU X TERRA; CÉU X TERRA; FÉ X RAZÃO. FÉ X RAZÃO.

13 BARROCO IBÉRICO ARTE DA CONTRA-REFORMA; ARTE DA CONTRA-REFORMA; CONOTAÇÃO RELIGIOSA; CONOTAÇÃO RELIGIOSA; PROPAGAÇÃO DA FÉ CATÓLICA; PROPAGAÇÃO DA FÉ CATÓLICA; CARÁTER SOLENE; CARÁTER SOLENE; ARTE QUE CONQUISTA, CONVENCE, IMPÕE ADMIRAÇÃO; ARTE QUE CONQUISTA, CONVENCE, IMPÕE ADMIRAÇÃO; ARQUITETURA EXTRAVAGANTE. ARQUITETURA EXTRAVAGANTE.

14 O BARROCO CONFLITO: CORPO & ALMA: CONFLITO: CORPO & ALMA: PRAZERES CÓRPÓREOS X EXIGÊNCIAS DA ALMA PRAZERES CÓRPÓREOS X EXIGÊNCIAS DA ALMA DILEMA: DILEMA: VIDA ETERNA X VIDA TERRENA VIDA ETERNA X VIDA TERRENA

15 O CARPE DIEM APROVEITAR A VIDA? APROVEITAR A VIDA? VIVER INTENSAMENTE? VIVER INTENSAMENTE? CULPA CRISTÃ = O HOMEM NÃO ALCANÇA A TRANQÜILIDADE CULPA CRISTÃ = O HOMEM NÃO ALCANÇA A TRANQÜILIDADE TENSÃO = ANGÚSTIA TENSÃO = ANGÚSTIA CULPA & PECADO CULPA & PECADO

16 TEMÁTICA DO DESENGANO DESVALORIZAÇÃO DA VIDA HUMANA FRENTE À MORTE E À ETERNIDADE DESVALORIZAÇÃO DA VIDA HUMANA FRENTE À MORTE E À ETERNIDADE

17 TEMÁTICA DO DESENGANO A VIDA É UM SONHO A VIDA É UM SONHO Que é a vida? Um frenesi. Que é a vida? Um frenesi. Que é a vida? Uma ilusão, Que é a vida? Uma ilusão, uma sombra, uma ficção. uma sombra, uma ficção. (Calderón de la Barca = artista barroco espanhol) (Calderón de la Barca = artista barroco espanhol)

18 TEMÁTICA DO DESENGANO EXISTÊNCIA TERRENA = EXISTÊNCIA TERRENA = CARÁTER ILUSÓRIO CARÁTER ILUSÓRIO REALIDADE APARENTE REALIDADE APARENTE A VIDA VERDADEIRA É A ETERNA A VIDA VERDADEIRA É A ETERNA

19 TEMÁTICA DO DESENGANO A VIDA É BREVE. A VIDA É BREVE. NADA É ESTÁVEL. NADA É ESTÁVEL. NADA É PERMANENTE. NADA É PERMANENTE. TUDO MUDA. TUDO MUDA.

20 TEMÁTICA DO DESENGANO ALEGRIA DA EXISTÊNCIA X PREPARAÇÃO PARA A MORTE: ALEGRIA DA EXISTÊNCIA X PREPARAÇÃO PARA A MORTE: CONSCIÊNCIA TRÁGICA (PESSIMISTA) DA PASSAGEM DO TEMPO, DA EFEMERIDADE DA VIDA. CONSCIÊNCIA TRÁGICA (PESSIMISTA) DA PASSAGEM DO TEMPO, DA EFEMERIDADE DA VIDA.

21 TEMÁTICA DO DESENGANO VIVER É IR MORRENDO AOS POUCOS = ANGÚSTIA VIVER É IR MORRENDO AOS POUCOS = ANGÚSTIA A MORTE ONIPRESENTE A MORTE ONIPRESENTE

22 CULTISMO & CONCEPTISMO Concepções Literárias CULTISMO = Jogo de palavras = Estilo excessivo e rebuscado = Utilização de neologismos = Uso de figuras de linguagem (Metáforas + Antíteses + Paradoxos + Hipérboles, etc.) = Inversões sintáticas = Predomina na poesia (Origem = poeta espanhol Góngora). CULTISMO = Jogo de palavras = Estilo excessivo e rebuscado = Utilização de neologismos = Uso de figuras de linguagem (Metáforas + Antíteses + Paradoxos + Hipérboles, etc.) = Inversões sintáticas = Predomina na poesia (Origem = poeta espanhol Góngora).

23 CULTISMO & CONCEPTISMO CONCEPTISMO = Jogo de raciocínio (idéias) = Valorização do conteúdo = Uso de analogias = Duplos sentidos = Paradoxos e alegorias = Requinte expressivo = Sutileza das idéias = Predomina na prosa (Origem = poeta espanhol Quevedo). CONCEPTISMO = Jogo de raciocínio (idéias) = Valorização do conteúdo = Uso de analogias = Duplos sentidos = Paradoxos e alegorias = Requinte expressivo = Sutileza das idéias = Predomina na prosa (Origem = poeta espanhol Quevedo).

24 LINGUAGEM BARROCA REBUSCADA + COMPARAÇÕES INESPERADAS + ANTÍTESES + PARADOXOS + HIPÉRBOLES + INVERSÕES NAS FRASES + PALAVRAS RARAS + ESTILO RETORCIDO = CONTRADITÓRIO = BRILHANTE = INCOMPREENSÍVEL OU DE MAU GOSTO. REBUSCADA + COMPARAÇÕES INESPERADAS + ANTÍTESES + PARADOXOS + HIPÉRBOLES + INVERSÕES NAS FRASES + PALAVRAS RARAS + ESTILO RETORCIDO = CONTRADITÓRIO = BRILHANTE = INCOMPREENSÍVEL OU DE MAU GOSTO.

25 O BARROCO NO BRASIL ECONOMIA AÇUCAREIRA ECONOMIA AÇUCAREIRA REGIÃO: NORDESTE (BAHIA & PERNAMBUCO) REGIÃO: NORDESTE (BAHIA & PERNAMBUCO) CENTRO ECONÔMICO DO PAÍS = SALVADOR = BAHIA CENTRO ECONÔMICO DO PAÍS = SALVADOR = BAHIA CIVILIZAÇÃO ESCRAVISTA CIVILIZAÇÃO ESCRAVISTA CONFLITO = ESPANHA (PORTUGAL) X HOLANDESES CONFLITO = ESPANHA (PORTUGAL) X HOLANDESES

26 O BARROCO NO BRASIL MARCO INICIAL = Prosopopéia MARCO INICIAL = Prosopopéia De BENTO MANUEL TEIXEIRA De BENTO MANUEL TEIXEIRA (Inspirada em Os Lusíadas = versão mediana = celebra os feitos do capitão e governador da Capitania de Pernambuco = Jorge de Albuquerque Coelho). (Inspirada em Os Lusíadas = versão mediana = celebra os feitos do capitão e governador da Capitania de Pernambuco = Jorge de Albuquerque Coelho).

27 O BARROCO NO BRASIL AUTORES

28 GREGÓRIO DE MATOS GUERRA O BOCA DO INFERNO ( )

29 GREGÓRIO DE MATOS POESIA RELIGIOSA = POESIA RELIGIOSA = Oscilação da alma barroca entre o mundo terreno e a perspectiva da salvação eterna. Oscilação da alma barroca entre o mundo terreno e a perspectiva da salvação eterna. Licenciosidade moral x consciência da infâmia (arrependimento). Licenciosidade moral x consciência da infâmia (arrependimento). Postura = o homem ajoelhado diante de Deus. Postura = o homem ajoelhado diante de Deus.

30 GREGÓRIO DE MATOS POESIA RELIGIOSA = POESIA RELIGIOSA = Forte sentimento de culpa por ter pecado = o poeta promete redimir- se. Forte sentimento de culpa por ter pecado = o poeta promete redimir- se. O homem ajoelhado, implorando perdão por seus erros. O homem ajoelhado, implorando perdão por seus erros.

31 GREGÓRIO DE MATOS POESIA RELIGIOSA = POESIA RELIGIOSA = A Jesus Cristo, Nosso Senhor A Jesus Cristo, Nosso Senhor Curiosa dialética = o poeta apela para a infinita capacidade de Cristo de redimir os piores pecadores, alegando que a ausência de perdão representaria o fim da glória divina. Curiosa dialética = o poeta apela para a infinita capacidade de Cristo de redimir os piores pecadores, alegando que a ausência de perdão representaria o fim da glória divina. Poema humilde & desafiador. Poema humilde & desafiador.

32

33

34

35

36 GREGÓRIO DE MATOS POESIA AMOROSA = POESIA AMOROSA = O AMOR ELEVADO = O AMOR ELEVADO = IDEALIZAÇÃO DOS AFETOS EM LINGUAGEM ELEVADA IDEALIZAÇÃO DOS AFETOS EM LINGUAGEM ELEVADA

37 GREGÓRIO DE MATOS O AMOR ELEVADO = (poema para D. Ângela = paixão do poeta que o teria rejeitado): O AMOR ELEVADO = (poema para D. Ângela = paixão do poeta que o teria rejeitado): Anjo no nome, Angélica na cara! Anjo no nome, Angélica na cara! Isso é ser flor, e Anjo juntamente: Isso é ser flor, e Anjo juntamente: Ser Angélica flor, e Anjo florente Ser Angélica flor, e Anjo florente Em quem, senão em vós, se uniformara? Em quem, senão em vós, se uniformara?

38 GREGÓRIO DE MATOS Quem vira uma tal flor, que a não cortara, Quem vira uma tal flor, que a não cortara, De verde pé, da rama florescente? De verde pé, da rama florescente? A quem um Anjo vira tão luzente A quem um Anjo vira tão luzente Que por seu Deus o não idolatrara? Que por seu Deus o não idolatrara?

39 GREGÓRIO DE MATOS Se pois como Anjo sois dos meus altares, Se pois como Anjo sois dos meus altares, Fôreis o meu custódio, e minha guarda, Fôreis o meu custódio, e minha guarda, Livrara eu de diabólicos azares. Livrara eu de diabólicos azares.

40 GREGÓRIO DE MATOS Mas vejo que tão bela, e tão galharda, Mas vejo que tão bela, e tão galharda, Posto que os Anjos nunca dão pesares, Posto que os Anjos nunca dão pesares, Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda. Sois Anjo, que me tenta, e não me guarda.

41 GREGÓRIO DE MATOS ANÁLISE DO POEMA = (Dona Ãngela) ANÁLISE DO POEMA = (Dona Ãngela) Jogo de aproximações entre as palavras: ANJO & FLOR para designar a amada. Jogo de aproximações entre as palavras: ANJO & FLOR para designar a amada. Palavras com caráter contraditório = ANJO = eternidade + FLOR = brevidade. Palavras com caráter contraditório = ANJO = eternidade + FLOR = brevidade.

42 GREGÓRIO DE MATOS ANÁLISE DO POEMA = (Dona Ãngela) ANÁLISE DO POEMA = (Dona Ãngela) TENSÃO & DESESPERO = TENSÃO & DESESPERO = SOIS ANJO, QUE ME TENTA, E NÃO ME GUARDA. SOIS ANJO, QUE ME TENTA, E NÃO ME GUARDA.

43 GREGÓRIO DE MATOS O AMOR OBSCENO-SATÍRICO = O AMOR OBSCENO-SATÍRICO = EROTISMO = Exaltação da sensualidade e da beleza dos corpos (forma velada). EROTISMO = Exaltação da sensualidade e da beleza dos corpos (forma velada).

44 GREGÓRIO DE MATOS O AMOR OBSCENO-SATÍRICO = O AMOR OBSCENO-SATÍRICO = PORNOGRAFIA = Sexo proibido e culpado, por meio de imagens grosseiras e chocantes (forma vulgar). PORNOGRAFIA = Sexo proibido e culpado, por meio de imagens grosseiras e chocantes (forma vulgar).

45 GREGÓRIO DE MATOS O AMOR OBSCENO-SATÍRICO OBSCENIDADE = Espécie de protesto contra o sistema moral, contra as concepções dominantes de amor e de sexo e contra o próprio mundo. Às vezes, toma o sentido de um culto rude e subversivo do prazer contra os tabus que impedem a plena realização do libido = instinto sexual. OBSCENIDADE = Espécie de protesto contra o sistema moral, contra as concepções dominantes de amor e de sexo e contra o próprio mundo. Às vezes, toma o sentido de um culto rude e subversivo do prazer contra os tabus que impedem a plena realização do libido = instinto sexual.

46 GREGÓRIO DE MATOS O AMOR OBSCENO-SATÍRICO Poesia de Gregório = visão agressiva e galhofeira do amor físico = Quer despertar o riso ou o comentário maldoso da platéia = Revela desprezo pela concepção cristã do amor, que envolve a camada espiritual. Poesia de Gregório = visão agressiva e galhofeira do amor físico = Quer despertar o riso ou o comentário maldoso da platéia = Revela desprezo pela concepção cristã do amor, que envolve a camada espiritual.

47 GREGÓRIO DE MATOS O AMOR OBSCENO-SATÍRICO NA POESIA DE GREGÓRIO = O AMOR OBSCENO-SATÍRICO NA POESIA DE GREGÓRIO = Nos poemas mais vulgares, se torna engraçado (palavrões = descrições desbocadas dos atos e orgãos sexuais). Nos poemas mais vulgares, se torna engraçado (palavrões = descrições desbocadas dos atos e orgãos sexuais). Machismo & Desprezo pelas mulheres (principalmente = negras e mulatas) Machismo & Desprezo pelas mulheres (principalmente = negras e mulatas)

48 O AMOR OBSCENO-SATÍRICO EM GREGÓRIO DE MATOS O amor é finalmente/um embaraço de pernas,/uma união de barrigas,/um breve tremor de artérias./Uma confusão de bocas,/uma batalha de veias,/um reboliço de ancas,/quem diz outra coisa é besta. O amor é finalmente/um embaraço de pernas,/uma união de barrigas,/um breve tremor de artérias./Uma confusão de bocas,/uma batalha de veias,/um reboliço de ancas,/quem diz outra coisa é besta.

49

50 GREGÓRIO DE MATOS POESIA SATÍRICA = POESIA SATÍRICA = Poesia ferina e contundente que não perdoa nenhum grupo social (ricos e pobres) = Ironia cáustica = traço do barroco ibérico. Poesia ferina e contundente que não perdoa nenhum grupo social (ricos e pobres) = Ironia cáustica = traço do barroco ibérico.

51 GREGÓRIO DE MATOS POESIA SATÍRICA ESTADO DE ESPÍRITO DO POETA AO RETORNAR AO BRASIL (1682) = ESTADO DE ESPÍRITO DO POETA AO RETORNAR AO BRASIL (1682) = Filho de senhor-de-engenho = crise. Filho de senhor-de-engenho = crise. Mundo dos nobres usurpado pelo oportunismo dos negociantes. Mundo dos nobres usurpado pelo oportunismo dos negociantes. Como bacharel vê a farsa das instituições jurídicas. Como bacharel vê a farsa das instituições jurídicas.

52 GREGÓRIO DE MATOS POESIA SATÍRICA ESTADO DE ESPÍRITO DO POETA = ESTADO DE ESPÍRITO DO POETA = Como poeta culto se vê num mundo iletrado. Como poeta culto se vê num mundo iletrado. Na vida concreta vê as idéias barrocas do desengaño del mundo (o desconcerto do mundo = da vida) Na vida concreta vê as idéias barrocas do desengaño del mundo (o desconcerto do mundo = da vida)

53 GREGÓRIO DE MATOS POESIA SATÍRICA PROTESTO DO POETA = Contra um novo mundo que subverteu todos os princípios e hierarquias, que está afundando sua classe (nobreza). PROTESTO DO POETA = Contra um novo mundo que subverteu todos os princípios e hierarquias, que está afundando sua classe (nobreza). RECURSO UTILIZADO = A linguagem poética = caricatural = ofensiva = cínica = sem piedade = acentua aspectos grotescos dos indivíduos e do contexto baiano. RECURSO UTILIZADO = A linguagem poética = caricatural = ofensiva = cínica = sem piedade = acentua aspectos grotescos dos indivíduos e do contexto baiano.

54 GREGÓRIO DE MATOS POESIA SATÍRICA A cada canto um grande conselheiro, A cada canto um grande conselheiro, Quer nos governar cabana e vinha, Quer nos governar cabana e vinha, Não sabem governar sua cozinha, Não sabem governar sua cozinha, E podem governar o mundo inteiro. (...) E podem governar o mundo inteiro. (...) (Cabana e vinha = no sentido de negócios particulares.) (Cabana e vinha = no sentido de negócios particulares.)

55 GREGÓRIO DE MATOS POESIA SATÍRICA VISÃO DO POETA = O Mercantilismo estava acabando com a verdadeira nobreza luso-baiana (sua família). VISÃO DO POETA = O Mercantilismo estava acabando com a verdadeira nobreza luso-baiana (sua família). OLHAR DO POETA PARA SALVADOR = OLHAR DO POETA PARA SALVADOR = Só vê = corrupção = negociata = oportunismo = mentira = desonra = injustiça = imoralidade = inversão de valores = quebra das normas Só vê = corrupção = negociata = oportunismo = mentira = desonra = injustiça = imoralidade = inversão de valores = quebra das normas

56 GREGÓRIO DE MATOS POESIA SATÍRICA Que falta nesta cidade?... Verdade. Que falta nesta cidade?... Verdade. Que mais por sua desonra?... Honra. Que mais por sua desonra?... Honra. Falta mais que se lhe proponha?... Vergonha. Falta mais que se lhe proponha?... Vergonha. O demo a viver se exponha, O demo a viver se exponha, Por mais que a fama a exalta, Por mais que a fama a exalta, Numa cidade onde falta Numa cidade onde falta Verdade, honra, vergonha. (...) Verdade, honra, vergonha. (...)

57 GREGÓRIO DE MATOS O BOCA DO INFERNO A truculência verbal do poeta gera muitas inimizades e ódios: A truculência verbal do poeta gera muitas inimizades e ódios: Querem-me aqui todos mal, Querem-me aqui todos mal, Mas eu quero mal a todos... (...) Mas eu quero mal a todos... (...) Se o que fui sempre hei de ser, Se o que fui sempre hei de ser, Eu falo, seja o que for. (...) Eu falo, seja o que for. (...)

58 GREGÓRIO DE MATOS POESIA SATÍRICA O poeta se identifica com a cidade vítima de um inimigo maior = o capitalismo comercial europeu = O poeta se identifica com a cidade vítima de um inimigo maior = o capitalismo comercial europeu = Visão conservadora e reacionária do poeta. Visão conservadora e reacionária do poeta. A empresa mercantilista (a máquina mercante) é a responsável pelo declínio da sua classe (nobreza). A empresa mercantilista (a máquina mercante) é a responsável pelo declínio da sua classe (nobreza).

59 GREGÓRIO DE MATOS À BAHIA Triste Bahia! ó quão dessemelhante Triste Bahia! ó quão dessemelhante Estás e estou do nosso antigo estado! Estás e estou do nosso antigo estado! Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado, Pobre te vejo a ti, tu a mi empenhado, Rica te vi eu já, tu a mi abundante. Rica te vi eu já, tu a mi abundante. (...) (...) A ti trocou-te (modificou-te) a máquina mercante, (...) A ti trocou-te (modificou-te) a máquina mercante, (...)

60 Padre Antônio Vieira ( ) OS SERMÕES ( ) = OS SERMÕES ( ) = Utilização da Bíblia para referir-se a temas do cotidiano. Utilização da Bíblia para referir-se a temas do cotidiano. Combate aos hereges e defesa dos índios. Combate aos hereges e defesa dos índios. Sonho com o Grande Império cristão, a ser localizado no Brasil. Sonho com o Grande Império cristão, a ser localizado no Brasil. Linguagem conceptista. Linguagem conceptista.

61 Padre Antônio Vieira O VIGOR DA ORATÓRIA = O VIGOR DA ORATÓRIA = Pormenores da vida = Pormenores da vida = Ataque aos vícios = corrupção + violência + pedantismo, etc. Ataque aos vícios = corrupção + violência + pedantismo, etc. Elogio às virtudes = religiosidade + modéstia + caridade, etc. Elogio às virtudes = religiosidade + modéstia + caridade, etc.

62 Padre Antônio Vieira Sermão do bom ladrão Não são só ladrões - diz o Santo - os que cortam bolsas ou espreitam os que vão se banhar, para lhe colher a roupa; os ladrões que mais própria e dignamente merecem este título são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com força, roubam e despojam os pobres. (...) Não são só ladrões - diz o Santo - os que cortam bolsas ou espreitam os que vão se banhar, para lhe colher a roupa; os ladrões que mais própria e dignamente merecem este título são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com força, roubam e despojam os pobres. (...)


Carregar ppt "O BARROCO Pequei, Senhor, mas não porque hei pecado/Da Vossa alta clemência me despido;..."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google