A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Disciplina de Aplicações Informáticas Professora: Cátia Sousa Ano Lectivo: 2010/2011 Trabalho elaborado por: Carla Dias nº7 Diogo André nº9 Tiago nº29.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Disciplina de Aplicações Informáticas Professora: Cátia Sousa Ano Lectivo: 2010/2011 Trabalho elaborado por: Carla Dias nº7 Diogo André nº9 Tiago nº29."— Transcrição da apresentação:

1 Disciplina de Aplicações Informáticas Professora: Cátia Sousa Ano Lectivo: 2010/2011 Trabalho elaborado por: Carla Dias nº7 Diogo André nº9 Tiago nº29 Gerardo nº14

2 Dispositivos de Entrada Os dispositivos de entrada são dispositivos que permitem que o utilizador envie informação para o computador. São dispositivos que enviam dados analógicos ao computador para o processamento. Exemplos: Teclado, rato, câmara digital, mesa digitalizadora, etc.

3 Mesa digitalizadora Dispositivo de Entrada Realizado por: Gerardo Lima nº14

4 Mesa digitalizadora Uma messa digitalizadora é basicamente uma alternativa ao usual rato para interagir com o computador mas com imensas vantagens! Esta pode ser usada em conjunto com rato original ou com um outro dispositivo de entrada do genero em simultaneo e em qualquer computador com qualquer programa atravez de Bluetooth ou usb.

5 Mesa digitalizadora A mesa gráfica consiste de duas partes: uma superfície lisa para desenhar e uma caneta. Muitas vezes, até profissionais fora do ramo artístico optam por usar uma mesa digitalizadora devido à ergonomia que esta oferece. A caneta da pen tem imensas funçoes programaveis, o que pode dar imenso jeito num programa de desenho em que há que utilizar uma serie de funçoes repetidamente como por exemplo a borracha.

6 Mesa digitalizadora Quem deve pensar em adquirir uma Mesa Digitalizadora? Podemos encontrar em diversos sites recomendações destas mesas, para todos os usuários devido a sua ergonomia e outros benefícios para todos os usuários e algus profissionais como: Arquitectos. Designers gráficos. Artistas. Outras profissões como retocadores de fotos digitais para estúdios e outras areas ligadas á multimedia.

7 Mesa digitalizadora Alguns softwares interessantes para utilização com uma mesa de digitalização Adobe Photoshop Corel Paint Autodesk Sketchbook Pro Autodesk Alias

8 Mesa digitalizadora Desvantagens O preço de uma messa digitalisadora pode variar entre 50 até 800 euros ou mais dependendo do tamanho, qualidade, presição, sensibilidade e finalidade. No principio da utilisação há uma sensação de falta de controlo e pouca presição, mas tal como acontece com o rato com a utilisação e treino passa a ser algo natural e instintivo.

9 Mesa digitalizadora Primeiras mesas digitalizadoras

10 Mesa digitalisadora actual

11 Mesa digitalizadora Interactive Pen Display Apesar de poder ser considerado uma messa digitalisadora e mais asociada a um touch screen e portanto um dispositivo de entrada e saida pelo que não foi aprofundado neste trabalho.

12 Máquina Digital Dispositivo de Entrada Realizado por: Carla Dias nº7

13 Máquina digital A máquina digital, seja ela máquina fotográfica ou de cinema, revolucionou o processo de captura de imagens, contribuindo para a popularização da fotografia ou da técnica cinematográfica digital.

14 Máquina Convencional/Digital Máquina ConvencionalMáquina Digital Utiliza a película fotossensível (filme) para o registo das imagens, que requer, posteriormente à aquisição das imagens, um processo de revelação e ampliação das cópias. Regista as imagens através de um sensor que entre outros tipos podem ser do tipo CMOS ou do tipo CCD, armazenando as imagens em cartões de memória. As máquinas convencionais dependem de processos químicos e mecânicos. Algumas utilizam energia para o flash e para o obturador. Têm um microcomputador para gravar as imagens electronicamente. Este transforma a informação eléctrica e analógica em dados digitais, no caso de utilização de sensores CCD, tratando-se de uma CMOS, a captação da imagem já é feita electronicamente, de forma digital, poupando assim o tamanho e o preço deste tipo de sensor e facilitando sua transformação em imagem. Contém uma série de lentes, que conduzem a luz para o sensor. Utiliza um aparelho semicondutor, que regista a luz electricamente através de uma gradação em volts, medindo a descarga eléctrica gerada pela luz.

15 Máquina digital Sensores de imagem Existem dois tipos de sensores de imagem que convertem a luz em cargas eléctricas: CCD – Dispositivo de carga acoplada CMOS - Complementary metal oxide semicondutor

16 Sensores de imagem Dispositivo de Carga Acoplada ou CCD (charge- coupled device) Sensor para captação de imagens formado por um circuito integrado que contém uma matriz de capacitores acoplados. Sob o controle de um circuito externo, cada capacitor pode transferir sua carga eléctrica para um outro capacitor vizinho. Os CCDs são usados em fotografias digitais, imagens de satélites, equipamentos médico-hospitalares, e na astronomia.

17 Sensores de imagem CMOS - Complementary Metal Oxide Semicondutor ( semicondutor metal-óxido complementar) Um sensor CMOS, em particular, é um tipo de sensor de imagem usado comummente em máquinas digitais feito na mesma tecnologia, e que tem sido utilizado como um alternativa mais barata aos sensores do tipo CCD.

18 Máquina digital Resolução de imagens A resolução de uma imagem digital é a sua definição. A imagem na tela é formada pela justaposição de pequenos pontos quadriculados, chamados "pixéis. As imagens mostram maneiras alternativas de se reconstruir uma imagem usando: um conjunto de pixéis, pontos, linhas e filtragem, respectivamente.

19 Máquina Digital Resolução de imagem - Pixéis O que são pixéis? Um pixel é considerado como o menor componente de uma imagem digital. Cada pixel é composto por um conjunto de 3 pontos: verde, vermelho e azul. Cada um destes pontos é capaz de exibir 256 tonalidades diferentes (equivalente a 8 bits) e combinando tonalidades dos três pontos é possível exibir pouco mais de 16.7 milhões de cores diferentes. Em resolução de 640 x 480 temos pixéis, a 800 x 600 temos pixéis, a 1024 x 768 temos pixéis e assim por diante.

20 Maquina Digital Resolução de imagem - Megapixéis Nas maquinas digitais a resolução é dada por "megapixéis", que nada mais são que "milhões de pixéis", dados pela multiplicação da resolução da altura pela da largura da imagem. Por exemplo: Imagem com 120 px X 160px = 0.019MPX chamada também de padrão QSIF. Imagem com 480px x 640px = 0.307MPX chamada também de padrão VGA. Imagem com 4.200px x 2690px = MPX chamada também de padrão WUQSXGA.

21 Maquina Digital Resolução de imagem Numa imagem de tamanho definido, quando maior a sua resolução, mais pixéis haverá por polegada em ambas as dimensões - altura e largura, logo imagens de "alta resolução" possuem "pixéis" pequeninos, até mesmo invisíveis a olho nu e, imagens de "baixa resolução" possuem "pixéis" grandes que acabam por dar o efeito "pixelation", que deixa imagem quadriculada pelo o tamanho exagerado de seus pontos.

22 Maquina digital Captação da cor A maior parte dos sensores utilizam o filtering (filtro fotográfico - uma câmara constituída por um filtro óptico que pode ser inserido no caminho óptico ) para captar a luz nas suas três cores primárias. Assim que a câmara gravar as três cores, combina-as para criar o espectro todo. Diferentes tipos de filtros fotográficos

23 Maquina digital Focagem Para o controlo da quantidade de luz que chega ao sensor(s), existem duas componentes: A abertura ( que é o tamanho de abertura do diafragma).

24 Maquina digital Focagem A velocidade do obturador ou tempo de exposição, em fotografia, está directamente relacionada com a quantidade de tempo que o obturador da máquina fotográfica leva para abrir e fechar, deixando passar a luz que irá sensibilizar o sensor digital CCD/CMOS e formar a imagem. A velocidade do obturador pode impactar de forma dramática na aparência de objectos em movimento.

25 Maquina digital Focagem – Lente e Foco As lentes das câmaras digitais são muito semelhantes às das convencionais. A distância focal é a distância entre as lentes e o sensor que vai determinar o zoom da máquina. Aumentando a distância estaremos a fazer um zoom in.

26 Maquina digital Focagem – Lente e Foco Existem as seguinte opções: Objectivas de foco fixo e de zoom fixo. Objectivas de zoom óptico com focagem automática. Objectivas de zoom digital. Sistemas de objectivas intermutáveis.

27 Maquina digital Armazenamento e compressão A maioria das câmaras digitais têm uma tela LCD, que permite a visualização imediata das fotos. Esta pode considerar-se como uma grande vantagem em comparação com o método convencional. As maquinas digitais permitem um sistema de armazenamento de dados. Para a transferência dos dados por fios, existem várias conexões:

28 Maquina digital Armazenamento e compressão - Serial A interface Serial ou porta Serial, também conhecida como RS-232 é uma porta de comunicação utilizada para conectar modems, mouses (ratos), algumas impressoras, scanners e outros equipamentos de hardware. Na interface serial, os bits são transferidos em fila, ou seja, um bit de dados de cada vez. O padrão RS-232 foi originalmente definido para uma comunicação por meio de 25 fios diferentes.

29 Maquina digital Armazenamento e compressão - Paralela A porta paralela é uma interface de comunicação entre um computador e um periférico. São vários os periféricos que se podem utilizar desta conexão para enviar e receber dados para o computador (scanners, maquinas digitais, unidade de disco removível entre outros).

30 Maquina digital Armazenamento e compressão - SCSI SCSI (Small Computer System Interface), é uma tecnologia que permite ao usuário conectar uma larga gama de periféricos, tais como discos rígidos, unidades CD-ROM, impressoras e scanners e maquinas digitais. Características físicas e eléctricas de uma interface de entrada e saída (E/S) projectadas para se conectarem e se comunicarem com dispositivos periféricos são definidas pelo SCSI.

31 Maquina digital Armazenamento e compressão - USB Universal Serial Bus (USB) é um tipo de conexão "ligar e usar" que permite a conexão de periféricos sem a necessidade de desligar o computador. O USB Implementers Forum foi concebido na óptica do conceito de Plug and Play, revolucionário na altura da expansão dos computadores pessoais, feito sobre um barramento que adopta um tipo de conector que deve ser comum a todos os aparelhos que o usarem, assim tornando fácil a instalação de periféricos que adoptassem essa tecnologia, e diminuiu o esforço de concepção de periféricos, no que diz respeito ao suporte por parte dos sistemas operacionais (SO) e hardware.

32 Maquina digital Armazenamento e compressão - USB Versão do USB Ano de Lançament o Taxa de Transferên cia 1,5 Mbps - 12 Mbps480 Mbps4,8 Gbps Alimentaçã o eléctrica 5V mA 5V mA Conectores compactos

33 Maquina digital Armazenamento e compressão - USB A maioria das câmaras digitais conecta-se a um computador ou impressora por meio de um cabo USB.

34 Maquina digital Armazenamento e compressão - Firewire O Firewire é uma interface serial para computadores pessoais e aparelhos digitais de áudio e vídeo que oferece comunicações de alta velocidade e serviços de dados em tempo real. O Firewire pode ser considerado uma tecnologia sucessora da quase interface paralela SCSI. A combinação de câmaras digitais de baixo custo e alta qualidade, com porta Firewire, e software de processamento de imagem apropriado, permitiram a criação de vídeos com qualidade profissional em PCs.

35 Maquina digital Armazenamento e compressão - Firewire O Firewire é uma tecnologia de entrada/saída de dados em alta velocidade para conexão de dispositivos digitais, desde camcorders e máquinas digitais, até computadores portáteis e desktops. Amplamente adoptada por fabricantes de periféricos digitais como Sony, Canon, JVC e Kodak, o Firewire tornou-se um padrão estabelecido na indústria tanto por consumidores como por profissionais.

36 Maquina digital Armazenamento e compressão - SmartMedia Se o próprio sistema de armazenamento da câmara for amovível, podem ser dos seguintes tipos: SmartMedia é um padrão de cartão de memória flash criado pela Toshiba.

37 Maquina digital Armazenamento e compressão - SmartMedia O uso típico de um cartão SmartMedia é o de armazenamento de dados para um dispositivo portátil, de forma que possa ser facilmente removido para ser utilizado em um computador pessoal. Por exemplo, fotos tiradas em uma máquina digital podem ser armazenadas em um cartão como arquivos (ficheiros) de imagem. O usuário pode então copiar as fotos para seu computador utilizando um leitor SmartMedia (normalmente um dispositivo ligado à alguma porta serial, USB.

38 Rato Dispositivo de Entrada Realizado por: Tiago nº 29

39 Rato O rato é um dispositivo de entrada que, anteriormente, se juntou ao teclado como auxiliar no processo de entrada de dados, especialmente em programas com interface gráfica. O rato tem como função movimentar o cursor (apontador) pelo ecrã ou tela do computador.

40 A origem do rato foi em 1968, graças ao trabalho do pesquisador americano Douglas C. Engelbart e sua equipa. Naquela época, o dispositivo apresentado não lembrava nem um pouco os modelos que encontramos hoje e sequer tinha esse nome. Chamava-se XY Position Indicator For a Display System, consistia numa espécie de caixa de madeira com um cabo e um único botão, e foi feito de maneira artesanal. Apesar de parecer tão primitivo, esse dispositivo tinha praticamente a mesma função dos ratos de hoje, mas se mostrou pouco prático, já que, naquela época, os computadores eram incapazes de processar recursos gráficos avançados e trabalhavam, essencialmente, com texto, não havendo, portanto, aplicação prática para a engenhoca criada. Rato História do Rato

41 Rato Mundo Actual Na actualidade, o rato funciona como um apontador sobre o ecrã do computador e disponibiliza normalmente quatro tipos de operações: movimento, clique, duplo clique e arrastar e largar. O formato mais comum do cursor é uma seta, contudo, existem opções no sistema operacional e em softwares específicos que permitam a personalização do cursor do rato.

42 Existem modelos com um, dois, três ou mais botões cuja funcionalidade depende do ambiente de trabalho e do programa que está a ser utilizado. Obviamente, o botão esquerdo é o mais utilizado, havendo em miniatura e com variadas cores. O rato é ligado ao computador através de uma porta serial, PS2 ou, mais recentemente, USB (Universal Serial Bus). Contudo pode-se estabelecer comunicações sem fios, mais concretamente por Bluetooth.

43 Rato Concorrência Outros dispositivos de entrada competem com o rato: touchpads (usados em notebooks) e TrackBall. Também é possível ver o joystick como um concorrente, mas os joysticks não são comuns em computadores.

44 Rato Funcionamento Explicar o funcionamento dos ratos não é tão simples por um único motivo: não existe apenas um tipo de rato. Há várias categorias disponíveis no mercado, mas apenas centradas em dois tipos: os ratos com esfera (popular como "rato de bolinha") e ratos ópticos ou laser. Nos nossos dias os ratos mais utilizados são os ratos ópticos.

45 Os ratos ópticos recebem esse nome porque sua principal característica é o uso de um mecanismo óptico no lugar de uma esfera para orientar o movimento do cursor no ecrã do computador. A vantagem desse esquema é que, por não haver peças móveis dentro do dispositivo, o seu tempo de vida útil é maior, o volume de pó acumulado no interior é muito menor (às vezes, inexistente) e a precisão de movimentos aumenta por causa da maior sensibilidade do mecanismo óptico, fazendo com que ratos ópticos sejam ideais para tarefas quotidianas e até para jogos e actividades profissionais.

46 O sistema óptico dos ratos desse tipo é composto, basicamente, por um LED emissor de luz vermelha e um sensor. Quando o rato está em contacto com uma superfície, a luz é emitida e reflectida, isto é, "volta" ao rato. Quando isso ocorre, o sensor age como se estivesse tirando uma fotografia daquele ponto e envia a imagem a de volta ao computador que analisa. Esse processo é repetido constantemente, numa velocidade muito alta.

47 Teclado Dispositivo de Entrada Realizado por: Diogo André nº9

48 O teclado de computador é um tipo de periférico utilizado pelo usuário para a entrada manual no sistema de dados e comandos. Possui teclas representando letras, números, símbolos e outras funções, baseado no modelo de teclado das antigas máquinas de escrever. Basicamente, os teclados são projectados para a escrita de textos, onde são usadas para esse meio cerca de 50% delas, embora os teclados sirvam para o controle das funções de um computador e seu sistema operacional. Essas teclas são ligadas a um chip dentro do teclado, responsável por identificar a tecla pressionada e por mandar as informações para o PC. O meio de transporte dessas informações entre o teclado e o computador pode ser sem fio (ou wireless) ou a cabo (PS/2 e USB). Teclado com design padrão. Teclado com um design moderno. Teclado

49 Teclado Estrutura básica do teclado Os teclados são essencialmente formados por um arranjo de botões rectangulares, ou quase rectangulares, denominados como teclas. Cada tecla tem um ou mais caracteres impressos ou gravados em baixo relevo em sua face superior, sendo que, aproximadamente, cinquenta por cento das teclas produzem letras, números ou sinais (denominados caracteres). Entretanto, em alguns casos, o acto de produzir determinados símbolos requer que duas ou mais teclas sejam pressionadas simultaneamente ou em sequência. Outras teclas não produzem símbolo algum, todavia, afectam o modo como o microcomputador opera ou age sobre o próprio teclado.

50 Teclado Funcionamento A cada toque numa tecla do teclado, um sinal específico é transmitido ao computador. O teclado utiliza com efeito uma rede matricial que permite identificar cada tecla graças a uma linha e uma coluna. Quando pressionamos uma tecla, estabelece-se um contacto eléctrico entre a linha e a coluna. Os sinais eléctricos são transmitidos a um micro controlador, que envia um código (BCD, ASCII ou Unicode) ao computador que descreve o carácter que corresponde à tecla.

51 Teclado Tipos de teclados Teclados simples. Teclados Flexíveis. Teclados wireless. Teclados Ergonómicos. Teclados Para Canhotos.

52 Teclado Razer Tarântula Devido a sua tecnologia anti-ghosting, ele permite que até 10 teclas sejam pressionadas de uma vez só sem que o efeito fantasma (falha de sinal) ocorra permitindo que mais comandos sejam executados simultaneamente. Conta com uma memória integrada de 32 KB, podendo memorizar até cinco perfis internos para jogos diferentes. O tempo de atraso entre o pressionamento de uma tecla e a resposta é de apenas 1 ms. Dispõe ainda de 10 teclas de atalhos de jogo programáveis, entrada para fone e microfone. Necessita de 2 entradas USB. Preço médio:236.32

53 Teclado Razer Lycosa Este teclado possui revestimento de teclado com acabamento em borracha anti derrapante, para evitar que os dedos escorreguem durante seu manuseio. Ele conta com um sistema de iluminação de fundo com a opção de iluminação apenas nas teclas WASD. Suas teclas são completamente programáveis com capacidade para Macros. O tempo de atraso entre o pressionamento de uma tecla e a resposta também é de 1 ms. Conta, ainda, com efeito anti-ghosting, possibilidade de desactivar a tecla do Windows durante os jogos, entrada para fones e microfone. Preço médio:

54 Teclado Teclado PS/2 para Canhotos ABNT Este tipo de teclado possui design exclusivo para canhotos. Suas teclas numéricas estão localizadas no lado esquerdo do teclado. Conta com layout ABNT e teclas em posição ergonómica (formato de A) para evitar LER. Modelo encontrado da marca Leadership. Preço médio:34.47

55 Teclado Teclados Ergonómicos Este tipo de teclado possui a posição indicada para evitar LER (lesão por esforço repetitivo) e embora não seja de fácil adaptação para quem está acostumado a um teclado rectangular, é indicado para pessoas que passam muito tempo digitando.

56 Teclado Teclado Ergonómico Bright Seu formato é compacto e ergonómico e o tipo de conexão de entrada é PS2 e Plug and Play. Possui teclas de internet ( , navegador, pesquisas e favoritos), teclas de acesso rápido (Meu Computador e Sleep) e teclas para função multimédia como aumentar, diminuir ou desabilitar volume, Play, pausar, avançar e retroceder. Preço médio:15.27

57 Teclado Teclado PS/2 ergonómico Leadership Formato ergonómico, com conexão de entrada PS/2. Conta com teclas de internet e teclas para função multimédia como aumentar, diminuir ou desabilitar volume, Play, pausar, avançar e retroceder. Preço médio:19.63

58 Teclado Teclado Microsoft wireless 2000 Possui design curvilíneo (ergonómico) e suas teclas são finas para proporcionar mais conforto e ocupar menos espaço. Conta com canais integrados que escoam líquido do teclado, tornando-o resistente a acidentes envolvendo derramamento de líquidos. Dispõe de teclas especiais para função multimédia (Play, pausar, aumentar ou diminuir o volume), teclas especiais com as funções Procurar e Calcular. Dispositivo Plug and Play. Preço médio:82.91

59 Teclado Teclado Flexível USB Maxprint Este teclado é feito de silicone de alta qualidade não é tóxico e é inodoro. Possui teclas macias e totalmente silenciosas. Ele é completamente à prova de água e de fácil limpeza. Devido ao material de fabricação é completamente flexível e dificilmente terá o inconveniente causado por teclas quebradas e pelo mesmo motivo, seu transporte e manuseio também são mais simples. Disponível no padrão ABNT2, com 109 teclas. Preço médio:19.63

60 Teclado Teclado de Silicone Longo ABNT II Este modelo encontrado da marca Mobimax, também é feito de silicone e resistente a líquidos, pó e outros. Altamente resistente, quase indestrutível e flexível. Possui a disposição de teclas conforme o padrão ABNT2, com 109 teclas e conexão USB. Preço médio:43.64

61 Teclado Teclados simples São aqueles teclados mais comuns, normalmente com preços mais acessíveis e que podem ser comprados em qualquer loja com produtos de informática.

62 Teclado Teclado Multimédia USB Preto Modelo da marca Clone. Teclado simples, no formato rectangular com tipo de conexão USB e Plug and Play. Possui teclas de internet (pesquisar, avançar página, voltar página, , navegador, actualizar e favoritos), tecla de acesso rápido (Meu computador), teclas para função multimédia como aumentar, diminuir ou desabilitar volume, Play, pausar, avançar e retroceder. Preço médio:16.10

63 HD DVD O HD DVD ou High Definition Digital Video Disc é um formato de média óptica digital, desenvolvido como sendo o primeiro dvd de vídeo de alta definição.

64 HD DVD é similar ao seu competidor, o disco Blu-ray, que também utiliza o mesmo tamanho de disco óptico mas um lazer vermelho mais grosso o que não permite gravar tantos dados por unidade de aréa como o blue ray. Acabou por ser eliminado pelo Blu-ray. Devido ao facto de o HD DVD ter menor capacidade como ira ser aprofundado mais á frente

65 Blu-ray Blu-ray, também conhecido como BD é um formato de disco óptico de nova geração de diâmetro igual ao CD e ao DVD para vídeo de alta definição e armazenamento de dados de alta densidade. É um sucessor do DVD. Requer uma TV full HD de LCD, plasma ou LED para explorar todo seu potencial se o objectivo for visualisar imagens ou video.

66 A sua capacidade varia de 25 gigabytes quando de camada simples a 50 em camada dupla. O disco Blu-ray faz uso de um laser de cor azul-violeta e mais pequeno permitindo gravar mais informação num disco do mesmo tamanho usado por tecnologias anteriores.

67 A Blu-ray Disc Association (BDA) é responsável pelos padrões e o desenvolvimento do disco Blu-ray e foi criada pela Sony e Panasonic. Disputou uma guerra de formatos com o HD DVD.

68 Comparação Blu-ray e HD DVD Blu-ray e HD DVD lutaram pela sucessão do DVD. Contudo, em Fevereiro de 2008, a Toshiba comunicou que não iria continuar com o desenvolvimento, fabricação e comercialização do HD DVD.

69 Um factor que influenciou a vitória foi a consola PlayStation 3 que foi o Blu-ray player mais barato do mercado e vendia mais que todos os outros players de HD- DVD. A Microsoft também é apontada como responsável, pois por ser a única força financeira com condições de fazer frente ao consórcio Blu-ray não fabricou a xbox com leitor de hd dvd. O Blu-ray ganhou assim a guerra contra o HD DVD e é o novo sucessor do DVD. Em 2008, todos os grandes estúdios migraram para o Blu-Ray, incluindo os ex- exclusivos do HD-DVD como Universal e Paramount.

70 Comparação para o sucesso: Quanto ao Blu-ray: Quanto ao HD-DVD: Dimensões Capacidade de uma camada Capacidade com camada dupla 12 cm, lado único25GB (23.3GiB)GBGiB50GB (46.6GiB) 12 cm, dois lados50GB (46.6GiB)100GB (93.2GiB) 8 cm, lado único7.8GB (7.3GiB)15.6GB (14.5GiB) 8 cm, dois lados15.06GB (14.5GiB)30.12GB (29GiB) Tamanho físico Capacidade de camada única Capacidade de dupla camada 12 cm, lado único15 GB30 GB 12 cm, dois lados30 GB60 GB 8 cm, de um lado4.7 GB9.4 GB 8 cm, dois lados9.4 GB18.8 GB

71 Futuro Permanece a dúvida se o Blu-ray irá conter a distribuição digital como futuro do formato de entretenimento. O grande diferencial do disco é não precisar de banda larga e discos rígidos de alta capacidade de armazenamento, além dos consumidores estarem habituados a discos CD e DVD. Também já há estudos para um formato sucessor como o HVD que permitirá ainda mais armazenamento possibilitando mais de 100 horas de alta definição ou 3 Terabytes de capacidade por disco.

72 HD DVDBlu-rayHVD Custo inicial por disco gravável US$ 10US$ 18Aprox. US$ 120 Custo inicial por gravador/reprodut or Aprox. US$ 2 mil Aprox. US$ 3 mil Capacidade de armazenamento inicial 30 GB54 GB300 GB Velocidade de leitura/escrita 36,5 Mbps 1 Gbps

73 FIM


Carregar ppt "Disciplina de Aplicações Informáticas Professora: Cátia Sousa Ano Lectivo: 2010/2011 Trabalho elaborado por: Carla Dias nº7 Diogo André nº9 Tiago nº29."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google