A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

APASE SESSÃO DE ESTUDOS 17/06/2011 SUPERVISOR DE ENSINO: Agente fundamental para o desenvolvimento educacional paulista Profª Maria Tereza Cunha.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "APASE SESSÃO DE ESTUDOS 17/06/2011 SUPERVISOR DE ENSINO: Agente fundamental para o desenvolvimento educacional paulista Profª Maria Tereza Cunha."— Transcrição da apresentação:

1 APASE SESSÃO DE ESTUDOS 17/06/2011 SUPERVISOR DE ENSINO: Agente fundamental para o desenvolvimento educacional paulista Profª Maria Tereza Cunha

2 Um pouco da história da supervisão paulista Inspetor Escolar desde os anos 50 Supervisor Pedagógico de 1974 a º EM- LC 114/74 Decreto 5586/75 Decreto 7510/76 Supervisor de Ensino a partir de 1978 LC 201/78 - LC 744/93 Decreto 39902/95 Res SE 53/2000 Com.SE de 30/07/2002 Res.SE 70/10

3 O SUPERVISOR DE ENSINO na Resolução SE Nº 70/ Dispõe sobre: 1. Perfil 2. Atribuições gerais 3. Atribuições específicas da área de atuação 4. Competências e Habilidades necessárias 5. Bibliografia (livros, artigos inst. e legislação)

4 SUPERVISOR DE ENSINO PERFIL PROFISSIONAL - assessorar, acompanhar, orientar e controlar os processos educacionais implantados nos diferentes níveis; - retroinformar aos órgãos centrais:. as condições de funcionamento e demandas das escolas. os efeitos da implantação das políticas FUNÇÕES NO SISTEMA: Articulador e mediador das políticas ed. junto à escolas das redes pública e privada Propositor e executor partícipe de políticas educacionais

5 1. PERFIL Na estrutura organizacional da SEE-SP, o Supervisor de Ensino é o agente fundamental para: - o desenvolvimento das políticas educacionais, - a promoção da qualidade de ensino e do cumprimento da legalidade

6 2. ATRIBUIÇÕES GERAIS Elemento de proposição, articulação e mediação entre as políticas educacionais e as propostas pedagógicas de cada uma das escolas da rede pública; Liderança fundamental na construção da identidade escolar, favorecendo, enquanto mediador, o envolvimento e o compromisso da equipe técnico- pedagógica com a aprendizagem bem sucedida dos alunos; Parceiro da equipe escolar, compartilhando responsabilidades na: - consolidação das propostas pedagógicas das escolas públicas, - implementação de ações voltadas para a gestão da escola - visando a melhoria dos resultados da aprendizagem.

7 Responsabilidades e compromissos Como Agente de Supervisão É CO-RESPONSÁVEL pela qualidade do ensino oferecido pelas escolas, devendo: Identificar os pontos possíveis de aperfeiçoamento ou de revisão nos processos de formulação ou execução das diretrizes e procedimentos Avaliar os impactos dos programas e das medidas implementadas Propor alternativas de melhoria, superação ou correção dos desajustes Buscar soluções e formas adequadas p/ o aprimoramento do trabalho pedagógico, em parceria com as equipes escolares

8 3. ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS DA ÁREA DE ATUAÇÃO 3.1. No Sistema Estadual de Educa ç ão Assessorar, acompanhar, orientar, avaliar e controlar os processos educacionais nas diferentes instâncias: - identificando os aspectos a serem aperfei ço ados ou revistos na implementa ç ão das pol í ticas educacionais, bem como das diretrizes e procedimentos delas decorrentes; - propondo alternativas para supera ç ão dos aspectos a serem aperfei ç oados e/ou revistos;

9 - orientando as escolas quanto ao: cumprimento das normas legais estabelecidas determina ç ões das autoridades superiores; - representando, aos ó rgãos competentes, quando constatar ind í cios de irregularidades; assessorar e/ou participar, de comissões de apura ç ão preliminar e/ou sindicâncias, a fim de apurar poss í veis il í citos administrativos, (com suporte t é cnico de assessoria jur í dica)

10 Locais de Atuação Atua em nível: REGIONAL - Diretoria de Ensino LOCAL - Unidades Escolares das redes pública e privadas Com o fim de: Assegurar diretrizes e procedimentos que garantam o cumprimento de princípios e objetivos estabelecidos constitucional e politicamente; Favorecer, como mediadores, a construção da identidade escolar, por meio da proposta pedagógica de qualidade.

11 Na Equipe de Supervisão de Instância Regional * Participar do processo coletivo de construção do plano de trabalho da Diretoria de Ensino; * realizar estudos e pesquisas, dar pareceres e propor ações voltadas para o desenvolvimento do sistema de ensino; * acompanhar a utilização dos recursos financeiros e materiais para atender as necessidades pedagógicas e aos princípios éticos que norteiam o gerenciamento de verbas públicas; * atuar articuladamente com a Oficina Pedagógica: - na elaboração de seu plano de trabalho, -na orientação e no acompanhamento de ações voltadas à melhoria da atuação docente e do desempenho dos alunos, em vista das reais necessidades e possibilidades das escolas ;

12 Na Equipe de Supervisão de Instância Regional - DER diagnosticar as necessidades de formação continuada, propondo e priorizando ações para a - melhoria da prática docente e - desempenho escolar dos alunos ( em articulação com a Oficina Pedagógica ) * participar da elaboração e do desenvolvimento de programas de educação continuada propostos pela SE para aprimoramento da gestão escolar.

13 Oficina Pedagógica e demais setores da DE Plano de trabalho da DE Comissões Expediente Plantão Reuniões Ordinárias Sessões de estudos Atuação na Diretoria de Ensino Atuação na Diretoria de Ensino Membro da equipe de sup. Membro da equipe de sup. Atua como parte de um grupo Em atitude: participativa e de participativa e de trabalho coletivo trabalho coletivo compartilhado compartilhado

14 Horário Administra- tivo Escala de férias / substituição Acúmulo de Cargo/ Função Zeladoria Plano Escolar/ Gestão Matriz curricular Calendário Escolar Autorização p/ Lecionar Regularização de Vida Escolar Verificação e Anulação de Atos Escolares Convalidação de Atos Escolares Equivalência de EstudosEXPEDIENTE

15 Atuação em nível local - ESCOLA GARANTIA A SERVIÇO DA GARANTIA DE UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE, COMO DIREITO DE TODOS Agente de estado ação em nível de sistema articulada com a equipe escolar ATITUDES DO SUPERVISOR RESPEITO PARCERIA ORIENTAÇÃO COMPETÊN CIA

16 Nas Unidades Escolares da Rede Pública Estadual * Apresentar à equipe escolar as principais metas e projetos da SEE-SP, com vista à sua implementação; * auxiliar a equipe escolar na formulação da Proposta Pedagógica, acompanhando sua execução, sugerindo reformulações, quando necessário; * auxiliar a equipe escolar na formulação de metas voltadas à melhoria do ensino e da aprendizagem dos alunos, articulando-as à Proposta Pedagógica, acompanhando sua implementação, sugerindo reformulações, quando necessário;

17 Nas Unidades Escolares da Rede Pública Estadual * orientar a implementação do currículo adotado pela SEESP, acompanhando e avaliando sua execução, e redirecionando rumos, quando necessário; * acompanhar e avaliar o desempenho da equipe escolar, buscando, numa ação conjunta, soluções e formas adequadas ao aprimoramento do trabalho pedagógico e administrativo da escola; * participar da análise dos resultados do processo de avaliação institucional que permita verificar a qualidade do ensino oferecido pelas escolas, auxiliando na proposição e adoção de medidas para superação de fragilidades detectadas;

18 Nas Unidades Escolares da Rede Pública Estadual * diagnosticar as necessidades de formação continuada, propondo e priorizando ações para a melhoria do desempenho escolar dos alunos em articulação com a Oficina Pedagógica – a partir de indicadores – inclusive dos resultados de avaliações internas e externas; * acompanhar as ações desenvolvidas nas HTPC – em atitude participativa e de trabalho coletivo e compartilhado – realizando estudos e pesquisas sobre temas e situações do cotidiano escolar e para implementação das propostas da SEE-SP; * acompanhar a atuação do Conselho de Classe e Série, analisando os temas tratados, o encaminhamento dado às situações e às decisões adotadas;

19 * orientar a equipe gestora das escolas na, organização dos colegiados e instituições auxiliares, visando: - envolvimento efetivo da comunidade e - funcionamento regular, conforme normas legais e éticas; * assessorar as equipes escolares na - interpretação e cumprimento dos textos legais e - na verificação de documentação escolar; * informar ao Dirigente, por meio de termos de visita e relatórios, as condições de funcionamento pedagógico administrativo, físico, material, bem como as demandas das escolas, - sugerindo medidas para a superação das fragilidades, quando houver.

20 Específico de escolas estaduais Específico de escolas estaduais Horário administrativo / Escala de Substituição e Férias Quadro escolar (QE) Arquivo de acúmulo de cargo Livro ponto doc e administrativo HTPC Conselho de Escola – composição, representatividade,estatuto,atas, projetos, comissões APM - composição, organização,registro atualizado,plano anual de aplicação de Rec, atas ( Assembleia Geral, Diretoria Exec, Cons Fiscal) Balanço anual, contratos Grêmio - estatuto, atas atualizadas, eleições, projetos Conselhos de Classe – atas de reuniões Recursos financeiros – movimentação, gastos e prestação de contas Patrimônio – prédio escolar, equipamentos, mobiliário, manutenção, Zeladoria – situação do zelador e avaliação da qualidade Merenda - controle de estoque, qualidade, higiene, distribuição

21 Atuação nas Escolas da Rede Municipal sem Supervisão Própria e na Rede Particular * Apreciar e emitir parecer sobre as condições necessárias para autorização e funcionamento dos estabelecimentos de ensino e cursos, com base na legislação vigente; * analisar e propor a homologação dos documentos necessários ao funcionamento desses estabelecimentos; * orientar os responsáveis pelos estabelecimentos de ensino quanto ao cumprimento das normas e determinações legais, principalmente quanto aos documentos relativos à vida escolar dos alunos e aos atos neles praticados; * representar aos órgãos competentes, quando constatar indícios de irregularidades, esgotadas orientações e propostas saneadoras, quando couber.

22 ações da supervisão na escola 1 DOCUMENTOS DOCUMENTOSp/ conhecimento, orientação e acompanhamento REGIMENTO ESCOLAR compatibilização das normas com a práticas PROPOSTA PEDAGÓGICA Fins, obj e compromissos c/os ideais educativos Organização Escolar CURSOS Objetivos, fundamentos teórico-metod do ensino, organização curricular ( anos, ciclos, módulos,progressão) Composição curricular (matriz curr, carga horár,quadro/aulas) Estágios planos de ensino Rendimento EscolarSistema de avaliação, instrumentos utilizados, Recuperação Controle da frequência – compensação de ausências Promoção e retenção Organização da Vida Escolar Ingresso (formas e idade prevista) Matrícula transferência Adaptação Avaliação de Competências Classificação Reclassificação PLANO ANUAL DE TRABALHO Plano escolar / anexos do plano de gestão PROJETOS-Da escola -Especiais da SEE responsáveis, nº de alunos, registros de acompanhamento...

23 ações da supervisão na escola 2 ORGANIZAÇÃO ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO FUNCIONAMENTO Atendimento da demanda Nº de alunos / classes / períodos Livro de matrículas Diários de Classe Horário de entrada – saída – recreioQuadro de horários Atividades extra-classePlano Turmas de recuperaçãoProjeto GDAE –alunos cadastrados Alunos fora de lauda Descrição das providências tomadas p/ regularização REGISTROS REGISTROS DE DE VIDA ESCOLAR Matrícula e transferência RM / livro de matrícula Resultados de avaliação arquivo de papeletas atas de resultados parciais e finais Controle de frequência Compensação de ausências Dispensa de freq em Ed Física Comunicação ao Cons Tutelar Adaptação Livro próprio Registro no prontuário Equivalência de estudos Classificação e Reclassificação Documentos emitidos Hist esc,transferências certificados/diplomas

24 Competências e Habilidades Necessárias ao Supervisor de Ensino Competências Gerais 1.Compreender como o contexto social, político e econômico influencia a definição e a implementação das políticas educacionais. 2. Dominar e utilizar metodologias de supervisão e tecnologias da informação como ferramentas para exercer as suas funções. 3. Compreender o papel da Diretoria de Ensino na organização da SEE-SP. 4. Analisar e identificar os principais componentes de um Plano de Educação em nível nacional, estadual e regional.

25 5. Compreender os processos de implementação das políticas educacionais SEE-SP e dos projetos a elas vinculados. 6. Compreender a visão contemporânea de gestão escolar vinculada a resultados. 7. Compreender os sistemas e processos de avaliações externas. 8. Demonstrar conhecimentos, princípios e métodos para exercer a supervisão como elemento catalisador e difusor de inovações e boas práticas de ensino-aprendizagem. 9. Diagnosticar as necessidades de formação continuada dos agentes educacionais. 10. Compreender a importância da autoavaliação e do gerenciamento do autodesenvolvimento profissional.

26 Habilidades Específicas 1.Relacionar o perfil de competência a ser construído pelos alunos às demandas da sociedade do conhecimento. 2. Compreender o papel que as diferentes instâncias da governança educacional exercem na definição e implementação de políticas educacionais: - âmbito nacional e governo federal; - governos estaduais e municipais; - conselhos nacional, estaduais e municipais de educação. 3. Identificar e analisar princípios e normas nacionais, especialmente a LDB e as DCNs. 4. Identificar, analisar, explicar e justificar as políticas educacionais da SEE-SP, no contexto social e de desenvolvimento do Estado de São Paulo, em áreas como: - avaliação externa do desempenho dos alunos; - desenvolvimento curricular; - gestão escolar; - carreira dos professores.

27 5. Identificar, explicar as diretrizes pedagógicas e institucionais para implementar as políticas educacionais da SEE-SP em nível regional e local, considerando a realidade do ensino público estadual paulista e da região na qual opera. 6. Identificar os elementos da organização do ensino, da legislação e normas que fornecem diretrizes para ações de melhoria do desempenho das escolas, seus profissionais e seus alunos. 7. Dominar procedimentos de observação, coleta e registro, organização e análise de dados educacionais bem como os usos de indicadores sociais e educacionais. 8. Compreender e explicar as relações entre Planos de Educação e políticas educacionais.

28 9. Compreender e explicar a relação entre os Planos Nacional, Estaduais e Municipais num país federativo como o Brasil. 10. Reconhecer estratégias, ações e procedimentos adotados em nível regional e local na implementação das políticas educacionais da SEE-SP. 11. Identificar atitudes e ações do supervisor escolar que colaboram para a gestão escolar comprometida com resultados. 12. Mostrar conhecimento das metodologias de gestão de conflitos. 13. Demonstrar capacidade de análise de propostas pedagógicas das UEs. 14. Demonstrar conhecimento de mecanismos de monitoramento da(s) - implementação dos currículos ações de avaliações externas do sistema e - avaliação interna das escolas.

29 16. Identificar o papel dos resultados do SARESP na construção do IDESP. 17. Identificar semelhanças e diferenças entre o IDESP e o IDEB. 18. Reconhecer as principais características dos sistemas de avaliação da educação básica, e compreender os conceitos básicos que as fundamentam. 19. Conhecer os fundamentos conceituais e metodológicos do SARESP 20. Identificar elementos das legislações referidos à prática e exercício da supervisão. 21. Identificar os elementos essenciais do Plano de Trabalho de Supervisão. 22. Identificar as necessidades de formação continuada dos agentes educacionais.

30 Legislação para Supervisor de Ensino - Federal 1. LEI FEDERAL N º 9.394/ Diretrizes e Bases da Educa ç ão Nacional - (Atualizada)LEI FEDERAL N º 9.394/ Parecer CNE/CEB N º 17/ Diretrizes operacionais para a educa ç ão profissional em n í vel nacional - (Vide Decreto N º 5.154/2004 que revogou o Decreto N º 2.208/1997)Parecer CNE/CEB N º 17/1997Decreto N º 5.154/ Parecer CNE/CEB N º 04/1998 e Resolu ç ão CNE/CEB N º 02/1998 -Parecer CNE/CEB N º 04/1998Resolu ç ão CNE/CEB N º 02/1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. superada 4. Parecer CNE/CEB N º 15/1998 Resolu ç ão CNE/CEB N º 03/1998Parecer CNE/CEB N º 15/1998Resolu ç ão CNE/CEB N º 03/1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino M é dio. superada 5. Parecer CNE/CEB N º 22/1998 e Resolu ç ão CNE/CEB N º 01/1999Parecer CNE/CEB N º 22/1998Resolu ç ão CNE/CEB N º 01/1999 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educa ç ão Infantil. superada 6. Parecer CNE/CEB N º 14/1999 e Resolu ç ão CNE/CEB N º 03/1999Parecer CNE/CEB N º 14/1999Resolu ç ão CNE/CEB N º 03/1999 Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educa ç ão Ind í gena. 7. Parecer CNE/CEB N º 16/1999 e Resolu ç ão CNE/CEB N º 04/ Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educa ç ão Profissional de N í vel T é cnico. 8. Parecer CNE/CEB N º 11/2000 e Resolu ç ão CNE/CEB N º 01/2000 superadaParecer CNE/CEB N º 16/1999Resolu ç ão CNE/CEB N º 04/1999Parecer CNE/CEB N º 11/2000Resolu ç ão CNE/CEB N º 01/2000 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educa ç ão de Jovens e Adultos. 9. Parecer CNE/CEB N º 17/2001 e Resolu ç ão CNE/CEB N º 02/2001Parecer CNE/CEB N º 17/2001Resolu ç ão CNE/CEB N º 02/2001 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educa ç ão Especial. 10. PARECER CNE/CP N º 03/2004 e Resolu ç ão CNE/CP N º 01/2004PARECER CNE/CP N º 03/2004Resolu ç ão CNE/CP N º 01/2004 Institui as diretrizes curriculares nacionais para a Educa ç ão das rela ç ões É tnico- Raciais e para o Ensino de Hist ó ria e Cultura Afro-Brasileira e Africana.

31 DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS - ATUALIZAÇÃO 1. EDUCAÇÃO BÁSICA Parecer CNE/CEB nº 7/2010 Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 4/2010 Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação BásicaResolução CNE/CEB nº 4/ EDUCAÇÃO INFANTIL Parecer CNE/CEB nº 20/2009 Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Resolução CNE/CEB nº 5/2009 Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Resolução CNE/CEB nº 5/ ENSINO FUNDAMENTAL Parecer CNE/CEB nº 11/2010 Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 anos. Resolução CNE/CEB nº 7/2010 Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 anos Resolução CNE/CEB nº 7/ ENSINO MÉDIO Parecer CNE/CEB nº 5/2011, aprovado em 5 de maio de 2011 Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.

32 DCN - ATUALIZAÇÃO 5. EJA Parecer CNE/CEB nº 6/2010, aprovado em 7 de abril de 2010 Reexame do Parecer CNE/CEB nº 23/2008, que institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos – EJA, nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima e certificação nos exames de EJA; e Educação de Jovens e Adultos desenvolvida por meio da Educação a Distância. Resolução CNE/CEB nº 3, de 15 de junho de 2010 Resolução CNE/CEB nº 3, de 15 de junho de 2010 Institui Diretrizes Operacionais para a Educação de Jovens e Adultos nos aspectos relativos à duração dos cursos e idade mínima para ingresso nos cursos de EJA; idade mínima e certificação nos exames de EJA; e Educação de Jovens e Adultos desenvolvida por meio da Educação a Distância. 6. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA PARECER CNE/CEB 16/99 RESOLUÇÃO CNE/CEB 04/99 DECRETO 5 154/04 RESOLUÇÕES CNE/CEB 1/06 e 03/08

33 Legislação para Supervisor de Ensino – Estadual 11. LEI COMPLEMENTAR Nº 1.078/ Institui Bonificação por Resultados – BR, no âmbito da Secretaria da Educação, e dá providências correlatas.LEI COMPLEMENTAR Nº 1.078/ LEI COMPLEMENTAR Nº 1.097/ Institui o Sistema de Promoção para os integrantes do Quadro do Magistério na Secretaria da Educação e dá outras providências. 13. DECRETO Nº /2009 -Dispõe sobre as jornadas de trabalho do pessoal docente do Quadro do Magistério e dá providências correlatas.LEI COMPLEMENTAR Nº 1.097/2009DECRETO Nº / DELIBERAÇÃO CEE Nº 09/1997 e Indicação CEE Nº 08/ Institui, no Sistema de Ensino do Estado de São Paulo, o Regime de Progressão Continuada no Ens. Fundamental.DELIBERAÇÃO CEE Nº 09/1997 e Indicação CEE Nº 08/ DELIBERAÇÃO CEE Nº 10/1997 e Indicação CEE Nº 09/ Fixa normas para elaboração do Regimento dos Estabelecimentos de Ensino Fundamental e Médio.DELIBERAÇÃO CEE Nº 10/1997 e Indicação CEE Nº 09/ DELIBERAÇÃO CEE Nº 82/2009 e Indicação CEE Nº 82/ Estabelece diretrizes para os Cursos de Educação de Jovens e Adultos em nível do Ensino Fundamental e Médio, instalados ou autorizados pelo Poder Público no Sistema de Ensino do Estado de são Paulo.DELIBERAÇÃO CEE Nº 82/2009 e Indicação CEE Nº 82/ PARECER CEE Nº 67/ Normas Regimentais Básicas para as Esc Estaduais.PARECER CEE Nº 67/ COMUNICADO SE 21/12/ Orientações para implantação do Programa Ler e Escrever.COMUNICADO SE 21/12/2007


Carregar ppt "APASE SESSÃO DE ESTUDOS 17/06/2011 SUPERVISOR DE ENSINO: Agente fundamental para o desenvolvimento educacional paulista Profª Maria Tereza Cunha."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google