A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

CRIME ORGANIZADO: PREVENÇÃO E ENFRENTAMENTO DPF JOSÉ FERNANDO M. CHUY MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO RIO GRANDE DO SUL.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "CRIME ORGANIZADO: PREVENÇÃO E ENFRENTAMENTO DPF JOSÉ FERNANDO M. CHUY MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO RIO GRANDE DO SUL."— Transcrição da apresentação:

1 CRIME ORGANIZADO: PREVENÇÃO E ENFRENTAMENTO DPF JOSÉ FERNANDO M. CHUY MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO RIO GRANDE DO SUL

2 CRIME ORGANIZADO 1º - Reconhecer; 1º - Reconhecer; 2º - Conhecer; 2º - Conhecer; 3º - Organizar-se; 3º - Organizar-se; 4º - Prevenção; 4º - Prevenção; "É melhor prevenir os crimes do que puní-los.( Cesare Beccaria ) "É melhor prevenir os crimes do que puní-los.( Cesare Beccaria ) 5º - Combate – Enfrentamento.

3 A ARTE DA GUERRA Sun Tzu, um dos mais sábios e importantes textos de estratégia militar.escrito no século IV a.C. Sun Tzu, um dos mais sábios e importantes textos de estratégia militar.escrito no século IV a.C. Sun Tzuséculo IV a.C. Sun Tzuséculo IV a.C. "Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas."

4 CRIME ORGANIZADO CARACTERÍSTICAS

5

6

7

8

9 FINS LUCRATIVOS FINS LUCRATIVOS SUPORTE BÁSICO SUPORTE BÁSICO COMPETIÇÃO COMPETIÇÃO CONTROLE DE MERCADOS CONTROLE DE MERCADOS CRIME ORGANIZADO CARACTERÍSTICAS

10

11 CONDUTAS SOFISTICADAS NÃO VIOLENTAS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA/ SIST FINANCEIRO CONDUTAS SOFISTICADAS NÃO VIOLENTAS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA/ SIST FINANCEIRO

12 MERCADO INTERNACIONAL PRODUÇÃO – COMERCIALIZAÇÃO VAREJO MERCADO INTERNACIONAL PRODUÇÃO – COMERCIALIZAÇÃO VAREJO

13 ATIVIDADE INDISPENSÁVEL EMERGENTE LEGITIMAÇÃO ATIVIDADE INDISPENSÁVEL EMERGENTE LEGITIMAÇÃO

14 ATIVIDADES DISTINTAS REDES COMÉRCIO ATIVIDADES DISTINTAS REDES COMÉRCIO

15 VIOLÊNCIA PLANEJAMENTO RISCO VIOLÊNCIA PLANEJAMENTO RISCO

16 INTIMIDAÇÃO REPERCUSSÃO PLANEJAMENTO INTIMIDAÇÃO REPERCUSSÃO PLANEJAMENTO

17 ENCOMENDA MOTIVAÇÃO COBERTURA ENCOMENDA MOTIVAÇÃO COBERTURA

18 PROSTITUIÇÃO FACHADA INTERNACIONAL PROSTITUIÇÃO FACHADA INTERNACIONAL

19 CLÁSSICA COMPLEXA DISTINTOS NÍVEIS CLÁSSICA COMPLEXA DISTINTOS NÍVEIS

20

21 TRÁFICO DE ÓRGÃOS CRIMES CIBERNÉTICOS LAVAGEM DE DINHEIRO PIRATARIA E BIOPIRATARIA ESPIONAGEM INDUSTRIAL

22 BUSCA INCESSANTE

23

24

25

26 AÇÕES CONTROLADAS FORÇA TAREFA CONFISCO DE BENS INVESTIGAÇÃO FINANCEIRA COLABORAÇÃO EFICAZ VIGILÂNCIA ELETRÔNICA INFILTRAÇÃO POLICIAL MANDADOS DE BUSCA MANDADOS DE BUSCA

27 AÇÃO LEGAL MÚLTIPLO EMPREGO CONTROLES AÇÃO LEGAL MÚLTIPLO EMPREGO CONTROLES

28 CONVENÇÃO DE VIENNA – ONU – 1988 CONVENÇÃO DA ONU CONTRA A CORRUPÇÃO – 2006 CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TRÁFICO DE ARMAS – CIFTA – 1999 CONVENÇÃO DE PALERMO CONTRA O CRIME ORGANIZADO – ONU – 2000 CONVENÇÃO DE VIENNA – ONU – 1988 CONVENÇÃO DA ONU CONTRA A CORRUPÇÃO – 2006 CONVENÇÃO INTERAMERICANA CONTRA O TRÁFICO DE ARMAS – CIFTA – 1999 CONVENÇÃO DE PALERMO CONTRA O CRIME ORGANIZADO – ONU – 2000

29 CONSISTE EM RETARDAR A INTERDIÇÃO POLICIAL DO QUE SE SUPÕE A AÇÃO PRATICADA POR ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS OU A ELA VINCULADO, DESDE QUE MANTIDA SOB OBSERVAÇÃO E ACOMPANHAMENTO PARA QUE A MEDIDA LEGAL SE CONCRETIZE NO MOMENTO MAIS EFICAZ DO PONTO DE VISTA DA FORMAÇÃO DE PROVAS E FORNECIMENTO DE INFORMAÇÕES. (Artigo 2º da Lei 9.034/95)

30 - Autoridades portuguesas descobrem organização criminosa transportando significativa quantidade de cocaína do Brasil para Portugal por via aérea. - integração Adidância da PF em Portugal com UNCTE, instituição portuguesa de combate ao narcotráfico - Investigação conjunta;

31 -Esquema: contratar uma pessoa para transportar por via aérea pacotes de cocaína, escondendo a droga em bagagens de mão ou no próprio corpo. Durante o vôo alvo entrava no banheiro da aeronave e escondia os pacotes com a droga no fundo do recipiente de lixo. Ao chegar ao aeroporto em Lisboa, o viajante desembarcava sem o entorpecente e sem levantar suspeitas. Os pacotes eram recolhidos por funcionário do aeroporto, participante do esquema.

32 . - Descobriu-se que uma cidadã mo ç ambicana embarcaria BH – MG. - PF acionada para proceder à vigilância da suspeita. No acordo entre os dois pa í ses foi combinado que a a ç ão de prisão fosse retardada para que pudessem seguir todos os passos do esquema, de forma a detectar as etapas da atividade at é a entrega da droga em territ ó rio português. Assim seria desarticulada a organiza ç ão criminosa. - Destacado no Brasil um policial federal com o objetivo de acompanhar e realizar a vigilância. A envolvida foi investigada desde o momento em que desembarcou no Brasil e se hospedou em um hotel.

33

34 Policial embarcou no mesmo vôo da suspeita para Lisboa. Durante o trajeto ele fotografou o momento em que ela entrou no banheiro. Registrou tamb é m o pacote com a droga deixada na lixeira do banheiro.

35 Ao aterrissar em Lisboa, um policial português disfarçado de funcionário da limpeza entrou na aeronave e verificou a existência dos pacotes. O policial português conseguiu prender o funcionário que retirou o saco de lixo com os pacotes de cocaína. Ao mesmo tempo a polícia portuguesa prendia a cidadã moçambicana juntamente com outro envolvido no esquema. SALDO DA OPERAÇÃO CONJUNTA PRISÃO DE CINCO PESSOAS + APREENSÃO DE 5,3 KG DE COCAÍNA E VEÍCULOS

36 COLABORAÇÃO EFICAZ BARGANHA ECONÔMICO COLABORAÇÃO EFICAZ BARGANHA ECONÔMICO

37 RECURSO LEGAL ALTO RISCO SELETIVA RECURSO LEGAL ALTO RISCO SELETIVA

38 COMPLEMENTO INTELIGÊNCIAPROVA / INTELIGÊNCIA DIFICULDADES COMPLEMENTO INTELIGÊNCIAPROVA / INTELIGÊNCIA DIFICULDADES

39 INTEGRAÇÃO DE AGÊNCIAS ALVOS SELETIVOS GRAVE AMEAÇA INTEGRAÇÃO DE AGÊNCIAS ALVOS SELETIVOS GRAVE AMEAÇA

40 INTEGRAÇÃO DE DISTINTAS AGÊNCIAS OFICIAIS, CONSTITUINDO UM SÓ CORPO OPERACIONAL, ATUANDO DE FORMA COORDENADA PARA ENFRENTAMENTO DE ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS DE ALTO POTENCIAL OFENSIVO E/OU A PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO ESTRATÉGICO.

41 MEDIDA EFICAZ VISÃO CAPITALISTA REAPARELHAMENTO MEDIDA EFICAZ VISÃO CAPITALISTA REAPARELHAMENTO

42

43

44 RECOMENDAÇÃO INTERNACIONAL VISÃO CAPITALISTA CONFISCO RECOMENDAÇÃO INTERNACIONAL VISÃO CAPITALISTA CONFISCO MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL INVESTIGAÇÃO FINANCEIRA

45 LIMPA FIDEDIGNA DADOS PROTEGIDOS LIMPA FIDEDIGNA DADOS PROTEGIDOS MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL INVESTIGAÇÃO FINANCEIRA

46 ECONÔMICA SINAIS EXTERIORES FATOR DE INTEGRAÇÃO ECONÔMICA SINAIS EXTERIORES FATOR DE INTEGRAÇÃO MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL INVESTIGAÇÃO FINANCEIRA

47

48 ADESÃO DE EMPRESAS ADESÃO DE EMPRESAS ASSUNTOS INTERNOS ASSUNTOS INTERNOS PROTEÇÃO A TESTEMUNHA PROTEÇÃO A TESTEMUNHA CONTROLE DE APENADOS CONTROLE DE APENADOS CONTROLE DE INFORMANTES CONTROLE DE INFORMANTES

49 "O inimigo hoje é o crime. Vamos nos unir e vamos derrotá-lo. Fernando Henrique Cardoso

50 DELEGACIA DE REPRESSÃO A CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO JOSÉ FERNANDO MORAES CHUY DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO RIO GRANDE DO SUL 55 (51) –

51

52 FORÇAS DE SEGURANÇA - SELETIVIDADE Alvos expressivos Grupo criminoso organizado Avaliação do potencial ofensivo (indicativos) Capacidades (fortalezas x vulnerabilidade)

53 Decisão superior Decisão superior (autoridade policial) Disciplina operacional Disciplina operacional Oportunidade - conveniência Oportunidade - conveniência

54 PRIORIZAR O CONHECIMENTO SOBRE AS ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS, DE MAIOR POTENCIAL OFENSIVO, ATRAVÉS DE ATIVIDADES PERMANENTES DE INTELIGÊNCIA, COM ÊNFASE ESPECIAL À INVESTIGAÇÃO FINANCEIRA.

55 RELAÇÕES SOCIAIS, POLÍTICAS E ECONÔMICAS;RELAÇÕES SOCIAIS, POLÍTICAS E ECONÔMICAS; ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ACÚMULO DE PODER ACÚMULO DE PODER INTERESSE FINANCEIRO INTERESSE FINANCEIRO

56 CRIMES GRAVES E SÉRIOS AMEAÇA AO ESTADO PODER PARALELO CRIMES GRAVES E SÉRIOS AMEAÇA AO ESTADO PODER PARALELO

57 AVALIAÇÃO E INDICADORES DO POTENCIAL OFENSIVO...

58

59 ÁREA DE ATUAÇÃO DANO SOCIAL INTIMIDAÇÃO E AMEAÇA ÁREA DE ATUAÇÃO DANO SOCIAL INTIMIDAÇÃO E AMEAÇA

60 CORRUPÇÃO E INFILTRAÇÃO ENVOLVIMENTO DE AGENTES PÚBLICOS CORRUPÇÃO E INFILTRAÇÃO ENVOLVIMENTO DE AGENTES PÚBLICOS

61 SOFISTICAÇÃO VALORES ENVOLVIDOS TRANSNACIONALIDADE SOFISTICAÇÃO VALORES ENVOLVIDOS TRANSNACIONALIDADE

62

63 REPRESSÃO CONTINUADA; INFORMAÇÕES PROCESSADAS SOBRE DETERMINADO ASSUNTO. TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO REPRESSÃO CONTINUADA; INFORMAÇÕES PROCESSADAS SOBRE DETERMINADO ASSUNTO. TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO

64 RECOMENDAÇÃO INTERNACIONAL; SUPORTE INDISPENSÁVEL PARA O CONFISCO DE BENS; MEDIDA EFICAZ PARA O DESMANTELAMENTO DOS GRUPOS CRIMINOSOS ORGANIZADOS RECOMENDAÇÃO INTERNACIONAL; SUPORTE INDISPENSÁVEL PARA O CONFISCO DE BENS; MEDIDA EFICAZ PARA O DESMANTELAMENTO DOS GRUPOS CRIMINOSOS ORGANIZADOS

65 PRIORIZAR O CONHECIMENTO SOBRE AS ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS, DE MAIOR POTENCIAL OFENSIVO, ATRAVÉS DE ATIVIDADES PERMANENTES DE INTELIGÊNCIA, COM ÊNFASE ESPECIAL À INVESTIGAÇÃO FINANCEIRA.

66 DELEGACIA DE REPRESSÃO A CRIMES CONTRA O PATRIMÔNIO JOSÉ FERNANDO MORAES CHUY DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO RIO GRANDE DO SUL 55 (51) –


Carregar ppt "CRIME ORGANIZADO: PREVENÇÃO E ENFRENTAMENTO DPF JOSÉ FERNANDO M. CHUY MJ – DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL NO RIO GRANDE DO SUL."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google