A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Emissões de N 2 O pelo manejo de dejetos e de solos agrícolas Bruno Alves Embrapa Agrobiologia Magda Lima Embrapa Meio-Ambiente.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Emissões de N 2 O pelo manejo de dejetos e de solos agrícolas Bruno Alves Embrapa Agrobiologia Magda Lima Embrapa Meio-Ambiente."— Transcrição da apresentação:

1 Emissões de N 2 O pelo manejo de dejetos e de solos agrícolas Bruno Alves Embrapa Agrobiologia Magda Lima Embrapa Meio-Ambiente

2 Inventário em escala municipal para o período de 1990 a 2008 Municípios do Estado de São Paulo (IBGE)

3 Metodologia: IPCC (1996) e GBP-IPCC (2000) N2ON2O Solos agrícolas Manejo de dejetos de animais do rebanho Emissões diretas Emissões indiretas Agropecuária

4 Manejo de dejetos Número de cabeças de cada espécie/categoria T do rebanho Quantidade média anual de N excretada por cabeça de cada espécie/categoria T do rebanho Fração da excreção anual total de cada espécie/categoria do rebanho T que é manejada no sistema S IBGE - PPM

5 Categoria do rebanhoIdade (anos)kg N/animal/ano Bovinos de corte 0 – 1 12,0 1 – 2 24,0 > 2 40,0 Bovinos de leite 0 – 1 21,0 1 – 2 42,0 > 2 70,0 Suínos 0-0,5 8,0 > 0,5 16,0 Ovinos e caprinos 0-1 6,0 > 1 12,0 Aves 0-0,25 0,3 >0,25 0,6 Outros - 40,0 Quantidade média anual de N excretada por cabeça de cada espécie/categoria T do rebanho Fonte: IPCC (1996), Região America Latina; GBP-IPCC (2000).

6 Distribuição do nitrogênio de excretas de animais do rebanho por municípios do Estado de São Paulo, para os anos de 1990, 1994, 2000, 2005 e 2008.

7 Fração da excreção anual total de cada espécie/categoria do rebanho por sistema de manejo de dejeto Fonte: IBGE – Informações de segmentos da pecuária – IPCC Principais sistemas de manejos informados Similar descrito no GPG-IPCC Descrição (tradução aproximada do existente na GPG-IPCC, 2000) Sem manejoPasture/range/ paddock Fezes e urina são depositadas diretamente em pastagens, ou seja, não existe manejo dos dejetos. Esterqueira > 30 dias < 30 dias Open pit Armazenamento combinado de fezes e urina sob confinamentos de animais. Aviário, com camaPoultry manure with bedding Os dejetos são excretados sobre uma cama, onde os animais podem caminhar Aviário, sem camaPoultry manure without bedding Os dejetos são excretados no chão, sem a cama, mas os animais não podem caminhar no local. Lagoas anaeróbicasAnaerobic lagoon São caracterizados por sistemas que utilizam água para remover as excretas produzidas, com posterior deposição em lagoas, aí permanecendo por longo período. BiodigestoresAnaerobic digester Fezes e urina são digeridas anaerobicamente para produzir gás CH 4 para fins energéticos OutrosOthers Outros sistemas

8 Fontes Gg N 2 O Esterqueiras0,0440,0460,0470,0440,047 Aviário (com e sem cama) 0,4490,5190,7850,9721,354 Lagoa anaeróbica0,009 0,008 Biodigestor0,000 0,0020,003 Outros0,4540,4780,4610,4630,451 Total0,961,051,301,491,86 Emissões de N 2 O pelos diferentes sistemas de manejo de dejetos nos anos de 1990, 1994, 2000, 2005 e 2008, para o estado de São Paulo

9 Solos agrícolas Fertilizantes (nitrogênio) Resíduos de colheita Fixação de N 2 Adubos orgânicos Cultivo de solos orgânicos Emissões diretas Emissões indiretas N excretado depositado em pastagens

10 Consumo aparente de nitrogênio, na forma de fertilizante sintético, no Estado de São Paulo, para o período de 1990 a 2008 (ANDA, ). Estimativa de uso de N-fertilizante por municípios Cultura Faixa de recomenda ção Dose média considera da 1 Cultura Faixa de recomenda ção Dose média considerad a kg N ha -1 Abacaxi100 – Abacate30 – Algodão25 – 8060Banana120 – Alho60 – 10070Seringueir a 40 – 6060 Arroz Cacau50 Batata doce40 – 5050Café50 – Batata inglesa 80 – Chá da Índia 150 – Cana-de- açúcar Coco da Baia – Cebola60 – 9070Figo140 – Ervilha0 – 4020Goiaba80 – Feijão20 – 10060Laranja30 – Fumo10 – 6040Limão30 – Mamona45 – 7560Mamão90 – Mandioca0 – 4020Manga20 – 5040 Melancia80 – Maracujá40 – Melão80 – Noz50 – Milho20 – 17090Palmito110 – Sorgo20 – 12060Pêra120 – Tomate90 – Pessego120 – Trigo20 – 7050Tangerina40 – Triticale20 – 7050Urucum50 -- Uva200 – Faixas de recomendação de fertilização nitrogenada para culturas plantadas no Estado de São Paulo (IAC, Boletim 100)

11 Distribuição do nitrogênio consumido, na forma de fertilizante sintético, no Estado de São Paulo, para os anos de 1990, 1994, 2000, 2005 e 2008

12 Estimativa da quantidade de N adubos orgânicos por municípios Todo o N excretado pelos animais que é manejado Estimativa da quantidade de N de dejetos depositados diretamete em pastagens por municípios Todo o N excretado pelos animais que não é manejado

13 Fluxos de N 2 O medidos nos vasos com as variedades de soja nodulante e não-nodulante, e no solo sem planta, durante os 64 dias de crescimento das plantas (CARDOSO et al, 2008). A Fixação de N 2 não foi considerada fonte direta de N 2 O IPCC (2006) + Resultados da Embrapa

14 Estimativa da quantidade de N em resíduos de culturas por municípios Produtividade IBGE - PAM N em resíduos Aplicação de fatores obtidos de publicações nacionais Cultivar(Res x Frac DM )/ (Crop BF x Frac DM ) (Frac NCRBF )Referência Soja1,980,009 Zotarelli (2000); Araújo (2004); Padovan et al. (2005) Milho1,490,008 Argenta et al. (2003); Araújo (2004); Gava et al. (2006); Aguiar e Moura (2003); Duarte et al. (2003); Demetrio et al. (2005) Arroz1,050,008 Costa et al. (2000); Guimarães et al. (2008); Carvalho-Pupatto et al. (2004); Paranhos et al (1995); Fageria (1984) Feijão1,490,017 Perin et al. (2002) Mandioca1,420,014 Vidigal Filho et al. (2000); Sagrilo et al. (2002); Cardoso Junior et al. (2005); Lorenzi et al. (1981) Cana-de- açúcar Dados de resíduos do inventário de Queima de Resíduos Agrícolas 0,006 inventário de Queima de Resíduos Agrícolas

15 N em resíduos vegetais [mil toneladas] Quantidade de N que retorna ao solo na forma de resíduos de culturas permanentes e temporárias no Estado de São Paulo

16 Distribuição do nitrogênio de resíduos de culturas nos municípios do Estado de São Paulo, para os anos de 1990, 1994, 2000, 2005 e 2008.

17 Mapa de solos do Estado de São Paulo (Instituto Agronômico de Campinas). Cultivo de solos orgânicos (Organossolos) Área por município

18 Fontes Gg N 2 O Diretas21,6823,9624,9927,7928,31 Fertilizantes e Adubos (animal) 6,287,698,139,7110,40 Resíduos de culturas2,442,563,364,255,66 Solos orgânicos1,912,112,412,662,86 Excretas depositadas em pastagens 11,0411,6011,1011,189,38 Indiretas8,128,578,378,517,63 TOTAL29,8032,5233,3736,3035,94 Emissões de N 2 O para o estado de São Paulo

19 Distribuição das emissões de N 2 O de solos agrícolas nos municípios do Estado de São Paulo, para os anos de 1990, 1994, 2000, 2005 e 2008.

20 Obrigado! Bruno Alves –


Carregar ppt "Emissões de N 2 O pelo manejo de dejetos e de solos agrícolas Bruno Alves Embrapa Agrobiologia Magda Lima Embrapa Meio-Ambiente."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google