A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

I CURSO DE VIA DE ADMINISTRAÇÃO EM CUIDADOS PALIATIVOS DO NASPEC Kátia Baldini Enfermeira do NASPEC HIPODERMÓCLISE Via de administração em Cuidados Paliativos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "I CURSO DE VIA DE ADMINISTRAÇÃO EM CUIDADOS PALIATIVOS DO NASPEC Kátia Baldini Enfermeira do NASPEC HIPODERMÓCLISE Via de administração em Cuidados Paliativos."— Transcrição da apresentação:

1 I CURSO DE VIA DE ADMINISTRAÇÃO EM CUIDADOS PALIATIVOS DO NASPEC Kátia Baldini Enfermeira do NASPEC HIPODERMÓCLISE Via de administração em Cuidados Paliativos

2 CONCEITO HIPODERMÓCLISE Infusão por via subcutânea de fluidos isotônicos e/ou medicamentos.

3 OBJETIVO Reposição hidroeletrolítica Terapia medicamentosa

4 HISTÓRICO Método conhecido há mais de 100 anos 1940 – Gaisford e Evans – hidratação em crianças para evitar a punção venosa 1950 – Desuso por infusão rápida de fluidos hipotônicos, com sobrecarga hídrica e cardiovascular 1980 – Retorno após estudos comprovando a eficácia Retorno pelo CSTO (medicação sc) Prática no Inca (hidratação sc)

5 COMPROVAÇÃO DA EFICÁCIA Idosos voluntários e saudáveis, foram submetidos à infusão de solução salina intravenosa ou subcutânea marcada com um radioisótopo. A velocidade de infusão foi de 167 ml/h e após 75 min do término da infusão já não era mais detectado radiação no subcutâneo. Lipschitz et al, J Am Geriatr Soc 1991

6 COMPROVAÇÃO DA EFICÁCIA Infusão subcutânea e intravenosa de solução com tecnécio: Meia vida de absorção - não mostrou mudança consistente durante a infusão subcutânea. Osmolaridade - entre os pacientes que receberam as infusões era a mesma. Roberts et al, J Pharmacokinet Biopharm 1997

7 1982 – Estudo com 67 idosos com hipocalemia moderada. Instalado infusão de SF 0,9% ou SG 5% com 34 mmol de KCL. Tempo de infusão de 3 a 4 horas. Resultado: Idêntico ao alcançado com a solução intravenosa. Alguns pacientes reclamaram de desconforto durante a infusão que foi resolvido com diminuição do gotejamento. COMPROVAÇÃO DA EFICÁCIA Schen RJ, Singer-Edelstein, J Am Geriatr Soc 1981

8 ANATOMIA

9 Formada por tecido adiposo Camada mais interna Funções Isolante térmico Conexão da pele com estruturas profundas Preenchimento Coxim / Acolchoamento Depósito energético

10 FISIOLOGIA

11

12

13 Força Hidrostática de Perfusão

14 INDICAÇÕES Impossibilidade VO embotamento cognitivo náuseas/vômitos obstrução intestinal por neoplasia AVE

15 INDICAÇÕES Impossibilidade de acesso venoso flebites trombose de vaso infecção

16 INDICAÇÕES Permanência domiciliar método seguro sem graves complicações facilmente manipulado pelo paciente ou familiar/cuidador

17 INDICAÇÕES Níveis de desidratação Desidratação moderada Caquexia neoplásica Ronchon et al, J Gerontol A Biol Sci Med Sci 1997

18 CONTRA-INDICAÇÕES Distúrbios de coagulação Risco severo de congestão pulmonar (ex: ICC) Edema Anasarca

19 VANTAGENS Baixo custo Manuseio simples (uso em domicílio) Administração fácil Exige menos horas de supervisão técnica Alta hospitalar precoce (hidratação e medicação analgésica)

20 VANTAGENS Mínimo desconforto (dor, limitação) Menor risco de hiperhidratação e de sobrecarga cardíaca Baixa incidência de infecção A infusão pode ser interrompida a qualquer momento sem risco de trombose

21 Limite para infusão rápida de drogas e de volume (choque hipovolêmico, desidratação severa) Impossibilidade de ajuste rápido de doses DESVANTAGENS

22 LIMITAÇÕES Tempo – de acordo com volume, droga e evolução clínica Drogas - de acordo com as compatibilidades. Volume - Baixo até 3000 ml (1500ml/sítio) em 24 h. Velocidade de infusão – Baixa até (1 ml/min)

23 COMPLICAÇÕES Sobrecarga cardíaca Reações locais: - edema - dor - inflamação - hematoma - infecção - necrose do tecido Infusão subcutânea em idosos (65 à 82 anos) Schen RJ, Singer-Edelstein, J Am Geriatr Soc idosos

24 DROGAS ADMINISTRADAS VIA SUBCUTÂNEA Opiáceo Morfina, Fentanil e Tramadol Antiemético Haloperidol, Metroclopramida, Ondasedron Análogo somatostatina Octreotide Sedativo Midazolan e Fenobarbital Anti-histamínico Prometazina e Hidroxizina Anticolinégico Atropina e Escopolamina Corticosteróide Dexametasona Bloqueadores H2 Ranitidina Diuréticos Furosemida

25 OUTRAS DROGAS ADMINISTRADAS VIA SUBCUTÂNEA Antibióticos (ampicilina melhor tolerada no subcutâneo do que na infusão IV, segundo estudo) Quimioterápicos Estudos insuficientes Champoux N et al, Br J Clin Pharmacol 1996

26 DROGAS NÃO ADMINISTRADAS VIA SUBCUTÂNEA Diazepan Diclofenaco Clorpromazina Dexametasona + Haloperidol Dexametasona + Ranitidina Dexametazona + Midazolan Ranitidina + Midazolan Eletrólitos não diluídos

27 COMPATIBILIDADE

28 CONSIDERAÇÕES Hialuronidase Enzima que promove a desagregação do ácido hialurônico, diminuindo sua viscosidade e aumentando a difusão dos fluidos no SC. Aumenta a absorção do tecido subcutâneo, através da lise temporária da barreira natural do tecido.

29 CONSIDERAÇÕES Fluidos são absorvidos por difusão capilar Absorção fica reduzida quando há comprometimento da irrigação no sítio de infusão Soluções com extremos de ph ( 11) tem risco aumentado de precipitação ou irritação Soluções isotônicas são melhor toleradas Opióides são geralmente bem toleradas e esta via é muito utilizada para medicação de resgate. Níveis séricos de opioídes por via SC são comparáveis ao nível por via IV.

30 EXECUÇÃO DA TÉCNICA Materiais necessários: Solução preparada para ser instalada (soro, medicações) Equipo com dosador (ml/hora) Solução anti-séptica Gaze, luva de procedimento Scalp 25, 27, 23 (tipo butterfly) Seringas de 5 ml SF 0,9% 1 ml Filme transparente para fixar Esparadrapo para datar

31 EXECUÇÃO DA TÉCNICA Instalação da hipodermóclise Explicar ao paciente sobre o procedimento Escolher o local da infusão Fazer anti-sepsia e fazer a dobra na pele Introduzir o scalp num ângulo de 30 a 45° (a agulha deve estar solta no espaço subcutâneo) Fixar o scalp com o filme transparente Assegurar de que nenhum vaso foi atingido Aplicar a medicação ou conectar o scalp ao equipo da solução Datar e identificar a fixação

32 ESCOLHA DO SÍTIO DE PUNÇÃO Região do deltóide Região anterior do tórax Região escapular Região abdominal Face lateral da coxa

33 15º30º45º60º ANGULAÇÃO E GOTEJAMENTO GOTEJAMENTO 75 ml/h150 ml/h Não é necessário o uso de hialuronidase quando < 125 ml/h

34 CUIDADOS DE ENFERMAGEM Monitorar o sítio da punção quanto - edema - endurecimento - calor - eritema nas primeiras 4 horas - SQN Monitorar o paciente quanto - sinais de infecção (presença de febre, calafrio, dor, cefaléia, ansiedade) - sinais de sobrecarga cardíaca (taquicardia, turgência jugular, hipertensão arterial, tosse, dispnéia)

35 CUIDADOS DE ENFERMAGEM Fazer rodízio do sítio de punção a cada 72 h, respeitando a distância de 5 cm do local da punção anterior Após a administração de medicação, injetar 0,5 ml de SF 0,9% Edema local (massagem)

36 PASSO A PASSO

37

38 VISUALIZAÇÃO ACESSO SC

39 CONCLUSÃO O conhecimento da técnica e dos cuidados relacionados à Hidratação Subcutânea permite ao enfermeiro maior possibilidade de atuação no que se refere ao controle de sintomas em pacientes com câncer avançado, contribuindo para uma melhora da qualidade de vida e proporcionando maior conforto para pacientes, familiares e equipe.

40 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Gaisford W, Evans DG. Hyaluronidase in pediatric therapy. Lancet 1949; II: Lipschitz S, Campell AJ, Roberts MS. Subcutaneous fluid administration in elderly subjects: validation of an under- used technique. J Am Geriatr Soc 1991; 39: 6-9 Roberts MS, Lipschitz S, Campell AJ, et al. Modeling of subcutaneous absortion kinetics of infusion solutions in the elderly using technetium. J Pharmacokinet Biopharm 1997; 25 (1): 1-21 Ronchon PA, Gill SS, Litner J, et al. A systematic review of the evidence for hypodermoclysis to treat dehydration in older people. J Gerontol A Biol Sci Med Sci 1997; 52 (3): M169-76

41 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Champoux N, Du Souch P, Ravacarinoro M, et al. Single dose pharmacokinetics of ampicillin and tobramycin administered by hypodermoclysis in young and older healthy volunteers. Br J Clin Pharmacol 1996; 42 (3): Frisoli, A. J.; Paula, A. P.; F., D; Nasri, F Subcutaneous Hydration By Hypodermoclysis: A Practical and Low Cost Treatment for Elderly Patients. Drugs&Aging,16(4), , Disponível na world wide web: (Acesso em 02/05/2005) BRASIL.. INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER MINISTÉRIO DA SAÚDE. Cuidados Paliativos Oncológicos – Controle de Sintomas – Controle da Dor p 45, 53 – 56.


Carregar ppt "I CURSO DE VIA DE ADMINISTRAÇÃO EM CUIDADOS PALIATIVOS DO NASPEC Kátia Baldini Enfermeira do NASPEC HIPODERMÓCLISE Via de administração em Cuidados Paliativos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google