A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Ensaio de irritação primária de pele (efeito agudo) - Avaliação da toxicidade dérmica do óleo de Copaíba. Medicina Tainiely Barbosa Fernandes 1, Karina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Ensaio de irritação primária de pele (efeito agudo) - Avaliação da toxicidade dérmica do óleo de Copaíba. Medicina Tainiely Barbosa Fernandes 1, Karina."— Transcrição da apresentação:

1 Ensaio de irritação primária de pele (efeito agudo) - Avaliação da toxicidade dérmica do óleo de Copaíba. Medicina Tainiely Barbosa Fernandes 1, Karina Valerim Teixeira Remor 2. 1 Acadêmica do curso de Medicina da UNISUL, campus Tubarão, bolsista do PUIC. 2 Professora do curso de Farmácia da UNISUL, campus Tubarão. Trabalho de Iniciação Científica Apoio Finaceiro: UNISUL. INTRODUÇÃO A utilização de plantas como alternativa terapêutica é uma importante característica cultural brasileira, essa prática tem ganhado cada vez mais espaço uma vez que a população freqüentemente recorre ao uso da medicina popular para tratar alterações patológicas. O óleo de copaíba é extraído do tronco da Copaífera sp., planta existente na região amazônica, popularmente utilizado como antiinflamatório, bactericida, expectorante e diurético. Devido ao óleo de copaíba ser empregado em sua forma pura é importante determinar a existência ou não de níveis de toxicidade dérmica, assim como levantar informações em relação a outros possíveis riscos para a saúde, sinais tóxicos de caráter geral e identificar concentrações seguras para a utilização racional desta planta. Em função da aplicação dos extratos de Copaíba assumir formas farmacêuticas caseiras como compressas e bálsamos, ensaios com a Copaíba (copaífera sp.) são imprescindíveis para garantir sua utilização segura na pele, como antisséptico e anti-inflamatório, pela população. Para tal, avaliou-se a atividade tóxica dérmica da aplicação tópica em ratos. Somente através de testes toxicológicos que novos fármacos produzidos a partir desta planta terão parâmetros de segurança estabelecidos. METODOLOGIA Foram utilizados 20 ratos Wistar machos, sendo 10 para o grupo experimental e os outros 10 para o grupo controle. Todos os animais foram anestesiados e submetidos à tricotomia do dorso e demarcação da área de teste de 4 cm, em ambos os grupos a área foi dividida igualmente em seu limite mediano, com um bisturi nº10 foi realizado leve escarificação homogênea na porção superior, permanecendo íntegra a porção inferior. Em seguida, no grupo experimental, realizou-se a aplicação do óleo de copaíba no local da abrasão e no local não lesionado, para controle, em uma única exposição, manteve-se um breve espaço sem qualquer aplicação entre as duas áreas a fim de destacar as diferenças dérmicas dos efeitos tóxicos a partir desta marcação limítrofe. O grupo controle recebeu Tween, em diluição de 5%, e foi submetido aos mesmos padrões de aplicação e demarcação que o primeiro grupo. As diferenças dérmicas e comportamentais foram observadas ao longo dos dias e anotações dos resultados correspondentes à área de abrasão e a área intacta foram efetuadas após 60 minutos, 24 e 72 horas, 7 e 14 dias da aplicação, para avaliar o caráter reversível ou irreversível dos resultados, que foram submetidos à análise pelo programa Statisc®, possibilitando uma interpretação comparativa dos resultados individuais. RESULTADO E DISCUSSÃO Ao longo dos 14 dias não foram observadas alterações nos hábitos alimentares, no consumo de água ou na respiração. A curva de sobrevivência dos dois grupos não mostrou diferença significativa. As 5 mortes ocorridas podem estar relacionadas ao próprio anestésico, comum aos dois grupos. Outro achado importante foi que no grupo experimental a área abrasada, que recebeu o óleo de copaíba, apresentou irritação dérmica classificada como 3,06, comparada ao grupo controle que em área abrasada apresentou também um grau de irritação grave de 2,81. Assim, pode-se sugerir que a abrasão por si só já caracteriza irritação cutânea. Na área de pele intacta dos animais do grupo experimental, foi verificado novamente um grau de irritação grave de 2,56, enquanto que o grupo controle na superfície intacta apresentou um score 0 (zero), ou seja, não-irritante. Classificação utilizada no estudo como indica a classificação da Federal Hazardous Substances Act of the USA: 0,0 – 1,0 = não-irritante; 1,1 – 2,0 = irritante moderado; 2,1 – 3,0 = irritante grave e 3,1 – 4,0 = corrosivo. CONCLUSÕES De maneira geral, considerando a pele abrasada e íntegra como um todo, sugere-se que o Óleo de Copaíba pode ser considerado um agente irritante grave, com score médio final de 2,81, comparado como o score médio final de 1,4 do grupo controle que recebeu Tween e foi classificado como irritante- moderado, talvez em função da própria abrasão. A atribuição de irritante grave dá-se ao Óleo de Copaíba em sua forma pura, diretamente extraído do tronco da copaífera sp. REFERÊNCIAS 1.BRITO, A. S. Manual de ensaios toxicológicos in vivo /. Campinas, SP : Editora da UNICAMP, 1994 (Coleção Ciências Médicas). 2. CARVALHO, JCT. Fitoterápicos anti-inflamatórios: aspectos químicos, farmacológicos e aplicações terapêuticas. Ribeirão Preto, SP. Tecmedd, ISBN X. 3. CARVALHO, M. S. et al. Síntese e avaliação da toxicidade aguda de um novo derivado imidazolidínico. Química Tecnológica Disponível em Acesso em 26 abril de FREIRE DCB, BRITO-FILHA CRC, CARVALHO-ZILSE GA. Efeito dos óleos vegetais de andiroba (Carapa sp.) e Copaíba (Copaifera sp.) sobre forídeo, pragas de colméias, (Diptera: Phoridae) na Amazônia Central. Acta Amazônica 36(3): , ISBRUCKER RA, EDWARDS JA, WOLZ E, DAVIDOVICH A, BAUSCH J. Safety studies on epigallocatechin gallate (EGCG) preparations. Part 2: dermal, acute and short- term toxicity studies. Food Chem Toxicol May;44(5): TESHOME K, GEBRE-MARIAM T, ASRES K, PERRY F, ENGIDAWOR E. Toxicity studies on dermal application of plant extract of Plumbago zeylanica used in Ethiopian traditional medicine. J Ethnopharmacol May 8;117(2):


Carregar ppt "Ensaio de irritação primária de pele (efeito agudo) - Avaliação da toxicidade dérmica do óleo de Copaíba. Medicina Tainiely Barbosa Fernandes 1, Karina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google