A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Projecto para caracterização do abuso familiar à pessoa idosa com demência: A parceria como intervenção de enfermagem para a promoção do Cuidado de Si.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Projecto para caracterização do abuso familiar à pessoa idosa com demência: A parceria como intervenção de enfermagem para a promoção do Cuidado de Si."— Transcrição da apresentação:

1 Projecto para caracterização do abuso familiar à pessoa idosa com demência: A parceria como intervenção de enfermagem para a promoção do Cuidado de Si Angelini University Award 2010/2011 Museu do Oriente | 13 de Outubro de 2011 Realizado por: Ana Carina Marques, Ana Rita Gaspar, Hugo Reis, Maria Manuel Alves Estudantes finalistas do curso de licenciatura em Enfermagem 2010/2011 Docente: Professora Doutora Idalina Gomes Instituição: Escola Superior de Enfermagem de Lisboa

2 A demência enquanto doença crónica é cada vez mais prevalente em Portugal – idosos. (Alzheimer Portugal, 2009) Estudos evidenciam a demência como factor de risco para o abuso por parte do familiar cuidador (Cooney, 2006; Owens & Cooper, 2010). Os enfermeiros como profissionais de saúde têm responsabilidades na prevenção e intervenção no abuso às pessoas idosas (Gonçalves, 2006; WHO, 2008). FUNDAMENTAÇÃO DA PROBLEMÁTICA 2

3 3 Diagnóstico da demência Requer acção entre a pessoa idosa e o cuidador Maioritariamente cuidador familiar Caldas, 2003; Dinis, 2007; Gomes, 2009; Meleis, 2007 Agente de saúde e parceiro de cuidados, requerendo orientação Eis porque o Cuidado de Si é tão importante Cuidadores de pessoas idosas cuidam de si próprios e assumem o cuidado do outro: familiar idoso com demência Enfermeiro como facilitador da transição saúde/doença e parceiro de cuidados FUNDAMENTAÇÃO DA PROBLEMÁTICA

4 METODOLOGIA 4

5 5 Desenho do estudo 1ª ETAPA Revisão Aprofundada da Literatura Sessão de Formação para Enfermeiros  A demência é um factor de risco para o abuso;  O abuso à pessoa idosa é sub- referenciado;  A sobrecarga do cuidador familiar é um factor de risco para o abuso;  O processo de parceria tem potencial para ser utilizado em situações de abuso, uma vez que permite a procura de estratégias em conjunto com a família. (Holstege & Holstege, 1997; Quinn & Tomita, 1997; Gonçalvez, 2006; Anthony, 2009, Gomes, 2009)  Sessão de formação realizada em Junho num serviço de Medicina de um hospital central de Lisboa;  Os profissionais de saúde necessitam de um maior treino para saber lidar com o abuso a idosos;  O enfermeiro é um dos profissionais mais capacitados para lidar com o abuso de idosos. (Holstege & Holstege, 1997; Quinn & Tomita, 1997; Gonçalvez, 2006; Anthony, 2009, Gomes, 2009) (Perel-Levin, 2008; WHO, 2008 )

6 6 METODOLOGIA Desenho do estudo 2ª ETAPA Revisão Sistemática da Literatura para identificar uma escala de avaliação de abuso para familiares cuidadores de pessoas idosas com demência a quem perpetram abuso. Revisão Sistemática da Literatura para identificar uma escala de avaliação de abuso para familiares cuidadores de pessoas idosas com demência a quem perpetram abuso. Questão de Investigação Qual a escala adequada de rastreio de abuso para familiares cuidadores de pessoas idosas com demência? Questão de Investigação Qual a escala adequada de rastreio de abuso para familiares cuidadores de pessoas idosas com demência? Selecção de Estudos Critério de Exclusão: Que um dos pontos avaliados na escala seja alterações de comportamento/ diminuição das capacidades mentais. Critério de Exclusão: Que um dos pontos avaliados na escala seja alterações de comportamento/ diminuição das capacidades mentais. Colheita e análise dos dados  Estudos primários  Metanálise/ Metassíntese Colheita e análise dos dados  Estudos primários  Metanálise/ Metassíntese Publicação dos resultados no “Journal of US- China Medical Science, USA” Publicação dos resultados no “Journal of US- China Medical Science, USA”

7 7 METODOLOGIA Desenho do estudo 3ª ETAPA Questões Éticas Comissões de ética Utilização da escala seleccionada com autorização do autor Consentimento informado Desistência a qualquer momento Amostra Familiares cuidadores de idosos com demência de um centro de saúde da ARS de Lisboa e Vale do Tejo. Pessoa idosa com ≥ 65 anos Validação da escala à realidade Portuguesa Tradução e adaptaçãoAnálise das propriedades psicométricas

8 8 METODOLOGIA Desenho do estudo 4ª ETAPA Aplicação da escala seleccionada e validada a cuidadores familiares de pessoas idosas com demência Aplicação do Mini Mental State Examination Utentes inscritos no Programa de Cuidados Continuados de um Centro de Saúde da ARS de Lisboa e Vale do Tejo. Rastreio do Abuso

9 9 METODOLOGIA Desenho do estudo 5ª ETAPA 5 Etapas para a Promoção do Cuidado de Si Visitas domiciliárias do serviço de Cuidados Continuados 1. Revelar-se 2. Envolver-se 3. Capacitar ou possibilitar; 4. Comprometer-se; 5. Assegurar o controlo de Si ou assegurar o Cuidado do Outro. Implementação de um modelo de intervenção em Parceria aos familiares cuja classificação obtida na escala seleccionada evidencie risco de abuso ou abuso

10 10 Resultados EscalaItensGrupo avaliado Akron General Medical Center Geriatric Abuse Protocol (Jones et al., 1988) 46Pessoa Idosa Questions to Elicit Elder Abuse (Carney et al., 2003) 15Pessoa Idosa Hwalek-Sengstock Elder Abuse Screening Test (H-S/EAST) (Neale et al., 1991) 15Pessoa Idosa Partner Violence Screen (PVS) (Feldhaus et al., 1997) 3Pessoa Idosa Risk of Abuse Tool (Bass, Anetzberger, Ejaz & Nagpaul, 2001) 27Pessoa Idosa e familiar cuidador Actual Abuse Tool (Bass et al., 2001) 19Pessoa Idosa Brief Abuse Screen For The Elderly (BASE) (Reis & Nahmiash, 1998) 5Pessoa Idosa e familiar cuidador EscalaItensGrupo avaliado Elder Abuse Suspicion Index © (EASI) (Yaffe, Wolfson, Lithwick, Weiss, 2008) 6Pessoa Idosa Elder Assessment Instrument (EAI) (Fulmer, 2003; Fulmer, & Cahill, 1984; Fulmer & Wetle, 1986) 6Pessoa Idosa HALF (Ferguson & Beck, 1983) 37Pessoa Idosa e familiar cuidador Indicators of Abuse (IOA) Screen (Reis & Nahmiash, 1998) 40Pessoa Idosa e familiar cuidador Screen for Various Types of Abuse or Neglect (AMA, 1992) Lista de verificação se houver suspeita de abuso Pessoa Idosa Suspected Abuse Tool (Bass, Anetzberger, Ejaz & Nagpaul, 2001) 21Pessoa Idosa Vulnerability To Abuse Screening Scale (VASS) (Schofield et al., 2002; Schofield & Mishra, 2003) 5Pessoa Idosa (mulher)

11 11 Resultados EscalaItensGrupo avaliado Conflict Tactics Scale (Status, 1979) 19Pessoa Idosa Caregiver Abuse Screen (CASE) (Reis & Nahmiash, 1995) 8Familiar cuidador Carer Abuse Assessment Protocol for Nurses (Davies, 1997) 41Familiar cuidador A maioria das escalas avaliam alterações do comportamento, o que dificulta a sua utilização em pessoas idosas com demência.

12 12 Principais Conclusões O Abuso e a Demência 55% Segundo estudos realizados por Cooney & Mortimer (1995), 55% dos cuidadores de pessoas idosas com demência admitiram ter cometido abuso. 2,25 vezes Segundo os mesmos investigadores, uma pessoa com Alzheimer tem 2,25 vezes mais probabilidade de ser submetido a algum tipo de abuso. A validação de uma escala lacunaoportunidade A validação de uma escala de avaliação de abuso familiar, representa, simultaneamente, uma grande lacuna actual, e uma grande oportunidade, a ser mobilizada pelos profissionais de saúde.

13 13 Principais Conclusões Parceria, enquanto intervenção, com potencial para diminuir os factores de risco de abuso associados ao stress e isolamento do cuidador e melhorar o relacionamento familiar. Cuidado de Si Através da mobilização do Modelo da Parceria o Cuidado de Si pode ser atingido: -Cuidador familiar cuida de si próprio; -Cuidador familiar assume o cuidado do Outro (familiar idoso com demência). Qualquer pessoa necessita de cuidar de Si para reunir condições para cuidar do Outro.

14 14 BIBLIOGRAFIA ALZHEIMER PORTUGAL (2009) – Plano Nacional de Intervenção Alzheimer. Lisboa: Associação Portuguesa de Familiares e Amigos de doentes de Alzheimer. AMERICAN MEDICAL ASSOCIATION. (1992) - Diagnostic and treatment guidelines on elder abuse and neglect. Chicago, IL: American Medical Association. ANTHONY, Elizabeth; LEHNING, Amanda, AUSTIN, Michael; PECK, Michael (2009) - Gerontological Social Work, Assessing Elder Mistreatment: Instrument Development and Implications for Adult Protective Services. Journal of Gerontological Social Work. Phoenix. Vol. 52, p.815–836. BASS, D. M. [et al.] (2001) - Screening tools and referral protocol for stopping abuse against older Ohioans: A guide for service providers. Journal of Elder Abuse and Neglect. Vol.13, nº2, pp CALDAS, Célia (2003) – Envelhecimento com dependência: responsabilidades e demandas da família. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, Vol.19, nº3 (Mai-Jun), pp CARNEY, M. T.; KAHAN, F. S.; PARIS, B. E. C. (2003) - Elder abuse: Is every bruise a sign of abuse? The Mount Sinai Journal of Medicine. Vol. 70, nº2, pp COONEY, C. & MORTIMER, A. (1995) - Elder abuse and dementia: a pilot study. International Journal of Social Psychiatry. Vol. 41, nº 4, p COONEY, Colm; HOWARD, Robert; LAWLOR, Brian (2006) - Abuse of vulnerable people with dementia by their carers: can we identify those most at risk? International Journal of Geriatric Psychiatry. Vol. 21, p DAVIES, M. (1997) - Key issues for nursing: the need to challenge practice. In: DAVIES, M. (1997) - Recognising abuse: an assessment tool for nurses. In P. DECALMER, P.; GLENDENNING, F. - The mistreatment of the elderly people. London: Sage Publications. pp DECALMER, P.; GLENDENNING, F. - The mistreatment of the elderly people. London: Sage Publications. pp DINIS, Rogério (2007) – A Família do Idoso: o parceiro esquecido?! In: GOMES, Idalina Delfina [et al.] – Parceria e Cuidado de Enfermagem – Uma questão de Cidadania. Coimbra: Formasau. ISBN FELDHAUS, K. M. [et al.] (1997) - Accuracy of 3 Brief Screening Questions for detecting partner violence in the emergency department. JAMA. Vol. 277, nº17, pp FERGUSON, D.; BECK, C. (1983) - H.A.L.F: A tool to assess elder abuse within the family. Geriatric Nursing. Vol. 4, nº5, pp FULMER, T. (2003) - Elder abuse and neglect assessment. Journal of Gerontological Nursing. Vol. 29, nº6, pp FULMER, T. [et al.] (2004) - Progress in elder abuse screening and assessment instruments. JAGS. Vol. 52, nº2, pp FULMER, T.; CAHILL, V.M. (1984) - Assessing elder abuse: A study. Journal of Gerontological Nursing. Vol. 10, nº12, pp GOMES, Idalina Delfina (2009) – Cuidado de Si: a natureza da parceria entre enfermeiro e o doente idoso no domicílio. Lisboa: Instituto de Ciências da Saúde, Universidade Católica Portuguesa. Dissertação de Doutoramento. GONÇALVES, Célia (2006) – Idosos: Abuso e Violência. Revista Portuguesa de Clínica Geral. Vol. 22, p

15 15 GONÇALVES, Rosa (2010) - Avaliação do abuso no idoso em contexto institucional: lares e centros de dia. Porto: Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar – Universidade do Porto. Dissertação de Mestrado em Medicina Legal. HOLSTEGE, J. HOLSTEGE, H. (1997). Elder abuse and neglect: Understanding the causes and potential risk factors. American Journal of Emergency Medicine, ISSN , (1997), 15, 579–583. JOHNSON, D. (1981) - Abuse of the elderly. The Nurse Practitioner. Vol. 6, pp MELEIS, Afaf I. (2007) – Theoretical Nursing: Development & Progress 3.ª edição. Filadélfia: Lippincott. NAGPAUL, K. (2001) - Application of elder abuse screening tools and referral protocol: Techniques and clinical considerations. Journal of Elder Abuse & Neglect. Vol. 13, nº2, pp NEALE, A. V. [et al.] (1991) - Validation of the Hwalek-Sengstock elder abuse OWENS, Colm; COOPER, Claudia (2010) – The relationship between dementia and elder abuse. Working with Older People. London Vol.14, nº1 (March 2010). OXMAN, A. D. [et al] (1994) - for Evidence-Based Medicine Working Group. User's guide to the medical literature: VI. How to use an overview. JAMA. Vol. 272, nº 17. p Disponível em: PEREL-LEVIN, Silvia (2008) – Discussing Screening for Elder Abuse at Primary Health Care level. Geneva: World Health Organization. ISBN QUINN, M., TOMITA, S. (1997) - Elder abuse and neglect: Causes, diagnosis, and intervention strategies. New York: Springer. ISBN REIS, M.; NAHMIASH, D. (1995) - Validation of the caregiver abuse screen (CASE). Canadian Journal on Aging. Vol. 14, pp REIS, M.; NAHMIASH, D. (1998) - Validation of the indicators of abuse (IOA) screen. The Gerontologist. Vol. 38, nº4, pp SCHOFIELD, M. J.; MISHRA, G. D. (2003) - Validity of self-report screening scale for elder abuse: Women’s Health Australia Study. The Gerontologist. Vol. 43, nº1, pp screening test. Journal of Applied Gerontology. Vol. 10, nº4, pp SENGSTOCK, M. C.; HWALEK, M. (1987) - A review and analysis of measures for the identification of elder abuse. Journal of Gerontological Social Work. Vol. 10, nº3/4, pp STRAUS, A. (1979) - Measuring intrafamiliar conflict and violence: the Conflict Tactics (CT). J Marriage Fam. Vol. 41, pp WORLD HEALTH ORGANIZATION (2008) - A Global Response to Elder Abuse and Neglect: Building Primary Health Care Capacity to Deal with the Problem Worldwide - Main Report. Geneva: World Health Organization. ISBN YAFFE, M.J [et al.] (2008) - Development and validation of a tool to improve physician identification of elder abuse: The Elder Abuse Suspicion Index (EASI) ©. Journal of Elder Abuse and Neglect. Vol. 20, nº3. BIBLIOGRAFIA

16 . OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO!


Carregar ppt "Projecto para caracterização do abuso familiar à pessoa idosa com demência: A parceria como intervenção de enfermagem para a promoção do Cuidado de Si."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google