A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Conselho Regional de Contabilidade Do Estado de São Paulo Palestra: Princípios Contábeis e Normas Brasileiras de Contabilidade Prof. Ms. Walter Luiz.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Conselho Regional de Contabilidade Do Estado de São Paulo Palestra: Princípios Contábeis e Normas Brasileiras de Contabilidade Prof. Ms. Walter Luiz."— Transcrição da apresentação:

1 1 Conselho Regional de Contabilidade Do Estado de São Paulo Palestra: Princípios Contábeis e Normas Brasileiras de Contabilidade Prof. Ms. Walter Luiz Quaglio

2 2 Agenda Parte 1 - Introdução Parte 2 - Ambiente da Teoria da Contabilidade Parte 3 - Postulados, Princípios e Convenções Contábeis Parte 4 - Aspectos Legais e as Normas Brasileiras de Contabilidade Parte 5 - Exercícios – Consolidação do Conhecimento Parte 6 - Conclusão Bibliografia CRCSP Walter Luiz Quaglio

3 3 Agenda Parte 1 - Introdução Apresentação dos Palestrante Objetivos da Palestra Parte 2 - Ambiente da Teoria da Contabilidade A Contabilidade como Ramo do Conhecimento Objetivos da Contabilidade Objeto da Contabilidade Sistema de Informação Contábil Conjunto das Demonstrações Financeiras Resumo CRCSP Walter Luiz Quaglio

4 4 Agenda Parte 4 - Aspectos Legais e as Normas Brasileiras de Contabilidade Instrumentos Legais Normas Regulamentares do C.F.C. Parte 3 - Postulados, Princípios e Convenções Contábeis Aspectos Históricos Estrutura Conceitual da Informação Contábil Postulados Contábeis Princípios Contábeis Convenções Contábeis Resumo CRCSP Walter Luiz Quaglio

5 5 Agenda Parte 5 - Exercícios – Consolidação do Conhecimento Exame de Suficiência do C.F.C. Parte 6 - Conclusão A Importância dos Princípios e Convenções Contábeis Papel do Contador Finalização Bibliografia: • Livros • Sites

6 6 Parte 1 - Introdução CRCSP Walter Luiz Quaglio

7 7 Walter Luiz Quaglio • Administração de Empresas • Ciências Contábeis • Pós-Graduação em Controladoria e Finanças • Mestrado em Controladoria e Contabilidade Estratégica • Prof. Universitário: M.B.A. / Pós-Graduação / Graduação • COSIPA – PIRELLI – BOMBRIL – EUROROD LATINA – HOSPITAL BENEFICÊNCIA PORTUGUESA • Consultor Empresarial – • • Celular: (0xx11) – Apresentação do Palestrante CRCSP Walter Luiz Quaglio

8 Objetivos da Palestra • Identificar e discutir os Postulados e Princípios da Contabilidade, aplicáveis no processo de apuração das Demonstrações Financeiras, com as seguintes finalidades:  Estudo do Patrimônio da Entidade;  Propiciar aos Usuários Subsídios Para Tomada de Decisão • Identificar e discutir as Convenções Contábeis que representam os campos de Restrições aos Princípios Contábeis • Transmitir aos participantes conhecimentos sobre o Núcleo Central da Própria Contabilidade representado pelo Princípios da Contabilidade; CRCSP Walter Luiz Quaglio

9 9 Parte 2 - Ambiente da Teoria da Contabilidade

10 A Contabilidade Como Ramo do Conhecimento Classificação • De acordo com com estudos epistemológicos (ciência da origem) a Contabilidade é classificada como Ramo do Conhecimento, pertencente ao grupo de Ciências Sociais Requisitos Para Qualificação Como Ciência • Objeto Determinado • Método Próprio Atributos da Contabilidade • Objeto: Patrimônio • Método (meio): Aplicação dos Princípios e Convenções Contábeis, como forma de regulamentação e equalização, para avaliação e mensuração do patrimônio. CRCSP Walter Luiz Quaglio

11 11 CRCSP Walter Luiz Quaglio Objetivos da Contabilidade Estrutura Conceitual Básica da Contabilidade Deliberação CVM* nº 29 de 05/02/1986: A Contabilidade é, objetivamente, um sistema de informação e avaliação destinado a prover seus usuários com demonstrações e análises de natureza econômica, financeira e de produtividade, com relação à entidade objeto de contabilização. * CVM – Conselho de Valores Mobiliários

12 12 CRCSP Walter Luiz Quaglio Objetivos da Contabilidade Análise das Terminologias I - Sistema de Informação • Conjunto articulado de informações, disponível num banco de dados informacional, permitindo agrupamentos, acumulação e ajustes dos dados, objetivando a editagem de relatórios econômicos, financeiros, físicos e de produtividade acerca da entidade, conforme as necessidades de cada tipo de usuário. II - Avaliação • Compreende o “Ato” ou “Efeito” de avaliar, ou seja a ação de determinação do valor ou o cálculo, da posição econômica, financeira e patrimonial de uma entidade, utilizando-se as como meio as demonstrações financeiras e os procedimentos de análises e diagnósticos.

13 13 CRCSP Walter Luiz Quaglio Objetivos da Contabilidade Análise das Terminologias (cont.) III - Usuários • Toda pessoa física, jurídica, entidades, associações, que tenha interesse na avaliação da situação e do progresso de determinada entidade, seja ela com finalidades lucrativa ou não e, também referente a patrimônio familiar; • Os usuários são divididos em 2 (dois) grupos:  Externos: Bancos, Associações de Classe, Sindicatos, Governo, Órgãos Públicos, Fornecedores, Concorrentes e Investidores.  Internos : Acionistas em Cargos de Direção, Executivos, Gestores e e Funcionários em Cargos de Chefia.

14 14 CRCSP Walter Luiz Quaglio Objetivos da Contabilidade IV - Informação de Natureza Econômica • Na visão Contábil refere-se as seguintes informações:  Fluxos de Receitas e Despesas (D.R.E.)  Fluxos de Capital Próprio (P.L.)  Valor Econômico Agregado  Relação Custo / Volume / Preço / Lucro: M.C. – P.E.  LAJID – Lucro Antes dos Juros, Impostos, Deprec. e Amortização. V - Informação de Natureza Financeira • Contempla as seguintes informações:  Fluxo de Caixa  Origens e Aplicações de Recursos  Estrutura do Capital de Giro Análise das Terminologias (cont.)

15 15 CRCSP Walter Luiz Quaglio Objetivos da Contabilidade VI - Informação de Natureza Física • Contempla medidas de natureza físicas:  Estatísticas de Clientes, Fornecedores, Produtos  Volume de Produção  Curva ABC – Materiais  Lote Econômico VII - Informação de Natureza de Produtividade • Contempla a correlação Financeira / Física  Receita / Per Capita  Volume de Produção / Homem  Volume / Cliente Análise das Terminologias (cont.)

16 16 CRCSP Walter Luiz Quaglio Objetivos da Contabilidade Conclusão • Objetivos Principais:  Propiciar para cada grupo de usuários a avaliação e mensuração da situação econômica e financeira da entidade;  Subsidiar para cada grupo de usuário elementos para formar juízo de valor no processo decisório;

17 17 CRCSP Walter Luiz Quaglio Objeto da Contabilidade Estudo do Patrimônio  Conjunto de bens, direitos, dívidas e obrigações de toda e qualquer entidade, avaliados e mensurados, sob as formas qualitativas e quantitativas, propiciando aos usuários o acompanhamento, análise e registro das operações incorridas e/ou praticadas, compondo um sistema estruturado de informações contábeis.

18 Composição dos Elementos Patrimoniais Objeto da Contabilidade CRCSP Walter Luiz Quaglio

19 19 CRCSP Walter Luiz Quaglio Objeto da Contabilidade Representação Gráfica do Patrimônio

20 20 CRCSP Walter Luiz Quaglio Qualidades e Características do Sistema de Informação Contábil I - Compreensível  Completa e retratar todos os aspectos contábeis da operação;  Não compensar os débitos com créditos;  Não compensar os direitos com dívidas e obrigações. II - Relevante  Aspectos de importância, consideração e representatividade;  Útil para tomada de decisão. III - Confiabilidade  Informação livre de erros materiais e vícios  Aceita pelos usuários como fiel e verdadeira Sistema de Informação Contábil

21 21 CRCSP Walter Luiz Quaglio Qualidades e Características do Sistema de Informação Contábil (cont.) IV - Comparável  Permitir comparabilidade dos elementos patrimoniais;  Identificar tendências da situação patrimonial; V - Tempestiva  Informação disponível no momento da necessidade do usuário; VI - Essencial  Na medida exata e suficiente da necessidade do usuário;  Informação que agreguem valor para formar juízo no processo de tomada de decisão Sistema de Informação Contábil

22 22 CRCSP Walter Luiz Quaglio Sistema de Informação Contábil Produtos da Informação Contábil I - Demonstrações Contábeis Oficiais  Definidas pela Legislação Societária (Lei 6404/76) II - Informações Legais e Acessórias  Definidas pelos Órgãos Públicos: Federal, Estadual e Municipal III - Demonstrações Contábeis Gerenciais  Definidas Para Fins de Gestão Empresarial

23 23 CRCSP Walter Luiz Quaglio Conjunto das Demonstrações Financeiras Divisão das Demonstrações Financeiras

24 24 CRCSP Walter Luiz Quaglio Conjunto das Demonstrações Financeiras Composição das Demonstrações Financeiras Legais

25 25 CRCSP Walter Luiz Quaglio Demonstrações Financeiras Legais – Finalidades Conjunto das Demonstrações Financeiras

26 26 CRCSP Walter Luiz Quaglio Demonstrações Financeiras Legais – Finalidades Conjunto das Demonstrações Financeiras

27 27 CRCSP Walter Luiz Quaglio Conjunto das Demonstrações Financeiras Usuários – Demonstrações Financeiras Legais

28 28 CRCSP Walter Luiz Quaglio Conjunto das Demonstrações Financeiras Composição das Dem. Financeiras Gerenciais

29 29 CRCSP Walter Luiz Quaglio Conjunto das Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Gerenciais – Finalidades

30 30 CRCSP Walter Luiz Quaglio Conjunto das Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Gerenciais – Finalidades

31 31 CRCSP Walter Luiz Quaglio Conjunto das Demonstrações Financeiras Usuários – Demonstrações Financeiras Gerenciais

32 32 CRCSP Walter Luiz Quaglio Resumo – Ambiente da Teoria da Contabilidade

33 33 Parte 3 - Postulados, Princípios e Convenções Contábeis CRCSP Walter Luiz Quaglio

34 34 CRCSP Walter Luiz Quaglio Aspectos Históricos Primeiros Esforços • Década de 1930 – Liderada: Prof. William Paton – Univ. Michigan • Série de Monografias: Pesquisas Sobre Princípios Contábeis • Edição 1936 – AAA – American Association of Accountantes • Título: “A tentative statement of accountings principles underlying corporate financial statements” • Tradução: Uma tentativa de declaração de princípios básicos de contabilidade incorporados (aplicados) às demonstrações financeiras.

35 35 CRCSP Walter Luiz Quaglio Aspectos Históricos Desenvolvimento Pós Guerra • Estudos e Pesquisas das Diversas Organizações de Classe:  Surgimento em 1948: Conceito e Padrões de Contabilidade (AAA - American Association of Accountantes) (Associação Americana de Contadores)  Desenvolvimento em 1959: Postulados Básicos de Contabilidade (AICPA – American Institute of Certified Public Accountants) (Instituto Americano de Contadores Públicos Registrados)  Formação em 1973 – FASB (FASB – Financial Accounting Standards Board) ( Conselho de Padrões de Contabilidade Financeira)  Padronização dos Postulados, Princípios e Convenções Contábeis, geralmente aceitos.  Foi adotado no Brasil – Lei S/A – 6.404/76

36 36 CRCSP Walter Luiz Quaglio Estrutura Conceitual da Informação Contábil Base Conceitual • A base conceitual que devem ser observadas obrigatoriamente no exercício da profissão contábil e condição para legitimar a aplicação das Normas Brasileiras de Contabilidade são as seguintes:.  Os Postulados da Contabilidade;  Os Princípios da Contabilidade  As Convenções da Contabilidade Foco da Base Conceitual • Propiciar a consecução:  Objeto da Contabilidade: Estudo do Patrimônio  Objetivos da Contabilidade: Prover seus usuários com demonstrações e análises, com relação à entidade objeto de contabilização

37 37 CRCSP Walter Luiz Quaglio Visão Esquemática da Base Conceitual Estrutura Conceitual da Informação Contábil

38 38 CRCSP Walter Luiz Quaglio Introdução • Os Postulados são as premissas básicas, aceitas sem necessidade de comprovação, acerca do ambiente econômico, político e social no qual a Contabilidade deve operar; • Os Postulados referem-se aos aspectos estruturais do ambiente da Contabilidade e constituem os Princípios Fundamentais da Contabilidade Composição dos Postulados Contábeis Postulados Contábeis

39 39 CRCSP Walter Luiz Quaglio Postulado Contábil da Entidade I - Base do Enunciado – CFC 750/93 - Art. 4º “A Contabilidade é mantida para as Entidades, reconhece o estudo do Patrimônio como seu objeto. O Patrimônio dos sócios, acionistas ou proprietário não se confunde com o da Entidade.” Postulados Contábeis II - Ponto Fundamental • Diferenciação do Patrimônio da Entidade versus Patrimônio dos Sócios, Acionistas e ou Proprietário.

40 40 CRCSP Walter Luiz Quaglio Postulados Contábeis Postulado Contábil da Continuidade I - Base do Enunciado – CFC 750/93 - Art. 5º “A Continuidade ou não da Entidade,... devem ser consideradas quando da classificação e avaliação das mutações patrimoniais,...”. II - Pontos Fundamentais • Caráter Permanente • Avaliação Patrimonial (Ativos / Passivos) deve levar em consideração a possibilidade de extinção da Entidade:  Quando se tratar de Entidade com prazo determinado;  Situações que comprometem a continuidade dos negócios (Prejuízos constantes, incêndio, enchente, etc..); • A Avaliação Patrimonial deve ser objeto de aferição, quando se questiona:  A capacidade futura de geração de resultados.

41 41 CRCSP Walter Luiz Quaglio Princípios Contábeis Introdução • Os Princípios Contábeis são os procedimentos, embasados em regras e normas que definem os meios e circunstâncias, acerca do processo de avaliação e mensuração do Patrimônio e das Operações Sociais no qual a Contabilidade deve operar Composição dos Princípios Contábeis

42 42 CRCSP Walter Luiz Quaglio Princípios Contábeis Princípio da Oportunidade I - Base do Enunciado – CFC 750/93 - Art. 6º “...refere-se, simultaneamente, à tempestividade e à integridade do registro do patrimônio e das suas mutações, determinando que este (registro – inserção nossa) seja feito de imediato e com a extensão correta...”. II - Pontos Fundamentais • Oportunidade: Conceito de ocasião, no momento da ocorrência do fato; • Simultaneamente: Conceito de ação realizada ao mesmo tempo que outra; • Tempestividade: Registro no próprio tempo da ocorrência do fato; • Integridade: Registro completo, inteiro, mesmo que seja em base estimada.

43 43 CRCSP Walter Luiz Quaglio Princípios Contábeis Princípio do Registro Pelo Valor Original I - Base do Enunciado – CFC 750/93 - Art. 7º “Os componentes do patrimônio devem ser registrados pelos valores originais das transações como o mundo exterior...em moeda do País..., inclusive quando configurarem agregações ou decomposições no interior da Entidade”. II - Pontos Fundamentais • Registro dos Componentes Patrimoniais: Com base no valor de entrada; • Agregação e Decomposição dos Componentes Patrimoniais: Devem manter os valores intrínsecos (valores bases). Ex.: Formação dos Estoques; Divisão dos Bens Patrimoniais em Partes, Parcelamento de Débitos; etc...

44 44 CRCSP Walter Luiz Quaglio Princípio da Atualização Monetária Princípios Contábeis I - Base do Enunciado – CFC 750/93 - Art. 8º “Os efeitos da alteração do poder aquisitivo da moeda nacional devem ser reconhecidos nos registros contábeis, através do ajustamento da expressão formal dos valores dos componentes patrimoniais”. II - Ponto Fundamental • Registro dos Componentes Patrimoniais: Em base constante em termos de poder aquisitivo; Obs.: Resolução CFC 900/01:  Resolveu que a Aplicação do “Princípio da Atualização Monetária” tornou-se compulsória quando a inflação acumulada no triênio for de 100% ou mais (IGPM).

45 45 CRCSP Walter Luiz Quaglio Princípios Contábeis Princípio da Competência I - Base do Enunciado – CFC 750/93 - Art. 9º “As receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente do recebimento ou pagamento”. II - Pontos Fundamentais • Considera-se Realizada as Receitas:  Transferência da Propriedade (ativo) / Prestação de serviços  Extinção Parcial ou Total de um Passivo sem contra-partida de um Ativo (perdão da dívida, anistia de impostos, perdão de multas);  Geração Natural de Novos Ativos (nascimento de animais);  Recebimento Efetivo de Doações e Subvenções (cobertura de prejuízos - NBC T – 13/12/01).

46 46 CRCSP Walter Luiz Quaglio Princípios Contábeis Princípio da Competência (cont.) II - Pontos Fundamentais (cont.) • Considera-se Incorridas as Despesas:  Ocorrer a Transferência da Propriedade (Custo dos Estoques/ Bens Patrimoniais);  Ocorrer os Gastos Pela Prestação do Serviço;  Diminuição ou Extinção do Valor Econômico de um Ativo (Depreciação / Amortização);  Surgimento de um Passivo, sem um Correspondente Ativo (Juros e Multas Compensatórias; Garantias Pós-Venda, etc..)

47 47 CRCSP Walter Luiz Quaglio Princípios Contábeis Princípio da Prudência I - Base do Enunciado – CFC 750/93 - Art. 10º “...determina a adoção do menor valor para os componentes do Ativo e do maior para os do Passivo...para as mutações patrimoniais que alterem o Patrimônio Líquido”. II - Pontos Fundamentais • Considera os elementos patrimoniais de forma conservadora, preservando a valorização do Patrimônio Líquido da Entidade; • Impõe a escolha da hipótese que resulte menor Patrimônio Líquido, quando de apresentarem opções igualmente aceitáveis diante dos Postulados e Princípios Fundamentais da Contabilidade; • Exemplo: Créditos em Moeda Estrangeira – Taxa de Compra Débitos em Moeda Estrangeira – Taxa de Venda

48 48 CRCSP Walter Luiz Quaglio Convenções Contábeis Introdução • As Convenções Contábeis representam o complemento dos Postulados e Princípios Contábeis, no sentido de restringir ou delimitar os conceitos e atribuições, aplicados no processo de avaliação e mensuração do Patrimônio e das Operações Sociais no qual a Contabilidade deve operar; • As Convenções Contábeis foram estabelecidas pela Deliberação CVM nº 29 de 05/02/ Composição das Convenções Contábeis

49 49 CRCSP Walter Luiz Quaglio Convenções Contábeis Convenção da Objetividade I - Base do Enunciado – CVM 29/86 “Para procedimentos igualmente relevantes, resultantes da aplicação dos Princípios, preferir-se-ão, em ordem decrescente: a)os que puderem ser comprovados por documentos e critérios objetivos; b)Os que puderem ser corroborados por consenso de pessoas qualificadas da profissão, reunidas em comitê de pesquisa ou em entidades que têm autoridades sobre princípios contábeis...”. II - Ponto Fundamental • Os procedimentos de avaliação dos componentes do patrimônio de uma entidade, foram definidos pela Resolução CFC nº 732/92 que aprovou a NBC-T-4 - Da Avaliação Patrimonial.

50 50 CRCSP Walter Luiz Quaglio Convenções Contábeis Convenção da Materialidade I - Base do Enunciado – CVM – 29/86 “O contador deverá, sempre, avaliar a influência e materialidade da informação evidenciada ou negada para o usuário à luz da relação custo- benefício, levando em conta aspectos internos do sistema contábil...”. II - Pontos Fundamentais • Analisar o custo para evidenciar a informação em relação ao benefício que a mesma pode proporcionar aos usuários; • O custo envolve os aspectos de tempo de pessoal dedicado a obtenção da informação, o uso de materiais, a necessidade de controle adicionais e o uso dos recursos informacionais; • Solicitação recorrentes de determinadas informações no contexto da gestão do negócio, devem compor o sistema informacional da Contabilidade.

51 51 CRCSP Walter Luiz Quaglio Convenções Contábeis Convenção da Consistência I - Base do Enunciado – CVM – 29/86 “ A Contabilidade de uma entidade deverá ser mantida de tal forma que os usuários das demonstrações contábeis tenham possibilidade de delinear a tendência da mesma com o menor grau de dificuldade possível...”. II - Pontos Fundamentais • Adoção uniforme dos critérios de avaliação e mensuração dos elementos patrimoniais no âmbito da Entidade e no contexto temporal; • Ocorrendo uma mudança de critério de avaliação que afeta o Patrimônio Líquido da Entidade deverá ser objeto de Nota Explicativa, mensurando o efeito; • Esta Convenção, também conhecida como Uniformidade, é muito pelos Auditores no exame das Demonstrações Financeiras.

52 52 CRCSP Walter Luiz Quaglio Resumo – Postulados, Princípios e Convenções Obs.: A Convenção denominada Conservadorismo (CVM – 29/86) foi tratada como Princípio Contábil, conforme a Resolução CFC – 750/93, denominada como Prudência.

53 53 Parte 4 - Aspectos Legais e as Normas Brasileiras de Contabilidade CRCSP Walter Luiz Quaglio

54 54 CRCSP Walter Luiz Quaglio Instrumentos Legais Lei das Sociedades Anônimas – 6.404/76 • Art 178 a Classificação dos Elementos do Patrimônio e Critérios de Avaliação do Ativo e Passivo; • Art Conteúdo e Discriminação das Contas do Resultado Regulamento do Imposto de Renda – R.I.R. 3000/99 • Art 289 a Apuração e Valorização dos Estoques, Custos e Despesas Deliberação CVM – 29/86 • Item 1 - Objetivos da Contabilidade • Item 3 - Princípios (Conceitos) Fundamentais da Contabilidade • Item 4 - Postulados Ambientais da Contabilidade • Item 5 - Os Princípios Propriamente Ditos • Item 6 - As Convenções (Restrições) aos Princípios

55 55 CRCSP Walter Luiz Quaglio Normas Regulamentares do C.F.C Resolução CFC 750/93 – 29/12/1993 • Dispõe Sobre os Princípios Fundamentais da Contabilidade – (PFC) Resolução CFC 751/93 – 29/12/1993 • Dispõe Sobre as Normas Brasileiras de Contabilidade • NBC P – Normas Profissionais • NBC T – Normas Técnicas Resolução CFC 732/92 – 22/10/1992 • Aprova a NBC T – 4 – Da Avaliação Patrimonial

56 56 CRCSP Walter Luiz Quaglio Parte 5 - Exercícios – Consolidação do Conhecimento

57 Exame de Suficiência do C.F.C Exercícios - Anexo • 25 Questões • Discussão, análise e interpretação CRCSP Walter Luiz Quaglio

58 58 Parte 6 - Conclusão CRCSP Walter Luiz Quaglio

59 59 CRCSP Walter Luiz Quaglio A Importância dos Princípios e Convenções Contábeis Algumas Considerações: • Solidifica a Contabilidade como Ramo do Conhecimento Humano; • Caracteriza a Contabilidade como Ciência Social; • Representa o Núcleo Central da Contabilidade; • Segrega o Patrimônio da Entidade com o do Proprietário; • Propicia ao Usuário Analisar, Decidir e Prospectar o Comportamento da Entidade; • Permite Estudar e Controlar o Patrimônio da Entidade, por meio dos Registros das Ocorrências Verificadas; • Permite Estudar e Controlar o Resultado Econômico, decorrente da Gestão da Riqueza Patrimonial.

60 60 Algumas Considerações Papel do Contador • A mensuração e comunicação da situação Econômica, Financeira e também de Natureza Física e de Produtividade refletidas nas Demonstrações Financeiras e Relatórios Contábeis constituem peças “chave” para contribuir com o sucesso empresarial; • Neste contexto cabe ao Contador exercer as melhores práticas, municiando os gestores de informações e auxiliando-os nesta difícil tarefa de gestão do negócio, num cenário altamente competitivo; • Assim, o Contador deve contribuir participando ativamente na consecução das informações, dentro dos padrões definidos pelos Princípios Contábeis, considerando-se as seguintes abordagens:  Confiáveis – Relevantes – Tempestivas – Compreensíveis – Comparáveis. CRCSP Walter Luiz Quaglio

61 Finalização Obrigado pela Atenção Permanecemos à Disposição Para Conversarmos Sobre o Assunto Apresentado Walter Luiz Quaglio Celular: (0xx11) – CRCSP Walter Luiz Quaglio “Não se constrói, administra e mensura a riqueza de uma entidade, sem um suporte técnico do Contador”.

62 62 CRCSP Walter Luiz Quaglio Bibliografia • IUDÍCIBUS, Sérgio de. MARION, José Carlos. Introdução à Teoria da Contabilidade. Ed. Atlas, 3a. Edição. São Paulo, • IUDÍCUBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. Ed. Atlas, 6a. Edição. São Paulo, • IUDÍCIBUS, Sérgio de, MARTINS, Eliseu, GELBCKE, Ernesto Rubens. Manual de Contabilidade das Sociedades Por Ações. Ed. Atlas. 5a. Edição. São Paulo, • HENDRIKSEN, Eldon S., BREDA, Michael F. Van. Teoria da Contabilidade. Tradução: SANVICENTE, Antonio Zoratto.Ed. Atlas, São Paulo, • Sites de Pesquisa:     


Carregar ppt "1 Conselho Regional de Contabilidade Do Estado de São Paulo Palestra: Princípios Contábeis e Normas Brasileiras de Contabilidade Prof. Ms. Walter Luiz."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google