A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO JOELHO. PLANOS EIXOS - Eixo transversal - Eixo longitudinal - Eixo ântero-posterior.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO JOELHO. PLANOS EIXOS - Eixo transversal - Eixo longitudinal - Eixo ântero-posterior."— Transcrição da apresentação:

1 ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO JOELHO

2 PLANOS

3 EIXOS - Eixo transversal - Eixo longitudinal - Eixo ântero-posterior

4 Eixos da articulação do Joelho - Valgo fisiológico do joelho (170 graus) - Eixo mecânico do membro inferior

5 Deslocamentos Laterais do Joelho

6 Estruturas Ósseas •Fíbula ( Andrews et al,2000)

7 Estruturas Ósseas Fêmur - Côndilos assimétricos (med. > no sentido ant.-post.) e (lat. > no sentido lat.-lat.) - Revestidos por cartilagem - Epicôndilos (Malone et al, 2000)

8 Estruturas Ósseas Tíbia - Platôs med. e lat. - Eminência intercondilar - Revestida por cartilagem - Tuberosidade da tíbia (Malone et al, 2000)

9 Graus de Liberdade do Joelho - Extensão/Flexão Passivo -10° à 160° Ativo 0° à 140° - Rotação axial Externa passivo ° Interna passivo ° Externa ativa ° Interna ativa ° - Adução/abdução ADM 6° 2.

10 Graus de Liberdade do Joelho

11 “Qualquer impedimento do alcance de movimento da articulação, perturbará o padrão de carga normal e trará conseqüências” (Nordin & Frankel,2003)

12 Movimentos Fisiológicos e Acessórios - Artrocinemática: movimentação da superfície articular - Osteocinemática: movimento da extremidade distal do osso

13 Movimento da Superfície da Articulação CENTRO INSTANTÂNEO - Analisa movimento da superfície articular nos planos sagital e frontal; - Descreve movimento relativo uniplanar de 2 segmentos adjacentes e a direção do deslocamento dos pontos de contato entre os segmentos; - Ponto que não se move a qualquer momento dado (velocidade zero).

14 Centro Instantâneo Localização

15 Centro Instantâneo Normal X Alterado

16 Centro Instantâneo Flexão / Extensão - Deslizamento puro (B) - Rolamento puro (C) - Deslizamento + rolamento

17 Centro Instantâneo (deslocado)

18 Graus de Liberdade do Joelho Rotação Axial - RI (0 a 30 graus) - RE ( 0 a 45 graus) - Movimento influenciado pela posição do joelho no plano sagital

19 Mecanismo de Rotação Terminal - Rotação externa durante a extensão da tíbia (20 graus) - Dado pela conformação anatômica - Mecanismo proporciona estabilidade

20 Mecanismo de Rotação Terminal

21 Graus de Liberdade do Joelho Adução e Abdução - Movimentos influenciados pelo movimento no plano sagital - Aumento da amplitude com flexão até 30 graus - Restringida pela extensão total

22 Ligamentos LCM - Origem: epicôndilo femoral medial - Inserção: borda tibial medial Função: estabiliza joelho contra forças de valgismo em ext. e fl. e também em RI (Cohen & Abdalla, 2003)

23 Ligamentos LCL - Origem: côndilo femoral lat. - Inserção: cabeça da fíbula Função: estabilização lat. do joelho

24 Ligamentos Colaterais - Tensos durante a extensão e folgam com a flexão - Limitam desvios em valgo e varo -Auxiliam na estabilidade com joelho em extensão - Limitam RE

25

26 Ligamentos Cruzados LCA - Origem: região póst-med do côndilo femoral lat - Inserção: área intercondilar ant da tíbia Função: impede anteriorização da tíbia, RI -2 bandas: - anteromed (tensa fl) - posterolat (tensa ext) (Cohen & Abdalla, 2003)

27 LCA “Strain on the Anterior Cruciate Ligament during Closed Kinetic chain Exercises” (Heijine et al, 2004)

28 Ligamentos Cruzados LCP - Origem: face lat do côndilo femoral med - Inserção: área intercondilar post tíbia Função: impede posteriorização da tíbia e RE -2 bandas: - anterolat (tensa fl) - pósteromed (tensa ext) (Cohen & Abdalla, 2003)

29 LCP - Estabiliza joelho em hiperextensão e em grandes graus de flexão -Auxilia na estabilização da RE de 30 a 40 graus, com joelho flexionado a 90 graus

30 Tensão dos Ligamentos Cruzados nas rotações -RI (aproxima articulação) LCA tenso/LCP distendido -RE (separa articulação) LCA distendido/LCP tenso

31 Meniscos - Med. (em forma de “C”, maior raio) -Lat. (forma circular) -Ligamento transverso (Cohen & Abdalla, 2003)

32 Meniscos - Amplamente avascularizados - Artéria sup. e inf. média e lateral do joelho - 10 a 30% (medial) - 10 a 25% (lateral) (Cohen & Abdalla, 2003)

33 Meniscos Funções: - Amortecer impactos - Aliviar pressões - Transformar estresses - Aumentar área de contato - Estabilidade - Nutrição - Reforçar LCT - Criar propriocepção - Limitar hiperflexão e hiperextensão (Cohen & Abdalla, 2003)

34 Deslocamento dos meniscos na flexo-extensão

35 Deslocamento dos meniscos na rotação axial

36 Meniscos “Meniscos não só protegem a cartilagem articular e osso subcondral, mas também contribuem para a estabilização da articulação”

37 Patela - > osso sesamóide do corpo - Imersa no tendão do quadríceps - Superfície post. é recoberta por cartilagem - Facetas int. e ext. (superior, média e inferior) - Faceta de flexão

38 Patela - Patela alonga braço de alavanca do quadríceps - Patela permite distribuição mais larga de cargas de estresses compressivos no fêmur

39 Articulação Patelofemoral

40 A função do mecanismo desta articulação é influenciada por estabilizadores dinâmicos e estáticos. - Dinâmicos: Quadríceps Pata de ganso + bíceps femoral (controle RI e RE tíbia) - Estáticos: Sulco femoral Retináculo extensor Trato iliotibial Tendão do quadríceps e patelar

41 Quadríceps - Reto femoral - Vasto medial (VML e VMO) - Vasto lateral - Vasto intermédio

42 Articulação Patelofemoral Movimentos da patela durante a flexão do joelho.

43 Articulação Patelofemoral Áreas de contato da patela durante o movimento de flexão.

44 Articulação Patelofemoral Vetor em valgo resultante

45 Força de Compressão Patelofemoral A magnitude desta força é influenciada pelo ângulo de flexão do joelho e pela força de contração do quadríceps.

46 Articulação Patelofemoral A função desta articulação depende de sua capacidade para controlar forças no plano sagital e frontal. 3 fatores influenciam na mecânica do plano sagital: - Magnitude do vetor de força resultante dirigido posteriormente; - Impacto da gravidade sobre a força do quadríceps; - Área de contato entre patela e fêmur.

47 Força de Compressão Patelofemoral CCA - Força do quadríceps - Força de compressão - Área de contato

48 Força de Compressão Patelofemoral CCF

49 Força de Compressão Patelofemoral

50  EMG DOS MÚSCULOS QUADRÍCEPS E ISQUIOTIBIAIS DURANTE OS MOVIMENTOS DE FLEXÃO E EXTENSÃO DO JOELHO

51 OBRIGADA!!!


Carregar ppt "ANATOMIA E BIOMECÂNICA DO JOELHO. PLANOS EIXOS - Eixo transversal - Eixo longitudinal - Eixo ântero-posterior."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google