A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Meio Ambiente &Sociedade Modulo V: População.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Meio Ambiente &Sociedade Modulo V: População."— Transcrição da apresentação:

1 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Meio Ambiente &Sociedade Modulo V: População Tradicional, Nativa ou Local

2 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler P O P U L A Ç Ã O T R A D I C I O N A L POPULAÇÃO NATIVA P O P U L A Ç Ã O LOCAL AFINAL, O QUE ESTAS EXPRESSÕES SIGNIFICAM?

3 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler NÃO SE TRATA DE UMA RESPOSTA SIMPLES. SEUS SIGNIFICADOS SÃO DE INTERESSE DA ANTROPOLOGIA, SOCIOLOGIA, GEOGRAFIA E DO DIREITO SOCIOAMBIENTAL.

4 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler NO CASO DA ANTROPOLOGIA, ALGUMAS ESCOLAS DE PENSAMENTO DE DEDICAM MAIS DETIDAMENTE AO TEMA: A ECOLOGIA CULTURAL; A ANTROPOLOGIA ECOLÓGICA; A ETNOCIÊNCIA; E A ANTROPOLOGIA NEOMARXISTA.

5 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler A EXPRESSÃO POPULAÇÃO TRADICIONAL, POR VEZES, SE REFERE ÀS POPULAÇÕES ABORÍGENES OU INDÍGENAS. HÁ QUE SE PERCEBER QUE A OBSERVAÇÃO PARTE DE UMA VISÃO OCIDENTALIZADA OU EUROCENTRICA. LITERALMENTE, A EXPRESSÃO TRADICIONAL REMONTA À IDÉIA DE UMA CULTURA BASEADA NAS TRADIÇÕES (ESPECIALMENTE ORAIS), AFASTANDO-SE DA IDÉIA DAS POPULAÇÕES OCIDENTAIS (OU MODERNAS).

6 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler NESTE SENTIDO O TERMO SE APÓIA NA IDÉIA DE AFASTAMENTO DAS RELAÇÕES DE MERCADO. OU, POR OUTRA PERSPECTIVA, NUM CERTO ISOLAMENTO DE TAIS POPULAÇÕES. AFINAL, POPULAÇÃO NATIVA OU LOCAL É O MESMO QUE POPULAÇÃO TRADICIONAL? E ONDE ELAS SE ENCONTRAM?

7 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler AUTORES AMERICANOS E EUROPEUS UTILIZAM OS TERMOS NATIVE PEOPLE (OU NATIVE POPULATION), OU LOCAL PEOPLE COM O SIGNIFICADO ANÁLOGO AO DE POPULAÇÃO TRADICIONAL.

8 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler POR TAL RAZÃO AS EXPRESSÕES POPULAÇÃO NATIVA OU POPULAÇÃO LOCAL CHEGAM NO PORTUGUÊS COM SIGNIFICADO SEMELHANTE. ANALISADO SOB OUTRA ÓTICA, POPULAÇÃO NATIVA SE REFERE A QUEM É NATIVO, NATURAL DE DETERMINADO LUGAR. E POPULAÇÃO LOCAL SE REFERE A QUEM É DO LUGAR. OU SIMPLESMENTE AQUELES QUE HABITAM DETERMINADO LUGAR. ANÁLOGO A HABITANTE.

9 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler PARA TODOS OS EFEITOS POPULAÇÃO TRADICIONAL ABRANGE POPULAÇÃO NATIVA, POPULAÇÃO LOCAL, CULTURA TRADICIONAL, SOCIEDADE TRADICIONAL, COMUNIDADE TRADICIONAL, POPULAÇÃO CULTURALMENTE DIFERENCIADA, POPULAÇÃO EXTRATIVISTA, POVO TRADICIONAL, COMUNIDADE LOCAL ETC...

10 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler (*) DIEGUES, A. C. O MITO MODERNO DA NATUREZA INTOCADA. SÃO PAULO: ANNABLUME, 2002, P. 88 PARA DIEGUES, “COMUNIDADES TRADICIONAIS ESTÃO RELACIONADAS COM UM TIPO DE ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL COM REDUZIDA ACUMULAÇÃO DE CAPITAL, NÃO USANDO FORÇA DE TRABALHO ASSALARIADO”

11 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler COMO VISTO, HÁ UMA CERTA CONFUSÃO NO ENTENDIMENTO DO CONCEITO. EM QUALQUER CASO, DOIS ELEMENTOS PERMEIAM O CONCEITO E SÃO MUITO IMPORTANTES NA ANÁLISE: TERRITÓRIO E CULTURA.

12 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler JÁ ANALISAMOS A NOÇÃO DE TERRITÓRIO. RELEMBRANDO, O TERRITÓRIO PODE SER ENTENDIDO COMO: UMA PORÇÃO DA NATUREZA E ESPAÇO SOBRE O QUAL UMA SOCIEDADE DETERMINADA REIVINDICA E GARANTE A TODOS, OU A UMA PARTE DE SEUS MEMBROS, DIREITOS ESTÁVEIS DE ACESSO, CONTROLE OU USO SOBRE A TOTALIDADE OU PARTE DOS RECURSOS NATURAIS AÍ EXISTENTES QUE ELA DESEJA OU É CAPAZ DE UTILIZAR (*) (*) DIEGUES, A. C. O MITO MODERNO DA NATUREZA INTOCADA. SÃO PAULO: ANNABLUME, 2002, P. 84

13 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler O TERMO POPULAÇÃO TRADICIONAL RECAI SOBRE A TRADIÇÃO. REPRESENTA A TRANSMISSÃO DE SÍMBOLOS, CRENÇAS, VALORES E OUTROS ELEMENTOS COGNITIVOS QUE IDENTIFICAM UM GRUPO E QUE SÃO PASSADOS DE UMA GERAÇÃO PARA OUTRA. UMA POPULAÇÃO DEVE SER CONSIDERADA TRADICIONAL POR ESTAR FUNDADA EM TRADIÇÕES, LOCALIZADA NUM TEMPO E NUM ESPAÇO, QUE SE TRANSFORMA NUM LUGAR, PELA SIMBOLOGIA CRIADA EM RELAÇÃO ÀS RELAÇÕES SOCIAIS NO SEIO DESTE GRUPO.

14 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Este conjunto de relações com o meio forma uma base cultural. A combinação de cultura exercida num espaço/tempo nos remete à idéia de território e “territorialidade”. O território existe em função da existência de uma cultura (BONNEMAISON, 2002). BONNEMAISON, Joel. Viagem em torno do território. IN: Geografia cultural: um século (3). (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2002, p. 187.

15 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Por outra via o território é a base de uma cultura, envolvendo sempre e concomitantemente uma dimensão simbólica, através de uma “identidade territorial” atribuída pelo grupo social (HAESBAERT, 2001). Esta ligação da população com um espaço geográfico determinado é a territorialidade, que, grosso modo, se dá através de um processo subjetivo de conscientização (CORRÊA, 1994). HAESBAERT, Rogério. Território, cultura e des-territorialização. IN: Religião, identidade e território. (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001, p CORRÊA, Roberto Lobato. Território e corporação: um exemplo. In: SANTOS, M; SOUZA, M.A.A.; SILVEIRA, M.L.. Território, globalização e fragmentação. São Paulo: Hucitec, 1994, p

16 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler A territorialidade, sob outra ótica, é a tentativa de atingir, influenciar ou controlar pessoas, fenômenos e relacionamentos, por indivíduos ou grupos, por via da delimitação e afirmação de controle sobre uma área geográfica (HAESBAERT, 2005). A territorialidade será sempre a relação de um indivíduo ou grupo (população) em face de um território (uma área geográfica) através de suas práticas culturais (COSTA, 2005), ou seja, será sempre cultural a relação entre o ser humano e o espaço. HAESBAERT, Rogério. Territórios alternativos. São Paulo: Contexto, 2002, p.133; COSTA, Benhur. As relações entre os conceitos de território, identidade e cultura no espaço urbano: por uma abordagem microgeográfica. IN: Geografia: temas sobre cultura e espaço. (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2005, p. 85. COSTA, Benhur. As relações entre os conceitos de território, identidade e cultura no espaço urbano: por uma abordagem microgeográfica. IN: Geografia: temas sobre cultura e espaço. (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2005.

17 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Gomes (2001) define cultura como um “conjunto de práticas sociais generalizadas em determinado grupo”, e que leva este grupo a forjar uma imagem de unidade e coerência interna. Estas práticas exprimem os valores e sentidos vividos por certo grupo social e a delimitação de suas diferenças em relação a outros grupos culturais. A cultura, desta forma, corresponde a um conjunto de atitudes, pouco ou nada ritualizadas, através das quais se estabelece uma comunicação entre os membros do grupo. GOMES, Paulo César da Costa. A cultura pública e o espaço: desafios metodológicos. IN: Religião, identidade e território. (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001, p. 93.

18 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler A identidade, segundo Castells (2001), é um processo de construção social sustentada por atributos culturais e, neste sentido, existem pelo menos três formas de construção da identidade: (i) a identidade legitimada, sendo aquela introduzida pelas instituições dominantes na sociedade; (ii) a identidade de resistência, sendo aquela caracterizada pela oposição às instituições dominantes; (iii) a identidade projetada, sendo aquela construída pelos atores sociais como redefinição de uma nova identidade. CASTELLS apud GIL, Ana Helena Corrêa; GIL FILHO, Sylvio Fausto. Identidade religiosa e territorialidade do sagrado: notas para uma teoria do fato religioso. IN: Religião, identidade e território. (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001, p. 49.

19 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler População Tradicional é um termo em construção. Retomando a questão da cultura, Cosgrove define como um conjunto de práticas compartilhadas, que são comuns a um grupo humano diferenciado, práticas estas aprendidas e transmitidas através de gerações. COSGROVE, Denis. A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. IN: Paisagem, tempo e cultura. (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998, p. 101.

20 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Sauer aponta ser a cultura uma “chave para a compreensão sistemática de diferenças e semelhanças entre os homens”. Estas diferenças ocorrem sobre uma base territorial, que considera a noção de cultura para além de indivíduos isolados ou características pessoais, “mas comunidades de pessoas ocupando um espaço determinado, amplo e geralmente contínuo”. Considera, ainda, “crença e comportamento comuns aos membros de tais comunidades”. SAUER, Carl O. Geografia cultural. IN: Introdução à geografia cultural. (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003, p. 28.

21 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Ainda no entendimento de Sauer, existe “uma forma estritamente geográfica de se pensar a cultura, a saber, a marca da ação do homem sobre a área”. Neste mesmo sentido é possível imaginar as pessoas associadas numa e para uma área, da mesma forma em que é possível imaginar estas pessoas associadas por descendência ou tradição, no que contribui este autor para reforçar o conceito de População Tradicional como um grupo específico assentado culturalmente sobre uma base territorial por um tempo identificável, tendo como resultado uma paisagem cultural, que é a ação de um grupo cultural sobre uma paisagem natural. SAUER, Carl O. A morfologia da paisagem. IN: Paisagem, tempo e cultura. (Orgs.) Roberto Lobato Corrêa/Zeny Rosendahl. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998, pp. 30 e 59.

22 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Em sociologia o termo Comunidade Tradicional pode ser entendido como aquela comunidade “mais homogênea e resistente a novas idéias, menos tecnológica e menos dependente da mídia. Atribuem também valor mais baixo à alfabetização e escolaridade e valor mais alto à religião” (*) Já no direito, como adverte Santilli, o conceito de População Tradicional ainda ensaia os primeiros passos na formulação de uma definição que possa ser aceita juridicamente. (*) JOHNSON, Allan G. Dicionário de Sociologia. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1997, p. 46. SANTILLI, Juliana. Socioambientalismo e novos direitos. São Paulo: Peirópolis, 2005, p. 125.

23 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Por exemplo, a Lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) tramitou pelo Congresso Nacional por oito anos, até ser sancionada em julho de 2000, com alguns vetos. Entre os vetos estava o inciso XV do artigo 2°. Este dispositivo conceituava justamente o termo População Tradicional.

24 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Segundo o conceito vetado, entendia-se por População Tradicional os “grupos humanos culturalmente diferenciados, vivendo há, no mínimo, três gerações em um determinado ecossistema, historicamente reproduzindo seu modo de vida, em estreita dependência do meio natural para sua subsistência e utilizando os recursos naturais de forma sustentável”.

25 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler As justificativas para o veto alertavam para o fato que, “com pouco esforço de imaginação, caberia toda a população do Brasil” na conceituação de População Tradicional. Mesmo não sendo definido na lei, o termo População Tradicional encontra-se disperso por todo o texto da lei do SNUC. Sem uma definição exata do que venha a representar o termo, torna-se praticamente impossível efetivar apropriadamente a lei.

26 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Embora possa dificultar a boa aplicação concreta da Lei do SNUC, a falta de definição não impede uma interpretação extensiva. Interpretação Extensiva: quando a lei carece de amplitude, ou seja, diz menos do que deveria dizer, devendo o intérprete verificar qual os reais limites da norma.

27 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler E por ser um termo em construção, na verdade, estimula abordagens conceituais para além da idéia conservacionista/preservacionista de utilização do meio ambiente, podendo compartilhar outras matrizes como a conservação/preservação cultural.

28 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Neste sentido são considerados População Tradicional não indígena: os açorianos (Ilha de Santa Catarina); os caiçaras (litoral de SP + RJ); os caipiras (do tupi = cortador de mato – interior de SP); os babaçueiros (Nordeste); os jangadeiros (CE); os pantaneiros (MT + MS); os pastores (Brasil em geral); os pescadores (Brasil em geral); os praeiros (faixa litorânea entre PI e AP); os quilombolas (Brasil em geral); os ribeirinhos (amazônicos e não amazônicos); os sertanejos (Nordeste); e os sitiantes (Brasil em geral).

29 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Segundo defende Sathler, os garimpeiros do diamante no Alto Rio Jequitinhonha (MG) também seriam considerados população tradicional. SATHLER, Evandro B. A Área de Proteção Ambiental – APA das Águas Vertentes e a população do Alto Jequitinhonha – MG: considerações para uma geografia cultural do diamante. Seminário, Apresentação de Trabalho. II Seminário de Áreas Protegidas e Inclusão Social. Meio de divulgação: Local: UFRJ - Urca; Cidade: Rio de Janeiro; Inst. promotora/financiadora: EICOS - Universidade Federal do Rio de Janeiro;

30 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Com todo o que foi dito, o termo população tradicional ainda não é um termo pacífico no meio jurídico. Em qualquer caso, com a edição da Lei /06 (Lei que institui o Serviço Florestal Brasileiro), este horizonte se modificou. Em seu artigo 3°, inciso X, denominou as comunidades locais como as “populações tradicionais e outros grupos humanos, organizados por gerações sucessivas, com estilo de vida relevante à conservação e à utilização sustentável da diversidade biológica”. Curiosamente coloca as comunidades locais como gênero da qual população tradicional torna-se espécie.

31 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Em sentido análogo a Lei /06 (Lei da Mata Atlântica), no seu artigo 3°, inciso II, denominou população tradicional a “população vivendo em estreita relação com o ambiente natural, dependendo de seus recursos naturais para a sua reprodução sociocultural, por meio de atividades de baixo impacto ambiental”.

32 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Por fim o Decreto 6.040, de 7 de fevereiro de 2007, instituiu a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais, definindo no seu artigo 3°, povos e comunidades tradicionais, territórios tradicionais e desenvolvimento sustentável.

33 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Art. 3°. Para os fins deste Decreto e do seu Anexo compreende-se por: I - Povos e Comunidades Tradicionais: grupos culturalmente diferenciados e que se reconhecem como tais, que possuem formas próprias de organização social, que ocupam e usam territórios e recursos naturais como condição para sua reprodução cultural, social, religiosa, ancestral e econômica, utilizando conhecimentos, inovações e práticas gerados e transmitidos pela tradição; II - Territórios Tradicionais: os espaços necessários a reprodução cultural, social e econômica dos povos e comunidades tradicionais, sejam eles utilizados de forma permanente ou temporária, observado, no que diz respeito aos povos indígenas e quilombolas, respectivamente, o que dispõem os arts. 231 da Constituição e 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias e demais regulamentações; e III - Desenvolvimento Sustentável: o uso equilibrado dos recursos naturais, voltado para a melhoria da qualidade de vida da presente geração, garantindo as mesmas possibilidades para as gerações futuras.

34 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Colchester aponta que “não existe definição universalmente aceita de quem são as comunidades tradicionais ou ´nativas´”, e que, particularmente, o termo tradicional “implica uma longa residência numa determinada área”. Os parâmetros propostos por Diegues para referir-se aos tradicionais, que não se vinculam exclusivamente a aspectos conservacionistas e/ou preservacionistas do meio ambiente, são o que melhor se amoldam na discussão. COLCHESTER, Marcus. Resgatando a natureza: comunidades tradicionais e áreas protegidas. In: Etnoconservação: novos rumos para a proteção da natureza nos trópicos. Antonio Carlos Diegues (org). São Paulo: NUPAUB/USP, 2000, , p DIEGUES, op. cit., p. 89.

35 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Sendo: a)dependência e até simbiose com a natureza, os ciclos naturais e os recursos naturais renováveis a partir dos quais se constrói um modo de vida; b)conhecimento aprofundado da natureza e de seus ciclos que se reflete na elaboração de estratégias de uso e de manejo dos recursos naturais; c)noção de território ou espaço onde o grupo social se reproduz econômica e socialmente; d)moradia e ocupação desse território por várias gerações, ainda que alguns membros individuais possam ter-se deslocado para os centros urbanos e voltado para a terra de seus antepassados; e)importância das atividades de subsistência, ainda que a produção de mercadorias possa estar mais ou menos desenvolvida, o que implica uma relação com o mercado; f)reduzida acumulação de capital;

36 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler g) importância dada à unidade familiar, doméstica ou comunal e às relações de parentesco ou compadrio para o exercício das atividades econômicas, sociais e culturais; h) importância das simbologias, mitos e rituais associados à caça, à pesca e atividades extrativistas; i) a tecnologia utilizada é relativamente simples, de impacto limitado sobre o meio ambiente. Há reduzida divisão técnica e social do trabalho, sobressaindo o artesanal, cujo produtor (e sua família) domina o processo de trabalho até o produto final; j) fraco poder político, que em geral reside com os grupos de poder dos centros urbanos; k) auto-identificação ou identificação pelos outros de se pertencer a uma cultura distinta das outras.

37 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Diegues coloca, ainda, que um dos critérios de maior importância para definir cultura ou população tradicional, além do “modo de vida”, é o “reconhecer-se como pertencente àquele grupo social particular”. Vale reiterar que qualquer grupo social particular tem por base um espaço territorial, do qual é nativo ou não. A natividade torna-se um elemento a mais na conceituação de população tradicional.

38 FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler SEGUNDO E TERCEIRO MOMENTO


Carregar ppt "FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS Bacharelado em Humanidades Meio Ambiente & Sociedade - Prof. Dr. Evandro Sathler Meio Ambiente &Sociedade Modulo V: População."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google