A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Acreditado em Excelência/Nível 3 - ONA ® Dr. Ary Ribeiro; PhD Diretor Técnico-Comercial Hospital Pró-Cardíaco ATS e Qualificação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Acreditado em Excelência/Nível 3 - ONA ® Dr. Ary Ribeiro; PhD Diretor Técnico-Comercial Hospital Pró-Cardíaco ATS e Qualificação."— Transcrição da apresentação:

1 Acreditado em Excelência/Nível 3 - ONA ® Dr. Ary Ribeiro; PhD Diretor Técnico-Comercial Hospital Pró-Cardíaco ATS e Qualificação dos Prestadores para a Qualidade na Assistência à Saúde Rio de Janeiro, 15 e 16 de julho 2009 Mesa Redonda: Indicadores Assistenciais Tema: Divulgando Resultados

2 Acreditado em Excelência/Nível 3 - ONA ® -O ENFOQUE DO TEMA É O DA DIVULGAÇÃO PÚBLICA DE RESULTADOS ASSISTENCIAIS - O VIÉS DO ENFOQUE É O DO SISTEMA PRIVADO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO DE SAÚDE

3 “A agenda” O porque da divulgação pública Iniciativas – exemplos internacionais Análise crítica A iniciativa do Hospital Pró-Cardíaco Visões / propostas

4 Influenciar a escolha de “consumidores” Transparência e atribuição de responsabilidade (accountability) Melhorias na qualidade e eficiência dos serviços Morris and Zelmer. Health Care Accountability Papers - Nº4; Canadian Police Reseach Network Objetivos de comunicação de resultados assistenciais PARA o público

5 Conceitos de Programa de Tornar Público Resultados Assistenciais Public Reporting on the Quality of Healthcare: Emerging Evidence on Promising Practices for Effective Reporting Canadian Health Services Research Foundation

6 “A única maneira de aumentar VALOR rápida e amplamente na assistência à saúde é através da competição baseada em resultados ” VALOR = Resultado obtido por unidade monetária de medida. Porter – Teisberg Repensando a Saúde-2006 Colocando o Tema em Contexto: Concordamos com o conceito de Porter e Teisberg

7 ...prestadores concorrendo entre si pela excelência......prestadores comparados por seus resultados (qualidade x custo)......prestadores excelentes, recompensados com mais pacientes... (e com pagamento diferenciado)... Porter – Teisberg Repensando a Saúde-2006 O que significa isto?

8 Iniciativas internacionais Análise de resultados obtidos

9 Iniciativa do Sistema Sueco Publicação de Resultados Comparativos

10 Sistema Sueco. Publicação de resultados comparativos. Objetivos. Informar e estimular o debate público sobre qualidade e eficiência. Assegurar o direito dos cidadãos (e pacientes) em conhecer os resultados dos serviços de saúde disponíveis. Estimular e apoiar esforços locais e regionais na melhoria dos serviços (qualidade clínica, resultados assistenciais, satisfação e uso eficiente dos recursos) Comparação é uma maneira poderosa de estimular melhoria de performance. QUALITY AND EFFICIENCY IN SWEDISH HEALTH CARE 2008 /

11 3 grupos de hospitais: - Resultados públicos - Resultados confidenciais - Nenhum relatório de resultado Hibbard et al Health Aff 2003;22,84-94 Estudo Wisconsin - USA

12 Achado estudo Wisconsin - USA: A liberação de resultados para o público levou a melhorias de qualidade. Esta melhoria foi maior no hospital que informou o “consumidor” do que naquele que tratou resultados como confidencial. Hibbard et al Health Aff 2003;22,84-94

13 CHQC (Cleveland Clinic Quality Choice) 1993 Mostrou resultado = mortalidade Mas... Não houve ação de recompensa para hospitais melhores ou de penalidade para os piores Então... “Case”: Esforço pioneiro

14 Em 2000, os melhores pararam de fornecer informações. Ou seja... O SISTEMA deve MUDAR, e NÃO apenas PARTE dele, para que a competição baseada em VALOR seja sustentável. Porter – Teisberg Repensando a Saúde-2006

15 Foco em duas questões: O impacto esperado acontece? Um “calcanhar de Aquiles”...

16 A Experiência Canadense Avaliação: O público tem feito maior uso das informações de publicação de resultados assistenciais mas a evidência de impacto ainda é fraca. No entanto, existem exemplos encorajadores de publicações que tem levado a melhoria na qualidade do serviço de saúde, na medida em que todos no sistema aprendem com o exercício. Morris and Zelmer. Health Care Accountability Papers - Nº4; Canadian Police Reseach Network

17 Publicar resultados tem o impacto pressuposto? Resultado de revisão sistemática de 45 estudos - A divulgação pública de resultados de hospitais tem um impacto apenas moderado na escolha de planos de saúde pelo “consumidor” - Há evidência de que a divulgação pública estimula hospitais a implementarem melhorias de qualidade assistencial Fung et al – Ann Intern Med (2008;148:111-23) A questão do IMPACTO avaliada nos USA

18 Mas... Existem evidências de que apresentar os resultados em formato apropriado para o uso da informação leva a melhoria de qualidade e efetividade e impacta escolha. Então... na interpretação desta revisão sistemática (Fung et al) a mensagem a ser enfatizada é: devemos aprimorar a execução de tornar públicos resultados assistenciais e reavaliar seus efeitos na qualidade Ou seja... execução inconsistente leva a resultados variáveis vamos tornar a execução consistente e avaliar seus resultados... Hibbard et al. Ann Intern Med 2008;148. Health Aff 2005; 24 Hibbard J... execução inconsistente leva a resultados variáveis...

19 -Que os RESULTADOS de qualidade assistencial PUBLICADOS sejam VALIDADOS! Pronovost et al Am J Qual;12; nº 2;2008 Ao lado da questão FORMA de COMUNICAR, outra questão crítica (“calcanhar de Aquiles”), fundamental para o sucesso dos esforços de tornar públicos resultados assistenciais é:

20 A ausência de metodologia VÁLIDA para coleta e análise de dados de qualidade assistencial pode levar a uma DISTORÇÃO de FOCO de MELHORIA do cuidado para o de APARÊNCIA de bons resultados. Como abordar este problema? A ciência da “pesquisa clínica” deve ser um referencial metodológico para a “ciência da qualidade”. Werner et al JAMA 2005;293 “Eu não sou proveito, sou pura fama” Caetano Veloso

21 Exemplo: -Incidência de trombose venosa profunda em pacientes com trauma - John Hopkins: -A adoção de coleta padronizada de dados (ciência da pesquisa clínica) levou a um aumento da incidência em 10 X tornando a performance de prevenção de uma das melhores para uma das piores Exemplo prático do nosso dia-a-dia medida de qualidade assistencial com metodologia adequada: - Dados “rotineiramente” coletados pelas Comissões de Controle de Infecção Hospitalar Pronovost et al Am J Qual;12; nº 2;2008

22 A Experiência Canadense - Lições aprendidas Objetivos claros: desenho, implementação e avaliação Forma de comunicação: adaptada para público alvo Guiar interpretação e utilização da informação (de acordo com público alvo) Saber escolher o que é relevante e medir (e publicar) Equilíbrio da relação custo da aferição e publicação de resultados e impacto esperado. Os custos de produzir os resultados se justificam? Participação de instituições, voluntária ou mandatória? Existem prós e contras para os dois. Morris and Zelmer. Health Care Accountability Papers - Nº4; Canadian Police Reseach Network

23 Acreditado em Excelência/Nível 3 - ONA ® A iniciativa do Hospital Pró-Cardíaco

24

25 Para quem a publicação de resultados é dirigida? -Médicos -Público em geral -Operadoras de planos de saúde -Hospitais / Associações -Agências reguladoras / acreditadoras -Compradores de planos de saúde – Empresas / Governo

26 Visões / Propostas Uma nova era Investimento em pesquisa

27 Pressuposto: Estamos iniciando uma era onde QUALIDADE e EFICIÊNCIA são pontos fundamentais na CONTRATAÇÃO da PRESTAÇÃO de serviço de saúde. Como conseqüência, qualidade e eficiência são recompensadas por PAGAMENTO POR PERFORMANCE, ou, como outros preferem, CONTRATAÇÃO BASEADA EM VALOR. Uma definição ampla de pagamento por performance: “... qualquer tipo de contratação e acordo de pagamento baseada na performance do prestador de serviço, inclusive naquelas que medem custo.” (Dudley and Rosenthal, 2006). Health Care Financing Review / Fall 2007/Volume 29, Number 1

28 N Engl J Med 356;5. February 1, 2007

29 Methods - adherence to 10 individual and 4 composite measures of quality over a period of 2 years hospitals - voluntarily reported information, including 207 facilities that simultaneously participated in a pay-for-performance demonstration project - compared the pay-for-performance hospitals with the 406 hospitals with public reporting only (control hospitals) Results - compared with the control group, pay-for-performance hospitals showed greater improvement in all composite measures of quality and a composite of 10 measures. - in pay-for-performance hospitals, the improvement in the composite of all 10 measures was 16.1% for hospitals in the lowest quintile of baseline performance and 1.9% for those in the highest quintile (P<0.001). After adjustments were made for differences in baseline performance and other hospital characteristics, pay for performance was associated with improvements ranging from 2.6 to 4.1% over the 2-year period. Conclusions Hospitals engaged in both public reporting and pay for performance achieved modestly greater improvements in quality than did hospitals engaged only in public reporting. N Engl J Med 356;5. February 1, 2007

30 N Engl J Med 356;5, February 1, 2007

31 Desafios hoje e à frente... Negociação com operadoras de planos de saúde para dividir ganhos Financiamento / investimento do sistema de aferição dos resultados Financiamento / investimento em pesquisa da “ciência” da aferição de resultados e de sua comunicação Vencer resistências – receio de hospitais, profissionais de saúde, interesses corporativos diversos Metodológicos – Ex: instituições de baixo volume; comparações, etc Haver confiabilidade nos resultados

32 Desafio - Ênfase... Uma das fraquezas atuais dos esforços de publicação de resultados assistenciais (qualidade) é a “imaturidade” da ciência da qualidade que se reflete na inconsistência da validade da métrica. Para contrabalançar esta fraqueza precisamos nos valer da força e da maturidade metodológica da pesquisa clínica, assim como de investimentos em PESQUISA da CIÊNCIA da QUALIDADE e da CIÊNCIA de COMUNICAÇÃO de seus resultados.

33 Enquanto investimos na ciência da qualidade e da comunicação de seus resultados, aprimoramos com a prática Não devemos mais esperar por “dados perfeitos” sobre resultados “Ter dados, mesmo imperfeitos, é melhor do que não ter nenhum, porque tê-los, mesmo que imperfeitos, promove aprendizagem e aperfeiçoamento”... Porter – Teisberg Repensando a Saúde-2006

34 Acreditado em Excelência/Nível 3 - ONA ® Dr. Ary Ribeiro; PhD Diretor Técnico-Comercial Hospital Pró-Cardíaco ATS e Qualificação dos Prestadores para a Qualidade na Assistência à Saúde Rio de Janeiro, 15 e 16 de julho 2009 Mesa Redonda: Indicadores Assistenciais Tema: Divulgando Resultados


Carregar ppt "Acreditado em Excelência/Nível 3 - ONA ® Dr. Ary Ribeiro; PhD Diretor Técnico-Comercial Hospital Pró-Cardíaco ATS e Qualificação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google