A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

O SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA - Iluminismo e Revolução Francesa - Revolução Industrial e Capitalismo - Novas questões, novos problemas, nova ciência para.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "O SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA - Iluminismo e Revolução Francesa - Revolução Industrial e Capitalismo - Novas questões, novos problemas, nova ciência para."— Transcrição da apresentação:

1 O SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA - Iluminismo e Revolução Francesa - Revolução Industrial e Capitalismo - Novas questões, novos problemas, nova ciência para pensar a sociedade.

2 C OMO TUDO COMEÇOU ! Apesar da ciência sociológica ser considerada nova, pois ela se consolidou por volta do século XIX, a angústia de se entender as sociedades, por sua vez, não é tão nova assim. Se olharmos para a Grécia Antiga, vamos ver que lá já havia o desejo de se entender a sociedade. Idade Média: predomínio explicação religiosa sobre o mundo. A partir do século XIV, os renascentistas, com base naquilo que os gregos começaram, isto é, a questionar o mundo de maneira reflexiva rejeitavam a explicação religiosa e defendiam que os homens deveriam entender a sociedade por meio da razão.

3 O I LUMINISMO E A R EVOLUÇÃO FRANCESA No século XVIII, houve um momento na Europa, chamado de Iluminismo, que começou na Inglaterra e na França, mas que posteriormente espalhou-se por todo o continente. A partir dele a idéia de valorizar a ciência e a racionalidade no entendimento da vida social tornou- se ainda mais forte. Uma característica das idéias do Iluminismo era o combate ao Estado absoluto, ou absolutismo, que começou a surgir na Europa ainda no final da Idade Média, no século XV, em que o rei concentrava todo o poder em suas mãos e governava sendo considerado um representante divino na terra. Passagem da IM para a era Moderna.

4 Com a ciência ganhando força, era inviável o fato de voltar a pensar a vida e a organização social por vias que não levassem em conta as considerações da ciência em debate com as de fundo religioso. Como por exemplo, imaginar os governantes como sendo representantes sobrenaturais. Nesse período, a continuada consolidação da reflexão sistemática sobre a sociedade foi ajudada por autores como Voltaire ( ), filósofo que defendia a razão e combatia o fanatismo religioso; Jean- Jacques Rousseau ( ), que estudou sobre as causas das desigualdades sociais e defendia a democracia; Montesquieu ( ), que criticava o absolutismo, e defendia a criação de poderes separados (legislativo, judiciários e executivo), os quais dariam maior equilíbrio ao Estado, uma vez que não haveria centralidade de poder na mão do governante.

5 R EVOLUÇÃO F RANCESA Foi nessa época também, justamente inspirada pelas idéias iluministas, que aconteceu a Revolução Francesa na qual o Terceiro Estado (burgueses+camponeses+trabalhadores) derrubou a monarquia absolutista (Clero e Nobreza).

6 Portanto, com o Iluminismo e as mudanças na estrutura política decorrentes da Revolução Francesa, começa a ser impulsionada, ou preparada, a idéia da existência de uma ciência que pudesse ajudar a interpretar os movimentos da própria sociedade.

7 C ONSOLIDAÇÃO DO C APITALISMO E A R EVOLUÇÃO I NDUSTRIAL

8 Estamos mudando de assunto? Mudando em parte, porém não estamos deixando de falar do surgimento da Sociologia. Há outros elementos que a motivaram surgir.... As transformações na sociedade européia não estavam ocorrendo somente no campo das ideias e das estruturas políticas...

9 Houve também a consolidação do sistema capitalista, culminando com a Revolução Industrial, que ocorreu em meados do século XVIII, na Inglaterra, gerando grandes alterações no estilo de vida das pessoas, sobretudo nas das que viviam no campo ou do artesanato. Estes temas despertavam o interesse de críticos da época. Dessa maneira, quando a Sociologia iniciou os seus trabalhos, ela o fez com base em pensadores que viram os problemas sociais ocasionados a partir da crise gerada pelos fatos acima mencionados. Sistema capitalista: A propriedade privada é sua característica mais forte. O capitalista é aquele que a possui, isto é, a empresa ou os meios de produção. Os empregados são aqueles que vendem sua força de trabalho para o capitalista. E o lucro, além da recuperação do capital investido na fabricação dos bens a serem vendidos, é a meta deste sistema. Distinção de classes: embora não a única, a propriedade ou não dos meios de produção é a primeira e mais importante condição que separa os indivíduos em diferentes classes sociais.

10 R ECORRENDO À H ISTÓRIA PARA ENTENDERMOS... Podemos dizer que o início do sistema capitalista se deu na chamada Baixa Idade Média, entre os séculos IX e XV, na Europa Ocidental. A partir do século XI, com as “cruzadas” realizadas pela Igreja Católica, para conquistar Jerusalém que estava dominada pelos muçulmanos, um canal de circulação de riquezas na Europa foi aberto. O contato cultural e o comércio do ocidente com o oriente europeu foram retomados via Mar Mediterrâneo. Com a movimentação de pessoas e riquezas houve, na Europa Ocidental, o surgimento de núcleos urbanos, conhecidos por burgos. Destes, surgiram as cidades.

11 As chamadas corporações de ofício, que eram uma espécie de associação que organizava as atividades artesanais para ter acordo entre os preços de venda e qualidade do produto, por exemplo, começaram a aparecer a fim de regular o trabalho dos artesões que vinham para as cidades exercer sua profissão. Aqui vemos que a idéia do lucro se fortalecia. Mais tarde, os europeus começaram a explorar o comércio em termos mundiais, principalmente depois dos séculos XV e XVI e das chamadas Grandes Navegações. Por exemplo, com o descobrimento da América, muita riqueza daqui era levada à Europa para a criação de mercadorias que seriam vendidas nesse mercado mundial que estava surgindo. A idéia de uma produção em série de mercadorias começava a surgir.

12 As antigas corporações de ofícios foram transformadas pelos comerciantes da época em manufatura. O trabalho manufatureiro acontecia com vários artesãos, em locais separados e dirigidos por um comerciante que dava a eles a matéria-prima e as ferramentas. No final do trabalho encomendado, os artesões recebiam um pagamento acertado com o comerciante. Mais à frente ainda, os comerciantes (futuros empresários capitalistas) pensaram que seria melhor reunir todos esses artesãos num só lugar, pois assim poderiam ver o que eles estavam produzindo. Além de cuidar da qualidade do produto, o controle sobre a matéria-prima e ritmo da produção poderia ser maior.

13 F OI ENTÃO QUE SURGIU A IDÉIA DA FÁBRICA... Um lugar com uma produção mais organizada, com a acentuação da divisão de funções, onde o artesão ia deixando de participar do processo inteiro de produção da mercadoria e onde passava a operar apenas parte da produção. Desse ponto para a implantação das máquinas movidas a vapor, restava somente o tempo da invenção das mesmas.

14 Quando o inventor escocês James Watt ( ) conseguiu patentear a máquina a vapor, em abril de 1784, ela veio dar grande impulso à industrialização que se instalava, aumentando a produção, diminuindo os gastos com mão-de-obra e aumentando o acúmulo de capital. A partir da Revolução Industrial (século XVIII), as cidades da Europa Ocidental começavam a se transformar em grandes centros urbanos comerciais e, posteriormente, industriais. Muitas delas “inchadas” por desempregados. O estilo de vida das pessoas estava se transformando – para alguns de forma violenta e radical – como era o caso de muitos camponeses que eram expulsos pelos senhores das terras que as cercavam para criar ovelhas e fornecer lã às fábricas de tecidos.

15 Já no caso dos artesãos, esses “perdiam” sua qualificação profissional e o controle sobre o que produziam, ou seja, de profissionais, passavam a “não ter profissão”, pois a indústria era quem ditava que tipo de profissional precisava ser. Não importava se fossem grandes artesãos, só precisariam aprender a operar a máquina da fábrica. Se fosse hoje, usaríamos o termo aprender a “apertar botões”. Dessa maneira, como não tinham capital para ter uma produção autônoma e competir com a fábrica, submetiam- se ao trabalho assalariado.

16 Novas e grandes invenções estavam sendo realizadas no campo tecnológico, como as próprias máquinas a vapor das indústrias. O comércio mundial estava aumentando cada vez mais. O mundo estava “encolhendo”, em termos de fronteiras comerciais e ficando “europeizado”. E em meio a isto, duas classes distintas emergiam: a composta pelos empresários e banqueiros, chamada de classe burguesa, e a classe assalariada, ou proletária. A classe burguesa é aquela que ao longo do tempo veio acumulando capital com o comércio e reteve os meios de produção em suas mãos, isto é, as ferramentas, os equipamentos fabris, o espaço da fábrica, etc., bem como o poder político. Já a classe proletária, sem capital e expropriada dos meios de produção por meio de sua expulsão dos feudos e das terras comuns, tornava-se fornecedora de mão-de-obra aos donos das fábricas.

17 O burguês – detentor dos meios de produção e os proletários – força de trabalho assalariada.

18 E M R ESUMO... O quadro social na Europa Ocidental do período passava, então, por transformações profundas, provocadas pela consolidação do sistema capitalista, pela valorização da ciência na elaboração de explicações a respeito do mundo, pela abertura de mercados mundiais, pelos conflitos derivados das condições de vida miseráveis dos operários, confrontadas com o enriquecimento da classe burguesa. É em meio a todas essas MUDANÇAS que a Sociologia começa a ser pensada como sendo uma ciência para dar respostas mais elaboradas sobre os novos problemas sociais. A Sociologia e suas teorias foram se constituindo como ferramentas de reflexão sobre a sociedade industrial e científica que surgia.


Carregar ppt "O SURGIMENTO DA SOCIOLOGIA - Iluminismo e Revolução Francesa - Revolução Industrial e Capitalismo - Novas questões, novos problemas, nova ciência para."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google