A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Mercado de Capitais Mercado de Capitais Intermediação Financeira Mercado de Capitais Mercado de Capitais Intermediação Financeira Luciana Torres UNIESP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Mercado de Capitais Mercado de Capitais Intermediação Financeira Mercado de Capitais Mercado de Capitais Intermediação Financeira Luciana Torres UNIESP."— Transcrição da apresentação:

1 Mercado de Capitais Mercado de Capitais Intermediação Financeira Mercado de Capitais Mercado de Capitais Intermediação Financeira Luciana Torres UNIESP

2 Tópicos abordados Mercado de Capitais Introdução Introdução 1. Definições de Mercado de Capitais 2. Intermediação Financeira 2.1. Escassez e rendimentos decrescentes Curva de possibilidade de produção 2.2. Formas de organização econômico Os preços e o mercado 2.3. Rendas, investimento e poupança 2.4. Produto interno e produto nacional Desenvolvimento, crescimento econômico e intermediação financeira BibliografiaExercícios Luciana Torres UNIESP

3 Luciana Torres UNIESP 1. Definições de Mercado de Capitais Fonte (Mercado de Capitais, BOVESPA) Mercado de Capitais Introdução É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito de proporcionar liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabilizar seu processo de capitalização. É constituído:  Bolsa de Valores;  Sociedades Corretoras;  Instituições financeiras autorizadas. Os mercado do dinheiro: MercadoFim  Monetário Controle da liquidez monetária da economia, suprimentos momentâneos de caixa  CréditoFinanciamento do consumo e capital de giro das empresas  CâmbioConversão de valores, em moedas estrangeiras e nacional  CapitaisNegociações de títulos (debêntures, ações) que permitem a circulação para custear o desenvolvimento econômico

4 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira A compreensão da economia permite que se estabeleçam relações entre seus resultados agregados e o desempenho dos vários agentes econômicos que a compõem.  Agentes econômicos entendem-se todas as pessoas e formas de organização (indivíduos, empresas e governo) com capacidade de tomar decisões. 2. Intermediação Financeira 2.1. Escassez e rendimentos decrescentes A economia estuda a riqueza, as transações de troca que se verificam entre as pessoas. Procura compreender a decisão de utilização de recursos produtivos escassos (terra, trabalho e capital), que carregam um custo de oportunidade, no processo de transformação e produção de diversos bens e serviços, e sua distribuição para consumo. (ASSAF, 2010) Toda sociedade econômica (qualquer que seja sua forma de trabalho) enfrenta três problemas fundamentais e determinados pela lei da escassez:  O que e em que quantidade produzir;  Como produzir, com que recursos tecnológicos, financeiros, etc.;  Para quem produzir, ou seja, para quem deverão ser distribuídos os diversos bens produzidos.

5 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira 2.1. Escassez e rendimentos decrescentes - Continuação Os denominados bens livres, como o ar puro, mar, luz solar, são intangíveis e menos freqüentes, dando assim espaço aos bens econômicos, que apresentam nível de escassez e valor econômico, cabendo a sociedade a decisão sobre os produtos a serem produzidos. Por exemplo, antigamente, se tinha uma série de alimentos gratuitos, andavam-se pelas ruas e praças e comia-se frutas das árvores, etc. Causa - Decisão econômica: melhor seleção dos produtos relativamente escassos:  Quanto mais se gasta em moradia, menos se consome em vestuário;  Quanto mais os governos aplicarem em estradas, menos recursos para a educação.

6 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira Resultado - Quanto mais a sociedade consumir hoje, menor sua capacidade de poupança e, em conseqüência, menor sua capacidade futura de produção e geração de riqueza.  Lei da Substituição: a economia de pleno emprego assume, ao decidir produzir determinado produto, renunciar a produção de outro, ou também, toda vez que se deseja obter quantidades adicionais de um bem, é necessário, é necessário sacrificar quantidades de outro;  Lei dos rendimentos decrescentes: unidades adicionais de fatores de produção promovem incrementos na produção, porém a taxas decrescentes. Exemplo: Produção sacos de grão agrícolas: 2.1. Escassez e rendimentos decrescentes - Continuação

7 Mercado de Capitais Intermediação Financeira A curva descreve, numa economia em que se admite o pleno emprego dos recursos produtivos, as alternativas de produção disponíveis a sociedade. Ao dar preferência a determinado produto, deve-se, em contrapartida, abrir mão da produção de certa quantidade de outro, caracterizando a lei da substituição. Exemplo clássico de Samuelson Curva de possibilidade de produção Objetivo: auxiliar na decisão de seleção dos recursos escassos, de forma que a sociedade possa atingir seus objetivos. Sendo importante, também, para tornar mais claros os conceitos de o que, como e para quem produzir, onde:  O que produzir: está refletido no ponto escolhido da curva de possibilidade de produção;  Como produzir: envolve os recursos disponíveis e seu uso eficiente;  Para quem produzir: requer à analise da curva, a verificação de outras variáveis de satisfação dos desejos e necessidades de toda a sociedade. Luciana Torres UNIESP

8 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira Podem ser identificadas duas formas de organização econômica: a) Economia centralizada (economia socialista) Em que as propriedades são transferidas ao Estado b) Economia de mercado (economia capitalista) Em que predomina a propriedade privada  Sistema laissez-faire: admite que o mercado tem total condição de solucionar os problemas básicos de economia (o que, como e para quem produzir) orientados por um mecanismo de livre formação dos preços. Uma economia baseada na concorrência de mercado não necessita da intervenção do Estado, e é gerida por uma mão invisível que promove o equilíbrio entre as forças de mercado.  Sistema misto: prevê uma necessidade crescente, marcada talvez pela interdependência da ordem econômica mundial, de controle da atividade econômica por parte do estado. Sofre atuações diretas sobre os preços em geral, juros, impostos e subsídios da economia, formação de estoques reguladores, políticas de gastos públicos, etc Formas de organização econômico

9 Mercado de Capitais Intermediação Financeira O preço numa economia de mercado é determinado pela intersecção das curvas de oferta e demanda, a qual exprime o ponto de equilíbrio de mercado: Os preços e o mercado Em economia de mercado, consumidores e produtores reagem de forma diferente aos preços. O ponto E indica o equilíbrio entre a oferta e a procura deste de bens e serviços, ou seja, nesse nível vendedores possuem quantidades exatamente iguais às que os consumidores desejam adquirir, eliminando-se especulações com preços. Ao ocorrer a procura de maior quantidade de um bem, o mecanismo de mercado fará com que os preços se elevem. atraindo maior quantidade de produtores. Por outro lado, se um produto for encontrado em quantidade maior à desejada pelos consumidores, a concorrência forçará a redução de seus preços, incentivando seu consumo. Modelos de formação de preço  Analise do equilíbrio parcial: trata isoladamente da formação do preço de certo bem, serviço ou fator de produção, sem levar em consideração as possíveis relações e os impactos com outros mercados.  Analise do equilíbrio geral: variações de preços que venha a ocorrer num mercado, exercem influência sobre os demais do mercado. (solicitar exemplo da sala) Luciana Torres UNIESP

10 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira Rendas É a remuneração dos agentes que participam, de alguma forma, do processo produtivo de uma economia. São receitas em dinheiro compensatórias de serviços prestados, como salários recebidos, juros sobre capital emprestado, juros sobre capital investido, etc. Existem vários tipos de renda:  Renda interna: equivale ao produto interno da economia, exprimindo o total das rendas geradas no interior do país;  Renda nacional: é a soma de todas as rendas auferidas pelos habitantes de um país, determinada pelas operações produtivas de caráter interno e externo. Exemplo: lucros recebidos do exterior são de propriedade do país recebedor e, portanto considerados como renda nacional. Lucros remetidos para outras economias, são receitas geradas internamente, porém de propriedade de outros países, não sendo portanto considerados como renda nacional, e sim, classificados como renda interna.  Renda pessoal: é a renda efetivamente transferida às pessoas, e é calculada deduzindo-se da renda nacional os lucros retidos pelas empresas, contribuições e benefícios previdenciários, Imposto e Renda sobre pessoas jurídicas, etc Rendas, investimento e poupança

11 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira Investimento É a ampliação de capital em alternativas que promovem o aumento efetivo da capacidade produtiva de um país, determinando maior capacidade futura de gerar riqueza (rendas). O investimento pode ocorrer em bens de capital (máquinas, equipamentos, etc.), denominado formação bruta de capital fixo, e em estoques Rendas, investimento e poupança Poupança É a parcela da renda economizada pelos agentes econômicos que não foi consumida na aquisição de bens e serviços. É a postergação da capacidade de consumo diante de uma expectativa de maiores dispêndios no futuro. Exemplo: lucros retidos pelas empresas. Em função dos seguintes fatores:  Capacidade de poupar  Desejo de poupar  Oportunidade de poupar Poupança Parcela de renda não consumida Investimento Aplicação de recurso em algo lucrativo, aumentando o estoque de riqueza

12 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira Produto interno Representa o valor, a preços de mercado de bens e serviços realizados num país em certo período de tempo, normalmente um ano. Ou seja, considera unicamente os bens e serviços produzidos e vendidos internamente no país. Pode ser interpretado ainda como os valores adicionados por empresa na produção de bens e serviços.  Produto interno bruto - PIB: é definido quando não for descontada a depreciação dos bens motivada pelo desgaste nos bens fixos. PIB - Vl Capital Depreciado = PIL (Produto interno líquido) Produto nacional É a soma do produto interno com toda a produção realizada em outra economia pelos agentes econômicos instalados no país. O produto nacional é avaliado também pelo conceito bruto e líquido, ao considerar e deduzir dos cálculos, respectivamente, o valor do capital depreciado. Sua avaliação é completa mediante o uso de outros índices sociais, como mortalidade infantil, escolaridade, expectativa de vida, nível de distribuição de renda, etc Produto interno e produto nacional

13 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira Crescimento econômico É a expansão quantitativa da capacidade produtiva de um país ao longo do tempo. Há um crescimento econômico quando se observa elevação da quantidade de bens e serviços produzidos por um país superior ao de sua população, evidenciando contínua elevação de sua produtividade. Desenvolvimento econômico Aborda outras variáveis além das consideradas no crescimento econômico, ressaltando as condições de vida da população de um país. É analisado por sua abrangência aos diversos setores da economia, necessitando de outros indicadores socioeconômicos da renda, saúde, educação, etc Desenvolvimento, crescimento econômico e intermediação financeira

14 Luciana Torres UNIESP Mercado de Capitais Intermediação Financeira Intermediários Financeiros são instituições que tem a função de viabilizar as operações do mercado financeiro e contribuir para uma alocação mais eficiente dos recursos da economia:  Permite a aproximação entre os vários agentes econômicos, promovendo transferências de poupanças a um custo mínimo e a um nível reduzido de risco;  Essa intermediação se processa pela colocação de títulos e valores econômicos no mercado por meio de instituições, como bancos, caixas econômicas, fundos de pensão, etc.  São bancos de qualquer espécie, mas também as distribuidoras de valores mobiliários, corretoras de câmbio, sociedades de crédito, administradoras de cartões de crédito, cooperativas de crédito, etc. O mercado financeiro cumpre sua finalidade quando permite eficiente interação entre poupadores e tomadores de recursos, promovendo investimentos e crescimento da economia Desenvolvimento, crescimento econômico e intermediação financeira

15 Luciana Torres UNIESP Bibliografia ASSAF NETO, Alexandre. Mercado Financeiro. 9 Ed. Atlas: São Paulo, PINHEIRO, Juliano Lima. Mercado de Capitais Fundamentos e Técnicas. 4 Ed. Atlas: São Paulo, RUDGE, Luiz Fernando. Mercado de Capitais, o que é, como funciona. 6ª. Ed. Rio de janeiro: Campus Mercado de Capitais Intermediação Financeira


Carregar ppt "Mercado de Capitais Mercado de Capitais Intermediação Financeira Mercado de Capitais Mercado de Capitais Intermediação Financeira Luciana Torres UNIESP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google