A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PARÓQUIA SANTA BERTILA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PARÓQUIA MISSIONÁRIA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PARÓQUIA SANTA BERTILA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PARÓQUIA MISSIONÁRIA."— Transcrição da apresentação:

1 PARÓQUIA SANTA BERTILA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PARÓQUIA MISSIONÁRIA

2 A MISSÃO DA IGREJA É EVANGELIZAR. A IGREJA EXISTE PARA SER MISSIONÁRIA. EVANGELIZAR É ANUNCIAR E PUBLICAR A MENSAGEM DO EVANGELHO (CF. DECRETO AD GENTES 2; 7). ASSIM, EVANGELIZAR TEM TRÊS GRAUS: ANUNCIAR O EVANGELHO O EVANGELHO ANUNCIA JESUS CRISTO JESUS CRISTO ANUNCIA O REINO

3 “VÃO E FAÇAM COM QUE TODOS OS POVOS SE TORNEM MEUS DISCÍPULOS, BATIZANDO-OS EM NOME DO PAI, DO FILHO E DO ESPÍRITO SANTO... EIS QUE ESTOU COM VOCÊS...” (MT 28,19-20).

4 “A IGREJA NECESSITA DE FORTE COMOÇÃO, QUE A IMPEÇA DE SE INSTALAR NA COMODIDADE, NO ESTANCAMENTO E NA INDIFERENÇA, À MARGEM DO SOFRIMENTO DOS POBRES DO CONTINENTE” (DA 362).

5 “LANÇAI AS VOSSAS REDES PARA PESCAR!” LC 5,4!” ESTA ORDEM DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO A SÃO PEDRO, QUE DEPOIS DA PESCA MILAGROSA TRANSFORMOU-SE EM: “DORAVANTE SERÁS PESCADOR DE HOMENS” LC 5,10, FOI FIELMENTE OBSERVADA POR JOÃO PAULO II. EM 1983, NO HAITI, NA PRESENÇA DOS BISPOS DO CELAM, O PAPA JOÃO PAULO II APELA E CONVOCA TODO BATIZADO PARA UMA GRANDE PESCARIA, COMO AQUELA DE LC 5, A QUAL DENOMINOU NOVA EVANGELIZAÇÃO. AS CONCLUSÕES DA CONFERÊNCIA EPISCOPAL DE SANTO DOMINGO DELINEARAM PONTO A PONTO TODOS OS ASPECTOS E CARACTERÍSTICAS DESTE APELO DO PAPA PARA UMA NOVA EVANGELIZAÇÃO. ORIGEM

6 SD 24 – FALAR EM NOVA EVANGELIZAÇÃO É RECONHECER QUE EXISTIU UMA ANTIGA OU PRIMEIRA, CONTUDO NÃO SIGNIFICA QUE A ANTERIOR TENHA SIDO INVÁLIDA. NÃO SIGNIFICA UM NOVO EVANGELHO DIFERENTE DO PRIMEIRO, E TAMBÉM NÃO QUER DIZER RE-EVANGELIZAR. A NOVA EVANGELIZAÇÃO SURGE COMO RESPOSTA AOS PROBLEMAS APRESENTADOS PELA REALIDADE DE NOSSO CONTINENTE NO QUAL SE DÁ UM DIVÓRCIO ENTRE FÉ E VIDA. É UM CHAMADO A CONVERSÃO, UM NOVO PENTECOSTES. JUSTIFICANDO

7 NOVA NO SEU ARDOR: O MELHOR EVANGELIZADOR É O SANTO, AQUELE QUE, NO ESPÍRITO SANTO, CONFORMOU A SUA VIDA À DE JESUS CRISTO, O PRIMEIRO EVANGELIZADOR. POR ISSO TEM O MESMO ARDOR DE CRISTO (SD 28). NOVA EM SEUS MÉTODOS: METODOLOGIA ATUAL, EFICAZ, CRIATIVA, PEDAGÓGICA, SOB A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO (SD 29). NOVA EM SUA EXPRESSÃO: UMA LINGUAGEM PRÓXIMA DAS NOVAS REALIDADES CULTURAIS DE HOJE; INCULTURAÇÃO. EXPLICAÇÃO DO PAPA JOÃO PAULO II DE COMO DEVE SER A NOVA EVANGELIZAÇÃO

8 DEPOIS DA IV CONFERÊNCIA GERAL, EM SANTO DOMINGO, MUITAS COISAS MUDARAM NA SOCIEDADE. A IGREJA QUE PARTICIPA DOS GOZOS E ESPERANÇAS, DAS PENAS E ALEGRIAS DE SEUS FILHOS, QUER CAMINHAR AO SEU LADO NESTE PERÍODO DE TANTOS DESAFIOS PARA INFUNDIR-LHES SEMPRE ESPERANÇA E CONSOLO. A V CONFERÊNCIA GERAL, EM APARECIDA, CELEBRA A CONTINUIDADE DAS ANTERIORES. COM O MESMO ESPÍRITO QUE AS ANIMOU, OS PASTORES QUEREM DAR AGORA UM NOVO IMPULSO À EVANGELIZAÇÃO, A FIM DE QUE ESTES POVOS CONTINUEM CRESCENDO E AMADURECENDO EM SUA FÉ, PARA SER LUZ DO MUNDO E TESTEMUNHAS DE JESUS CRISTO COM A PRÓPRIA VIDA. Resultados

9 TRECHO DA CARTA DE S.S. BENTO XVI AO EPISCOPADO DA AMERICA LATINA E CARIBE ENTRE OUTRAS,LI COM PARTICULAR APREÇO,AS PALAVRAS QUE EXORTAM A DAR PRIORIDADE, À EUCARISTIA E A SANTIFICAÇÃO DO DIA DO SENHOR NOS PROGRAMAS PASTORAIS (CF. Nº ), ASSIM COMO AS QUE EXPRESSAM O DESEJO DE REFORÇAR A FORMAÇÃO CRISTÃ DOS FIÉIS, EM GERAL, E DOS AGENTES DE PASTORAIS EM PARTICULAR.

10

11

12 OBJETIVO GERAL DA 49ª ASSEMBLÉIA GERAL EVANGELIZAR A PARTIR DE JESUS CRISTO E NA FORÇA DO ESPÍRITO SANTO, COMO IGREJA DISCÍPULA, MISSIONÁRIA E PROFÉTICA, ALIMENTADA PELA PALAVRA DE DEUS E PELA EUCARISTIA, À LUZ DA EVANGÉLICA OPÇÃO PREFERENCIAL PELOS POBRES, PARA QUE TODOS TENHAM VIDA ( Cf. Jo. 10,10), RUMO AO REINO DEFINITIVO

13 DIR.GERAIS DA AÇÃO EVANG.DA IGREJA NO BRASIL PNE – PLANO NACIONAL DE EVANG. DA CNBB XVII PLANO DE AÇÃO EVANGELIZAÇÃO DA ARQ. CTBA 50ª CRIAÇÃO DO PROJETO PARÓQUIA MISSIONÁRIA INFORMAÇÃO 2016 – TODA ARQUIDIOCESE MISSIONÁRIA 49ª CRIAÇÃO DO COMIPA

14 UM NOVO OLHAR UM NOVO OLHAR PARA UMA NOVA PRÁTICA. UMA ANÁLISE DE AMBIENTE DE NOSSA COMUNIDADE. UMA ANÁLISE DE AMBIENTE DE NOSSA COMUNIDADE. UM OLHAR PARA NOSSA REALIDADE. UM OLHAR PARA NOSSA REALIDADE. PONTO DE PARTIDA NA PARÓQUIA

15 AS PARÓQUIAS SÃO CÉLULAS VIVAS DA IGREJA E O LUGAR PRIVILEGIADO NO QUAL A MAIORIA DOS FIÉIS TEM UMA EXPERIÊNCIA CONCRETA DE CRISTO E A COMUNHÃO ECLESIAL. SÃO CHAMADAS A SER CASAS E ESCOLAS DE COMUNHÃO (170). TODOS OS MEMBROS DA COMUNIDADE PAROQUIAL SÃO RESPONSÁVEIS PELA EVANGELIZAÇÃO DOS HOMENS E MULHERES EM CADA AMBIENTE (171). A RENOVAÇÃO DAS PARÓQUIAS NO INÍCIO DO TERCEIRO MILÊNIO EXIGE A REFORMULAÇÃO DE SUAS ESTRUTURAS (172). RENOVAÇÃO DAS PARÓQUIAS

16 A PARTIR DA PARÓQUIA, É NECESSÁRIO ANUNCIAR O QUE JESUS CRISTO “FEZ E ENSINOU” (AT 1,1) ENQUANTO ESTEVE ENTRE NÓS (172). A PALAVRA ACOLHIDA É SALVÍFICA E REVELADORA DO MISTÉRIO DE DEUS E DE SUA VONTADE (172). TODA PARÓQUIA É CHAMADA A SER O ESPAÇO ONDE SE RECEBE E SE ACOLHE A PALAVRA (172). SUA PRÓPRIA RENOVAÇÃO EXIGE QUE SE DEIXE ILUMINAR DE NOVO E SEMPRE PELA PALAVRA VIVA E EFICAZ (172). E ASSIM SE TORNA FONTE DINÂMICA DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO (172). PARÓQUIAS DISCÍPULAS

17 A V Conferência Geral é uma oportunidade para que todas as nossas paróquias se tornem missionárias (173). A renovação missionária das paróquias se impõe porque a realidade está exigindo de nós imaginação e criatividade para chegar às multidões (173). É urgente a criação de novas estruturas pastorais (173). Os melhores esforços das paróquias neste início do terceiro milênio devem estar na convocação e na formação de leigos missionários (174). Paróquias missionárias

18 Se Jesus veio para que todos tenhamos vida em abundância, a paróquia tem a maravilhosa ocasião de responder às grandes necessidades de nossos povos (176). Para isso, tem que seguir o caminho de Jesus e chegar a ser a boa samaritana como Ele (176). Cada paróquia deve chegar a concretizar em sinais solidários seu compromisso social nos diversos meios em que se move, com toda “a imaginação da caridade” (176). Não pode ser alheia aos grandes sofrimentos que a maioria de nossa gente vive (176). Paróquias samaritanas

19 A paróquia não nasceu missionária: consolidou-se como instituição religiosa a partir do século V. A paróquia não tinha como prioridade o anúncio do Evangelho. Ao longo dos séculos, a paróquia tornou-se lugar de prestação de serviços. Não há qualquer perspectiva de falar de “paróquia missionária” se pegarmos a paróquia como estrutura - instituição. Se imaginarmos a Igreja como mistério, corpo místico, povo de Deus, comunidade de pessoas que têm coração, então... É possível essa renovação?

20 João Paulo II afirma na Redemptoris Missio “A ação evangelizadora da comunidade cristã, primeiramente no próprio território, e depois, mais além, como participação na missão univer-sal, é o sinal mais claro da maturidade da fé. Impõe-se uma conversão radical da mentalidade para nos tornarmos missionários - e isto vale tanto para os indivíduos como para as comunidades. O senhor chama-nos constantemente a sairmos de nós mesmos, a partilhar com os outros os bens que temos, começando pelo mais precioso, que é a fé” (RM 49). Conversão radical de mentalidade

21 A vida se alcança e amadurece à medida que é entregue para dar vida aos outros: isso é, definitivamente, a missão (360). Precisamos motivações que permitam converter cada cristão em discípulo missionário (362). A Igreja necessita de forte comoção que a impeça de se instalar na comodidade, no estancamento e na indiferença, à margem do sofrimento dos pobres do Continente (362). Trata-se de sair de nossa consciência isolada e de nos lançarmos, com ousadia e confiança, à missão de toda a Igreja (363). Uma renovação pela missão

22 “A graça da renovação não pode crescer nas comunidades, a não ser que cada uma dilate o campo da sua caridade até aos confins da terra e tenha igual solicitude pelos que estão longe como pelos que estão perto” (AG 37). “Para não cairmos na armadilha de nos fechar em nós mesmos, devemos formar-nos como discípulos missionários sem fronteiras... (376). com coração universal, aberto a todas as culturas e a todas as verdades, cultivando nossa capacidade de contato humano e diálogo” (377). Uma missão sem fronteiras

23 Nenhuma comunidade deve isentar-se de entrar decididamente, com todas as forças, nos processos constantes de renovação missionária e de abandonar as ultrapassadas estruturas que já não favoreçam a transmissão da fé (365). exige que se vá além de uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária (370). Queremos ser continuadores de sua missão, visto que essa é a razão de ser da Igreja e que define sua identidade mais profunda (373). Essa missão é a razão da Igreja...

24 Se a missão é a razão da existência da Igreja, para compreender o que é missão é preciso compreender o que é Igreja. Quem é a comunidade cristã? Quem são os seguidores de Jesus? Qual é a proposta de vida deles? A Igreja cresce, não por proselitismo mas “por ‘atração’: como Cristo ‘atrai tudo para si’ com a força do seu amor”. A Igreja “atrai” quando vive em comunhão, pois os discípulos de Jesus serão reconhecidos se amarem uns aos outros como Ele nos amou (cf. Rm 12,4-13; Jo 13,34) (159).... a Igreja é a razão da missão

25 “ A PRIMEIRA CONDIÇÃO PARA MODIFICAR A REALIDADE CONSISTE EM CONHECÊ-LA”. Eduardo Galeano

26 Tipos de Igreja

27

28 Uma Igreja “do padre” pode ser missionária?

29 O padre ocupa o lugar principal porque é ele que faz quase tudo sozinho. É ele que vai atrás de tudo do que as pessoas precisam. Faz tudo com grande cuidado, espírito missionário de serviço e generosidade. O povo está feliz. Se ele faltar ou se ele não encabeçar as coisas, na paróquia se faz pouco ou nada, porque a paróquia é do padre. Perguntamo-nos: o que acontece àqueles que não freqüentam a Igreja? Àqueles que não têm o padre como referência? Se a Igreja for do padre...

30

31 Uma Igreja que desperta...

32 Rompe o silêncio e começa a falar. O povos aprende a tomar parte ativa da vida da Igreja; quer tomar consciência de como a comunidade eclesial caminha. Nem sempre isso corresponde com um engajamento. Contudo, a paróquia aos poucos sai da toca do “pau mandado”, e o povo se torna protagonista, se “rebela”, expressa sua subjetividade, no desejo de ser ouvido e acolhido... Se essa etapa não for bem trabalhada, pode-se regressar ao primeiro cartaz. Uma Igreja desperta quando...

33

34 Uma Igreja missionária comunhão de comunidades

35 É formada de comunidades. A base das pequenas comunidade é a Palavra. As comunidades são unidas entre elas por um vínculo profundo de comunhão. Através do CPP são unidas à comunidade maior. Na celebração eucarística dominical os fieis da comunidade se reúnem como “corpo de Cristo”. Os cristãos são cientes de sua responsabilidade de anunciar o Evangelho também fora da comunidade eclesial. Por isso procuram influenciar a realidade econômica, política, social com espírito cristão. Uma Igreja é missionária quando...

36 É ACONSELHÁVEL SETORIZAR AS PARÓQUIAS, PARA QUE HAJA COMUNIDADES DE FAMÍLIAS QUE VIVAM EM COMUM SUA FÉ CRISTÃ, E DEEM RESPOSTAS AOS PROBLEMAS QUE ENFRENTAM, TENDO À FRENTE A ANIMAÇÃO E COORDENAÇÃO DE EQUIPES DE LEIGOS (CF. DAP 372; 403; 406; 413; 458; 505; 508; ).

37 PARÓQUIA: COMUNIDADE DAS COMUNIDADES

38 “A renovação da paróquia exige atitudes novas dos párocos e dos sacerdotes que estão a serviço dela” (DA 201). “Requer-se que todos os leigos se sintam co-responsáveis na formação dos discípulos e na missão” (DA 202). “Requer imaginação para encontrar resposta aos muitos e sempre mutáveis desafios que a realidade coloca, exigindo novos serviços e ministérios” (DA 202). “Requer organismos que superem qualquer tipo de burocracia” (DA 203). Exigências

39 “A família cristã é a primeira e mais básica comunidade eclesial” (DA 204). “O Espírito, que faz tudo novo, atua inclusive dentro de situações irregulares” (DA 204). “Os leigos hão de ser parte ativa e criativa na elaboração e execução de projetos pastorais a favor da comunidade. Isso exige, da parte dos pastores, maior abertura de mentalidade para que entendam e acolham o ‘ser’ e o ‘fazer’ do leigo na Igreja” (DA 213). Atenção aos leigos e às famílias

40 Somente uma comunidade organizada desta forma pode ser verdadeiramente uma comunidade missionária. Não é só vivendo a fraternidade que a paróquia se torna missionária: é principalmente assumindo os desafios do mundo no qual ela vive, em sua dimensão contextual e universal. Ao mesmo tempo, a comunidade é missionária pela dinâmica em que vive e pela extensão de sua ação que é chamada a abraçar o mundo inteiro. Conclusão

41 PROPOSTA

42 COMUNIDADES DE COMUNIDADES PARÓQUIA MISSIONÁRIA COMUNIDADESPARÓQUIA +


Carregar ppt "PARÓQUIA SANTA BERTILA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PARÓQUIA MISSIONÁRIA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google