A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Colóquio IF-UFF (Instituto de Física / Universidade Federal Fluminense) 12/08/2009 “A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO” Ronaldo Mota.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Colóquio IF-UFF (Instituto de Física / Universidade Federal Fluminense) 12/08/2009 “A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO” Ronaldo Mota."— Transcrição da apresentação:

1 Colóquio IF-UFF (Instituto de Física / Universidade Federal Fluminense) 12/08/2009 “A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO” Ronaldo Mota (Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação - Ministério da Ciência e Tecnologia)

2 Big-bang (13,7 bilhões de anos)

3 Origem do Planeta Terra

4 Água é vida

5 Homo Sapiens Sapiens

6

7 Evolução

8 Caminhos do Homo Sapiens Sapiens

9 Civilização Micênica (séculos XX-XII a.C.)

10 Grécia Antiga (Séculos XII-II a.C.)

11 Período Homérico (Século XII-VIII a.C.)

12 Período Arcaico (séculos VII-VI a.C.) Tales de Mileto, Pitágoras, Heráclito e Demócrito (entre outros) Tales de Mileto, Pitágoras, Heráclito e Demócrito (entre outros)

13 Período Clássico (séculos V-IV a.C.) Sócrates, Platão e Aristóteles Sócrates, Platão e Aristóteles

14 Período Helenístico (séculos III-II a.C.) Biblioteca de Alexandria (na origem e agora) Biblioteca de Alexandria (na origem e agora)

15 Império Romano (séculos II a.C. a V d.C.)

16 Idade Média (séculos V-XV)

17 Final IM - Renascença

18 A Terra é redonda e o Sol o centro! Paolo Toscanelli, Joahann Muller, Nicolau Copérnico, Tycho Brahe, Joahenes Kepler, Giordano Bruno Paolo Toscanelli, Joahann Muller, Nicolau Copérnico, Tycho Brahe, Joahenes Kepler, Giordano Bruno

19 Galileu Galilei ( )

20 1642/43: Morre Galileo e nasce Issac Newton (-1727)

21 Máquina a Vapor: James Watt ( )

22 James K. Maxwell ( ) e Karl Marx ( )

23 Física Moderna abre e modifica séc. XX Planck, Einstein, Heisenberg & Bohr Planck, Einstein, Heisenberg & Bohr

24 Filósofos da ciência no século XX: Karl Popper, Thomas Khun e Paul Feyerabend

25 Karl Popper ( ) Falseabilidade: Falseabilidade: a)falseacionismo dogmático { (Э x) (Cx ^ Bx) a)falseacionismo dogmático { (Э x) (Cx ^ Bx) ( ұ x) (Cx → Bx)}; ( ұ x) (Cx → Bx)}; b)falseacionismo metodológico (convencionalismo, separando refutação de rejeição, aceita teorias probabilísticas); b)falseacionismo metodológico (convencionalismo, separando refutação de rejeição, aceita teorias probabilísticas); c)falseacionismo metodológico sofisticado (T’ tem excesso de conteúdo empírico T; T’ explica T e o refutado de T, parte do conteúdo excessivo de T’ é corroborado; aceitando hipóteses ad hoc). c)falseacionismo metodológico sofisticado (T’ tem excesso de conteúdo empírico T; T’ explica T e o refutado de T, parte do conteúdo excessivo de T’ é corroborado; aceitando hipóteses ad hoc).

26 Thomas Kuhn (1922 – 1996) ========================= ========================= a) estabelecimento de um paradigma; a) estabelecimento de um paradigma; b) ciência normal; b) ciência normal; c) crise; c) crise; d) revolução científica; d) revolução científica; e) estabelecimento de um novo paradigma. e) estabelecimento de um novo paradigma. ======================= ======================= a) estabelecimento de um paradigma; a) estabelecimento de um paradigma; b) ciência normal; b) ciência normal; c) crise; c) crise; d) revolução científica; d) revolução científica; e) estabelecimento de um novo paradigma. e) estabelecimento de um novo paradigma. ====================== ====================== a) a)

27 Paul Feyerabend (1924 – 1994) Regras metodológicas não contribuem para o sucesso científico; Regras metodológicas não contribuem para o sucesso científico; Rejeição à existência de regras metodológicas universais; Rejeição à existência de regras metodológicas universais; Melhor uma certa dose de “anarquismo teórico”; Melhor uma certa dose de “anarquismo teórico”; Entre duas teorias de igual poder de explicação, aquela compatível coma velha teoria tem vantagem (escolha mais estética do que racional). Insistir que novas teorias sejam consistentes com velhas teorias dá uma vantagem inaceitável à velha teoria Entre duas teorias de igual poder de explicação, aquela compatível coma velha teoria tem vantagem (escolha mais estética do que racional). Insistir que novas teorias sejam consistentes com velhas teorias dá uma vantagem inaceitável à velha teoria ? ?

28 MISSÃO DA SETEC: Introduzir a Cultura da Inovação nas Empresas e na Sociedade EI ABSORÇÃO DA CULTURA DA INOVAÇÃO Motivação Superação de Exigências Técnicas do Mercado Parcerias com ICT SBRT Extensão Tecnológica Serviços Tecnológicos Centros de Inovação SIBRATEC INSTRUMENTOS Recursos próprios Financiamentos Subvenção econômica Incentivos fiscais Bolsas para P,D&I Cursos de capacitação em P,D&I Outros INOVAÇÃOINOVAÇÃO

29 Programas para apoio às Empresas Inovadoras EI PRÓ-INOVAPRÓ-INOVA Empreendedorismo Intensivo em Conhecimento Empresas de Base Tecnológica em consolidação PNI Incubadoras Parques Tecnológicos INOVAR Incubadora de fundos Fórum Brasil de inovação Portal capital de risco Brasil Rede inovar Capacitação/Treinamento de agentes PRIME Subvenção Econômica Juro Zero Agregação de Valor aos Produtos/Processos para Aumentar a Competitividade Empresas Consolidadas Financiamento Inova Brasil Juro Zero Outros Subvenção Econômica Subvenção à Inovação Pappe-Subvenção Outros Incentivo s Fiscais Lei do Bem Lei de Informática Outros RH para P,D&I Capacitação de dirigentes de PME RHAE – Pesquisador na Empresa Outras bolsas de P,D&I do CNPq Outros SIBRATEC

30 PRÓ-INOVA (Meta 2010: 65% de empresas sensibilizadas – Base Pesquisa ANPEI, em 2006, 25% de empresas sensibilizadas) Parceiros do Programa MCT, FINEP, CNPq, CGEE, MDIC, INPI, INMETRO, ABDI, BNDES, SEBRAE, CNI, IEL, ANPEI, ANPROTEC, MBC, PROTEC, CONFAP, ABIPTI Articulação e acompanhamento dos eventos de inovação dos parceiros 384 eventos realizados em 2008 e 2009 (até ) participantes em todas os estados S N NE SE CO nº de eventos nº de participantes Região Novas Ações: Editais de apoio a eventos de Mobilização e Sensibilização para a Inovação - CNPq Editais de apoio a ETS, anteriormente a NIT Prêmio FINEP de Inovação - Categoria Gestão da Inovação Cursos de Capacitação em Gestão da Inovação Manual de Inovação da ANPEI

31 LEI DO MEC - Nº , de 15 de julho de 2007 Acrescenta o art. 19-A na Lei do Bem para incluir novo incentivo à inovação tecnológica nas ICT financiadas por empresas LEI DO BEM - Nº , de 21 de novembro de 2005 Capítulo III - dos incentivos à inovação tecnológica - art. 17 a 26 atendendo ao disposto no Art. 28 da Lei de Inovação, fortalecendo o novo marco legal para apoio ao desenvolvimento tecnológico e inovação nas empresas brasileiras LEI DE INOVAÇÃO - Nº , de 2 de dezembro de 2004 Incentivo à inovação tecnológica e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, organizada em 3 vertentes:  ambiente propício às parcerias estratégicas  estímulo à participação de ICT no processo de inovação  incentivo à inovação na empresa MARCO LEGAL LEI COMPLEMENTAR - Nº 123, de 14 de dezembro de 2004 Capítulo X - Estímulo à Inovação

32 Lei da Inovação/do Bem: Uma Lei que pegou! Ou não? Subvenção/FINEP Orçamento: 2006, 2007, 2008 e R$ 1,65 bilhões Projetos aprovados: 564 Recursos até 2008: R$ 1,10 bilhões Demanda 2009: projetos e R$ 5,20 bilhões PAPPE - Subvenção Em 17 Estados: R$ 150 milhões (FNDCT) + R$ 115 milhões (parceiros) Recursos nos 12 editais estaduais já lançados: R$ 132,6 milhões Empresas apoiadas até jun/2009: 375 Incentivos Fiscais R$ 2,19 bilhões aplicados em P&D em 2006 e R$ 5,10 bilhões em empresas beneficiadas em 2006 e 300 em 2007 R$ 228 milhões de benefícios reais em 2006 e R$ 883 milhões em 2007 Obs: Dados preliminares de 2008, indicam cerca de 600 empresas

33 Controvérsias na Lei da Inovação  Art. 18 da Lei da Inovação / Art. 19 do Decreto 5.563/05 (Receitas e Pagamentos)  Art. 19 da Lei da Inovação - Contabilização da Subvenção Econômica (Matéria ainda em debate na RFB, cujo entendimento final constará de instrução normativa da RFB)  Art. 20 da Lei da Inovação – Correlação da Encomenda Tecnológica com o Uso do Poder de Compra (Duas medidas realizadas : Proposta de alteração do PLC 32/2007 encaminhada à SLTI/MP e Minuta de Decreto de alteração encaminhada ao Gabinete do Ministro de Estado de Ciência e Tecnologia)  Art. 27 da Lei da Inovação - Diretrizes e prioridades na aplicação da Lei ( Não é necessário regulamentar)

34 ICT com NIT NIT PúblicasPrivadasTotal% Implantado ,3 Em Implantação ,9 Não Implantado ,8 TOTAL Informações das ICT ao MCT Ano Base 2006/2007/2008 Informações das ICT ao MCT Ano Base 2006/2007/2008

35 Recursos Obtidos c/ Contratos de TT ou de Licenciamentos RECURSOS PúblicasPrivadasTotal% Com Exclusivida de ,2 Sem Exclusivida de ,1 Outras formas ,7 TOTAL Informações das ICT ao MCT Ano Base 2006/2007/2008 (Meta 2010: estender NITs para ICTs não lucrativas e aumentar até 120 o número de NITs, crescendo qualidade) Informações das ICT ao MCT Ano Base 2006/2007/2008 (Meta 2010: estender NITs para ICTs não lucrativas e aumentar até 120 o número de NITs, crescendo qualidade)

36 Nº de Proteções RequeridasNº de Proteções Concedidas LEGENDA Informações das ICT ao MCT Nº de Proteções Requeridas e Concedidas (Meta 2010: aumentar 50%) Informações das ICT ao MCT Nº de Proteções Requeridas e Concedidas (Meta 2010: aumentar 50%)

37 AM Lei estadual CE Lei estadual MT Lei estadual MG Lei estadual SP Lei estadual SC Lei estadual RS Lei estadual PR Minuta de lei PA Minuta de lei MA Minuta de lei PE Lei estadual SE Minuta de lei BA Projeto de Lei aprovado DF Projeto de lei RJ Lei estadual 9 estados com leis sancionadas 2 estados com projetos de lei aprovados 1 UF com projeto de lei em tramitação 5 estados elaboraram minuta de lei Leis Estaduais de Inovação (Meta 2010: 17 Estados com leis sancionadas) Leis Estaduais de Inovação (Meta 2010: 17 Estados com leis sancionadas) GO Minuta de lei MS Projeto de Lei aprovado

38 Áreas: TIC, Biotecnologia, Nanotecnologia, Energia, Saúde, Temas Estratégicos e Desenvolvimento Social OBS: DADOS RELATIVOS À 2009 SERÃO DISPONIBILIZADOS PELA FINEP A PARTIR DO DIA 05 DE AGOSTO Chamadas Públicas MCT/FINEP Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica (Meta: 780 projetos; 419 aprovados desde 2007) Chamadas Públicas MCT/FINEP Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica (Meta: 780 projetos; 419 aprovados desde 2007) Ano Edital (R$ milhões) DemandaResultado Nº R$ bilhões Nº R$ milhões , , , , , ,0 + 64, ,2nd TOTAL ,2

39 85 PROPOSTAS RECEBIDAS R$ 551 milhões solicitados R$ 262 milhões contrapartida 17 PROPOSTAS APROVADAS: AM, BA, CE, MA, PE, PI, RN, DF, GO, MS, ES, MG, RJ, SP, PR, RS, SC  R$ 150 milhões FNDCT  R$ 115 milhões contrapartida de FAPs, SEBRAE, Federações da Indústria EDITAIS ESTADUAIS:  MPE apoiadas = 375 MG : 70, CE: 22, ES: 15, PE: 45, RJ: 54, AM: 40, BA: 42, DF: 19, RN: 34, SC: 34  Lançados: MA e RS  próximos lançamentos: GO, PR e SP S N NECO SE Abrangência Nacional DEMANDA DE RECURSOS DOS PARCEIROS LOCAIS Chamada Pública MCT/FINEP - 02/2006 Adesão ao PAPPE SUBVENÇÃO 2006 (Meta 2010: projetos de MPE; articular novas Chamadas; $$$) Chamada Pública MCT/FINEP - 02/2006 Adesão ao PAPPE SUBVENÇÃO 2006 (Meta 2010: projetos de MPE; articular novas Chamadas; $$$)

40 Resultados Lei do Bem: Incentivos Fiscais à Inovação (Meta 2010: 800 empresas e melhorar acompanhamento técnico) 2006: 130 empresas 2007: 300 empresas 2007: R$ 5,10 Bi 2006: R$ 2,19 Bi Investimentos em P&D 2006 e 2007

41 Benefícios Reais em P&D por Setores

42 Investimentos das Empresas nas Áreas de P&D em Relação ao PIB Brasil (Meta 2010: atingir 0,30 % PIB, contribuindo com o cumprimento da meta de 0,65% PIB do setor privado) R$ bilhões Excluídas as empresas de informática até 2007 Perspectiva de aumento dos valores para 2008 Conclusão: crescimento da participação do setor privado

43 RHAE – Pesquisador na Empresa (Meta 2010: 1200 pesquisadores-bolsistas nas empresas; evento de avaliação, junto com CNPq, em 2009) RHAE – Pesquisador na Empresa (Meta 2010: 1200 pesquisadores-bolsistas nas empresas; evento de avaliação, junto com CNPq, em 2009) 2008 Resultado edital MCT/CNPq – R$ 20 milhões Inserção de pesquisadores nas empresas para atividades de P,D&I Parceria com Estados – R$ 10,06 milhões + R$ 4,83 milhões contrapartida 14 FAP N - AM, RR NE - AL, BA, MA,PB,PE, PI, RN,SE CO - MS, MT, GO SE - ES 2009 Edital MCT/CNPq – R$ 26 milhões em 3 rodadas (117 empresas, em 2 rodadas) Parceria com Estados – R$ 10 milhões (em negociação com as FAP) Norte 2 Nordeste 13 Nordeste 13 Centro-Oeste 4 Centro-Oeste 4 Sudeste 79 Sudeste 79 Sul 33 Sul empresas 385 pesquisadores- bolsistas 93 doutores/112 mestres Bolsas – 96 DTI / 84 ITI

44 Situação 2008: 360 Incubadoras de Empresas empresas: graduadas, incubadas e associadas empregos diretos 40 projetos de Parques Tecnológicos R$ 1,7 bilhão de faturamento das empresas Programa Nacional de Apoio às Incubadoras e aos Parques Tecnológicos (PNI) (Meta 2010: Apoiar 10 empreendimentos de Parques Tecnológicos e Redes de Incubadoras de Empresas em 15 Estados) Programa Nacional de Apoio às Incubadoras e aos Parques Tecnológicos (PNI) (Meta 2010: Apoiar 10 empreendimentos de Parques Tecnológicos e Redes de Incubadoras de Empresas em 15 Estados) Ações Futuras: FINEP: Conclusão do Edital de 2009 de apoio às Redes de Incubadoras de Empresas e Edital de R$ 110 milhões para financiamento de empreendimentos de Parques Tecnológicos maduros em 2010 CNPq: Edital para apoio de pequeno porte à Incubadoras de base tecnológicas isoladas em 2010 Subproduto: PRIME - Programa Primeira Empresa Inovadora Coordenação: FINEP Operacionalização em parceria com 17 Incubadoras de Empresa – Ancoras / Redes 1878 projetos selecionados em 17 editais regionais (resultado: 30/09/2009)

45 MARCO LEGAL: Decreto nº 6.259, de Portaria MCT nº 36, de MEMBROS DO COMITÊ GESTOR DO SIBRATEC: Sistema Brasileiro de Tecnologia – SIBRATEC Marco Legal e Diretrizes Gerais MISSÃO: Apoiar o desenvolvimento tecnológico da empresa brasileira, por meio da promoção de atividades de P,D&I de processos e produtos; de serviços tecnológicos; e de extensão e assistência tecnológica, atendendo aos objetivos do PACTI 2007–2010 e as prioridades da PDP. MCT / MDIC / MAPA / MEC / MS / MME / MC / SAE-PR / FINEP / CNPQ / BNDES / CAPES / INMETRO / INPI / ABDI / CNI / SEBRAE / ANPEI

46 Sistema Brasileiro de Tecnologia – SIBRATEC Governança

47 SIBRATEC – Redes Temáticas de Serviços Tecnológicos Gravimetria, Orientação Magnética, Intensidade de Campo Magnético e Compatibilidade Eletromagnética 13 Produtos para Saúde 46 Insumos farmacêuticos, medicamentos e cosméticos 17 Sangue e hemoderivados 9 Análises físico-químicas e microbiológicas p/ alimentação 70 Biotecnologia 10 Saneamento e abastecimento d'água 40 Radioproteção e Dosimetria 24 Equipamentos de proteção individual 15 Produtos e dispositivos eletrônicos 21 TIC aplicáveis às novas mídias: TV Digital, comunicação s/ fio, Internet 9 Geração, transmissão e distribuição de energia 27 Componentes e produtos da área de defesa e de segurança 12 Biocombustíveis 21 Produtos de manufatura mecânica 38 Produtos de setores tradicionais: têxtil, couro, calçados, madeira e móveis 27 Instalações prediais e iluminação pública 25 Monitoramento ambiental 16 Transformados plásticos participações laboratoriais 53 instituições envolvidas 19 Redes Temáticas SIBRATEC - Serviços Tecnológicos (Meta 2010: 25 Redes Temáticas)

48 SIBRATEC – Redes Estaduais de Extensão Tecnológica Resultado Chamada Pública 03/2008

49 SIBRATEC – Redes Estaduais de Extensão Tecnológica (Meta 2010: 25 Redes Estaduais)

50 SIBRATEC – Redes Estaduais de Extensão Tecnológica * TECPAR ; FIEP; SEBRAE/PR; SETI/PR; F.ARAUCÁRIA * SOCIESC ; SEBRAE/SC; FAPESC IEL; SCT ; CIENTEC; IBTEC; CEFET/Pelotas; PUC/RS; UNISINOS; UERGS; SEDAI/RS; SEBRAE/RS * FIPT; IPT ; CTI; CEETEPS; FDTE; SD/SP RMI; CETEC ; SEBRAE/MG; IEL/MG; FAPEMIG; SEDE/MG; SECTES/MG REDETEC; INT ; SEBRAE/RJ; FAPERJ * IEL ; UESC; CEPED; INT/NE; SECTI/BA; FAPESB; SEBRAE/BA; SICM/BA * FCPC; NUTEC ; UFC; CENTEC; INDI/CE; CEFET/CE; Agropolos; BNB; SECITECE; FUNCAP; SEBRAECE 8 Redes Estaduais aprovadas em 2008 – * 5 convênios assinados; 3 em contratação 14 Redes Estaduais articuladas em 2009 – propostas em elaboração

51 10 Redes Temáticas SIBRATEC Centros de Inovação articuladas: SIBRATEC – Redes Temáticas de Centros de Inovação (Meta 2010: 11 Redes Temáticas) 1. Rede de Manufatura e Bens de Capital - TR enviado à FINEP em 27/07/09 CERTI; INMETRO; INT; IPT; ITA; PUCPR; PUC-RJ; SENAI-BA/CIMATEC; SENAI-RS/CT Mecatrônica; UFBA; UFC; UFRGS; UFRN; UFSC; UFU; UNICAMP; UNIMEP; USP/POLI; USP-SC/NUMA 2. Rede de Bioetanol - 13/08/09 - reunião para fechamento TR CBTE; Embrapa-Agroenergia; INT; SENAI-BA/CETIND; UFRJ 3. Rede de Manufatura de Equipamentos/Componentes Eletrônicos - 18/08/09: reunião para fechamento TR CERTI; CTI; GENIUS; ICA; INATEL; LSI-TEC; SENAI-BA/CIMATEC; SENAI-MG/CETEL; UFC/DETI-LESC; UFRGS 4. Rede de Microeletrônica - 18/08/09: reunião para fechamento TR CEITEC; VON BRAUN; CESAR; CETENE/LINCS; CTI; CT-PIM; ELDORADO; GENIUS; INATEL; LACTEC; LSI-TEC; SENAI-BA/CIMATEC; UFRGS 5. Rede de Energia Solar Fotovoltaica - 19/08/09 - reunião para fechamento TR CETEC; CETEM; CTI; LACTEC; PUCRS; SENAI-PB/CITI; UFPE; UFRGS; UFSC; USP/IEE

52 SIBRATEC – Redes Temáticas de Centros de Inovação 6. Rede de Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação CERTI; CESAR; CPqD; CTI; ELDORADO; GENIUS; IME; INATEL; LACTEC; MACKENZIE; PUC-RJ; PUCRS; RNP; SENAI-SC/CTAI; UFC; UFCG; UFES; UFMA; UFPB; UFRGS; UFRJ; UFRN; UFSC; UFSCar; UNB; UNICAMP; UNISINOS; USP-LARC; USP-LSI; USP-SC 7. Rede de Equipamentos e Componentes de Uso Médico- Odontológico GENIUS; INPE/LIT; INT; IPEN; PUCRS; SENAI-RS/CETA; UFMG; UFPE; UFPel; UFRGS; UFRJ/COPPE; UFRJ/IBqM; UFSC/IEB; UFSCar; UNB; UNICAMP; UNIVAP; USP/IFSC; USP/INCOR; USP/POLI 8. Rede de Fármacos e Medicamentos FCMSP; FIOCRUZ; Fundação Butantan; Hospital A.C. Camargo; IEC; INCA; INCT- INOFAR; Instituto Ludwig; Instituto Royal; PUCRS; SENAI-GO/FATEC; UFC; UFMG; UFPE; UFRGS/ICBS; UFRJ/IBqM; UFRJ/LASSBio; UNESP/IBB; USP; USP/FCF; USP/FCFRP; USP/IFSC 9. Rede de Tecnologias para o Setor de Plásticos e Borracha INT; IPT; ITAL/CETEA; LACTEC; SENAI-RS/CETEPO; SENAI-BA/CIMATEC; SOCIESC; UFCG; UFPA-Marabá; UFRGS/IQ; UFRJ/IMA; UFSCar 10. Rede de Visualização Avançada INPE; LACTEC; LNCC; PUC-RJ; PUCRS; SENAI-BA/CIMATEC; UFPB; UFPE-CIN; UFRGS; UFRJ/COPPE; UNISINOS; USP-LSI

53 SIBRATEC – Redes Temáticas de Centros de Inovação DF SIBRATEC – Centros de Inovação (10 redes temáticas) Manufatura e Bens de Capital Bioetanol Equipamentos e Componentes Eletrônicos Energia Solar Fotovoltaica Microeletrônica Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação Equipamentos Medico-odontológicos Fármacos e Medicamentos Plásticos e Borracha Visualização Avançada

54 Áreas Estratégicas: Especial atenção para Energia e Mineração (70% das Metas em Execução) Identificação, proposição e implementação de políticas públicas Elaboração de Agendas Setoriais de P&D Apoio técnico aos fundos setoriais afins Representação do MCT em Fóruns, GT’s... Promoção de Parcerias Cooperação Internacional Formação de Redes de P,D&I Renováveis Não Renováveis BiocombustíveisNuclear BiomassaCarvão Mineral HidrogênioPetróleo e Gás Solar Eólica Hídrica Áreas de Atuação EnergiaRecursos Minerais Geociências e Tecnologia Mineral Rochas Ornamentais Gemas e Jóias Agrominerais Minerais Industriais Energia elétrica Baterias


Carregar ppt "Colóquio IF-UFF (Instituto de Física / Universidade Federal Fluminense) 12/08/2009 “A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO” Ronaldo Mota."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google