A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA Wilson G. V. Galárraga. CARDIOLOGISTA - CRM:97310.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "INSUFICIÊNCIA CARDÍACA Wilson G. V. Galárraga. CARDIOLOGISTA - CRM:97310."— Transcrição da apresentação:

1 INSUFICIÊNCIA CARDÍACA Wilson G. V. Galárraga. CARDIOLOGISTA - CRM:97310

2 O que é? O coração é um músculo formado por duas metades, a direita e a esquerda. Quando uma dessas cavidades falha como bomba, não sendo capaz de enviar adiante todo o sangue que recebe, falamos que há insuficiência cardíaca. A Insuficiência Cardíaca (IC) não é uma doença do coração por si só. É uma incapacidade do coração efetuar as suas funções de forma adequada como conseqüência de outras enfermidades, do próprio coração ou de outros órgãos.

3 Como se desenvolve? Existem a Insuficiência Cardíaca Aguda (ICA) e a Insuficiência Cardíaca Congestiva (ICC). A Insuficiência Cardíaca Aguda é um acontecimento súbito e catastrófico e que ocorre devido à qualquer situação que torne o coração incapaz de uma ação eficaz. Geralmente a Insuficiência Cardíaca Aguda é conseqüente a um infarto do miocárdio, ou a uma arritmia severa do coração.

4 Existem ainda as Insuficiências Cardíacas Agudas provocadas por doenças não cardíacas. Exemplo delas são a hemorragia severa, o traumatismo cerebral grave e o choque elétrico de alta voltagem. A Insuficiência Cardíaca Aguda é uma situação grave, exige tratamento médico emergencial, e mesmo assim é, muitas vezes, fatal.

5 A Insuficiência Cardíaca Congestiva pode aparecer de modo agudo mas geralmente se desenvolve gradualmente, às vezes durante anos. Sendo uma condição crônica, gera a possibilidade de adaptações do coração o que pode permitir uma vida prolongada, às vezes com alguma limitação aos seus portadores, se tratada corretamente.

6 As principais causas de insuficiência cardíaca Doenças que podem alterar a contractilidade do coração. A causa mais freqüente é a doença ateroesclerótica do coração.

7 Doenças que exigem um esforço maior do músculo cardíaco. É o que ocorre na hipertensão arterial ou na estenose (estreitamento) da válvula aórtica que, com o tempo, podem levar à Insuficiência Cardíaca Congestiva do ventrículo esquerdo. Doenças pulmonares como o enfisema podem aumentar a resistência para a parte direita do coração e eventualmente levar à Insuficiência Cardíaca Congestiva do ventrículo dire

8 Doenças que podem fazer com que uma quantidade maior de sangue retorne ao coração, como o hipertireoidismo, a anemia severa e as doenças congênitas do coração. A insuficiência de válvulas (quando não fecham bem) pode fazer com que uma quantidade de sangue maior reflua para dentro das cavidades e o coração poderá descompensar por ser incapaz de bombear o excesso de oferta.

9 As manifestações de Insuficiência Cardíaca Congestiva variam conforme a natureza do estresse ao qual o coração é submetido, da sua resposta, bem como de qual dos ventrículos está mais envolvido. O ventrículo esquerdo costuma falhar antes do direito, mas às vezes os dois estão insuficientes simultaneamente.

10 O que se sente? Falhando o ventrículo esquerdo, o território que congestiona é o pulmonar. Isso explica a falta de ar, que de início surge aos grandes esforços, depois aos médios, terminando pela falta de ar mesmo em repouso. Com a piora surge a ortopnéia, a falta de ar quando deitado. A pessoa pode acordar durante a noite devido a falta de ar o que a obriga a sentar para obter algum alívio. É a dispnéia paroxística noturna. Isso pode evoluir ainda para um quadro ainda mais grave de descompensação esquerda denominado de edema agudo de pulmão, grave, e que termina em morte se não tratado de urgência.

11 Falhando o ventrículo direito surge o edema, ou o inchaço, principalmente das pernas e do fígado, além de outros órgãos, tudo provocado pelo acúmulo de líquidos nesses órgãos.

12 Fisiopatología Atualmente, a insuficiência cardíaca tem sido vista como uma doença da circulação e não apenas do coração. Quando o débito cardíaco cai após agressão miocárdica, mecanismos neuro-hormonais são ativados com o objetivo de preservar a homeostase circulatória. Embora originalmente vista como uma resposta compensatória benéfica, a liberação endógena de neuro-hormônios vasoconstritores parece exercer papel deletério no desenvolvimento da insuficiência cardíaca congestiva, pelo aumento da sobrecarga de volume e da pós-carga do ventrículo com contratilidade já diminuida. Isso leva à progressão da insuficiência cardíaca já existente.

13 Esses neuro-hormônios podem exacerbar as anormalidades metabólicas já existentes, ocasionando o aparecimento de arritmias cardíacas. Por esses mecanismos, a ativação neuro-hormonal contribui de maneira significativa para os sintomas de insuficiência cardíaca, assim como está envolvida na alta mortalidade dos portadores dessa doença.

14 Mecanismos compensatórios Liberação normal e anormalidades da regulação central de neuro-hormônios. Mecanismos adaptativos à estimulação adrenérgica. Neuro-hormônios vasoconstritores: a.Sistema renina-angiotensina b.Endotelina c.Arginina-vasopressina

15 Neuro-hormônios vasodilatadores Neuro-hormônios vasodilatadores. Fator relaxante derivado do endotélio (FRDE). Efeitos celulares dos neuro-hormônios

16 Aconselhamento e Medidas Gerais no tratamento da Insuficiência Cardíaca Crônica

17 Monitoramento de sintomas e do peso. Atividade Social e Laborativa. Viagens. Dieta. Fumo. Consumo de Alcool. Exercícios Repouso

18 Terapia Farmacológica Diuréticos Digitálicos. Espironolactona Inibidores da Enzima Conversora da Angiotensina Antagonistas dos Receptores de Angiotensina II – ARA II. Beta bloqueadores A associação Hidralazina – Nitratos AMINAS VASOATIVAS

19 ESTUDOS RANDOMIZADOS Uso de Beta-Bloqueadors: Classe Funcional II – III – IV, Classe I com disfunção VE (Bloq. Noradrenalina) -Consenssus, Copernicus(carvedilol) -Merift(metoprolol) -CIBIS : Bisoprolol IECA – ARA II ou BRA: Diminuem mortalidade -CHARME(IECA), CHARME Alternativo aos intolerantes a IECA(candesartan), -CHARME Associado (IECA + ARA II candesartan)

20 Terapia Invasiva e Cirúrgica Revascularização Cirúrgica,Angioplastia. Marcapasso e Cardioversores implantáveis Ultrafiltração e Hemodiálise Transplante Cardíaco VentriculectomiaParcial. EsquerdaCardiomioplastia. Células Tronco

21 Faça exercício, seu coração agradece!! OBRIGADO !


Carregar ppt "INSUFICIÊNCIA CARDÍACA Wilson G. V. Galárraga. CARDIOLOGISTA - CRM:97310."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google