A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Universidade Federal de Minas Gerais ICB – Departamento de Morfologia Maria Carolina Magalhães de Castro Orientador: Anderson José Ferreira e sistema renina-

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Universidade Federal de Minas Gerais ICB – Departamento de Morfologia Maria Carolina Magalhães de Castro Orientador: Anderson José Ferreira e sistema renina-"— Transcrição da apresentação:

1 Universidade Federal de Minas Gerais ICB – Departamento de Morfologia Maria Carolina Magalhães de Castro Orientador: Anderson José Ferreira e sistema renina- angiotensina

2 Hipertrofia Cardíaca Substrato histológico: aumento das dimensões dos cardiomiócitos Fenômeno adaptativo à sobrecarga hemodinâmica Estímulos fisiológicos ou patológicos Aspecto fenotípico depende do tipo, duração e intensidade da sobrecarga

3 Cardiomiócitos lauca.usa.cb.cl/ histologia/guiaCP9.htm Fibras estriadas cardíacas Discos intercalares Um ou dois núcleos Capacidade extremamente reduzida de divisão

4 O que ocorre na hipertrofia? Expressão de genes característicos da vida fetal e de genes relacionados com a síntese proteica Reexpressão de isoformas fetais de proteínas contráteis (ex: ß-miosina) Aumento quantitativo de elementos ultra-estruturais da célula como novas unidades de sarcômeros, aumento de fibras colágenas e elásticas.

5 Aumento do diâmetro celular e não do número de células Rubin E, Farber JL.Patologia,3 a ed

6 Hipertrofia fisiológica Coração de atleta Hipertrofia de todas as câmaras Dilatação das coronárias e angiogênese Reversível

7 Estímulos patológicos Hipertensão crônica (sobrecarga de pressão) Lesão do miocárdio (disfunção regional) Insuficiência valvular (sobrecarga de volume) Outros estresses que aumentam a sobrecarga do coração Inicialmente:mecanismo compensatório e potencialmente reversível Persistência de estímulos:é deletéria aos cardiomiócitos Aumento progressivo da quantidade de colágeno: prejudica o relaxamento diastólico.

8

9 Como ocorre a sinalização intracelular? Estresse mecânico Canais sensíveis ao estiramento Integrinas/citoesqueleto Liberação local de fatores que estimulam crescimento (Ang II, Endotelina-1,TGF- ß) Angiotensina II Catecolaminas

10 Angiotensina II Produzida localmente em resposta a estímulo mecânico ou maior ativação do sistema renina- angiotensina-aldosterona do organismo Via receptor AT 1 e liberação de fatores envolvidos no crescimento celular como o fator transformador de crescimento (TGF- ß) e endotelina-1(ET-1): ativa mecanismo intracelular de transdução de sinal Inibidores da ECA e antagonista de AT 1 Ang II versus Ang-(1-7)

11

12 Catecolaminas Receptores ß-adrenérgicos (ß1, ß2)- acoplados à proteína G Estimulação crônica afeta múltiplas funções celulares: transcrição gênica, crescimento celular e morte celular. Modelo com isoproterenol

13 O que esses estímulos têm em comum? Fatores nucleares ativado por célula T (NFATs nucleares) se ligam ao fator transcripcional GATA-4 e ativam transcrição de genes hipertróficos.

14 Perspectivas Ang-(1-7) : antagoniza muitos efeitos da Ang II AVE 0991:agonista da Ang-(1-7) Previnir a hipertrofia cardíaca e suas possíveis consequências

15 Obrigada!!


Carregar ppt "Universidade Federal de Minas Gerais ICB – Departamento de Morfologia Maria Carolina Magalhães de Castro Orientador: Anderson José Ferreira e sistema renina-"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google