A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Argamassas - 1 Materiais de Construção. Argamassas - Definição Argamassas são materiais de construção com propriedades de aderência e endurecimento, obtidos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Argamassas - 1 Materiais de Construção. Argamassas - Definição Argamassas são materiais de construção com propriedades de aderência e endurecimento, obtidos."— Transcrição da apresentação:

1 Argamassas - 1 Materiais de Construção

2 Argamassas - Definição Argamassas são materiais de construção com propriedades de aderência e endurecimento, obtidos a partir da mistura homogênea de um ou mais aglomerantes, agregado miudo (areia) e água, podendo conter ainda aditivos e adições minerais. Quando recém misturados possuem plasticidade, enquanto que quando endurecidas, possuem rigidez, resistência e aderência. Em outras palavras.... As argamassas têm a propriedade de aderir a materiais porosos e de endurecer depois de certo tempo.

3 Constituintes - Aglomerantes Promovem a união dos grãos do material inerte (agregados). Funcionam como elementos ativos. Sofrem reações químicas Ex.: Cimento, cal e gesso

4 Constituintes - Areia São materiais pétreos fragmentados que atuam como elementos inertes (não sofrem reações químicas). A areia é incorporada nas argamassas para diminuir a retração e tornar o material mais econômico

5 Constituintes - Aditivos São produtos químicos de variadas composições que dão propriedades especiais às argamassas, quando necessário. Ex: - Argamassas impermeáveis; - Argamassas projetadas; - Com pega rápida - De alta adesão para recuperação de estruturas etc.

6 Funções das Argamassas Unir com solidez os elementos de alvenaria, ajudando a resistir aos esforços. Distribuir com uniformidade as cargas que atuam na parede por toda a área resistente aos elementos de alvenaria. Absorver as deformações que a alvenaria sofre naturalmente. Selar as juntas contra penetração de água de chuva. Dar acabamento como reboco nos tetos, pisos, nos reparos de obras de concreto, etc.

7 Classificação segundo vários critérios Critério de classificação Tipos Quanto à natureza do aglomerante Argamassa aérea Argamassa hidráulica Quanto ao tipo do aglomerante Argamassa de cal Argamassa de cimento Argamassa de cal e cimento Argamassa de gesso Argamassa de cal e gesso Quanto ao número de aglomerantes Argamassa simples Argamassa mista Quanto à consistência da argamassa Argamassa seca Argamassa plástica Argamassa flúida

8 Classificação segundo vários critérios Critério de classificação Tipos Quanto à plasticidade da argamassa Argamassa pobre ou magra (pouco aglomerante) Argamassa média ou cheia Argamassa rica ou gorda (muito aglomerante) Quanto à densidade da argamassa Argamassa leve Argamassa normal Argamassa pesada Quanto à forma de fornecimento ou preparo Argamassa preparada em obra Mistura semipronta para argamasssa Argamassa industrializada Argamassa dosada em central

9 Classificação segundo as suas funções FunçãoTipos Para construção de alvenarias Argamassa de assentamento (elevação) Argamassa de fixação ou encunhamento (expansivas) Para revestimento de paredes e tetos Argamassa de chapisco Argamassa de emboço Argamassa de camada única Argamassa para revestimento decorativo monocamada Para revestimento de pisos Argamassa de contrapiso Argamassa de alta resistência para piso Para revestimento cerâmicosArgamassa de assentamento (colante) Para recuperação de estruturas Argamassa de revestimento Argamassa de reparo

10 Propriedades das argamassas no estado fresco O estado fresco da argamassa é o período decorrido entre a mistura de aglomerantes e agregado miúdo com a água e o início das reações de pega. Entende-se como a condição na qual a argamassa ainda é trabalhável ou deformável plasticamente sob a ação de pequenas solicitações.

11 Consistência É a propriedade de uma argamassa ter maior ou menor facilidade de opor resistência a uma dada deformação “natural”. As argamassas são classificadas segundo sua consistência em secas, plásticas ou fluidas, porém os limites destas consistências não são bem definidos.

12 Consistência seca É aquela em que é necessário aplicar uma energia significativa para poder conformá-la em sua forma final. Na prática, a pasta aglomerante preenche os vazios entre agregados, deixando-os ainda em contato. Existe atrito entre as partículas, resultando em uma massa áspera. Ex.: Argamassas para contrapiso

13 Consistência plástica Com um pequeno esforço, atingem sua forma final. Uma fina camada de pasta aglomerante molha a superfície dos agregados, dando uma boa adesão entre eles. Ex.: Argamassas de assentamento de tijolos, blocos, peças cerâmicas e de revestimento de alvenarias.

14 Consistência fluida São as que escorrem e se autonivelam, dispensando qualquer esforço além da força da gravidade para sua aplicação. As partículas de agregado estão imersas no interior da pasta aglomerante, Apesar da coesão interna, há a tendência do agregado depositar-se por gravidade (segregação). Ex.: Argamassas de preenchimento de blocos de concreto, argamassas autonivelantes para pisos

15 Consistência O principal fator que governa esta propriedade é a quantidade de água adicionada. O uso de aditivos plastificantes e superplastificantes, também podem influenciar na consistência das argamassas.

16 Retenção da consistência É a propriedade da argamassa de manter sua consistência após entrar em contato com um substrato. Ou seja, de não passarem de consistência plástica para secas, sendo um exemplo comum. Esta propriedade é importante para argamassas de assentamento das alvenarias e peças cerâmicas de revestimento. Dependem de outra propriedade, a retenção de água.

17 Coesão É a propriedade da argamassa de manter seus constituintes homogêneos, sem segregação. As argamassas de assentamento e revestimento de alvenaria devem possuir uma boa coesão, podendo ser utilizadas adições especiais ou aglomerantes adequados. Os incorporadores de ar ou aglomerantes inertes como o saibro, são alguns exemplos, sendo que o uso da cal hidratada é ideal para conseguir esta propriedade. Materiais para melhorar coesão: saibro (Cuidado!!) Materiais para melhorar coesão: Cal – OK!

18 Tixotropia Esta propriedade está relacionada com a coesão, numa escala bem acentuada. As argamassas tixotrópicas exigem uma baixa energia para alterarem sua forma (viscosidade), que uma vez alterada, é mantida mesmo sob ação da gravidade. A tixotropia é exigida nas argamassas de assentamento de peças cerâmicas e argamassas de recuperação. Para alcançá-la, pode-se usar aditivos a base de polímeros e adições minerais como a cinza volante e a cinza de casca de arroz.

19 Plasticidade É a propriedade que permite à argamassa deformar-se e reter certas deformações após a redução das tensões que lhe foram impostas. Esta propriedade está ligada diretamente a sua coesão, consistência e retenção de água.

20 Retenção de água Define-se retenção de água como a capacidade da argamassa fresca de manter sua consistência ou trabalhabilidade quando sujeita a solicitações que provoquem perda de água (evaporação ou sucção do substrato). A capacidade de absorção da base (sucção capilar do substrato influencia diretamente a retenção de água da argamassa). Para argamassas de revestimento, a retenção interfere no acabamento e também em algumas propriedades no estado endurecido como retração na secagem e resistência mecânica final. Base Perda de água por sucção Perda de água por evaporação

21 Retenção de água Para argamassas com consumo menor de aglomerante, a retenção de água melhora com o aumento da relação cal /cimento no traço. Fatores que influenciam na retenção de água: Natureza da cal: dolomíticas retém melhor a água que as calcíticas A maturação prévia das cales, ou seja, a pasta ou a argamassa é deixada em repouso antes da aplicação Base Perda de água por sucção Perda de água por evaporação

22 Adesão inicial É a propriedade que a argamassa possui de permanecer adequadamente unida ao substrato após seu lançamento. Esta propriedade é fortemente influenciada pela plasticidade e coesão da argamassa e pelas propriedades do substrato onde é aplicada (absorção inicial e rugosidade). Esta propriedade tem ligação direta com a aderência que a argamassa terá ao substrato no estado endurecido.

23 Tempo em Aberto É o período de tempo após o espalhamento da argamassa sobre o substrato, em que é possível o assentamento da cerâmica obtendo-se a resistência de aderência ≥ 0,5 MPa. O tempo em aberto é um dos principais requisitos de desempenho da argamassa colante. Quando é baixo, pode causar o descolamento de placas cerâmicas, principalmente em revestimentos externos, devido a diferentes tensões causadas por ciclos de molhagem e secagem, efeito das variações de temperatura e velocidade de vento.

24 Estado frescoConceitoFator governanteFatores que podem influenciar na propriedade Propriedade exigida em argamassas Propriedade relacionada ConsistênciaÉ a maior ou menor facilidade de opor resistência a uma dada deformação Quantidade de água adicionada Aditivos plastificantes e superplastificantes Assentamento e revestimento Retenção de água Retenção da consistência Capacidade de manter sua consistência após entrar em contato com um substrato Assentamento e revestimento CoesãoPropriedade de manter seus constituintes homogêneos, sem segregação Cal hidratada é ideal Adições especiais, aglomerantes adequados, incorporadores de ar ou aglomerantes inertes como o saibro TixotropiaBaixa energia para alterar sua forma, e conseguir mantê-la mesmo sob ação da gravidade Usar aditivos a base de polímeros e adições minerais como a cinza volante e a cinza de casca de arroz. Assentamento e argamassas de recuperação Coesão PlasticidadePropriedade de deformar-se e reter certas deformações após a redução das tensões que lhe foram impostas Coesão, consistência e retenção de água Retenção de águaCapacidade da argamassa fresca de manter sua consistência ou trabalhabilidade quando sujeita a solicitações que provoquem perda de água Determina as condições de hidratação do cimento e a recarbonatação da cal, responsáveis pela evolução do processo de endurecimento Adesão inicialQuando a argamassa permanece adequadamente unida ao substrato após seu lançamento Plasticidade, coesão e aderência ao substrato Resumo das propriedades em estado fresco

25 Propriedades das argamassas no estado endurecido A argamassa no estado endurecido já ultrapassou a idade necessária para lhe conferir resistência mecânica suficiente para resistir a esforços.

26 Resistência mecânica Seja qual for a aplicação de uma argamassa, após seu endurecimento sempre será submetida a algum tipo de esforço mecânico. Esforços: argamassas de assentamento: compressão argamassas de revestimento: à abrasão superficial, impacto, tensões de cisalhamento decorrentes de movimentações do substrato ou variações térmicas /higrométricas.

27 Resistência mecânica A resistência mecânica depende do tipo e teor de aglomerante. Em misturas convencionais, o cimento Portland é o principal responsável pela garantia desta propriedade Entretanto misturas muito ricas em cimento provocam uma alta retração volumétrica e também diminuem a capacidade do material absorver pequenas deformações sem fissurar. Argamassas de cimento = maior resistência mas maior retração. Cuidado com fissuras !!

28 Deformabilidade Capacidade de absorver deformações intrínsecas (termo-higroscópicas) e extrínsecas (induzidas pelas estrutura) sem ocorrência de fissuras prejudiciais. É de vital importância no caso de revestimentos e assentamentos de unidades de alvenaria. A deformabilidade de uma argamassa pode ser aumentada pelo uso da cal hidratada. Argamassas prontas têm formulação baseada não apenas na resistência mecânica, mas também em deformabilidades máximas. Parâmetro para argamassas: E ≤ 2GPa

29 Permeabilidade É a propriedade de um material de se deixar atravessar por líquidos e gases. A permeabilidade de uma argamassa pode ser controlada pela quantidade e tipo de aglomerante empregado. O cimento Portland usado em proporções adequadas pode diminuir bastante a permeabilidade de um revestimento argamassado. Porém se o cimento for utilizado em teores excessivos podem levar à fissuração por retração hidráulica o que compromete esta propriedade. Paredes externas com argamassa permeável

30 Retração volumétrica Após seu endurecimento, as argamassas sofrem um processo de retração resultante da reação química dos aglomerantes e remoção da água adsorvida nos produtos de hidratação, durante o processo de secagem. Vários são os fatores que influenciam na retração de uma argamassa: Teor de cimento (retração por hidratação ou secagem) Volume de água : quanto maior o volume de água, maior será a retração final devido à evaporação Fissuras por retração ocorrem nos primeiros dias

31 Retração volumétrica Fissuras por retração ocorrem nos primeiros dias Granulometria do agregado : a composição granulométrica contínua e maior módulo de finura (areia mais grossa) diminuem o índice de vazios e consumo de água, reduzindo a retração. Condições ambientais : A temperatura e a umidade do ambiente onde uma argamassa é aplicada influenciam sua retração. Temperaturas altas e baixas umidades intensificam o processo por facilitarem a saída da água adsorvida nos produtos de hidratação.

32 Aderência É a capacidade de uma argamassa se fixar no substrato onde é aplicada A aderência é basicamente um fenômeno físico. Logo que a argamassa entra em contato com o substrato, existe uma migração de água de um material para outro, carreando materiais cimentícios. Este material ao se hidratar se fixa nos poros superficiais do substrato promove a aderência da argamassa.

33 Aderência Vários são os fatores que afetam a aderência de uma argamassa: adesão inicial, rugosidade e absorção inicial do substrato; retenção de água tipo de aglomerante empregado granulometria dos agregados. A aderência é melhorada quando são empregadas: misturas com teores de aglomerantes mais elevados com uma boa retenção de água (uso da cal) agregados miúdos mais finos substratos rugosos e de baixa absorção inicial. Boa aderência Má aderência

34 Aderência ao longo do tempo Tão importantes quanto a aderência observada após a aplicação de uma argamassa é a manutenção desta propriedade ao longo do tempo. A diminuição da resistência de aderência pode ser causada por fadiga da ligação da argamassa com substrato devido a tensões cíclicas durante a vida útil. a que o material está sujeito durante sua vida útil Isto explica o desplacamento de revestimentos após anos de aplicação. O uso de cal hidratada ou de aditivos de base polimérica reduzem a magnitude deste fenômeno.

35 Estado endurecido ConceitoFator governanteFatores que podem influenciar na propriedade Propriedade exigida em argamassas Resistência mecânica Tipo e teor de aglomeranteMisturas muito ricas em cimento provocam retração volumétrica diminuindo a de absorver pequenas deformações sem fissurar Deformabilid ade Capacidade de se deformar sem gerar tensões importantes no material Cal hidratadaRevestimento e assentamento Permeabilida de Propriedade de um material de se deixar atravessar por líquidos e gases Quantidade e tipo de aglomerante Cimento em teores excessivos pode levar à fissuração por retração hidráulica Revestimento Retração volumétrica Reação química dos aglomerantes e remoção da água adsorvida nos produtos de hidratação, durante o processo de secagem Teor de aglomerante, volume de água, granulometria e condições ambientais AderênciaCapacidade da argamassa se fixar no substrato onde é aplicada Misturas com teores elevados de aglomerantes Boa retenção de água favorecida pela cal. Agregados miúdos mais finos e substratos rugosos e de baixa absorção inicial adesão inicial rugosidade e absorção inicial do substrato, retenção de água, tipo de aglomerante empregado e granulometria dos agregados Resumo das propriedades em estado endurecido


Carregar ppt "Argamassas - 1 Materiais de Construção. Argamassas - Definição Argamassas são materiais de construção com propriedades de aderência e endurecimento, obtidos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google