A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MUSICAL CCB - – Hinos e artigos sobre música.http://musicalccb.esy.es.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MUSICAL CCB - – Hinos e artigos sobre música.http://musicalccb.esy.es."— Transcrição da apresentação:

1 MUSICAL CCB - – Hinos e artigos sobre música.http://musicalccb.esy.es

2 Arte de expressar os profundos sentimentos, através dos sons.

3 Som é toda vibração percebida pelo nosso ouvido. Podem ser: Musicais: vibrações sonoras regulares, possíveis de serem grafadas; Não musicais: ruídos.

4 Altura: propriedade que possibilita ao som ser mais grave ou mais agudo; Duração: tempo de prolongamento do som; Intensidade: volume do som; Timbre: qualidade ou atributo especial de cada som pelo qual se distingue sua origem.

5 Melodia: combinação de sons sucessivos (um após o outro); Harmonia: combinação de sons simultâneos (dois ou mais sons executados de uma só vez) Ritmo: combinação dos valores de duração no discurso musical, regulados pela maior ou menor duração.

6 É possível registrar graficamente os sons musicais, tornando possível assim a execução pela leitura visual. Dá-se o nome de notação musical à escrita da música.

7 Existem sete notas musicais, e com elas é possível executar qualquer música. São elas: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si

8 Assim como não é possível escrever sem papel, também não é possível grafar a música sem o Pentagrama: um conjunto de cinco linhas e quatro espaços, sobre a qual é escrito a música. Devemos contar as linhas e os espaços de baixo para cima.

9 As vezes o conjunto das cinco linhas e quatro espaços é insuficiente para comportar as notas mais agudas ou mais graves. Então, nesses casos, utilizamos as linhas e espaços suplementares.

10 Para representar os sons, utilizamos figuras, de acordo com a duração de cada som. Também existem os intervalos sem som em uma composição (pausas), e há figuras que representam esses intervalos. Para cada figura há um número representativo, e esses números são referenciados principalmente nas *fórmulas de compasso. * Fórmulas de compasso veremos mais adiante.

11

12 Clave é um sinal colocado no início de todo pentagrama, e serve para determinar a posição das notas. Existem três diferentes sinais de clave :

13 A clave define o nome de cada nota no pentagrama. Por exemplo, a linha que passa pelo meio do círculo na clave de sol, comportará sempre a nota Sol. Todas as demais notas são nomeadas a partir dessa linha, para cima e para baixo.

14

15

16

17

18

19

20

21 Com os três sinais de claves, formamos 7 claves diferentes: Clave de Sol na 2ª linha Clave de Dó na 1ª linha Clave de Dó na 2ª linha Clave de Dó na 3ª linha Clave de Dó na 4ª linha Clave de Fá na 3ª linha Clave de Fá na 4ª linha

22 A clave de Sol apresenta-se somente na primeira linha. A linha que passa pelo círculo do sinal de clave comportará sempre a nota Sol, conforme já vimos anteriormente:

23

24 Existem quatro claves de Dó diferentes, e em todas a linha que passa pelo meio do sinal comportará a nota Dó. A partir dessa linha descobrimos o nome das demais notas:

25

26

27

28

29 Existem duas claves de Fá diferentes, e em ambas a linha que passa pelo meio dos dois pontos comportará a nota Fá:

30

31

32 Todo pentagrama, em uma composição, estará dividido em várias seções por pequenas barras verticais. Cada divisão é um compasso.

33 O tipo de barra visto abaixo são as simples.

34 Temos também as barras duplas, que servem para separar trechos da música. Ex: Entre as estrofes e o coro.

35 Ainda temos as barras de repetição, que determinam a repetição de um trecho na composição musical. Note sempre o lado que está os dois pontos, pois entre eles está o trecho a ser repetido.

36 E por último, temos a barra final. Essa barra estará sempre no fim qualquer composição musical.

37 Junto ao sinal de clave, estará sempre a indicação do compasso utilizado na composição, sendo os mais utilizados:

38 Os compassos se dividem em: compassos simples e os compassos compostos:

39 Para solfejar as notas, é preciso antes verificar qual o é a CLAVE e o COMPASSO utilizados na composição. Compasso quaternário simples. Clave de Sol

40 Os compassos podem ser: Binário: dois tempos; Ternário: três tempos; Quaternário: quatro tempos.

41 Para solfejar, fazemos movimentos contínuos com as mãos ou pés, enquanto falamos o nome da nota. Os movimentos seguem as regras abaixo, conforme os compassos:

42 Sempre inicie o movimento, com a mão ou pé, no ponto azul da figura abaixo. Faça um movimento até o final da seta, e retorne ao ponto azul. O ponto azul é início e o fim de um tempo.

43 Solfeje o compasso quaternário simples, conforme abaixo: Iniciando com a mão no ponto azul, desça até ao ponto verde, e pronuncie: UM Volte ao ponto azul e pronuncie: E

44 Desça até ao ponto verde e pronuncie: DOIS Volte ao ponto azul e pronuncie: E

45 Vá até ao ponto verde e pronuncie: TRÊS Volte ao ponto azul e pronuncie: E

46 Vá até ao ponto verde e pronuncie: QUATRO Volte ao ponto azul e pronuncie: E

47 Esses movimentos devem ser repetidos continuamente em todos os compassos existentes na composição musical, até chegar ao final da mesma.

48 Vamos, antes de tudo relembrar as figuras musicais, e comparar seus valores:

49 Agora vamos anotar seus valores em um compasso quaternário simples:

50 Vamos agora solfejar as semibreves, seguindo as orientações do compasso quaternário simples:

51 No lugar dos números pronunciamos as notas. A semibreve vale quatro tempos, então posicionamos nossa mão no ponto azul e fazemos os movimentos pronunciando: dó-ó (1º tempo), ó-ó (2º tempo), ó-ó (3º tempo), ó-ó (4º tempo).

52 Continuamos o solfejo na próxima nota: ré-é (1º tempo), é-é (2º tempo), é-é (3º tempo), é-é (4º tempo).

53 Assim vamos solfejando todas as notas, assim que terminamos uma já iniciamos a outra, até chegar a última nota.

54 Note que cada compasso comporta apenas uma figura, pois a semibreve vale 4 tempos nesse compasso.

55 Agora vamos solfejar as mínimas. Elas valem dois tempos nesse compasso, e por isso precisamos de duas notas para preencher um compasso.

56 No primeiro e segundo tempo solfejamos o dó, e no terceiro e quarto tempos o ré. Dó-ó, ó-ó (1º e 2º tempo) / Ré-é, é-é (3º e 4º t) Mi-i, i-i / Fá-á, á-á...

57 Agora vamos solfejar as semínimas. Elas valem um tempo nesse compasso, e por isso precisamos de quatro notas para preencher um compasso.

58 Cada nota vale um tempo. Por isso vamos solfejar da seguinte forma: Dó-ó (1º tempo) – Ré-é (2º t) – Mi-i (3º t) – Fá-á (4º t)...

59 Agora vamos solfejar as colcheias. Elas valem apenas meio tempo, e por isso é necessário termos 8 figuras para completar um compasso.

60 Para solfejar, cada meio tempo falamos uma nota. Dó e Ré (1º tempo) – Mi e Fá (2ºt) – Sol e Lá (3ºt) – Si e Dó (4º t)...

61 Em uma composição musical encontraremos todas essas figuras e valores misturados:

62 Solfejamos: Si-i (1ºt) – Ré e Mi (2ºt) – Si-i-i-i (3º e 4ºt)...

63 Assim, quando tocado, cada figura dá um som com duração e altura independente. Note que em cada compasso a soma dos valores das figuras é igual a 4 tempos.

64 Material elaborado por: Musical CCB Home page: Facebook: https://www.facebook.com/musicalccbhinoshttps://www.facebook.com/musicalccbhinos


Carregar ppt "MUSICAL CCB - – Hinos e artigos sobre música.http://musicalccb.esy.es."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google