A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

GRIPE SUÍNA INFLUENZA A (H1N1). Vírus Influenza Envoltório lipídico recoberto de projeções, as GLICOPROTEÍNAS, que são duas: - Hemoaglutinina (H) 16 antígenos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "GRIPE SUÍNA INFLUENZA A (H1N1). Vírus Influenza Envoltório lipídico recoberto de projeções, as GLICOPROTEÍNAS, que são duas: - Hemoaglutinina (H) 16 antígenos."— Transcrição da apresentação:

1 GRIPE SUÍNA INFLUENZA A (H1N1)

2 Vírus Influenza Envoltório lipídico recoberto de projeções, as GLICOPROTEÍNAS, que são duas: - Hemoaglutinina (H) 16 antígenos - Neuraminidase (N) 9 antígenos reconhecidos

3 MECANISMOS PARA ORIGEM DE UMA PANDEMIA DE INFLUENZA N. Engl. J. Med. 2005, 353, 2209 – 2211 Mutaciones adaptativas Re asociaciones genéticas Belshe, R. B. The origins of pandemic influenza-Lessons from the 1918 virus. N. Engl. J. Med. 2005, 353, 2209 – 2211

4 Nomenclatura do vírus Influenza H1 N1* Subtipo HA Subtipo NA Typo A A/Califórnia/4/2009 Tipo de vírus Lugar de isolamento Código de Lab / N°cultivo Ano de identificação * Subtipos somente para o virus A Os subtipos são específicos para cada especie

5

6 INFLUENZA PANDÊMICA é o inicio de uma mesma influenza em todo o planeta em todo o planeta de maneira simultânea com a capacidade de provocar sérias conseqüências

7 Já existiram pandemias de Influenza ? SIM AnoNomeVirusMortes 1918GRIPE EspanholaVírus GRIPE tipo A (H1N1)50 milhões[1] 1957GRIPE AsiáticaVírus da GRIPE tipo A (H2N2)2 milhões 1968 GRIPE de Hong Kong Vírus da GRIPE tipo A (H3N2)1 milhão (1) Osterholm MT. “Preparing for the next pandemic” N Eng J Med 2005; 352 (18):

8 GRIPE ESPANHOLA

9

10

11

12

13

14 Massachusetts, enfermeiras cuidam de vítimas da epidemia de gripe espanhola de 1918 dentro de barracas de lona

15

16 Victims Removed From Quarrentine House In St. Louis 1918

17

18 Death Chart From Spanish Flu

19

20 In 2005, Army scientists reported that they had reconstructed the Spanish flu virus by extracting genetic fragments from the bodies of victims exhumed from the Alaskan permafrost. American and Canadian researchers compared the effects of the virus on monkeys with those of seasonal flus.

21 The 1918 virus grew faster and spread more widely in the monkeys than the other viruses. While the immune reaction to the seasonal viruses abated after a few days, the response in monkeys with Spanish flu persisted, damaging tissues and impairing lung function, the study said.

22 Abril de 2009

23 27/04/ h48 - Atualizado em 27/04/ h44 Espanha confirma primeiro caso de gripe suína da Europa Paciente veio do México, onde o surto iniciou-se e já matou ao menos 22. Organização Mundial de Saúde tem reunião de emergência sobre o caso.

24 CAUSADA POR UM VÍRUS NOVO - Ninguém no mundo tem imunidade - Não se sabe qual vai ser o comportamento dele - Ele pode sofrer mutações que são imprevisíveis

25 NÃO EXISTE VACINA NOSSA ÚNICA PROTEÇÃO É A PREVENÇÃO

26 GRIPE = INFLUENZA

27

28

29 É UMA DOENÇA RESPIRATÓRIA AGUDA INFLUENZA ≠ RESFRIADO

30 TRANSMISSÃO DO VÍRUS 90% GOTÍCULAS RESPIRATÓRIAS 10% CONTATO COM SUPERFÍCIES CONTAMINADAS

31

32 INCUBAÇÃO 1 a 5 dias após contato com o vírus em média 2 dias TRANSMISSIBILIDADE 1 dia antes dos sintomas até 7 dias após TEMPO CRIANÇAS até 14 dias

33 ETIQUETA DA TOSSE E DO ESPIRRO

34

35 1,8m

36 Higiene das mãos Uso de EPIs HIGIENE RESPIRATÓRIA (ETIQUETA DA TOSSE) Alocação do paciente Materiais assistenciais Cuidados com o ambiente Manuseio da roupa Práticas seguras de injeção “vascular” Segurança nas punções lombares Legislação para segurança do trabalhador PRECAUÇÕES PADRÃO CDC

37 Evitar - bloquear a transmissão do vírus Reduzir o número de portadores do vírus H1N1 Reduzir a quantidade de vírus H1N1 no ambiente (contaminação das superfícies) Dar tempo para conhecer mais a doença e desenvolver vacinas FINALIDADE DAS NORMAS DE PROTEÇÃO

38 CONTENÇÃO DE UMA PANDEMIA: EVIDÊNCIAS DE MODELOS 1. Atrasar a transmissão e o pico epidêmico #1 casos x dia Dias desde o primeiro caso Pandemia de influenza: Sem intervenção Pandemia de influenza: intervenção 2. Descomprimir a pressão da demanda dos serviços de saúde 3. Diminuir o número de casos e demais impactos nos sistemas de saúde #2 #3 OAS Seminar on Avian Influenza - November 2007

39 NÃO USAR MAIS AS MÃOS PARA COBRIR A BOCA DURANTE A TOSSE

40 PRECAUÇÕES COM GOTICULAS OS GERMES SAEM NAS GOTÍCULAS E PODEM SER INALADOS OU LEVADOS PELAS MÃOS ATÉ AS VIAS RESPIRATÓRIAS

41 ESPIRRO OU TOSSE

42 CORIZA

43 É OBRIGATÓRIO O BLOQUEIO DOS GERMES

44 BARREIRAS PARA A TOSSE E ESPIRRO LENÇOS DE PAPEL PAPEL TOALHA PAPEL HIGIÊNICO GUARDANAPO DE PAPEL

45 DEPOIS QUE USAR DESCARTAR NO LIXO COMUM

46 LIXO É LIXO NÃO É QUALQUER LUGAR

47 ÀS VEZES, SE NÃO TEM JEITO... CDC

48

49 HIGIENE DAS MÃOS continua sendo uma das grandes formas de interromper a transmissão de germes especialmente nos Serviços de Saúde

50 A eficácia da lavagem das mãos, depende da técnica correta e do tempo de fricção

51 Álcool 70% glicerinado ou gel Mãos não visivelmente sujas MESMOS MOVIMENTOS DA LAVAGEM DAS MÃOS - não colocar o álcool nas mãos molhadas - não secar com papel toalha SEMPRE FRICCIONAR ATÉ SECAR

52 VIRUS RHINOVIRUS VIRUS PARAINFLUENZA VIRUS SINCIAL RESPIRATÓRIO PELE ?? 30 min SUPERFÍCIES POROSAS 01 hora > 04 horas 01 hora SUPERFÍCIES NÃO POROSAS 03 horas > 10 horas 07 horas CDC, 2001 SOBREVIVÊNCIA DE ALGUNS VÍRUS EM SUPERFÍCIES

53 PRECAUÇÕES DE CONTATO ACRESCIDAS PELO USO DA MÁSCARA

54 MÁSCARA Tipo cirúrgica, três camadas Nunca usar pendurada no pescoço Sempre substituída quando ficar úmida Sempre manuseada pelas tiras RESPIRADOR N 95 nas situações que possam gerar aerossóis (intubação endotraqueal, aspiração,...)

55 MÁSCARA - RESPIRADOR Ajuste à face, dobre o metal sobre o nariz e verifique se está bem vedada : - Inalando – respirador deve colapsar - Exalando – detectar vazamentos Máscara – protege boca e nariz Respirador – protege as vias aéreas de partículas suspensas no ar Contra Indicação Uso: Presença de Barba

56 AS AMARRAS DEVEM SER FEITAS NA CABEÇA E NÃO NO PESCOÇO RESPIRADOR N95 e PFF2

57

58 DESPARAMENTAÇÃO USAR A TÉCNICA PRECONIZADA PARA NÃO OCORRER CONTAMINAÇÃO

59 NO HOSPITAL OU NO CONSULTÓRIO Identificar o paciente tossidor Ele deve receber uma máscara Se possível, colocá-lo em ambiente separado Dar prioridade ao seu atendimento Incentivar a etiqueta da tosse/higiene das mãos Arejar ambientes

60 Cobrir o nariz e boca, de preferência com lenço descartável, ao tossir ou espirrar Se não tem lenço, utilizar a manga da blusa/camisa Lavar as mãos depois de tossir ou espirrar Evitar cumprimentar: com a mão ou com beijo, quando estiver doente Evitar compartilhar copos, pratos, talheres, objetos pessoais, e/ou beber no copo de outros Evitar aglomerações Manter-se longe de pessoa com gripe Não tocar a boca, nariz e os olhos Não cuspir no chão Manter o ambiente higienizado, com ventilação externa, mas evitando formar correntes de ar Usar sempre os EPIs necessários NÃO SE AUTOMEDICAR

61 “GRIPE” sempre deve ser combatida Aviária (H5N1) Estacional Suína A (H1N1) SAZONAL

62

63

64 Se envolva, você pode ser o diferencial entre a vida e a morte de um ser humano!

65 O mundo agradece!


Carregar ppt "GRIPE SUÍNA INFLUENZA A (H1N1). Vírus Influenza Envoltório lipídico recoberto de projeções, as GLICOPROTEÍNAS, que são duas: - Hemoaglutinina (H) 16 antígenos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google