A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Proteção Profissional em Cirurgia Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Ciências da Saúde - CCS Bases da Técnica Cirúrgica e da Anestesia.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Proteção Profissional em Cirurgia Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Ciências da Saúde - CCS Bases da Técnica Cirúrgica e da Anestesia."— Transcrição da apresentação:

1 Proteção Profissional em Cirurgia Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Ciências da Saúde - CCS Bases da Técnica Cirúrgica e da Anestesia - BTCA

2 Proteção Profissional em Cirurgia Objetivos Objetivos Proteção profissional: evolução das condutas CDC Riscos exposição e transmissão: hepatite e HIV Profilaxia infecção cirúrgica: história Medidas preventivas:  Tipo de precaução  Modificação da conduta médica  Equipamento adequado e seguro  Medidas específicas: vacina, IGHB, drogas anti-HIV

3 Proteção Profissional em Cirurgia Evolução de Condutas (CDC) Evolução de Condutas (CDC) Isolamento: categorias [1970] Isolamento: categorias e / ou doenças [1983] Prevenção transmissão HIV: precaução universal [87 e 88] Para todos pacientes Independe estado saúde Equipamento proteção: depende do tipo exposição Transmissão outros fluidos: precaução padronizada [1996] Secreções, excreções Pele não-íntegra, mucosa

4 Proteção Profissional em Cirurgia Riscos de exposição e mecanismos de transmissão Hepatite e HIV CCIH-HUCFF-UERJ: 839 acidentes / 6 anos Auxiliar enfermagem = 39,6% Médico: staff / Residente = 23,4% Estagiário medicina = 11,8% Pessoal limpeza = 9,2% Enfermagem = 8,2% Pessoal laboratório = 7,4% Fisioterapeutas = 0,24% Outros = 0,4% Bravo Neto GP; Magalhães ACG, Bol Inform CBC, 99

5 Proteção Profissional em Cirurgia Perfuração de Luvas Tipo de Profissional e Lado das Mãos Aguiar JLM, An Fac Med UFPE, 98 - BTCA Indicador esq. = 19%

6 Proteção Profissional em Cirurgia Perfuração de Luvas Risco de Contaminação das Mãos Aguiar JLM, An Fac Med UFPE, 98 - BTCA

7 Proteção Profissional em Cirurgia Riscos de exposição e mecanismos de transmissão Hepatite e HIV

8 Proteção Profissional em Cirurgia Riscos de exposição Hepatite e HIV Vias de transmissão Percutânea: > risco Pele não-íntegra: dermatite Mucosa íntegra

9 Proteção Profissional em Cirurgia Riscos de exposição e mecanismos de transmissão Acidente Percutâneo Cirurgia ginecológica, emergência, cir. vascular, traumatologia Transferência material perfurocortante Suturas: Mãos > instrumentos Mão do 1º auxiliar em exposição do campo cirúrgico Dedo como anteparo de agulha nos tecidos Nó usando fio com agulha Cirurgia longa Grande sangramento Agulhas: Após uso = 69,6% Antes ou durante = 17,8% Ao tapar = 1/3 Ao dobrar

10 Proteção Profissional em Cirurgia Riscos de exposição e mecanismos de transmissão Hepatite B Transmissão HBV (10x) > HCV e HIV: 12 mil / ano (EUA) HBV em material: capacidade infecção até 7 dias Soroconversão  : vacina Risco infecção = 6 a 30% (percutânea) Risco depende: HBsAg, HBeAg, imunologia Hepatite C Risco infecção = 0 a 10% (percutânea) Prevalência HCV > HBV e HIV Pós-transfusional: 90% dos casos

11 Proteção Profissional em Cirurgia Riscos de exposição e mecanismos de transmissão HIV Transmissão: 52 casos (< EUA) 111 casos = ? Exposição sangue ou fluidos + sangue: > 90% Percutânea = 45 Mucocutânea = 5 Mista = 1 Percutâneas: agulhas ocas = 95% HIV + = 95% ( 6 meses < 1 ano)  Risco = 0,3 - 0,5% (percutânea) 0,09% (mucocutânea) < ? (pele) < ? (outros fluidos)  Risco depende: quantidade sangue, HIV, lesão, imunologia  Sensível ao ambiente: inativa em poucas horas

12 Proteção Profissional em Cirurgia Medidas Preventivas Precauções universais ou padronizadas:  risco Mudança de conduta médica: cirurgia Equipamento adequado: fácil e seguro / custos? Medidas específicas: HIV e HBV

13 Proteção Profissional em Cirurgia Profilaxia da Infecção Cirúrgica Profilaxia da Infecção Cirúrgica Lavagem das mãos - Contato [Semmelweis, 1846] Anti-sepsia [Lister, 1865] Gorro [Von Bergman, 1880] Esterilização a vapor [Koch, 1881] Avental [Neuber, 1882] Luvas [Halsted, 1889] Máscara [Mikulicz, 1896]

14 Proteção Profissional em Cirurgia

15 Precauções Universais Todos pacientes são considerados infectados Equipamento proteção individual: depende da exposição  Sangue, sêmen, vaginal, amniótico, LCR, pericárdico  Peritoneal, pleural, sinovial e leite materno.  Saliva: odontologia  Percutânea, pele lesada, ferida e mucosa.  Não: fezes, urina, vômito, suor, lágrima, nasal e escarro.  Não: pele íntegra.

16 Proteção Profissional em Cirurgia Equipamento de Proteção Individual ProcedimentoLavar mãosLuvasCapoteMáscara, óculos Exame paciente pele íntegra X--- Sangue, fluidos, pele lesada XX*- Coleta sangue, urina, fezes XX-- Curativos XX** Punção venosa central XXXX Aspiração, intubação XXXX Endoscopia, broncoscopia XXXX Odontologia XXXX Respingo de fluidos XXXX Manual de Condutas-exposição ocupacional, DST/AIDS - MS, 99

17 Proteção Profissional em Cirurgia Precaução Universal

18 Proteção Profissional em Cirurgia Mudança de Conduta Profissional Saúde: sem dermatite HIV + : equipe experiente Óculos, perneira e capote impermeável Exposição do campo com instrumentos Mesa auxiliar de transferência Hemostasia: eletrocautério Montagem do fio no porta-agulha Suturas mecânicas Pegar agulha com pinça Nó sem agulha  sangramento Lavar mãos, braços e face após cirurgias

19 Proteção Profissional em Cirurgia

20 Mudança de Conduta Comportamento calmo na sala de cirurgia Evitar procedimentos bruscos Evitar equipamentos com agulhas, se possível Gorro envolvendo o pescoço Solicitação oral de perfurocortantes Colocar agulhas na mesa para perfurocortantes Mais atenção no fechamento da parede Evitar suturas simultâneas na mesma ferida Examinar fraturas expostas com cuidado Lavar a pele íntegra com água e sabão, diante contaminação Limpar a área com álcool isopropílico a 70% Retirar a roupa com a 2ª luva Não tocar no ambiente com a luvas sujas

21 Proteção Profissional em Cirurgia Medidas Específicas Vacinação contra Hepatite B Profissional Saúde: obrigatória Proteção 90% - 7 anos Surgiu em 1982 Não-vacinados: até 32% Exposição ocupacional a sangue = urgência

22 Proteção Profissional em Cirurgia Medidas Específicas Tratamento Pós-exposição Profissional Saúde (PS) e fonte: HBV, HCV, HIV Informar a CCIH: aconselhamento sob sigilo Não é totalmente eficaz Hepatite B Fonte HBsAg + Sorologia PS: repetir após 6 meses PS não-vacinado: vacina (3 doses) HBIG (< 7 dias)  PS vacinado: anti-HBs  : vacina + HBIG Fonte não identificada: Não-vacinados: vacina (3 doses) HBIG (< 7 dias) ??? (individualizar)

23 Proteção Profissional em Cirurgia Medidas Específicas Tratamento Pós-exposição Hepatite C  Fonte anti-HCV + ou ?  PS Anti-HCV: repetir após 6 meses  TGO, TGP

24 Proteção Profissional em Cirurgia Medidas Específicas Tratamento Pós-exposição HIV Fonte HIV + ou ? PS sorologia: repetir após 1,5 / 3 / 6 meses Teste rápido HIV: resultado 30 min. Avaliar: Grau exposição Estado da fonte (HIV e títulos) Regime básico: AZT (zidovudina) (600 mg/dia) Lamiduvina 150mg/dia 12/12h) Regime expandido: + Indinavir (800 mg/dia 8/8h) ou Nelfinavir (750 mg/dia 8/8h) - Iniciar até 48h = melhor resultado - AZT:  81% a taxa de soroconversão

25 Proteção Profissional em Cirurgia Medidas Específicas Tratamento Pós-exposição HIV Regime expandido: percutânea severa (agulha oca, lesão profunda, intravascular) fonte HIV + Regime expandido: percutânea leve (agulha sem buraco, lesão superficial), mucosa ou pele não íntegra, fonte HIV + terminal Regime básico: percutânea leve, mucosa ou pele não íntegra, grande volume, fonte HIV + assintomático (maioria das lesões) Critérios: volume sangue e quantidade HIV Iniciar < 2 h

26 Proteção Profissional em Cirurgia Medidas Específicas Tratamento Pós-exposição HIV Regime básico: mucosa ou pele não íntegra, pequeno volume, fonte HIV + títulos elevados Regime ??: mucosa ou pele não íntegra, pequeno volume, fonte HIV + títulos baixos Fonte desconhecida: individualização; grau exposição, volume sangue – Regime básico ??? Não é eficaz após 24 a 36 h

27 Proteção Profissional em Cirurgia Medidas Específicas CCIH-HUCFF-UERJ: 563 acidentes / 3 anos Fonte  HIV + = 53  HCV + = 49  HBV + = 4 Profissional de Saúde  Vacinação HBV (completa ou parcial) = 308  Soroconversão: HCV = 3 HBV = 1 HIV = 0  IGHB, vacina HBV, AZT, lamivudina, indinavir Bravo Neto GP; Magalhães ACG, Bol Inform CBC, 99


Carregar ppt "Proteção Profissional em Cirurgia Universidade Federal de Pernambuco - UFPE Centro de Ciências da Saúde - CCS Bases da Técnica Cirúrgica e da Anestesia."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google