A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HEPATITE C. -Descoberto em 1989 como principal agente da hepatite pós-transfusional não-A e não-B; - Principal causa de doença crônica no fígado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HEPATITE C. -Descoberto em 1989 como principal agente da hepatite pós-transfusional não-A e não-B; - Principal causa de doença crônica no fígado."— Transcrição da apresentação:

1 HEPATITE C

2 -Descoberto em 1989 como principal agente da hepatite pós-transfusional não-A e não-B; - Principal causa de doença crônica no fígado.

3 Hepatite por vírus C (HCV) Agente etiológico: vírus HCV, da família Flaviviridae, Gênero Hepacivírus, RNA de fita simples[ Agente etiológico: vírus HCV, da família Flaviviridae, Gênero Hepacivírus, RNA de fita simples[ Responsável por 90% dos casos de infecção pelo vírus não-A e não-B; Responsável por 90% dos casos de infecção pelo vírus não-A e não-B; Principal causa de hepatite pós- transfusional. Principal causa de hepatite pós- transfusional.

4 Morfologia do HCV

5 Genoma do HCV

6 200 milhões de pessoas infectadas pelo HCV, no mundo. Indivíduos infectados pelo HCV – Hepatite crônica (80% - 85%) Cirrose hepática (20%) – HCC (10% - 20%) A infecção pelo HCV representa um dos mais graves problemas de saúde pública no Brasil e no mundo. Epidemiologia

7 Fonte:CDC *Anti-HCV defined by EIA and supplemental testing Prevalência da infecção pelo HCV

8 -Usuários de drogas endovenosas - 80% -Receptores de fatores de coagulação antes de % -Receptores de transfusão sangüínea ou transplante de órgãos antes de %; -Hemodiálise - 20%; -Filhos de mães positivas- 5%; -Parceiros de portadores do HIV; -Crianças com 12 meses de idade com mãe portadora do HC; -Profissionais da área da saúde vítimas de acidente com sangue contaminado. Fatores de maior risco para Hepatite C crônica

9 A principal via: parenteral – Entre usuários de drogas intravenosas – Por agulhas e seringas Esterilização inadequada ou reutilização – Transfusão Sangüínea – Transplante de órgãos Vertical Sexual Transmissão do HCV

10 Patogenia Vírus hepatotrópico Vírus hepatotrópico Efeito citopático Efeito citopático Lesão hepática, principalmente resultante da imunidade celular Lesão hepática, principalmente resultante da imunidade celular Evolução para a cronicidade em 80 – 85% dos casos Evolução para a cronicidade em 80 – 85% dos casos

11 Nomenclatura dos Diferentes Genótipos do Vírus da Hepatite C Stuyver Simmonds 1a1a 1b1b 1c1c 2a2a 2b2b 2c2c 3a3a 3b3b 3c3c 4a4a 5a5a 6a Chan Okamoto III IIIIV VVI

12 Genótipo Incidência 1 70% 22,5% 328% Prevalência dos genótipos do HCV Brasil

13 E2-CD81 E2-SR-B1, Claudin-1 Ciclo do HCV

14 Evolução Clínica

15 Procedimento após picadas de agulhas, cortes ou exposição de sangue HCV positivo – Exame: Anti-HCV e ALT, imediato e até 4-6 meses – HCV-RNA em 4-6 semanas (+ rápido) – Confirmar todos os anti-HCV – Encaminhar a pessoa infectada a serviço médico especializado para avaliação e acompanhamento Recomendações após exposição ao HCV

16 VírusRisco (%) HCV3% HIV0.3% Risco de infecção após picada com agulha contaminada

17 Detecção de anticorpo Anti-HCV (ELISA) Detecção de RNA do HCV (PCR) Marcadores sorológicos Segundo a Organização Mundial de Saúde: -mais de UI/mL (cópias/mL) - portadoras de título alto

18 Anti-HCV ELISA – 1ª Geração – NS4 – 2ª Geração – Core+NS3+NS4 – 3ª Geração – Core+NS3+NS4+NS5 – 4ª Geração – Variantes virais da NS3 (+3ªG) MEIA, Aglutinação, Quimioluminescência Anti-HCV + Core Ag HCV Testes sorológicos de triagem - Diagnóstico

19 Infecção pelo HCV Evolução para a cura Hoofnagle JH, Hepatology 36(5), 2002

20 Infecção pelo HCV Evolução para a cronicidade Hoofnagle JH, Hepatology 36(5), 2002

21 Diagnóstico Sorológico: baseia-se na detecção do anticorpo pelo método de ELISA. Sorológico: baseia-se na detecção do anticorpo pelo método de ELISA. Molecular : HCV – RNA Molecular : HCV – RNA Bioquímicos Bioquímicos

22 Como a severidade da doença não pode ser determinada com precisão por métodos menos agressivos, a biópsia continua sendo necessária para avaliar o grau de inflamação e fibrose (formação de cicatrizes). O consenso mundial é de que a biópsia é necessária em todos os pacientes antes do início do tratamento. Como a severidade da doença não pode ser determinada com precisão por métodos menos agressivos, a biópsia continua sendo necessária para avaliar o grau de inflamação e fibrose (formação de cicatrizes). O consenso mundial é de que a biópsia é necessária em todos os pacientes antes do início do tratamento.biópsia Papel da biópsia hepática na hepatite C Confirma o diagnóstico clínico Avalia o grau de fibrose e inflamação Avalia a presença de outras doenças concomitantes Ajuda a definir a melhor opção terapêutica Importância da Biópsia

23 Tratamento, Prevenção & Controle O interferon-alfa constitui o principal tratamento eficaz conhecido para a infecção pelo HCV (associado ou não à Ribavirina) O interferon-alfa constitui o principal tratamento eficaz conhecido para a infecção pelo HCV (associado ou não à Ribavirina) Formas de controle: Evitar comportamento de alto risco. Formas de controle: Evitar comportamento de alto risco.

24 - interferon alfa unidades por via subcutânea 3 vezes por semana; - ribavirina mg ao dia por via oral em 75 kg. Esquema Terapêutico As pessoas em tratamento devem ser acompanhadas freqüentemente. Exames laboratoriais são necessários a cada 1-2 semanas durante os primeiros 2 meses e depois a cada 4-8 semanas.

25 Pacientes mais jovens, com infecção há menos tempo, sem cirrose, com infecção pelos genótipos 2 e 3 e com menor carga viral (abaixo de Unidades/mL) tem as melhores chances de sucesso terapêutico. Esquema Terapêutico


Carregar ppt "HEPATITE C. -Descoberto em 1989 como principal agente da hepatite pós-transfusional não-A e não-B; - Principal causa de doença crônica no fígado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google