A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HEPATITEVIRAL. HEPATITE VIRAL 1. Introdução 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite 3. Patologia 4. Manifestações Clínicas 5. Diagnóstico Laboratorial 6.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HEPATITEVIRAL. HEPATITE VIRAL 1. Introdução 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite 3. Patologia 4. Manifestações Clínicas 5. Diagnóstico Laboratorial 6."— Transcrição da apresentação:

1 HEPATITEVIRAL

2 HEPATITE VIRAL 1. Introdução 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite 3. Patologia 4. Manifestações Clínicas 5. Diagnóstico Laboratorial 6. Epidemiologia 7. Prevenção e Controle

3 HEPATITE VIRAL 1. Introdução Infecção sistêmica que afeta primariamente o fígado, provocando inflamação aguda e resultando em doença clínica caracterizada por febre, sintomas gastrointestinais ( vômitos, dor abdominal, diarréia...) e icterícia.

4 HEPATITE VIRAL 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite Vírus A Pertence a família Picornaviridae, gênero Hepatovírus. Partícula esférica de simetria cúbica. Composto de RNA de filamento único linear. Estável ao tratamento com éter a 20%, ácido (Ph 1 durante 2h) e calor (60ºC durante 1h). Destruído por autoclavagem, fervura em água durante 5min., calor seco, irradiação ultravioleta, tratamento com formol ou cloro.

5 HEPATITE VIRAL 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite Vírus B Pertence a família Hepadnaviridae, gênero orthohepadnavírus. Provoca infecções crônicas, principalmente em lactentes. Importante fator no desenvolvimento de hepatopatia e carcinoma hepatocelular. Apresenta-se sobre três formas morfológicas à microscopia eletrônica do soro HBsAg-reativo:

6 HEPATITE VIRAL 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite Vírus B Esférica (constituídas de HBsAg); Tubulares Superprodução de HBsAg Filamentosas O envoltório contém HBsAg O nucleocapsídeo é composto de HBcAg O genoma viral consiste em DNA circular parcialmente de filamento duplo

7 HEPATITE VIRAL 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite Vírus B Estável a 37ºC durante 60min., estável a congelamentos e descongelamentos repetidos É sensível a temperaturas de 100ºC durante 1min ou a períodos de incubação prolongados (60ºC durante 10h). A replicação ocorre após fixação às células com desnudamento. No núcleo ocorre mudança no DNA viral que passa a ser de fita dupla fechada que atua como modelo para todas as transcrições de vírus, e no cerne a polimerase viral sintetiza uma cópia de DNA

8 HEPATITE VIRAL Vírus B

9 HEPATITE VIRAL HEPATITE VIRAL 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite Vírus C Pertence a família Flaviviridae, sem designação de gênero. Composto de RNA do filamento positivo. As infecções por HCV são, em sua maioria subclínicas. Mais de 50% dos pacientes com HCV desenvolvem Hepatite Crônica e alto risco para Cirrose.

10 HEPATITE VIRAL 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite Vírus D (delta) Pertence ao gênero Deltavirus, com família não classificada. O genoma do HDV consiste em RNA. O HDV contém Ag-delta (HDAg) circundado por um envoltório de HBsAg (vírus defeituoso) Está associado às formas mais graves de Hepatite em pacientes HBsAg-positivos É transmitido por via entérica

11 HEPATITE VIRAL 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite Vírus E Pertence a família Caliciviridae, sem designação de gênero. Genoma viral é constituído de RNA de fita simples. É transmitido por via entérica. Ocorre de modo epidêmico nos países em desenvolvimento.

12 HEPATITE VIRAL 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite

13 HEPATITE VIRAL 3. Patologia Degeneração pontilhada das células parenquimatosas, com necrose de hepatócitos, reação inflamatória lobular difusa e ruptura dos cordões hepáticos Numa fase avançada ocorre acúmulo de macrófagos próximo aos hepatócitos em degeneração, com aumento ou necrose dos hepatócitos pode ocorrer ruptura dos canalículos biliares ou bloqueio da excreção biliar A preservação do arcabouço reticular permite a regeneração dos hepatócitos

14 HEPATITE VIRAL 3. Patologia O tecido hepático lesado é restaurado em 8 a 12 semanas. Em 5 – 15% dos pacientes, a lesão inicial consiste em necrose hepática confluente (em ponte), com comprometimento da regeneração, resultando em colapso do estômago. Na hepatite viral persistente (8 – 10% após hepatite B aguda) há preservação da arquitetura lobular, com inflamação porta, intumescimento e palidez dos hepatócitos (paralelepípedo) e fibrose discreta a ausente-portadores assintomáticos.

15 HEPATITE VIRAL 3. Patologia Na hepatite ativa crônica ocorrem alterações histológicas que variam desde inflamação e necrose a colapso do arcabouço reticular normal. Verifica-se a presença de HBsAg em 10 a 50% dos pacientes A necrose hepatocelular fulminante ou maciça é observada em 1 a 2% dos pacientes ictéricos com hepatite B e 10 vezes mais comum em pacientes com infecção concomitante por HDV O HBV e o HCV desempenham um papel no desenvolvimento do carcinoma hepatocelular

16 4. Manifestações Clínicas HEPATITE VIRAL

17 5. Características Laboratoriais A biópsia hepática estabelece o diagnóstico histológico de hepatite Hemograma Completo Provas de função hepática anormais Transaminases (ALT e AST) variam de 500 a unidades e quase nunca são inferiores a 100 unidades Bilirrubinas, com predominância da bilirrubina conjugada (direta) Sorologia HEPATITE VIRAL

18 5. Características Laboratoriais VÍRUS A HEPATITE VIRAL

19 5. Características Laboratoriais VÍRUS B HEPATITE VIRAL

20 5. Características Laboratoriais VÍRUS D HEPATITE VIRAL

21 5. Características Laboratoriais HEPATITE VIRAL

22

23 6. Epidemiologia Hepatite viral A Distribuição mundial A transmissão é orofecal através de contato pessoal íntimo Surtos de hepatite A são comuns em famílias e instituições, acampamentos de férias, creches, UTI neonatais e tropas militares A doença clínica manifesta-se mais em crianças, adolescentes e adultos (taxas mais elevadas entre 5 – 14 anos de idade) HEPATITE VIRAL

24 6. Epidemiologia Hepatite viral A A relação entre casos anictéricos e ictéricos é de 1:3 para adultos e 12:1 em crianças Está associado ao consumo de ostras ou de mexilhões mal cozidos proveniente de água poluída Hepatite viral B Distribuição mundial Modo de transmissão e a resposta à infecção variam, dependendo da idade e da época A maioria dos lactentes infectados desenvolve infecções crônicas HEPATITE VIRAL

25 6. Epidemiologia Hepatite viral B Grupos de alto risco para infecção por HBV: usuários de drogas injetáveis, pessoas internadas, profissionais da área de saúde, paciente politransfundidos, pacientes transplantados, pacientes de hemodiálise e equipe médica, pessoas promíscuas e recém-nascidos de mães com hepatite B. A relação entre infecções anictéricas e ictéricas atinge 4:1 HEPATITE VIRAL

26 6. Epidemiologia Hepatite viral B O HBsAg pode ser detectado na saliva, em lavados nasofaríngeos, no sangue, no líquido menstrual e nas secreções vaginais A transmissão ocorre de portadores para contatos íntimos por via oral ou sexual ou por outras exposição íntima Até 50% dos pacientes dialíticos que contraem hepatite B podem tornar-se portadores crônicos (HBsAg) HEPATITE VIRAL

27 6. Epidemiologia Hepatite viral C Distribuição mundial É transmitida por agulhas contaminadas compartilhadas, transfusão de sangue e derivados, lesões ocupacionais por agulhas, transmissão sexual e vertical HEPATITE VIRAL

28 6. Epidemiologia Hepatite viral D Distribuição mundial, porém não uniforme O HDV infecta todos os grupos etários, principalmente os politransfundidos e usuários de drogas intravenosa e seus contatos íntimos 3 – 12% dos doadores de sangue com HBsAg positivo apresentam anticorpos contra o HDV HEPATITE VIRAL

29 7. Prevenção e Controle Precauções Universais Vacinação/Imunoglobulina Vírus A A vacinação é recomendada para pessoas a partir de 2 anos de idade A imunoglobulina confere proteção passiva de 90% após exposição ao vírus quando administrado em 1 a 2 semanas HEPATITE VIRAL

30 7. Prevenção e Controle Vacinação/Imunoglobulina Vírus B A vacina é recomendada para todas as crianças como parte do esquema de imunização A proteção é conferida pelo anticorpo contra o antígeno a (antígeno comum a todos os subtipos) A HBIG não é recomendada para profilaxia pré-exposição, mas é utilizada para profilaxia pós-exposição (indivíduos expostos por via percutânea ou por contaminação de mucosas HEPATITE VIRAL

31 7. Prevenção e Controle Vacinação/Imunoglobulina Vírus B Os RN de mães HBsAg-positivos devem receber HBIG e vacina simultaneamente poucas horas após o nascimento Vírus D Vacinação das pessoas suscetíveis ao HBV A vacina não protege os portadores do vírus B de uma infecção pelo vírus D

32

33


Carregar ppt "HEPATITEVIRAL. HEPATITE VIRAL 1. Introdução 2. Propriedades dos Vírus da Hepatite 3. Patologia 4. Manifestações Clínicas 5. Diagnóstico Laboratorial 6."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google