A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Toxicologia Cosmética Uma visão imparcial e atual dos ingredientes potencialmente tóxicos Lucas Portilho – Farmacêutico Bioquímico Consultor Especialista.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Toxicologia Cosmética Uma visão imparcial e atual dos ingredientes potencialmente tóxicos Lucas Portilho – Farmacêutico Bioquímico Consultor Especialista."— Transcrição da apresentação:

1

2 Toxicologia Cosmética Uma visão imparcial e atual dos ingredientes potencialmente tóxicos Lucas Portilho – Farmacêutico Bioquímico Consultor Especialista em Desenvolvimento de Formulações 8 anos de Atuação no Mercado Magistral 7 anos de Atuação na Indústria Cosmética (Ada Tina e Natura) Diretor na SBE –Sociedade Brasileira de Educação Professor dos cursos de MBA da SBE –Sociedade Brasileira de Educação Palestrante pela Consulfarma Assessoria

3 Mercado Cosmético Brasileiro Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos: Crescimento médio (ao ano) de 10,9% nos últimos 12 anos Tendo passado de um faturamento líquido de R$ 4,9 bilhões em 1996 para R$ 19,6 bilhões em 2007 ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

4 Crescimento do Mercado Cosmético nos Últimos Anos

5 ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

6 Fatores Contribuintes para o Crescimento do Setor Participação crescente da mulher brasileira no mercado de trabalho A utilização de tecnologia de ponta e o conseqüente aumento da produtividade, favorecendo os preços praticados pelo setor, que tem aumentos menores do que os índices de preços da economia em geral ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

7 Lançamentos constantes de novos produtos atendendo cada vez mais às necessidades do mercado Aumento da expectativa de vida, o que traz a necessidade de conservar uma impressão de juventude Fonte: ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos

8 Distribuição das empresas por região/estado

9 “É necessário um monitoramento e um maior conhecimento dos ingredientes cosméticos tendo em vista que a exposição à estas substâncias daqui em diante será cada vez maior.”

10 Toxicologia Cosmética

11

12

13 QUERCETIN & OAK ANTIAGEING & ANTIWRINKLE NIGHT CREAM

14 Porque colocar na rotulagem ingredientes que o produto “NÃO TEM”?

15 Boatos surgem a todo momento sobre possível risco de utilizar ingredientes cosméticos; Quando isso é uma verdade? Como saber se não são apenas boatos? Meu produto vai vender menos se eu utilizar este ingrediente? De onde surgem estas informações?

16 Fontes de informação sobre ingredientes cosméticos

17 Estudos científicos publicados

18

19 Fontes de informação sobre ingredientes cosméticos Mídia, sites de órgãos não governamentais sem fins lucrativos e blogs

20 Fontes de informação sobre ingredientes cosméticos Órgãos regulatórios (Anvisa, FDA, CPCP, European commission)

21 Exemplos de como a mídia científica expõe as informações sobre toxicologia cosmética

22 The Story of Cosmetics Washington post - Toxic Cancer Causing Carcinogens Found In Childrens Bath Products B863E Programa Biosfera – Portugal B863E &index=1

23 Exposição à Parabenos, Ftalatos, Triclosan e Musk em Adolescentes

24 Adolescência engloba a maturação dos sistemas: Reprodutivo Imunológico Sanguíneo Hormonal Além do rápido crescimento ósseo, mudanças no metabolismo e alterações relacionadas à função cerebral Adolescência x Uso de Cosméticos Environmental Working Goup

25 Por esses motivos, pesquisadores sugerem que: Adolescentes podem ser particularmente sensíveis à exposição de vestígios de produtos químicos que geram uma desregulação hormonal Dado que os sistema hormonal está intimamente relacionado à transformação da infância para a idade adulta

26 Mulheres Adolescentes x Contaminação por Cosméticos Testes laboratoriais revelam que adolescentes do sexo feminino estão contaminadas por compostos químicos comumente usados em cosméticos e em produtos body care Foram detectados 16 compostos químicos de 4 famílias - ftalatos, triclosan, parabenos, e musks – em amostras de sangue e urina de 20 meninas adolescentes de 14 a 19 anos de idade

27 Estudos relacionam esses compostos químicos a potenciais efeitos na saúde, incluindo câncer e disfunção hormonal Esses testes indicaram também que as adolescentes são amplamente expostas à duas classes de preservantes usados em produtos cosméticos: metilparabeno e propilparabeno Environmental Working Goup Adolescentes Podem estar Contaminadas por Compostos Químicos Utilizados em Cosméticos Formador de opinião

28

29

30

31

32

33 Consumidores não gostam de blogs das empresas A Forrester, empresa de consultoria, efetuou um estudo onde demonstra que 84% dos consumidores não gostam de blogs de empresas e apenas 1 em cada 6 consumidores acreditam no que é dito nos blogs empresariais. Quem lê blogs acaba por ter mais confiança no que um blog pessoal diz do que um blog corporativo.

34 Afinal... Em quem devemos acreditar? Estudos científicos publicados? Órgãos não governamentais sem fins lucrativos? Órgãos regulatórios (Anvisa, FDA, CPCP, European commission)

35 Evidências Científicas Componentes que podem causar danos à saúde e à pele Derivados do Petróleo Etoxilados e propoxilados Propilenoglicol Preservantes Despigmentantes Retinóides Filtros Solares Tinturas Capilares Sprays Capilares Uréia Amidas Antitranspirantes Corantes Uréia Formol

36 Derivados do Petróleo

37 Óleo Mineral, Vaselina e Petrolato Óleo Mineral e Outros Derivados de Petróleo Relação com Dermatites e Acne Contaminação com o Agente Cancerígeno 1,4-Dioxano Contact Dermatitis Apr;36(4): Contact Dermatitis Apr;20(4): Regul Toxicol Pharmacol Oct;38(2): Environmental Working Group, EWG Public Affairs, (202) February 8, 2007.

38 Foi investigada a prevalência de desordens cutâneas causadas pela exposição ao óleo mineral O contato direto com esse composto foi relacionado à eczema, acne, pele seca e dermatite Contact Dermatitis Apr;36(4): O óleo mineral é um agente causador de dermatite de contato fotoalérgica Contact Dermatitis Apr;20(4):291-4.

39

40 Segundo o site personalcaretruth.com o óleo mineral é criticado pelas indústrias de produtos vegetalizados para assustar os consumidores: O óleo mineral é utilizado a mais de 100 anos pela indústria; O grau farmacêutico e cosmético é altamente purificado; Não há evidencias científicas que relacionem o uso do óleo mineral e câncer; Não interfere na permeação de vitaminas (lipossolúveis); pequenas empresas lançaram boatos a respeito deste ingrediente para que consumidores deixassem de comprar as grandes marcas continham óleo mineral.

41 Etoxilados e Propoxilados

42 1,4-Dioxano 1,4-dioxano é a ponta o iceberg 80% de todos os produtos podem estar contaminados com uma ou mais das 24 impurezas cosméticas relacionadas com câncer e outros problemas de saúde São contaminantes derivados do petróleo Rapidamente penetram pela pele Presença não restringida por órgãos governamentais São considerados legais em qualquer nível Environmental Working Group, Feb 8, 2007 From CommonDreams.org

43 Análise em cosméticos e produtos personal care: 22% de todos os produtos podem estar contaminados Índice de Contaminação: 57% dos sabonetes para bebês 34% das loções corporais 97% dos relaxantes capilares 36% dos hidratantes faciais 35% dos anti-aging 33% dos cremes para olhos ? 1,4-Dioxano

44 J AOAC Int May-Jun;84(3): Occurrence of 1,4-dioxane in cosmetic raw materials and finished cosmetic products. Surveys of cosmetic raw materials and finished products for the presence of the carcinogen 1,4-dioxane have been conducted by the U.S. Food and Drug Administration since Analytical methods are described for the determination of 1,4-dioxane in ethoxylated cosmetic raw materials and cosmetic finished products. 1,4-Dioxane was isolated by azeotropic atmospheric distillation and determined by gas chromatography using n- butanol as an internal standard. A solid-phase extraction procedure based on a previously published method for the determination of 1,4-dioxane in cosmetic finished products was also used. 1,4-Dioxane was found in ethoxylated raw materials at levels up to 1410 ppm, and at levels up to 279 ppm in cosmetic finished products. Levels of 1,4-dioxane in excess of 85 ppm in children's shampoos indicate that continued monitoring of raw materials and finished products is warranted.

45 Int J Toxicol. 2004;23 Suppl 2: Final report of the amended safety assessment of PEG-5, - 10, -16, -25, -30, and -40 soy sterol. In general, ethoxylated fatty acids can contain 1,4-dioxane as a byproduct of ethoxylation PEGs are not carcinogenic, although sensitization and nephrotoxicity were observed in burn patients treated with a PEG-based cream.

46 Because of the possible presence of 1,4-dioxane reaction product and unreacted ethylene oxide residues, it was considered necessary to use appropriate procedures to remove these from PEGs Soy Sterol before blending them into cosmetic formulations Based on the systemic toxicity and sensitization seen with PEGs applied to damaged skin, it was recommended that PEGs Soy Sterol should not be used in cosmetic products applied to damaged skin.

47 PEG e PPGs Etoxilados e Propoxilados PEGs e seus ésteres não produzem quase nenhuma irritação. Porém apresentam risco à saúde humana PEGs e PEGs hidrogenados causaram choque anafilático quando usados em medicamentos por via intravenosa

48 Não são inócuos à saúde humana Algumas reações de sensibilização em peles feridas e cronicamente inflamadas foram publicadas Fruijtier-Polloth C. Safety assessment on polyethylene glycols (PEGs) and their derivatives as used in cosmetic products. Toxicology Oct 15;214(1-2):1-38.

49

50

51

52 Em 2012 J & J diz a Campaign for Safe Cosmetics que irá reformular suas centenas de cosméticos e produtos para cuidados pessoais em todos os mercados em que atua em 57 países ao redor do mundo, até o final de as propostas são: - Reduzir 1,4 dioxano a um máximo de 10 partes por milhão em produtos para adultos; - Eliminação de formaldeído em produtos de liberadores de adultos; - Limitar os parabenos, utilizando apenas o methyl, propyl e ethyl. - Eliminar triclosan de todos os produtos; - Eliminação do dietil ftalato (DEP) de todos os produtos -

53 J&J lança o site

54 OPÇÕES PARA SUBSTITUIR OS ETOXILADOS Emulsionantes: Montanov-L INCI: C14-22 Alcohols and C12-20 Alkylglucoside. Base Cristal LV INCI: Glyceryl stearate, cetearyl alcohol, stearic acid, sodium cocoyl glutamate. Olivem ® 1000 INCI: Cetearyl Olivate/Sorbitan Olivate. Biofilic H. INCI: Hidrogenated lecithin (and) C12-16 alcohols (and) Palmitic acid

55 OPÇÕES PARA SUBSTITUIR OS ETOXILADOS Surfactantes: Plantarem 2000: INCI Decyl glucoside Plantarem 1200: INCI Lauryl glucoside Amisoft CS 22: INCI Disodium Cocoyl Glutamate (and) Sodium Cocoyl Glucamate

56 OPÇÕES PARA SUBSTITUIR OS ETOXILADOS Surfactantes: Miracare ® Plaisant é um blend de surfactantes oriundos de fontes vegetais e livres de sulfatados, o que resulta na obtenção de formulações de limpeza corporais e capilares com ação detergente ultrassuave. Ainda permite que ele seja compatível com surfactantes aniônicos, não iônicos e anfotéricos. INCI Name: Water, Sodium Cocoyl Isethionate, Sodium Lauroamphoacetate, Sodium Methyl Cocoyl Taurate

57 Int J Toxicol Jul;29(4 Suppl):151S-61S. Final report of the amended safety assessment of sodium laureth sulfate and related salts of sulfated ethoxylated alcohols. Robinson VC, Bergfeld WF, Belsito DV, Hill RA, Klaassen CD, Marks JG Jr, Shank RC, Slaga TJ, Snyder PW, Alan Andersen F. Source Cosmetic Ingredient Review, Washington, DC 20036, USA. Abstract Sodium laureth sulfate is a member of a group of salts of sulfated ethoxylated alcohols, the safety of which was evaluated by the Cosmetic Ingredient Review (CIR) Expert Panel for use in cosmetics. Sodium and ammonium laureth sulfate have not evoked adverse responses in any toxicological testing. Sodium laureth sulfate was demonstrated to be a dermal and ocular irritant but not a sensitizer. The Expert Panel recognized that there are data gaps regarding use and concentration of these ingredients. However, the overall information available on the types of products in which these ingredients are used and at what concentrations indicates a pattern of use. The potential to produce irritation exists with these salts of sulfated ethoxylated alcohols, but in practice they are not regularly seen to be irritating because of the formulations in which they are used. These ingredients should be used only when they can be formulated to be nonirritating. PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE]

58 Propilenoglicol

59 Propilenoglicol Agente Sensibilizante A exposição a produtos contendo propilenoglicol é associada a um leve risco de sensibilização Em teste de sensibilização, realizado em pacientes, foram relatados alguns casos de reações irritativas explícitas e possíveis reações foliculares e eritematosas Contact Dermatitis Nov;53(5):

60 Propilenoglicol Caso de dermatite É relatado um caso de dermatite de contato alérgica grave com pústulas Em um paciente submetido a exame utilizando um gel contendo propilenoglicol No teste de sensibilidade realizado posteriormente foi constatada reação positiva para propilenoglicol, preservante e corantes, presentes na formulação do gel Int J Dermatol Aug;44(8):681-3.

61 Dermatitis Jan-Feb;20(1): Positive patch-test reactions to propylene glycol: a retrospective cross- sectional analysis from the North American Contact Dermatitis Group, 1996 to Warshaw EM, Botto NC, Maibach HI, Fowler JF Jr, Rietschel RL, Zug KA, Belsito DV, Taylor JS, DeLeo VA, Pratt MD, Sasseville D, Storrs FJ, Marks JG Jr, Mathias CG. Source North American Contact Dermatitis Group. Abstract BACKGROUND: Propylene glycol (PG) may cause allergic or irritant contact dermatitis. It primarily functions as a vehicle, solvent, or emulsifier in cosmetics and topical medications. OBJECTIVES: To characterize the prevalence of positive patch-test reactions to PG and the epidemiology of affected patients. METHODS: Retrospective analysis of cross-sectional data compiled by the North American Contact Dermatitis Group (NACDG) from 1996 to RESULTS: Of 23,359 patients, 810 (3.5%) had allergic patch-test reactions to 30% PG; 12.8% of the reactions were of definite clinical relevance (positive reaction to a personal product containing PG), 88.3% were considered to be currently relevant (definite, probable, or possible relevance), and 4.2% of reactions were occupation related, most commonly to mechanical and motor vehicle occupations. Common sources of PG were personal care products (creams, lotions, and cosmetics, 53.8%), topical corticosteroids (18.3%), and other topical medicaments (10.1%). In patients positive only to PG (n = 135), the face was most commonly affected (25.9%), followed by a scattered or generalized pattern (23.7%). The most common concomitant reactions included reactions to Myroxilon pereirae, fragrance mix, formaldehyde, bacitracin, methyldibromoglutaronitrile/phenoxyethanol, carba mix, and tixocortol pivalate. CONCLUSIONS: In this select population of patients referred for patch testing, allergic reactions to PG were often currently clinically relevant but were rarely related to occupation. The most common sources were personal care products and topical corticosteroids.

62 OPÇÕES PARA SUBSTITUIR O USO DO PROPILENOGLICOL Glicerina (Glycerin) Propanediol (zemea) Zemea ® é um glicol obtido de fonte sustentável, renovável e natural. Provém do processo de fermentação do açúcar do milho e possui funções como emoliente, umectante, modificador de sensorial ou solvente, sendo aplicado em formulações cosméticas e produtos para cuidado pessoal.

63 Conservantes

64 Preservantes Liberadores de Formaldeído Contribuem para a Carcinogênese A exposição ao formaldeído pode contribuir para a carcinogênese UV-induzida Exp Dermatol May;13(5): Como exemplos desse tipo de preservantes temos: Quatérnio 15 Diazolidinil Uréia Imidazolilidinil Uréia DMDM Hidantoína

65

66 Conservantes Responsáveis por 39,3% das alergias Estudo aprovado pela CODIF (Contact and Occupational Dermatosis Forum of Índia) Realizado com 50 voluntários com idade entre 10 e 29 anos (idade média = 27,5 anos) com suspeita clínica de dermatite devido ao uso de cosméticos Mostrou que 66% desses voluntários realmente apresentaram uma ou mais alergias, sendo que a fragrância foi o componente alérgeno mais comum (51,5%), seguida dos conservantes (39,3%) J Dermatol Dec;32(12):951-5.

67 Parabenos Os parabenos estão presentes em 99% dos produtos cosméticos Na Europa, o uso de parabenos (4-Hydroxybenzoic acid, seus sais e ésteres) em produtos cosméticos na Europa é regularizado através de Cosmetic Directive 76/768/EEC, Annex VI, part 1, reference 12, sendo utilizados como preservantes na concentração máxima de 0,4% nos produtos prontos ou até 0,8% para um blend de ésteres European commission, health & consumer protection directorate-general. Scientific committee on consumer products SCCP.

68 Parabenos Ação Estrogênica Universidade de Brunel, Reino Unido. Foi reportada a ação estrogênica dos parabenos. O butilparabeno, por exemplo, mostrou-se capaz de competir com o 3H-estradiol pela ligação com receptor estrogênico em ratos Os pesquisadores relatam que esse é o parabeno com ação estrogênica mais potente, porém, os outros (metil-, etil- e propil-) parabenos também apresentam leve ação estrogênica Routledge EJ, Parker J, Odum J, Ashby J, Sumpter JP. Some alkyl hydroxy benzoate preservatives (parabens) are estrogenic. Toxicol Appl Pharmacol Nov;153(1):12-9.

69 São relatados também: O aumento do peso uterino A regulação da expressão do gene CAT A proliferação de células MCF-7 (causados pelos butil-, isobutil- e benzilparabeno) Efeitos no trato reprodutivo masculino (causados pelos butil- e propilparabeno) Golden R, Gandy J, Vollmer G. A review of the endocrine activity of parabens and implications for potential risks to human health. Crit Rev Toxicol Jun;35(5):

70 Os parabenos metil-, propil- e butil- inibem a atividade transcricional induzida pela testosterona. O triclosan mostrou a mesma atividade, também constatada in vitro. “Esses achados reportam a necessidade de mais investigações para entender de forma mais ampla o impacto potencial desses preservantes na saúde reprodutiva humana.” Chen J, Ahn KC, Gee NA, Gee SJ, Hammock BD, Lasley BL. Antiandrogenic properties of parabens and other phenolic containing small molecules in personal care products. Toxicol Appl Pharmacol Jun 15;221(3): Epub 2007 Mar 27.

71 “Parabenos, conservantes presentes em cerca de 87% dos cremes, estão associados com aumento da incidência de câncer de mama” Best Pract Res Clin Endocrinol Metab Mar;20(1): J Appl Toxicol Jan-Feb;27(1):67-77.

72 Metilparabeno Diminui a Proliferação dos Queratinócitos Após um mês em uma cultura in vitro de queratinócitos humanos que receberam diariamente formulações que continham metilparabeno Houve uma diminuição na proliferação dos queratinócitos na expressão do hialuronato e na síntese de RNAm 1 e 2 e no colágeno tipo IV

73 Houve também uma mudança na morfologia celular Foi sugerido que o metilparabeno presente em formulações cosméticas se acumulam no estrato córneo e influencia no ciclo vital e na diferenciação dos queratinócitos Ishiwatari S, Suzuki T, Hitomi T, Yoshino T, Matsukuma S, Tsuji T. Effects of methyl paraben on skin keratinocytes. J Appl Toxicol Dec 22;27(1):1-9

74 Parabenos Oito horas após o contato com a pele, 60% de metilparabeno é encontrado na pele Estudo realizado por pesquisadores italianos avaliou: Permeação e a retenção cutânea de metil- (MP), etil- (EP) e propil- (PP) parabeno de 3 cremes cosméticos comercializados

75 Resultados Parabenos são capazes de permear através da pele, onde se acumulam A extensão da permeação depende mais das características do parabeno (solubilidade e lipofilicidade) do que da composição da formulação A porcentagem que penetrou na pele foi independente da composição do creme utilizado e foi decrescendo na seguinte ordem: MP, EP e PP, de acordo com a redução da solubilidade Oito horas após o contato com a pele, 60% de MP, 40% de EP e 20% de PP foram encontrados na pele Int J Cosmet Sci Oct;29(5):361-7.

76 Metilparabeno e Propilparabeno Excretados pelo leite materno Metilparabeno e propilparabeno: Parabenos amplamente utilizados em produtos cosméticos Pesquisadores do Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Centro Nacional para Saúde Ambiental, EUA, avaliaram a exposição de bebês aos parabenos através do leite materno

77 Foram mensurados os níveis de 5 parabenos: metil-, etil-, propil-, butil- e benzil- em amostras de leite materno Os resultados demonstraram a presença de metil- e propilparabeno em algumas amostras testadas Anal Chim Acta Aug 1;622(1-2): Epub 2008 Jun 3.

78 Parabenos Maior absorção dérmica e maior exposição do tecido mamário aos compostos estrogênicos A região peitoral (tecido mamário) está exposta a uma variedade de compostos químicos aplicados como produtos cosméticos nessa região ou na região axilar Esses cosméticos permanecem na pele por um tempo prolongado, promovendo maior absorção dérmica e maior exposição do tecido mamário aos compostos estrogênicos Best Pract Res Clin Endocrinol Metab Mar;20(1):

79 ParabenosEstrogenicidade Esses compostos possuem atividade estrogênica e podem mimetizar as atividades dos estrógenos na expressão de genes Os parabenos podem regular a atividade de alguns genes, embora a sua atividade não seja idêntica a do 17-beta- estradiol Pugazhendhi D, Sadler AJ, Darbre PD. Comparison of the global gene expression profiles produced by methylparaben, n-butylparaben and 17beta-oestradiol in MCF7 human breast cancer cells. J Appl Toxicol Jan-Feb;27(1):67-77.

80 Butilparabeno Interfere na Esteroidogênese Taxvig et al. (2008) avaliaram os efeitos do etil e butilparabeno na esteroidogênese através da exposição in uterus e de dois testes (H295R steroidogenesis assay e T-screen assay) Segundo a avaliação, os parabenos não demonstraram os efeitos na produção de testosterona ou histopatologia dos testículos

81 Entretanto, o butilparabeno causou expressão significativa de mRNA no ER-beta nos ovários fetais Os resultados indicaram que o butilparabeno pode agir como um interruptor endócrino interferindo no transporte de colesterol para as mitocôndrias, alterando a esteroidogênese Toxicol Sci Jul 22. [Epub ahead of print]

82

83 Opinião : o SCCS considera o uso de butilparabeno e propilparabeno como conservantes em produtos cosméticos acabados, como seguros para o consumidor, desde que a soma de suas concentrações não excedam 0,19%.

84 OPÇÕES PARA SUBSTITUIR OS PARABENOS E LIBERADORES DE FORMOL Optiphen (Germinal/ISP) INCI: Phenoxyethanol and Caprylyl Glycol Neolone PE (Roam and Hass/Daltomare) Methylisothiazolinone (and) Phenoxyethanol

85 Lexgard ® GMCY INCI Name: Glyceryl caprylate Potente Ação Biostática e Origem 100% Vegetal Com Apelo Preservative-Free é aprovado para uso na Europa e no Japão, sendo solúvel em água e óleos e podendo ser utilizado na formulação de emulsões e sistemas surfactantes. Não apresenta nenhuma incompatibilidade, porém é eficaz em pH entre 4,0 e 7,5. A adição de Lexgard ® GMCY às formulações pode reduzir a viscosidade das emulsões, porém esse fato pode ser corrigido com adição de espessantes ou ceras. Concentração Usual 0,5% a 1,5%. Indicações de Uso É indicado para conservação de emulsões e sistemas surfactantes. Fabricante Inolex, Estados Unidos

86 Filtros Solares

87 Atividades Estrogênica e Antiandrogênica Toxicology Dec 1;205(1-2): “Filtros solares são uma nova classe dos compostos químicos com atividade endócrina.” 8 de 9 filtros demonstraram atividade estrogênica 2 de 9 filtros demonstraram atividade antiandrogênica 6 de 9 filtros aumentaram o peso uterino em ratas imaturas (Bp-1,Bp-2,Bp-3, 3-BC, 4-MBC, OMC)

88 3-BC e 4-MBC deslocaram a estradiol 16alfa125I dos receptores de estrogênio humanos Erbeta 3-BC e 4-MBC administrados na comida apresentaram a toxicidade no desenvolvimento de ratos e cães da raça Chow-Chow 3-BC reduziu o aumento de peso em ratas prenhes 3-BC e 4-MBC reduziram a taxa de sobrevivência pós- parto e o peso do timo

89 3-BC e 4-MBC retardaram o início da puberdade em machos e afetaram de maneira dose-dependente os pesos dos órgãos reprodutivos 4-MBC aumentou o peso de tiróide Foram observadas alterações no RNA mensageiro dos genes estrógeno-regulados na próstata, no útero e nas regiões cerebrais com administração da 3-BC e 4-MBC Schlumpf M, Schmid P, Durrer S, Conscience M, Maerkel K, Henseler M, Gruetter M, Herzog I, Reolon S, Ceccatelli R, Faass O, Stutz E, Jarry H, Wuttke W, Lichtensteiger W. Endocrine activity and developmental toxicity of cosmetic UV filters-an update. Toxicology Dec 1;205(1-2):

90 Absorção Sistêmica em Humanos Comment in: J Invest Dermatol Jul;123(1):xi-xii. Aplicação tópica, MBC, BP-3 e OMC 15 homens e 17 mulheres pós-menopausadas Os voluntários foram tratados: Na 1ª semana: 2 mg/cm 2 de creme base Na 2ª semana: 2 mg/cm 2 de creme contendo MBC 10%, BP-3 10% e OMC 10% Resultados: Filtro solarBP-3 em mulheres MBC em mulheres OMC em mulheres BP-3 em homens MBC em homens OMC em homens Concentração plasmática máxima (ng/ml)

91 A presença dos três filtros solares foi detectada também na urina. Somente em homens foi observada uma diferença muito pequena nos níveis de estradiol sérico. Janjua NR, Mogensen B, Andersson AM, Petersen JH, Henriksen M, Skakkebaek NE, Wulf HC. Systemic absorption of the sunscreens benzophenone-3, octyl-methoxycinnamate, and 3-(4-methyl-benzylidene) camphor after whole-body topical application and reproductive hormone levels in humans. J Invest Dermatol Jul;123(1): Comment in: J Invest Dermatol Jul;123(1):xi-xii..

92 Benzofenona-3 é Absorvida Permanece Acumulada no Corpo por até 5 Dias Br J Dermatol Feb;154(2): voluntários aplicaram uma forma comercial de um fotoprotetor de manhã e à noite por 5 dias (4% de Benzofenona- 3) Os voluntários foram divididos em 2 grupos: Grupo A: Não receberam irradiação UV. Grupo B: Receberam irradiação UVA entre J/cm2 e UVB entre 0,46 e 2,0 J/cm2.

93 Urina mensurada: 5 dias de aplicação e por 5 dias após a última aplicação. A concentração de Benzofenona-3 foi analisada por HPLC. Resultados: Os voluntários excretaram 1,2-8,7% (média de 3,7%) do total de Benzofenona-3 aplicada. Não houve diferença significativa entre os 2 grupos.

94 Conclusão: Grande quantidade de Benzofenona-3 é absorvida Permanece acumulada no corpo 0 Demonstrado através dos voluntários que a excretaram 5 dias após a última aplicação Gonzalez H, Farbrot A, Larko O, Wennberg AM. Percutaneous absorption of the sunscreen benzophenone-3 after repeated whole-body applications, with and without ultraviolet irradiation. Br J Dermatol Feb;154(2):

95 Filtros detectados em peixes: 4-MBC B-3 (benzofenona-3) HMS (homosalato) OMC (metoxicinamato de octila) A concentração total desses filtros foi de 1,6 µM a 7,8 µM em massa gorda ou entre 0,02 e 0,2 µM em massa total. Environmental Health Perspectives Volume 109, Number 3 March Filtros Solares x Impacto Ambiental

96 Estrogenicidade em Peixes

97 Um estudo realizado pelo Environmental Working Group (EWG) avaliou marcas de protetores solares e revelou que 4 em cada 5 protetores solares não oferecem proteção contra a radiação solar. Link:

98 Filtros considerados seguros pelo EWG Active Ingredient: Non-Nano Zinc Oxide % Ingredients: Grape Seed Oil, Organic Sunflower Oil, Caprylic/Capric Triglycerides (from Coconut Oil), Organic Beeswax, Stearic Acid (from Palm Oil), Organic Honey, Sea Salt, Purified Water

99 Loving Naturals Sunscreen Stick, SPF 30+ Active Ingredient: Non-Nano Zinc Oxide - 25% Ingredients: Grape Seed Oil, Organic Sunflower Oil, Caprylic/Capric Triglycerides (from Coconut Oil), Plum Kernel Oil, Organic Beeswax, Organic Shea Butter, Organic Cocoa Butter (Fair Trade), Organic Green Tea, Organic Honey, Organic Rosemary Oil, Salt, Water

100 Soleo Organics All Natural Sunscreen, SPF 30+ ZINC OXIDE (sunscreen grade > 100nm)22.3%

101 J Nanosci Nanotechnol May;11(5): Zinc oxide nanoparticle induced genotoxicity in primary human epidermal keratinocytes. Sharma V, Singh SK, Anderson D, Tobin DJ, Dhawan A. Source Nanomaterial Toxicology Group, Indian Institute of Toxicology Research, Council of Scientific and Industrial Research (CSIR), Mahatma Gandhi Marg, P.O. Box 80, Lucknow , Uttar Pradesh, India. Abstract Zinc oxide (ZnO) nanoparticles are widely used in cosmetics and sunscreens. Human epidermal keratinocytes may serve as the first portal of entry for these nanoparticles either directly through topically applied cosmetics or indirectly through any breaches in the skin integrity. Therefore, the objective of the present study was to assess the biological interactions of ZnO nanoparticles in primary human epidermal keratinocytes (HEK) as they are the most abundant cell type in the human epidermis. Cellular uptake of nanoparticles was investigated by scanning electron microscopy using back scattered electrons imaging as well as transmission electron microscopy. The electron microscopy revealed the internalization of ZnO nanoparticles in primary HEK after 6 h exposure at 14 microg/ml concentration. ZnO nanoparticles exhibited a time (6-24 h) as well as concentration (8-20 microg/ml) dependent inhibition of mitochondrial activity as evident by the MTT assay. A significant (p < 0.05) induction in DNA damage was observed in cells exposed to ZnO nanoparticles for 6 h at 8 and 14 microg/ml concentrations compared to control as evident in the Comet assay. This is the first study providing information on biological interactions of ZnO nanoparticles with primary human epidermal keratinocytes. Our findings demonstrate that ZnO nanoparticles are internalized by the human epidermal keratinocytes and elicit a cytotoxic and genotoxic response. Therefore, caution should be taken while using consumer products containing nanoparticles as any perturbation in the skin barrier could expose the underlying cells to nanoparticles. PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE]

102 J Biomed Nanotechnol Feb;7(1): Titanium dioxide nanoparticles induce oxidative stress-mediated apoptosis in human keratinocyte cells. Shukla RK, Kumar A, Pandey AK, Singh SS, Dhawan A. Source Nanomaterial Toxicology Group, Indian Institute of Toxicology Research (CSIR), P.O. Box 80, M. G. Marg, Lucknow , India. Abstract Titanium dioxide nanoparticles (TiO2 NPs) are the most commonly used metal oxide NPs in various industrial and commercial products. The present study has demonstrated a significant cellular uptake of TiO2 NPs in the human keratinocyte cells (HaCaT) using transmission electron microscopy and flow cytometry. The data exhibited a significant (p < 0.05) concentration dependent decrease in cell viability and glutathione with concomitant increase in lipid peroxidation and reactive oxygen species. The increased oxidative stress further leads to apoptosis after 48 h of exposure. Our study demonstrates oxidative stress mediated apoptosis in human keratinocyte cells exposed to TiO2 NPs. PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE]

103 O Parecer da Comissão Européia sobre moléculas absorvedoras de UV

104 Opinião da Scientific Committee on Consumer Products da Comissão Européia de Cosméticos sobre 4-Methylbenzylidene camphor (4-MBC) 24 de Junho de 2008

105 Conclusão: A SCCP através dos dados toxicocinéticos do 4-MBC testados em ratos e seres humanos, considera o 4-MBC seguro até 4% quando utilizados em produtos cosméticos.

106 Opinião da Scientific Committee on Consumer Products da Comissão Européia de Cosméticos sobre Benzofenona 3 16 de Dezembro de 2008

107 Conclusão: A SCCP assegura que a Benzofenona 3 até 6% em produtos cosméticos não causam risco a saúde aos consumidores.

108 Opinião da Scientific Committee on Consumer Products da Comissão Européia de Cosméticos sobre Óxido de Zinco e Dióxido de Titânio nanosized 17 de Dezembro de 2007

109 Conclusão: A SCCP considera necessário uma revisão em relação a segurança do TiO2 de dimensões nanométricas em função de informações recentes sobre a possível penetração do TiO2 na pele. Um dossiê de segurança completo do ZnO de dimensões nanométricas foi solicitado pela SCCP.

110 Desodorantes e Antitranspirantes

111 Antitranspirantes Sais de alumínio  Usados como agente ativo antitranspirante em cosméticos destinados ao tratamento das axilas Apresentam efeito na redução da transpiração J Inorg Biochem Sep;99(9):

112 Entretanto, estudos clínicos vêm relacionando esses ativos com uma alta incidência de câncer de mama, principalmente no quadrante superior externo da mama Alumínio  Conhecido por apresentar um perfil genotóxico, gerando alterações no DNA celular J Inorg Biochem Sep;99(9):

113 Antitranspirantes Sais de Alumínio Apresentam Ação Estrogênica Pode interferir na função de receptores estrogênicos das células MCF7, responsáveis pelo desenvolvimento do câncer de mama humano O alumínio entra para a crescente lista de metais com ação estrogênica

114 Dada a grande exposição da população humana aos ativos antitranspirantes, é importante estabelecer a absorção cutânea desses ativos na área local da mama e também, se a longo prazo, essa absorção poderia desencadear um aumento da incidência de câncer de mama Darbre PD. Aluminium, antiperspirants and breast cancer. J Inorg Biochem Sep;99(9):

115 O Uso Freqüente de Antitranspirante/Desodorante Pode Desencadear o Câncer de Mama em Idade Precoce Estudo: 437 mulheres com diagnóstico de câncer de mama, que apresentaram hábitos de higiene semelhantes, como o uso freqüente de desodorante nas axilas. Segundo os resultados, a freqüência do uso de antitranspirantes/desodorantes está associada com o desenvolvimento do câncer de mama em idade precoce. McGrath KG. An earlier age of breast cancer diagnosis related to more frequent use of antiperspirants/deodorants and underarm shaving.. Eur J Cancer Prev Dec;12(6): Comment in: Eur J Cancer Prev Apr;13(2):153.

116 Bull Cancer Sep;95(9): [The use of deodorants/antiperspirants does not constitute a risk factor for breast cancer]. [Article in French] Namer MNamer M, Luporsi E, Gligorov J, Lokiec F, Spielmann M.Luporsi EGligorov JLokiec FSpielmann M Centre Antoine-Lacassagne, Nice, France. Abstract Based on the observation of a high incidence of breast cancer in the upper outer quadrant adjacent to the usual area of application of deodorants and/or antiperspirants, several scientific teams have advanced the hypothesis of a possible link between antiperspirants and breast cancer. The possibility of the involvement of parabens and aluminium salts, traditional components of a number of cosmetic products, has been advanced by the same teams. In order to ascertain whether this hypothesis could or could not be confirmed, a group of clinical experts in oncology was set up to search and analyse the literature data relating to the problem raised with the aim of answering three predefined questions. After analysis of the available literature on the subject, no scientific evidence to support the hypothesis was identified and no validated hypothesis appears likely to open the way to interesting avenues of research. PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE]Free Article

117 J Inorg Biochem.J Inorg Biochem Sep;99(9): Aluminium, antiperspirants and breast cancer. Darbre PDDarbre PD. Source Division of Cell and Molecular Biology, School of Animal and Microbial Sciences, The University of Reading, P.O. Box 228, Whiteknights, Reading, RG6 6AJ, UK. Abstract Aluminium salts are used as the active antiperspirant agent in underarm cosmetics, but the effects of widespread, long term and increasing use remain unknown, especially in relation to the breast, which is a local area of application. Clinical studies showing a disproportionately high incidence of breast cancer in the upper outer quadrant of the breast together with reports of genomic instability in outer quadrants of the breast provide supporting evidence for a role for locally applied cosmetic chemicals in the development of breast cancer. Aluminium is known to have a genotoxic profile, capable of causing both DNA alterations and epigenetic effects, and this would be consistent with a potential role in breast cancer if such effects occurred in breast cells. Oestrogen is a well established influence in breast cancer and its action, dependent on intracellular receptors which function as ligand-activated zinc finger transcription factors, suggests one possible point of interference from aluminium. Results reported here demonstrate that aluminium in the form of aluminium chloride or aluminium chlorhydrate can interfere with the function of oestrogen receptors of MCF7 human breast cancer cells both in terms of ligand binding and in terms of oestrogen-regulated reporter gene expression. This adds aluminium to the increasing list of metals capable of interfering with oestrogen action and termed metalloestrogens. Further studies are now needed to identify the molecular basis of this action, the longer term effects of aluminium exposure and whether aluminium can cause aberrations to other signalling pathways in breast cells. Given the wide exposure of the human population to antiperspirants, it will be important to establish dermal absorption in the local area of the breast and whether long term low level absorption could play a role in the increasing incidence of breast cancer. PMID: [PubMed - indexed for MEDLINE]

118

119 Restrições na Europa ao uso do alumínio

120

121 Outros problemas relacionados aos antitranspirantes e desodorantes

122 Contact Dermatitis.Contact Dermatitis May;64(5): doi: /j x. Deodorants are the leading cause of allergic contact dermatitis to fragrance ingredients. Heisterberg MVHeisterberg MV, Menné T, Andersen KE, Avnstorp C, Kristensen B, Kristensen O, Kaaber K, Laurberg G, Henrik Nielsen N, Sommerlund M, Thormann J, Veien NK, Vissing S, Johansen JD.Menné TAndersen KEAvnstorp CKristensen BKristensen OKaaber KLaurberg GHenrik Nielsen NSommerlund MThormann JVeien NKVissing SJohansen JD Source Department of Dermato-allergology, National Allergy Research Centre, Gentofte Hospital, University of Copenhagen, 2900 Hellerup, Denmark. Abstract BACKGROUND: Fragrances frequently cause contact allergy, and cosmetic products are the main causes of fragrance contact allergy. As the various products have distinctive forms of application and composition of ingredients, some product groups are potentially more likely to play a part in allergic reactions than others. AIM: To determine which cosmetic product groups cause fragrance allergy among Danish eczema patients. METHOD: This was a retrospective study based on data collected by members of the Danish Contact Dermatitis Group. Participants (N = 17,716) were consecutively patch tested with fragrance markers from the European baseline series ( ). RESULTS: Of the participants, 10.1% had fragrance allergy, of which 42.1% was caused by a cosmetic product: deodorants accounted for 25%, and scented lotions 24.4%. A sex difference was apparent, as deodorants were significantly more likely to be listed as the cause of fragrance allergy in men (odds ratio 2.2) than in women. Correlation was observed between deodorants listed as the cause of allergy and allergy detected with fragrance mix II (FM II) and hydroxyisohexyl 3-cyclohexene carboxaldehyde. CONCLUSION: Deodorants were the leading causes of fragrance allergy, especially among men. Seemingly, deodorants have an 'unhealthy' composition of the fragrance chemicals present in FM II.

123 Algumas empresas aproveitam o medo de alguns consumidores em relação ao alumínio e utilizam o claim aluminum-free

124 Fortunately, Trivani has a safe and highly effective alternative to potentially harmful brands of deodorant. Our Deodorant Mist includes a variety of safe, active ingredients. Why did we choose a deodorant product over an antiperspirant? Because we believe that one of the body’s best detox systems—your skin—should not be plugged; rather, it should be helped to function without creating embarrassing odor. Features & Benefits -Complies with Trivani’s Do No Harm Philosophy™ avoids any potentially harmful ingredients that may be found in mainstream deodorants and antiperspirants, including parabens, triclosan, propylene glycol, alcohol, aluminum compounds, and ethoxylated surfactants (i.e. anything with PEG in the name or ending with the suffix -eth) that have not been certified as dioxane-free. -- Polyglyceryl-3 Caprylate, a plant-based antibacterial substance, provides gentle, on-demand protection for 24 hours. Ingredients: Purified Water (Aqua), Polyglyceryl-3 Caprylate, Butylene Glycol, Caprylyl Glycol, Sodium Usnate, Citronellyl Methylcrotonate, Trehalose, Vetikol. Algumas empresas aproveitam o medo de alguns consumidores em relação ao alumínio e utilizam o claim aluminun-free claim aluminum-free

125

126

127 Fragrâncias

128 Dove Invisible Dry Aqua, Aluminum Zirconium Pentachlorohydrate, Helianthus Annuus, Steareth-2, Parfum Steareth-20, Glycerin, Alpha-Isomethyl Ionone, Benzyl Alcohol, Benzyl Salicylate, Butylphenyl Methylpropional, Cinnamyl Alcohol, Citronellol, Geraniol, Hexyl Cinnamal, Hydroxycitronellal, Limonene, Linalool

129 Fragrâncias Agora as empresas deverão declarar os alergênicos presentes nas fragrâncias RESOLUÇÃO - RDC Nº 16, DE 12 DE ABRIL DE 2011

130 Algumas substâncias foram identificadas como causa importante de reações alérgicas de contato entre os consumidores sensíveis a fragrâncias e aromas. Dessa forma a presença dessas substâncias na formulação deve ser indicada na descrição dos ingredientes na rotulagem do produto (na lista dos ingredientes ou composição) de modo a facilitar a identificação destas substâncias pelos consumidores que não as toleram. Portanto, as substâncias abaixo listadas devem ser indicadas na rotulagem do produto pela nomenclatura INCI quando sua concentração exceder: 0,001 % nos produtos sem enxágue e 0,01 % em produtos com enxágue.

131

132 Exemplo de declaração de alergênicos enviada por fabricante de fragrância

133 Ftalatos são questionados São utilizados como solventes nas fragrâncias e podem representar até 50% na composição de uma fragrância. Phthalate exposure associated with self-reported diabetes among Mexican women. Svensson K, Hernández-Ramírez RU, Burguete-García A, Cebrián ME, Calafat AM, Needham LL, Claudio L, López-Carrillo L. Environ Res Jun 20. [Epub ahead of print] PMID: [PubMed - as supplied by publisher] Exposure to phthalates: Reproductive outcome and children health. A review of epidemiological studies. Jurewicz J, Hanke W. Int J Occup Med Environ Health Jun;24(2): Epub 2011 May 19. PMID: [PubMed - in process] Phthalate exposures and human health concerns: A review and implications for practice. Pak VM, McCauley LA, Pinto-Martin J. AAOHN J May;59(5):228-33; quiz doi: / PMID: [PubMed - in process] Phthalates exposure of Chinese reproductive age couples and its effect on male semen quality, a primary study. Liu L, Bao H, Liu F, Zhang J, Shen H. Environ Int Apr 25. [Epub ahead of print] PMID: [PubMed - as supplied by publisher]

134 Nanocosméticos

135 Nanocosmetologia Estudo recente, conduzido por cientistas da Universidade de Rochester sugere A exposição solar pode exacerbar a penetração cutânea de filtros solares em escala nano

136 De acordo com a NIA (Nanotechnology Industries Association):  Estes resultados não podem ser aplicados para filtros solares que utilizam TiO2 e ZnO  Pois os cientistas utilizaram um modelo cutâneo in vivo que não foi representativo para o uso normal de filtros solares   Além disso, também foi questionado o fato de serem utilizados pontos quânticos para o teste, bem menores do que os filtros UV minerais encontrados nos filtros solares

137 Nos últimos meses:  Pesquisadores de uma universidade australiana reviram os dados de toxicidade sobre as nanopartículas em cosméticos  Esses concluíram que elas não oferecem risco à saúde humana

138 Consulta Pública Européia sobre Nanocosméticos Problemas das nanopartículas: Dificuldade na avaliação da segurança de cosméticos contendo nanopartículas e sobre sua aplicação em peles feridas, queimadas e anormais O risco das nanopartículas para a saúde depende de muitos fatores A nanoencapsulação de uma mesma substância pode mostrar resultados diferentes de acordo com a sua fabricação The European Commission

139 Por estes motivos, o The Scientific Committee propõe a elaboração de um guia para avaliação da segurança das nanopartículas Para cobrir o risco de aceitação de nanopartículas em produtos cosméticos: A indústria deve fornecer dados no que diz respeito a todas as substâncias utilizadas em nano-escala e os produtos finais nos quais essas serão utilizadas

140 Os dados que as indústrias devem fornecer incluem: Composição química, impurezas químicas, a forma e sua flexibilidade, a aglomeração e coalescência, a estabilidade, a reatividade da superfície da biodegradabilidade e solubilidade das nanopartículas As condições de armazenamento das partículas antes da fabricação do produto cosmético e as moléculas com que as partículas entram em contacto The European Commission

141 Proporção das nanopartículas no produto final Os outros componentes do produto final, a modificação das partículas ocorrendo dentro do produto cosmético, durante ou após o processo de fabricação A interação entre os vários fatores para cada um dos produtos, os quais foram fornecidas informações The European Commission

142 No momento, não há informações inadequadas sobre os riscos associados aos nanomateriais. A fim de melhor avaliar a sua segurança, o SCCS deverá prestar orientação em colaboração com os órgãos competentes, sobre metodologias de ensaio que tenham em conta as características específicas dos nanomateriais. "nanomaterial», um material insolúvel ou biopersistente e intencionalmente fabricados com uma ou mais dimensões externas, ou uma estrutura interna, na escala de 1 a 100 nm; As empresas deverão apresentar dados que garantam a segurança do produto.

143 OBRIGADO !


Carregar ppt "Toxicologia Cosmética Uma visão imparcial e atual dos ingredientes potencialmente tóxicos Lucas Portilho – Farmacêutico Bioquímico Consultor Especialista."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google