A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Ciência da Informação Curso: Biblioteconomia Disciplina: Tratamento da Informação V Professora: Gercina.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Ciência da Informação Curso: Biblioteconomia Disciplina: Tratamento da Informação V Professora: Gercina."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Ciência da Informação Curso: Biblioteconomia Disciplina: Tratamento da Informação V Professora: Gercina Ângela B. Lima Alunos Emerson Paiva Keila Rosado Paulo Roberto Priscila Miranda Rogério Fidelis Rogério Sacco Rosângela das Graças Zenaide Ferreira 6º período - Noturno

2 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Histórico da Teoria da Classificação Teoria da Classificação = tão antiga quanto à humanidade; Progrediu do status de arte para o de ciência; Deixou suas marcas em todos os arranjos sistemáticos dos trabalhos compostos pelos grandes filósofos da Antigüidade (enciclopédias, Bíblia etc.); Todos esses trabalhos foram organizados sistematicamente e o conhecimento neles apresentado era organizado segundo uma idéia pré-concebida;

3 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Histórico da Teoria da Classificação Angelo Poliziano : a elaboração de sistemas de classificação iniciou-se realmente, com “Panepistemon” (não era o esboço de um texto mas a mostra esquemática das relações entre as ciências ou áreas do conhecimento); Francis Bacon – 1605: publicou “De dignitate et augmentis scientiarum” (plano de classificação das ciências), porém esta arte não foi chamada de classificação; Somente após esta época é que se tem evidências de que o termo “classificação” foi utilizado em títulos de livros (C.W. Shields, R. Flint e B.C. Richardson);

4 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Histórico da Teoria da Classificação Século XIX: a elaboração de tais planos de classificação tornou-se hobby para cada filósofo,bem como para alguns cientistas; A inspiração destes trabalhos influenciou os bibliotecários no sentido de construírem continuamente novos sistemas para a organização do conteúdo de suas coleções.

5 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Nova abordagem: passos preliminares Mario Nizolio - Século XVI: irritado com o fato de algumas ciências poderem ser consideradas sob diversos aspectos se apresentadas num plano global das ciências. Sugere uma nova classificação das áreas do conhecimento (em sua obra “Antibarbarus philosophicum”), na qual não relaciona ciência que possa ocorrer em várias divisões; J. Huarte – 1575: estabelece distinção entre “medicina teórica” e “medicina prática”, “direito teórico” e “direito prático”, em que cada uma destas disciplinas encontra-se em uma divisão diferente.

6 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Nova abordagem: passos preliminares Ampère – : defende, em sua obra de classificação, defende a tese de que “ao tentar determinar as características distintivas para a definição e classificação das ciências, é necessário considerar não só a natureza dos objetos à qual eles se relacionam, mas também os pontos de vista sob os quais esses objetos podem ser considerados”; I.G. de Saint-Hilaire e outros– : tentaram demonstrar a diversidade dos aspectos de forma diagramática (“classification palallélique”);

7 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Nova abordagem: passos preliminares Henry Evelelyn Bliss – : primeiro bibliotecário a considerar o fato da teoria subjacente a seu plano: 1935 a 1953: publicou ser sistema final de classificação, que mostrou diferentes aspectos de cada área de forma diagramática (pontos de vista filosófico, científico, histórico e tecnológico/artístico); Re-arrumou as áreas: apresentadas bi-dimensionalmente, na maioria das vezes em apenas 1 nível hierárquico, visando brevidade e facilidade de arrumação dos livros nas estantes; Colocou a classificação bibliográfica novamente em contato mais estreito com os princípios filosóficos da classificação.

8 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Ranganathan: Pai da Moderna Teoria da Classificação 1937: após ler os três livros de Bliss, fascinou-se pela idéia de criação de uma base teórica para sistemas de classificação, e ao mesmo tempo sentiu-se motivado para formular uma teoria sua: a Teoria da Classificação dos Dois Pontos (desenvolvida apenas a partir de bases intuitivas); Formulou regras, enunciou cânones e postulados a partir dos quais extraiu seus princípios e lançou seus chamados “processos” para a formação de representações de conceitos em nível teórico;

9 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Ranganathan: Pai da Moderna Teoria da Classificação “Matematizou” a classificação: porém utilizou a matemática de forma qualitativa, similar à do filósofo Leibniz, que procurava uma “characteristica universalis” = tipo de linguagem conceitual para a expressão combinatória de qualquer conceito e assunto existente no mundo; Encontrou a matemática qualitativa buscada por Leibniz através das regras para os “processos”;

10 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Ranganathan: Pai da Moderna Teoria da Classificação Seu sistema diferia dos outros, por não usar classes pré- estabelecidas e prontas às quais os títulos tinham de ser relacionados. Criava classes de livros somente no momento em que o mesmo era analisado segundo os elementos conceituais de seu assunto e sintetizado segundo as regras das fórmulas de facetas ligadas às disciplinas; Introduziu três níveis distintos baseados nos quais trabalham os classificadores e os classificacionistas: Plano da idéia: nível das idéias e conceitos; Plano verbal: nível da expressão verbal dos conceitos; Plano notacional: nível da fixação dos conceitos em formas abstratas (sinais, letras etc.);

11 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Ranganathan: pai da Moderna Teria da Classificação Segunda contribuição à Teoria da Classificação Moderna: abordagem analítico-sintética para a identificação dos assuntos; Esta abordagem serviu para: Representação dos assuntos; Ordenação dos conceitos de uma disciplina em classes formais, de acordo com as categorias existentes nesta disciplina. Terceira contribuição: 18 princípios para o arranjo de elementos das facetas de maneira repetível, são os “princípios para seqüência útil” (instrumento proveitoso para a avaliação de sistemas de classificação).

12 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje A influência de Ranganathan Classificação dos Dois Pontos: Modelo para um novo sistema universal de classificação facetada; Serviu de base para vários outros sistemas difundidos no mundo inteiro, inclusive, para a elaboração dos tesauros facetados.

13 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisas das relações entre conceitos Estruturas classificatórias do ponto de vista analítico = compreende-se a necessidade de aclarar os elementos categoriais dos sistemas de classificação; E. Grolier : “Um estudo das categorias gerais aplicáveis à classificação e codificação em documentação”: Coleção detalhada de todas as categorias gerais dos mais importante sistemas de classificação universal, bem como de alguns especializados quer representadas nos auxiliares quer nas classes principais; Elementos sintáticos que foram feitos em sistemas recentes (tipos de representações de categorias encontradas na linguagem natural) também estão relacionados na obra deste autor.

14 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisas das relações entre conceitos J. C. Gardin e seu grupo (França): trabalhavam na elaboração do SYNTOL (Syntagmatic Oriented Language) = permitiria indexação sintática com o auxílio do computador; J. Farradane (Inglaterra, 1950): esquema de nove operadores = indicadores de relações para a expressão de seus chamados “analetos” (2 ou mais conceitos combinados por um operador para formular um enunciado mais informativo sobre o conteúdo de um documento); Centro de Pesquisas em Documentação e Comunicação (EUA): pesquisas sobre a aplicação de indicadores de funções (roles) no sistema Western Reserve University para indexação de literatura metalúrgica. Mais tarde alguns mecanismos desenvolvidos influenciaram o sistema de elos (links) e funções difundido pelo Engineers Joint Council;

15 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisas das relações entre conceitos J. Perreault (EUA, 1962): esquema filosófico de cerca de 108 relacionadores destinados a servir como elementos sintáticos juntamente com os elementos de qualquer sistema de classificação; J. Perreault (Maryland, 1966): organizou uma conferência sobre fatores relacionais em classificação, que coroou todos os movimentos e recebeu contribuições de todos os autores, inclusive de Ranganathan; D. soergel (Maryland, 1966): apresentou trabalho contendo estudo enciclopédico e correlações de todos os tipos de indicação de relacionamento;

16 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisas das relações entre conceitos Aumento da quantidade de literatura documentada causa insatisfação crescente com a má qualidade de informação fornecida por muitas das grandes bases de dados; Uma melhor compreensão da natureza dos conceitos foi possível graças à construção dos tesauros, à determinação consciente de relações entre conceitos e à realização de novas pesquisas sobre a teoria analítica de conceitos; Teoria do Conceito: implica em que os conceitos são sínteses rotuladas de enunciados verdadeiros sobre objetos do pensamento: esses enunciados levam ao reconhecimento ou à separação das características dos conceitos que também podem ser consideradas como os elementos dos conceitos;

17 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisas das relações entre conceitos Relações entre conceitos: podem ser definidas a partir da posse de certas características em conceitos diferentes: Relação gênero/espécie: Objetos: árvores; Tipos de objetos: árvores frutíferas e árvores de nozes; Tipos de tipos de objetos: macieiras e nogueiras. Relação todo/parte: Todo: árvores; Partes: raízes, caule, ramos, folhas etc. Relação de oposição: Altura - profundidade. Relação funcional: Doação – presente – casamento.

18 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisas das relações entre conceitos Os tipos de relações podem ser explicados devido aos elementos dos conceitos, a seu conjunto de características compreensivas. Pode-se distinguir os seguintes tipos de conceitos, de acordo com as formas categoriais últimas de suas características: Conceitos de relações entre objetos; Conceitos de relação entre fenômenos; Conceitos de relação entre processos; Conceitos de relação entre propriedades; Conceitos de relação entre relações; Conceitos de relação entre dimensões; Combinações entre elas.

19 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisas das relações entre conceitos Teoria Analítica dos conceitos: explica as relações chamadas “paradigmáticas (sistemas de classificação) e “sintagmáticas” (frases compostas de elementos do sistema de classificação para a descrição do conteúdo dos documentos), introduzidas por J.C. Gardin em analogia ao significado desses termos na literatura moderna.

20 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Conseqüências necessárias da Teoria Conceitual esboçada Pode-se dizer que a Teoria da Classificação abrange: O reconhecimento do conceito como elemento material dos sistemas de classificação; A aplicação de uma teoria analítica de conceitos para a representação do conhecimento ou para a informação. Conseqüências da nova abordagem teórica da classificação: Avaliação dos sistemas de classificação existentes; Construção de novos sistemas com agrupamentos ou arranjos previsíveis; Formalização de enunciados sobre o conteúdo dos documentos. Com o auxílio da Teoria de Categorias de Conceitos, os sistemas de classificação podem ser elaborados muito mais objetivamente do que antes.

21 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Conseqüências necessárias da Teoria Conceitual esboçada Até então, havia duas abordagens para a construção de sistemas de classificação: Abordagem dedutiva: subdivisão de um universo do conhecimento em disciplina utilizada pelos sistemas gerais de classificação conhecidos até o momento; Abordagem indutiva: construção de sistemas de linguagens de descritores a partir de termos e seus conceitos mais genéricos e mais específicos, que constitui os tesauros. Ambos são altamente sujeitos à subjetividade. Nova abordagem para a construção de sistemas de classificação: Abordagem relacional: parte de um aspecto formal, categorial. Um sistema baseado nesta abordagem é fácil de ser construído, reconhecido e utilizado. Garante maior objetividade.

22 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisa e desenvolvimento futuros em classificação Atualmente há instrumentos que permitem: Avaliar os sistemas de classificação existentes; Determinar com exatidão o que era certo ou errado; Saber como os sistemas de classificação podem ser operados.

23 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisa e desenvolvimento futuros em classificação Novas pesquisas deveriam agora ser orientadas para: Análise de conceitos, especialmente combinação de conceitos; Análise de valência dos verbos nas diferentes línguas e em diferentes áreas do conhecimento (estabelecimento de fórmulas para ordem de arquivamento e de citação); Tipologia das estruturas de frases classificatórias; Comparações entre conceitos com o auxílio de definições, inclusive problemas de estrutura e de estruturação de definições;

24 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisa e desenvolvimentos futuros em classificação Novas pesquisas deveriam agora ser orientadas para: Metodologia para o estabelecimento de tabelas de correlações entre conceitos em diferentes áreas do conhecimento (estrutura de léxicos intermediários); Determinação de estruturas sintáticas notacionais para a formação de representações expressivas de conceitos, juntamente com seus complementos necessários e facultativos; Identificação de problemas organizacionais e relacionados com os usuários, na aplicação de enunciados e elementos classificatórios (acesso mais genérico, mais apurado, ou mais preciso?)

25 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Pesquisa e desenvolvimentos futuros em classificação Uma nova consciência geral das potencialidades da classificação deveria ser desenvolvida (sobretudo no interesse da economia não só intelectual como também material); Empenho para que haja melhor compreensão e aplicação dos princípios da classificação.

26 Teoria da Classificação, Ontem e Hoje Referência Bibliográfica: DAHLBERG, Ingetraut. Teoria da classificação, ontem e hoje. Disponível em teria.htm. Acessado em 09/09/2005.


Carregar ppt "UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Escola de Ciência da Informação Curso: Biblioteconomia Disciplina: Tratamento da Informação V Professora: Gercina."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google