A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ITAIPU Reflexos a Médio Prazo COMITÊ DAS ROTAS DE INTEGRAÇÃO DA AMERICA LATINA – CRIAS 7° Congresso do CRIAS.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ITAIPU Reflexos a Médio Prazo COMITÊ DAS ROTAS DE INTEGRAÇÃO DA AMERICA LATINA – CRIAS 7° Congresso do CRIAS."— Transcrição da apresentação:

1 ITAIPU Reflexos a Médio Prazo COMITÊ DAS ROTAS DE INTEGRAÇÃO DA AMERICA LATINA – CRIAS 7° Congresso do CRIAS

2 A capacidade instalada atual de Itaipu é de 14 mil megawatts (MW). A usina tem 20 unidades geradoras, cada uma com capacidade nominal de 700 MW. A 19ª unidade foi instalada em 2006 e a última em A energia garantida de Itaipu é de 75 milhões de megawatts-hora, mas a usina produz, anualmente, acima de 90 milhões de MWh. Em 2008, a Usina de Itaipu produziu 94,7 milhões de megawattts-hora (MWh), que garantiu o suprimento de 87,3% de toda a energia elétrica consumida no Paraguai e 19,3% da demanda do sistema interligado brasileiro. ITAIPÚ Binacional

3 Há três aspectos a se analisar: O primeiro, a equação econômico-financeira e os aspectos negociais propriamente ditos. O segundo, a posição que o Brasil pretende ocupar no continente, a importância do desenvolvimento uniforme da região, como alavanca para o próprio desenvolvimento brasileiro. O terceiro, a possibilidade do acordo ser aceito pelo Congresso – que dará a palavra final para a maior parte dos itens negociados. O “NOVO ACORDO DE ITAIPÚ”

4 Haveria duas maneiras de aumentar os repasses para o Paraguai. Uma delas, o aumento do custo do kwh da parte do Paraguai que, por contrato, é obrigatoriamente vendida para o Brasil. Outra, o aumento no valor das luvas, o valor adicional pago pelo Brasil, para ter direito à parte do Paraguai. Se aumentasse o kwh, o valor seria repassado para as tarifas residenciais – para onde se destina a maior parte da energia de Itaipu. Se pelas “luvas”, o dinheiro sai do Tesouro. O “NOVO ACORDO DE ITAIPÚ”

5 Manteve-se, então o valor do MWh e aumentou-se o das “luvas” de U$ 107 milhões (acertados em 2008) para US$ 360 milhões anuais a partir de Além disso, o Brasil se obrigou a instalar uma linha de transmissão de Itaipu a Assunção, no valor de US$ 50 milhões. Um segundo ponto de discussão foi sobre a parcela de energia que o Paraguai poderia vender no mercado livre brasileiro – para grandes consumidores e a um preço melhor (maior). Dos 50% a que tem direito sobre Itaipu, 95% vai para a Eletrobras, que repassa para distribuidoras de consumidores residenciais. O “NOVO ACORDO DE ITAIPÚ”

6 Decidiu-se montar um grupo de trabalho para estudar de que maneira o Paraguai poderia colocar parte dessa energia no mercado livre. Pelo menos até 2013 não haverá possibilidade de entrada de energia nova, já que o país está bem abastecido. Por outro lado as Distribuidoras que seriam os principais cessionários dos direitos de Itaipú não podem substituir esta energia a não ser através de uma nova Oferta Pública Específica, no caso um LEN A-3 ou A-5 no ano de 2010 para entrega em 2013 ou O Paraguai esperava, depois disso, que pudesse vender entre e MWh no mercado brasileiro. Mas, com a entrada de Girau e Santo Antonio, com energia mais barata, ficará no sonho. Apenas a partir de 2023 haverá a negociação de novas condições financeiras do tratado. O “NOVO ACORDO DE ITAIPÚ”

7 Usando a Tarifa Média de 2008 de Itaipú calculada pela ANEEL de 113,76 R$/MWh “NOVO ACORDO DE ITAIPÚ” - EXERCÍCIO

8 O leilão A-3 previsto para 27/08/09 tem preço-teto definido em R$ 144/MWh para hidreletrica e R$ 146/MWh para outras fontes. Portanto, se a liberação se der através de A-3, com certeza a energia ficará mais cara para a distribuidora, mantida a necessidade de no mínimo 100% de cobertura de mercado. Já para substituição por um LEN A-5 os custos de energia seriam menores mas sujeitos a um custo de Transmissão que praticamente equivale. Conforme dados da ANEEL – Relatório Tarifas a Energia Comprada representa 44% da Receita/Fatura das Distribuidoras “NOVO ACORDO DE ITAIPÚ” - EXERCÍCIO

9 Aqui entre nós, o maior risco é para os geradores, cujas concessões vencendo além de 2015 teriam uma concorrência de peso e de volume para sua recontratação Beneficiados = mercado livre, devido a maior oferta Risco = mercado cativo e geradores de energia existente Indiferentes = Distribuidoras apenas repassariam custos

10 Principais Questões do Setor Elétrico

11 Função do Planejamento com Falhas  Não integrado ou regionalizado União – Estados  Dicotomia entre planejamento – operação - comercialização  Carência de projetos para aproveitamentos hidroelétricos  Falta de previsibilidade tanto na expansão base como na complementar Dúvidas na Renovação de Concessões de G, T e D  Geração agravada com múltiplas formas de concessão para serviço competitivo não regulado: PIE, concessionário serviço público; APE Re-definição e Exercício de Fato das Funções do MME; CNPE e EPE Dificuldade/Impasse Licenciamento Ambiental Empreendimentos Despacho sem Transparência, sem a Função Custo e sem Indicadores de Desempenho Carga tributária de 44%

12 Principais Questões do Setor Gás Natural Equilibrar Oferta-Demanda  Mercado ≈ contratação (aperfeiçoamento mecanismos sobras e déficits)‏  Necessidade desenvolver mercado com novas fontes  Plangás – ação coordenada Estado – Petrobras (volume-infraestrutura) Aperfeiçoamento do Ambiente Legal, Regulatório e Institucional  Lei do Gás - em regulamentação por meio decreto o Evita interferência com Estados (não conflita com concessão distribuição)‏ o Prevê regime de concessão para transporte (novos dutos)‏  Modelo (concessão X partilha) para segmento de E&P o Retomada rodadas ANP  Necessidade de precificação do gás com isenção do atual monopólio

13 Impacto no Setor Energético Falta de Concorrência no Suprimento do Gás – 50 a 60% do preço commodity e transporte (restantes: tributos(1/2) e margem(1/2))‏ Elevação do preço da energia elétrica futura face contratações pós-2004 de energia nova com ênfase em térmicas

14 Leilão de Energia Nova: Energia Negociada (MWmédio) por Ano de Início de Suprimento

15 Participação das Fontes nos Leilões de Energia Nova

16 fonte: PSR A TE aumentaria dos atuais 114 R$/MWh para 151 R$/MWh nos próximos anos, um impacto de 30% 2/3 se devem à contratação por disponibilidade das térmicas nos últimos leilões e 1/3 à renovação de toda a energia existente à 117 R$/MWh, sendo que o impacto das usinas com concessão vincendas é de 13% Evolução dos Preços de Suprimento

17 A TE aumentaria dos atuais 114 R$/MWh para 151 R$/MWh nos próximos anos, um impacto de 30% 2/3 se devem à contratação por disponibilidade das térmicas nos últimos leilões e 1/3 à renovação de toda a energia existente à 117 R$/MWh, sendo que o impacto das usinas com concessão vincendas é de 13% fonte: PSR O EXERCICIO com ITAIPÚ agrega mais 2% Evolução dos Preços de Suprimento

18 INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA COMITÊ DAS ROTAS DE INTEGRAÇÃO DA AMERICA LATINA – CRIAS 7° Congresso do CRIAS

19 Brazil Venezuela Argentina Urug Paraguay Brazil Venezuela Argentina Uruguai Paraguai Chile Equador Colombia Bolivia Peru Guianas Integração Sul Suprimento de energia para Argentina e Uruguai Receb. 2,5 MM3/dia gás da Arg para UTE Uruguaiana Estudos para ampliação do Intercâmbio de energia elétrica com Argentina - Garabi Estudos para ampliação do intercâmbio com Uruguai Integração Norte Importação de energia da Venezuela (Boa Vista – 200 MW)‏ Integração Energética Integração Pequenos Mercados - Bolivia Atendimento a pequenos mercados de fronteira Gas Natural - Bolivia Contrato de 30 MM3/dia Contrato suprimento UTE Cuiabá Brasil - Paraguai Itaipu Binacional – UHE Itaipu – 5.600MW Gás Natural Energia Elétrica

20 Interconexão com a Argentina

21 Interconexão com a Argentina e o Uruguai

22 Interconexão do GÁS

23 Obrigado Edmundo Fernandes da Silva


Carregar ppt "ITAIPU Reflexos a Médio Prazo COMITÊ DAS ROTAS DE INTEGRAÇÃO DA AMERICA LATINA – CRIAS 7° Congresso do CRIAS."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google