A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

1 Venotrópicos TNS-Euroteste Venotrópicos: Doentes e Médicos RELATÓRIO Janeiro de 2001 Job 10/1908-1909/09/IM/im Este estudo foi realizado pela TNS-Euroteste.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "1 Venotrópicos TNS-Euroteste Venotrópicos: Doentes e Médicos RELATÓRIO Janeiro de 2001 Job 10/1908-1909/09/IM/im Este estudo foi realizado pela TNS-Euroteste."— Transcrição da apresentação:

1 1 Venotrópicos TNS-Euroteste Venotrópicos: Doentes e Médicos RELATÓRIO Janeiro de 2001 Job 10/ /09/IM/im Este estudo foi realizado pela TNS-Euroteste S.A,.de acordo com as regras deontológicas do Código da ESOMAR.

2 2 Venotrópicos TNS-Euroteste Índice I. Relatório de Campo…………………………………………………….…...3 II. Questionário utilizado.……………………………………………………….19 III. Análise de resultados……………………………………………………… Doentes…………………………………………………………………… 23 Problemas de circulação venosa com mulheres com 30 ou mais anos.24 Problemas de circulação venosa: perfil das mulheres……………...…25 Presença de sintomas e consulta a médicos…...……………………...30 Tratamento em mulheres que sofrem/sofreram de problemas de C.V..35 Mulheres que tratam/trataram dos problemas de C.V…..…………….36 Duração do tratamento…...………………………………. ………….37 Frequência do tratamento………………………………….. …………38 Grau de satisfação com o tratamento…………………….. …………..39 Tratamento e melhoria de qualidade de vida…………….. …………..41 Comparticipação…………………..………………………………… Médicos ………………………………………………………………………..44 Sintomas s sua frequência para estabelecer o diagnóstico…………….45 Importância dos Venotrópicos no conjunto da terapêutica …………….50 Critérios de avaliação da eficácia dos Venotrópicos ………………….. 51 Importância dos Venotrópicos para melhorar a qualidade de vida …….53 Prescrição de Venotrópicos e factores de risco ……………………….. 54 Procura e sua correlação com o nível de sofrimento …………………55 Importância dos Venotrópicos na relação médico/doente …………….. 56 Contenção Venosa ……………………………………………………57 Importância da Comparticipação dos Venotrópicos …………………..58 Hipótese de não comparticipação Governamental ……………………59 IV. Conclusões…………....………………………………………. ……………….60 V. Quadros de resultados..………………………………………. ………………..71 VI. Teste do Qui -quadrado ……………………………………………………….74

3 3 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo I.

4 4 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo 1. Entidade que realizou o estudo Euroteste S.A - Taylor Nelson Sofres. 2. Objectivos O estudo deverá responder ao seguinte conjunto de questões sobre os problemas de circulação venosa:  Para os doentes: - Prevalência da doença - Factores de risco - Prevalência do tratamento - Duração e frequência do tratamento - Grau de satisfação com o tratamento - Avaliação da melhoria da qualidade de vida - Opinião sobre comparticipação dos medicamentos

5 5 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo  Para os médicos: - Importância dos Venotrópicos no conjunto da terapêutica - Importância dos tratamentos sintomáticos para melhorar a qualidade de vida - Factores de risco - Importância do tratamento na relação médico/doente - Existência de alternativas ao tratamento medicamentosos - Sintomas para estabelecer o diagnóstico - Critérios para avaliar a eficácia - Existência de uma procura espontânea - Correlação desta procura com o nível de sofrimento

6 6 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo 3. Metodologia 3.1 Universo  Para os doentes: Mulheres com 30 ou mais anos de idade, residentes em Portugal Continental, em localidades com mais de habitantes, em lares com telefone (1). Segundo os dados dos Censos 91 do INE (XII Recenseamento Geral da População), este valor é de (1) Não dispomos de dados que permitam a quantificação exacta de mulheres maiores de 30 anos residentes em lares com telefone, nas localidades com mais de habitantes.

7 7 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo  Para os médicos: Listagem de Médicos Clínicos Gerais e Cirurgiões Vasculares de Portugal Continental, que trabalhem em localidades com mais de habitantes. Esta listagem foi facultada pelos clientes e tem a seguinte composição de números válidos (2), utilizados como Universo de investigação: Clínicos Gerais: 961 Cirurgiões Vasculares: 121 Total:1.082 (2) A listagem foi validada, ficando apenas constituída pelos médicos que correspondiam à características do pretendidas para a definição do Universo: CG e CV exercendo em localidades com mais de habitantes, em Portugal Continental.

8 8 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo 3.2 Amostragem  Para os doentes: Amostragem estratificada por Região (Grande Lisboa, Grande Porto, Litoral, Interior Norte e Sul) e Habitat (dimensão das localidades) para determinação do lar.  Para os médicos: A listagem foi estratificada por Região (Grande Lisboa, Grande Porto, Litoral, Interior Norte e Sul) e Habitat (dimensão das localidades).

9 9 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo 3.3 Amostra  Para os doentes: A distribuição da amostra pelos estratos (Região X Habitat) foi proporcional ao Universo que lhe serviu de base. A dimensão da amostra foi calculada tendo por base o erro pretendido num intervalo de confiança de 95%:  3.46% (Ver anexo). Para a selecção do lar foi realizada uma selecção aleatória dos números de telefone, para cada estrato, com base nas listas de referência (listas telefónicas), tendo sido utilizado o Método RDD (Random Digit Dialling): foi seleccionada uma amostra base de 800 números de telefone e geraram-se quatro números de telefone a partir de cada um dos inicialmente seleccionados.

10 10 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo Para a selecção do indivíduo dentro do lar, foram estabelecidas quotas de idade e ocupação. Foi obtida uma amostra de 800 entrevistas (tal como previsto) com a seguinte composição:

11 11 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo  Para os médicos: A dimensão da amostra ao nível de Clínicos Gerais e Cirurgiões Vasculares não foi proporcional ao Universo que lhe serviu de base, dada a necessidade de bases mínimas de análise. A distribuição da amostra pelos estratos (Região X Habitat) foi proporcional ao Universo que lhe serviu de base. A dimensão da amostra foi calculada tendo por base o erro pretendido ( e normalmente aceite neste tipo de investigação) num intervalo de confiança de 95%:  7.43% (Ver anexo). Os médicos foram seleccionados através de quotas de especialidade clínica (Clínicos Gerais e Cirurgiões Vasculares) com base na listagem de médicos facultada pelo cliente (e que neste contexto foi considerada como sendo o Universo), tal como é procedimento normal neste tipo de estudos

12 12 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo Os médicos entrevistados teriam que ter mais de um ano de experiência na sua prática clínica e não deveriam estar em regime de substituição de qualquer colega - estas questões foram apuradas através de duas perguntas filtro introduzidas no questionário. Foi obtida uma amostra de 150 entrevistas (tal como previsto) com a seguinte composição:

13 13 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo 4. Método de entrevista  Para os doentes e médicos: Entrevista telefónica assistida por CATI (Computer Assisted Telephonic Interviewing), mediante questionário estruturado. 5. Trabalhos de Campo  Para os doentes: O trabalho de campo foi realizado entre 13 e 20 de Outubro de 2000, por 30 entrevistadores.  Para os médicos: O trabalho de campo foi realizado entre 27 de Outubro de 2000 e 6 de Janeiro de 2001, por 12 entrevistadores

14 14 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo 6. Controle de Qualidade  Para os doentes: Cerca de 15% do trabalho de cada entrevistador foi inspeccionado.  Para os médicos: Cerca de 14,6% do trabalho de cada entrevistador foi inspeccionado. 7. Tratamento da informação Após a realização dos estudos, através de inquérito telefónico, foi ensaiado um teste de consistência lógica para a validação do ficheiro obtido.

15 15 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo  Para os doentes: O estudo realizado às mulheres (doentes) foi ponderado a nível de questionário de forma a assegurar a representatividade da amostra em relação ao Universo considerado. O coeficiente mínimo de ponderação foi entre e (5 questionários) e o máximo entre e (10 questionários). A amostra obtida após a ponderação foi a seguinte:

16 16 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo 8. Texto integral das questões colocadas Ver questionários anexos.

17 17 Venotrópicos TNS-Euroteste Relatório de Campo 9. Apresentação de Resultados Os resultados são apresentados sob a forma de quadros de apuramento de dados, acompanhados por um relatório em Powerpoint, contendo as principais conclusões dos estudos. Cada quadro de resultados é composto por três páginas: a primeira, de números absolutos; a segunda, de percentagens em relação às bases (percentagens verticais); a terceira, de percentagens em relação aos totais (percentagens horizontais).

18 18 Venotrópicos TNS-Euroteste ANEXO: Erro máximo Para os Doentes: Para os Médicos:

19 19 Venotrópicos TNS-Euroteste Questionários Utilizados: 1- Doentes 2- Médicos II.

20 20 Venotrópicos TNS-Euroteste 1- Doentes

21 21 Venotrópicos TNS-Euroteste 2- Médicos

22 22 Venotrópicos TNS-Euroteste Análise de Resultados III.

23 23 Venotrópicos TNS-Euroteste Doentes 1.

24 24 Venotrópicos TNS-Euroteste Problemas de circulação venosa em mulheres com 30 ou mais anos Base: 800 mulheres de 30 ou mais anos de idade 100% 31% 248 mulheres não sofrem de problemas de circulação venosa 69% 552 mulheres revelaram sofrer ou ter sofrido de problemas de circulação venosa  Sete mulheres em cada dez, com 30 ou mais anos de idade, declararam sofrer ou ter sofrido de problemas de circulação venosa. (Trata-se de mulheres num universo de mulheres com 30 ou mais anos de idade)

25 25 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.1: Exerce uma actividade profissional? » O grau de incidência de problemas de circulação venosa é muito semelhante entre as mulheres que exercem e as mulheres que não exercem uma uma actividade profissional. Base: 800 Total Problemas de circulação venosa: perfil das mulheres

26 26 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.2: Trabalha mais horas de pé ou sentada? » Existe uma maior incidência de problemas de circulação venosa entre as mulheres que exercem uma actividade profissional de pé do que entre as mulheres que exercem uma actividade profissional sentadas. (66% vs 49%). Problemas de circulação venosa: perfil das mulheres Base: 286 Exerce actividade

27 27 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.3: Desloca-se nos transportes públicos durante mais tempo de pé ou sentada? » Problemas de circulação venosa: perfil das mulheres Base: 800 Total

28 28 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.4: Sofre ou já sofreu de problemas circulatórios ao nível das pernas com sintomatologias como dor, peso, edemas, cãibras, varicosidades, varizes? »  Cerca de 69% (sete em cada dez) das mulheres com 30 ou mais anos de idade sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa.  O facto de exercerem ou não uma actividade profissional não influi na incidência dos problemas de circulação venosa.  Á medida que aumenta a idade aumenta também a incidência dos problemas de circulação venosa nas mulheres.  O número de mulheres com problemas de circulação venosa é ligeiramente superior nas residentes em localidades com 10 a 30 mil habitantes. Problemas de circulação venosa: perfil das mulheres Base: 800 Total

29 29 Venotrópicos TNS-Euroteste Problemas de circulação venosa: perfil das mulheres

30 30 Venotrópicos TNS-Euroteste Base: 552 mulheres de 30 ou mais anos de idade sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa, isto é, 69% das mulheres interrogadas. 75% 415 mulheres que sofrem de problemas de circulação venosa recorreram a uma consulta médica 25% 137 mulheres que sofrem de problemas de circulação venosa nunca recorreram a uma consulta médica Sete a oito em cada dez mulheres que sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa recorreram ao médico. Presença de sintomas e sinais e consulta a Médicos 3% recorreram a Clínicos Gerais e Especialistas 38% recorreram a Especialistas 65% recorreram a Clínicos Gerais

31 31 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.5: Já consultou um médico devido a esses problemas? »  Cerca de 75% (sete a oito em cada dez) das mulheres com 30 ou mais anos de idade que sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa, consultaram um médico.  À medida que aumenta a idade aumenta também o número de mulheres que recorrem a uma consulta médica.  São as mulheres não activas que mais recorrem aos médicos - este facto poderá estar associado à idade. Base: Sofre ou sofreu de problemas de circulação venosa Presença de sintomas e sinais e consulta a Médicos

32 32 Venotrópicos TNS-Euroteste Presença de sintomas e sinais e consulta a Médicos

33 33 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.6 Consultou um médico de clínica geral ou um especialista? » Presença de sintomas e sinais e consulta a Médicos A soma é superior a 100% porque 3% das inquiridas recorreram simultaneamente a CG e Especialistas Base: Consultou médico

34 34 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.7 Qual (is) foi (ram) a (s) especialidade(s) que consultou? » Das inquiridas que consultaram médicos (415), cerca de 38% (158) recorreram a especialistas. Presença de sintomas e sinais e consulta a Médicos Base: Consultou médico especialista

35 35 Venotrópicos TNS-Euroteste Base: 552 mulheres de 30 ou mais anos de idade sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa, isto é, 69% das mulheres interrogadas. 47% 258 nunca trataram os problemas de circulação venosa 53% 294 mulheres trataram ou tratam os problemas de circulação venosa Cinco em cada dez mulheres que sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa, tratam ou trataram dos seus sintomas e sinais. 26% tratam actualmente 27% trataram (no passado) Tratamento em Mulheres que sofrem/sofreram de Problemas de Circulação Venosa

36 36 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.8 Já fez ou faz actualmente algum tratamento com medicamentos para a circulação venosa ao nível das pernas? » Faz ou fez tratamento: 53% Base: Sofre ou sofreu de problemas de circulação venosa Mulheres que tratam/trataram dos Problemas de Circulação Venosa Cinco em cada dez mulheres que sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa, tratam ou trataram os seus sintomas e sinais.

37 37 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.11 Há quanto tempo faz ou fez o seu tratamento actual, ou durante quanto tempo fez o seu último tratamento? » Duração do tratamento Mais de um ano: 70% Sete em cada dez mulheres fazem ou fizeram tratamento aos problemas de circulação venosa durante um período de tempo superior a um ano. Base: Faz ou fez tratamento dos problemas de circulação venosa

38 38 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.12 Geralmente, qual a frequência com que faz esse tratamento? » Frequência do tratamento Utilização ocasional: 47% Base: Faz ou fez tratamento dos problemas de circulação venosa Utilização regular: 45%

39 39 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.13 Em relação a esses tratamentos para os problemas de pernas de que sofre, ou sofreu, a Sra. diria que está muito satisfeita, bastante satisfeita, pouco satisfeita ou nada satisfeita? » Grau de satisfação com o tratamento Insatisfação:33%Satisfação:67%  Sete em cada dez mulheres estão satisfeitas com o tratamento que fazem ou fizeram para os problemas de circulação venosa.  As mulheres que fazem um tratamento ocasional estão ligeiramente mais satisfeitas do que as mulheres que fazem um tratamento regular. Base: Faz ou fez tratamento dos problemas de circulação venosa

40 40 Venotrópicos TNS-Euroteste Grau de satisfação com o tratamento Tratamento ocasional (Só no Verão/Ocasionalmente) :  Satisfação: 70%  Insatisfação:30% Tratamento regular (Sempre /De 2 em 2 meses) :  Satisfação: 66%  Insatisfação:34%

41 41 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.13a Esses tratamentos permitem ou permitiram-lhe uma melhoria na sua qualidade de vida diária? E essa melhoria foi muito importante, bastante importante, pouco importante ou nada importante? » Tratamento e melhoria da qualidade de vida Muito/bastante importante: 73% Pouco/Nada importante: 27%  Sete em cada dez mulheres referem ter conseguido uma melhoria muito ou bastante significativa na sua qualidade de vida através dos tratamentos que fazem ou fizeram para os problemas de circulação venosa.  As mulheres que fazem um tratamento regular referem uma melhoria da qualidade de vida maior do que as mulheres que fazem um tratamento ocasional. Base: Faz ou fez tratamento dos problemas de circulação venosa

42 42 Venotrópicos TNS-Euroteste Tratamento e melhoria da qualidade de vida Tratamento ocasional (Só no Verão/Ocasionalmente) :  Melhoria muito/bastante importante: 70%  Melhoria pouco/nada importante:30% Tratamento regular (Sempre /De 2 em 2 meses) :  Melhoria muito/bastante importante: 77%  Melhoria pouco/nada importante:23%

43 43 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.14 Considera importante que os medicamentos que lhe permitem tratar os problemas de circulação venosa sejam comparticipados pela Segurança Social e pelas empresas mutualistas ou de seguros a título complementar? Considera que essa comparticipação é muito importante, bastante importante, pouco importante ou nada importante? » Comparticipação Muito/bastante importante: 97% Base: Sofre ou sofreu de problemas de circulação venosa  A comparticipação nos medicamentos para tratar os problemas de circulação venosa é defendida pela quase totalidade de inquiridas que sofrem ou sofreram destes problemas.

44 44 Venotrópicos TNS-Euroteste Médicos 2.

45 45 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.1 Na sua prática diária, quando lhe aparecem doentes que sofrem de insuficiência venosa crónica, observa os seguintes sintomas (QUE LHE VOU REFERIR DE SEGUIDA) frequentemente, de vez em quando, raramente ou nunca? » Sintomas e sua frequência para estabelecer o diagnóstico Base: 150 Médicos  A totalidade dos médicos inquiridos referiram que as cãibras são os sintomas/sinais encontrados com menor frequência.  O peso nas pernas e a dor são os sintomas/sinais observados com maior frequência, entre os doentes com insuficiência venosa crónica.

46 46 Venotrópicos TNS-Euroteste Base: 120 Clínicos Gerais  Os CG referiram que o peso nas pernas, seguido da dor, são os sintomas mais frequentemente encontrados entre doentes com insuficiência venosa crónica. Sintomas e sua frequência para estabelecer o diagnóstico

47 47 Venotrópicos TNS-Euroteste Base: 30 Cirurgiões Vasculares  As cãibras e as pernas inchadas são os sintomas observados com menor frequência pelos CV, entre os doentes com insuficiência venosa.  Os CV referiram encontrar frequentemente o peso nas pernas e as varicosidades/varizes entre os doentes com problemas venosos. Sintomas e sua frequência para estabelecer o diagnóstico

48 48 Venotrópicos TNS-Euroteste Número médio de menções de cada frequência relativamente a todos os sintomas: cada frequência (Frequentemente, De vez em quando, Raramente ou Nunca) pode ser citada 5 vezes no máximo (5 sintomas/sinais), por cada médico. Total CG CV Nº médio de menções de “Frequentemente”…… /5 Nº médio de menções de “De vez em quando”..… /5 Nº médio de menções de “Raramente”…………… /5 Nº médio de menções de “Nunca”………………… /5 TOTAL…………… /5 Sintomas e sua frequência para estabelecer o diagnóstico

49 49 Venotrópicos TNS-Euroteste  Em média, os médicos referiram que entre os cinco sintomas/sinais, 3.7 aparecem frequentemente e 1 aparece de vez em quando, em doentes que sofrem de insuficiência venosa crónica.  Os CG Portugueses observam frequentemente 3.6 dos 5 sintomas/sinais aqui referidos, entre estes doentes.  Os CV Portugueses observam frequentemente 4.0 dos 5 sintomas/sinais aqui referidos.  Os CV observam, em média, mais sintomas/sinais e com mais frequência, apresentando, aparentemente, uma maior sensibilidade à patologia.  Tanto os CG como os CV Portugueses observam frequentemente ou de vez em quando, 4.7 dos 5 sintomas/sinais aqui referidos, em doentes problemas venosos. Sintomas e sua frequência para estabelecer o diagnóstico

50 50 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.2 De entre as diversas terapêuticas de que dispõe para tratar a insuficiência venosa crónica, os Venotrópicos ocupam um lugar … (ENTREVISTADOR: LER A ESCALA E ASSINALAR UMA SÓ RESPOSTA) Muito importante, Bastante importante, Pouco importante, Nada importante? » Importância dos Venotrópicos no conjunto da terapêutica Muito/Bastante importante  Total dos médicos……….. 96%  Clínicos Gerais……………98%  Cirurgiões Vasculares..….87% Entre as diver- sas terapêuti- cas para a insuficiência venosa, os CG são os médi- cos que maior importância atribuem aos Venotrópicos.

51 51 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.3 Para si os Venotrópicos são eficazes quando diminuem que tipo de sintomas clínicos? » Critérios de avaliação da eficácia dos Venotrópicos

52 52 Venotrópicos TNS-Euroteste  Os médicos referiram que os Venotrópicos são eficazes quando diminuem uma média de dois/três sintomas.  Os médicos esperam prioritariamente, uma diminuição da dor e peso, sintomas observados com maior frequência na sua prática diária.  No entanto, os cirurgiões vasculares esperam uma diminuição do peso, mas também dos edemas e da dor. DorPeso Edemas Média de sintomas  Total dos médicos……….. 85% …… 84% …… 75% ……………… 2.5  Clínicos Gerais……………87% …… 81% …… 74% ……………… 2.4  Cirurgiões Vasculares….… 80% …… 97% …… 80% ……………… 2.6 Critérios de avaliação da eficácia dos Venotrópicos

53 53 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.4 Os tratamentos Venotrópicos permitem melhorar a qualidade de vida dos seus doentes? SE SIM: De que forma: de forma muito importante, de forma bastante importante ou de forma pouco importante? » Importância dos Venotrópicos para melhorar a qualidade de vida De forma Muito/Bastante importante  Total dos médicos……….. 93%  Clínicos Gerais…………...94%  Cirurgiões Vasculares… %

54 54 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.5 Prescreve Venotrópicos com maior frequência a doentes que declaram trabalhar de pé, em condições de risco? » Prescrição de Venotrópicos e factores de risco  Cerca de nove em cada dez médicos prescrevem Venotrópicos com maior frequência a doentes que declaram trabalhar de pé, em situações de risco.

55 55 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.6 Constata uma grande procura de Venotrópicos por parte dos seus doentes? » «P.7 Considera que essa procura corresponde a uma realidade clínica em termos de sofrimento? » Procura e sua correlação com o nível de sofrimento  Sete em cada dez médicos constatam uma grande procura de Venotrópicos por parte dos seus doentes. Cerca de 94% (9 em cada 10 médicos) destes médicos consideram que essa procura corresponde a uma realidade clínica em termos de sofrimento.

56 56 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.8 Considera os tratamentos Venotrópicos como um elemento importante na sua relação médico/doente? » Importância dos Venotrópicos na relação médico/doente  Nove em cada dez médicos consideram os tratamentos com Venotrópicos um elemento importante nas relações médico/doente.

57 57 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.10 Na sua prática, como considera a contenção venosa, em termos de adesão aos seus doentes: grande, razoável ou baixo? » Contenção venosa  Oito em cada dez médicos consideram que a adesão dos doentes à contenção venosa não é grande.  Quatro em cada dez CV consideram que esta adesão não é grande.  Oito em dez CG consideram esta adesão não é grande.

58 58 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.11 Considera importante que os Venotrópicos sejam comparticipados pela Segurança Social? SE SIM: Considera essa comparticipação muito importante, bastante importante, ou pouco importante?» Importância da comparticipação nos Venotrópicos Muito/Bastante importante  Total dos médicos……….. 94%  Clínicos Gerais…………...96%  Cirurgiões Vasculares……. 87%

59 59 Venotrópicos TNS-Euroteste «P.12 Consideraria normal que o Governo equacionasse a hipótese de deixar de os comparticipar? » Hipótese de não comparticipação Governamental  Oito em cada dez médicos não considerariam normal que o Governo equacionasse a hipótese de deixar de comparticipar os Venotrópicos.  Seis em cada dez cirurgiões vasculares não considerariam normal esta hipotética atitude governamental.

60 60 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões IV.

61 61 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  DOENTES  Sete em cada dez (69%) mulheres com 30 ou mais anos de idade, residentes em localidades com mais de habitantes, referiram sofrer ou ter sofrido de problemas de circulação venosa.  Um dos factores de risco é o facto de as mulheres exercerem a sua actividade profissional de pé: a prevalência da doença é maior entre estas mulheres do que entre as mulheres que exercem a sua actividade profissional sentadas.  Cerca de 2 milhões ( ) de mulheres sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa durante a sua vida.

62 62 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  Sete a oito em cada dez (75%) mulheres que referiram sofrer ou ter sofrido de problemas de circulação venosa, consultaram um médico sendo que:  65% recorreram a Clínicos Gerais  38% recorreram a Especialistas - principalmente Cirurgiões Vasculares  Cerca de 1 milhão e meio ( ) de mulheres que sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa, recorreram a uma consulta médica, principalmente de médicos de Clínica Geral (consultados por quase 1 milhão de mulheres ).

63 63 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  Entre os quase 2 milhões ( ) de mulheres que referiram sofrer ou ter sofrido de problemas de circulação venosa  47% nunca trataram os seus problemas  53% (cinco em cada dez mulheres) trataram os seus problemas  Cerca de 1 milhão ( ) de mulheres que sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa já recorreram ao tratamento.  Sete em cada dez (70%) mulheres que referiram tratar ou ter tratado os seus problemas de circulação venosa, recorrem a medicação com duração superior a um ano.  Cerca de 730 mil ( ) mulheres recorrem a medicamentos com um período de duração superior a um ano.

64 64 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  Entre as mulheres que tratam ou trataram dos seus problemas de circulação venosa:  Quatro em cada dez mulheres (45%) tratam ou trataram regularmente (isto é, sempre ou de 2 em dois meses).  Cinco em cada dez mulheres (47%) tratam ou trataram ocasionalmente (isto é, só no Verão ou ocasionalmente).  Cerca de 469 mil ( ) mulheres tratam regularmente.  Cerca de 490 mil ( ) mulheres tratam ocasionalmente.  Entre as mulheres que se tratam, sete em cada dez (67%) estão satisfeitas com os tratamentos medicamentosos que fazem ou fizeram para os seus problemas de circulação venosa.  Cerca de 698 mil ( ) mulheres estão satisfeitas com os tratamentos medicamentosos que fazem ou fizeram.

65 65 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  Os tratamentos medicamentosos realizados permitem uma melhoria da qualidade de vida: sete em cada dez (73%) mulheres referem uma melhoria muito ou bastante importante na sua qualidade de vida.  Cerca de 760 mil ( ) mulheres referem que os tratamentos medicamentosos operaram uma melhoria significativa na sua qualidade de vida.  Cerca de 97% das mulheres que sofrem ou sofreram de problemas de circulação venosa, são de opinião que os medicamentos para estes problemas deveriam ser comparticipados.  Cerca de mil ( ) mulheres acham que os medicamentos para os problemas de circulação venosa de que sofrem ou sofreram, devem ser comparticipados pela Segurança Social, empresas mutualistas ou de seguros a título complementar.

66 66 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  MÉDICOS  Os médicos confrontam-se com os seguintes sintomas/sinais, em relação à insuficiência crónica venosa: peso (97%), dor (83%) e edema (79%) nas pernas, varicosidades/varizes (78%) e cãibras (33%).  Em média, os médicos referem que entre os cinco sintomas/sinais, 4.7 aparecem frequentemente, ou de vez em quando (respectivamente 3.7 e 1.0) em doentes que sofrem de problemas venosos.  Os cirurgiões vasculares observam, em média, mais sintomas/sinais e com mais frequência apresentando, aparentemente, maior sensibilidade a esta patologia.

67 67 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  Cerca de nove/dez (96%) em cada dez médicos atribuem um lugar muito importante (27%) ou bastante importante (67%) aos Venotrópicos entre as diversas terapêuticas disponíveis:  98% dos clínicos gerais atribuem um lugar muito (30%) ou bastante (68%) importante  87% dos cirurgiões vasculares atribuem um lugar muito (17%) ou bastante (70%) importante

68 68 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  Os médicos referem que os Venotrópicos são eficazes quando diminuem uma média de dois /três (2.5) sintomas/sinais:  os clínicos gerais esperam prioritariamente a diminuição da dor e peso, sintomas encontrados com maior frequência em doentes com insuficiência venosa, durante a sua prática quotidiana  os cirurgiões vasculares esperam uma diminuição do peso mas também dos edemas e da dor (recorde-se que o peso e as varicosidades/varizes eram sintomas observados com frequência por estes especialistas, nos doentes que sofrem de insuficiência venosa).  Nove (93%) em dez médicos consideram que os Venotrópicos melhoram de forma muito (27%) ou bastante (66%) importante a qualidade de vida dos doentes.

69 69 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  Nove (92%) em dez médicos prescrevem Venotrópicos com maior frequência a doentes que declaram trabalhar de pé, em situações de risco, sendo que:  94% dos clínicos gerais prescrevem nestas situações  83% dos cirurgiões vasculares prescrevem nestas situações  Sete (73%) em dez médicos referem que existe uma grande procura de Venotrópicos por parte dos seus doentes.  E deste médicos, cerca de nove (94%) em cada dez, consideram que essa procura reflecte uma realidade clínica de sofrimento.  Nove (92%) em dez médicos referem que os Venotrópicos são um elemento importante na relação médico/doente.

70 70 Venotrópicos TNS-Euroteste Conclusões  Oito (77%) em dez médicos são de opinião que a adesão à contenção venosa, por parte dos seus doente, não é grande:  85% (oito/nove em dez) dos clínicos gerais são desta opinião  43% (quatro em dez) dos cirurgiões vasculares são desta opinião  Nove (94%) em dez médicos acham muito (49%) ou bastante (45%) importante a comparticipação dos Venotrópicos por parte da Segurança Social.  Oito (79%) em dez médicos não consideram normal a hipótese do Governo deixar de comparticipar os Venotrópicos.

71 71 Venotrópicos TNS-Euroteste V. Quadros de Resultados: 1- Doentes 2- Médicos

72 72 Venotrópicos TNS-Euroteste 1- Doentes

73 73 Venotrópicos TNS-Euroteste 2- Médicos

74 74 Venotrópicos TNS-Euroteste VI. Teste de Qui-quadrado 1- Doentes 2- Médicos

75 75 Venotrópicos TNS-Euroteste 1- Doentes

76 76 Venotrópicos TNS-Euroteste 2- Médicos


Carregar ppt "1 Venotrópicos TNS-Euroteste Venotrópicos: Doentes e Médicos RELATÓRIO Janeiro de 2001 Job 10/1908-1909/09/IM/im Este estudo foi realizado pela TNS-Euroteste."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google