A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A ÉTICA NA PROFISSÃO por Isa Maria Freire Doutora em Ciência da Informação IBICT.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A ÉTICA NA PROFISSÃO por Isa Maria Freire Doutora em Ciência da Informação IBICT."— Transcrição da apresentação:

1 A ÉTICA NA PROFISSÃO por Isa Maria Freire Doutora em Ciência da Informação IBICT

2 A ÉTICA NA PROFISSÃO Ética como construção histórica –Na evolução humana –Na Grécia Antiga –Na Idade Média A dimensão ética na sociedade moderna –A competência ética

3 ética todo mundo sabe o que são "A ética é uma daquelas coisas que todo mundo sabe o que são, mas que não são fáceis de explicar, quando alguém pergunta. (VALLS, Álvaro L.M. O que é ética. 7a edição, Ed.Brasiliense, 1993)

4 ÉTICA [Do latim ethica do grego ethiké] Substantivo feminino juízos de apreciação referentes à conduta humana bem e do mal 1. Filos. Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo absoluto. Dicionário Aurélio eletrônico

5 Na Grécia Antiga (VII a III a.C.) possuía dois significados: a)formas de comportamento de um indivíduo b) modos pelos quais o ser humano se manifesta, se mostra ou exerce a sua identidade, a sua personalidade

6 Ética como construção histórica

7 CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995 Revolução tecnológica Final do século XX – Revolução tecnológica Século XVIII – Revolução Industrial Século XVII – Revolução Científica 5 mil anos atrás – Primeiras cidades Revolução agrícola 10 mil anos atrás – Revolução agrícola Origem dos humanos modernos na África 200 mil anos atrás – Origem dos humanos modernos na África Importantes avanços na manufatura Primeira utilização do fogo 500 mil anos atrás – Primeira utilização do fogo 2,1 a 4 milhões... – Homo erectus expande-se a partir da África Artefatos de pedra mais antigos conhecidos Origem da expansão do cérebro Entre 5 e 10 milhões de anos Entre 5 e 10 milhões de anos – Origem do bipedismo [África] CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

8

9

10

11

12 CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995 Revolução tecnológica Final do século XX – Revolução tecnológica Século XVIII – Revolução Industrial Século XVII – Revolução Científica 5 mil anos atrás – Primeiras cidades Revolução agrícola 10 mil anos atrás – Revolução agrícola Origem dos humanos modernos na África 200 mil anos atrás – Origem dos humanos modernos na África Importantes avanços na manufatura Primeira utilização do fogo 500 mil anos atrás – Primeira utilização do fogo 2,1 a 4 milhões... – Homo erectus expande-se a partir da África Artefatos de pedra mais antigos conhecidos Origem da expansão do cérebro Entre 5 e 10 milhões de anos Entre 5 e 10 milhões de anos – Origem do bipedismo [África] CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

13

14

15 CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995 Revolução tecnológica Final do século XX – Revolução tecnológica Século XVIII – Revolução Industrial Século XVII – Revolução Científica 5 mil anos atrás – Primeiras cidades Revolução agrícola 10 mil anos atrás – Revolução agrícola Origem dos humanos modernos na África 200 mil anos atrás – Origem dos humanos modernos na África Importantes avanços na manufatura Primeira utilização do fogo 500 mil anos atrás – Primeira utilização do fogo 2,1 a 4 milhões... – Homo erectus expande-se a partir da África Artefatos de pedra mais antigos conhecidos Origem da expansão do cérebro Entre 5 e 10 milhões de anos Entre 5 e 10 milhões de anos – Origem do bipedismo [África] CRONOLOGIA DA EVOLUÇÃO HUMANA LEAKEY, Richard. E. A origem da espécie humana. RJ:Rocco, 1995

16

17 Quando começou o humano? Afirmamos que nós, os seres humanos, existimos na linguagem, ou melhor, nas conversações... MATURANA, H.; REZEPKA, S.N. de. Formação humana e capacitação. Petrópolis: Ed. Vozes, 2001

18 conservação do amor como fundamento de nosso conviver Nós somos biologicamente diferentes dos chimpanzés... porque pertencemos a uma história de conservação do amor como fundamento de nosso conviver, ao passo que eles, não.

19 temos preocupações éticas O amor é nossa base Nós os seres humanos, nos preocupamos com os outros e temos preocupações éticas porque somos animais de linguagem e amorosos.... O amor é nossa base, a proximidade é nosso fundamento...

20 E COMO ISSO TORNOU-SE POSSÍVEL ?

21 TOMASELLO, M. Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. São Paulo: Martins Fontes, 2003 enigma básico 6 milhões de anos tempo muito curto do ponto de vista da evolução biológica O enigma básico é este: apenas 6 milhões de anos separam os seres humanos de outros grandes macacos. É um tempo muito curto do ponto de vista da evolução biológica...

22 Os seres humanos têm modos de transmissão cultural únicos da espécie. acumulam modificações ao longo do tempo As tradições e os artefatos culturais dos seres humanos acumulam modificações ao longo do tempo de uma maneira que não ocorre nas outras espécies animais.

23 evolução cultural cumulativa É a chamada evolução cultural cumulativa.

24 tempo histórico As transformações não ocorreram no tempo evolucionário mas no tempo histórico, em que muito pode acontecer em poucos milhares de anos.

25 mundo cultural Crescer num mundo cultural... serve para criar certas formas únicas de representação cognitiva.

26 habilidades de aprendizagem cultural símbolos lingüísticos Nesse processo, as crianças humanas usam suas habilidades de aprendizagem cultural para adquirir símbolos lingüísticos e outros símbolos comunicativos.

27 capacidade de adotar simultaneamente múltiplos pontos de vista sobre uma mesma situação perceptual À medida em que a criança vai dominando os símbolos lingüísticos de sua cultura, ela adquire a capacidade de adotar simultaneamente múltiplos pontos de vista sobre uma mesma situação perceptual.

28 As crianças aprendem sobre as situações da vida brincando

29 símbolos lingüísticos cognição humana situação perceptual imediata representações simultâneas situações perceptuais Os símbolos lingüísticos libertam a cognição humana da situação perceptual imediata sobretudo, por permitirem várias representações simultâneas de cada uma e de todas as situações perceptuais possíveis.

30 A capacidade de confabulação propiciada pela linguagem simbólica está no cerne da evolução cultural cumulativa

31 ÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA O período áureo do pensamento grego: 500 a 300 a.C.

32 ÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA Sócrates, Platão, Aristóteles: pesquisa sobre a natureza do bem moral

33 nada em excesso conhece-te a ti mesmo A reflexão grega procede do contexto religioso: nada em excesso e conhece-te a ti mesmo [Santuário do Oráculo de Delfos, do deus Apolo]. ÉTICA NA GRÉCIA ANTIGA

34 Sócrates Sócrates ( a.C.) O primeiro pensador da subjetividade maiêuticaO método da maiêutica: interrogando o interlocutor até que este chegue por si mesmo à verdade. parteiro de idéiasO parteiro de idéias.

35 Sua ética não se baseava nos costumes ou nas leis, mas na convicção pessoal, adquirida através de um processo de consulta ao seu demônio interior [daimónion] na tentativa de compreender a justiça das leis.

36 Sócrates Sócrates Primeiro pensador da subjetividade Condenado por seduzir a juventude, não honrar os deuses da cidade e desprezar as leis. as leis são justas? quem faz as leis? para que se faz?

37 Platão Platão : sistematizador das idéias de Sócrates

38 onde está o Sumo Bem Diálogos : partindo da idéia de felicidade, a questão é onde está o Sumo Bem? República : condenação à vida voltada exclusivamente para os prazeres Fédon : contando com a imortalidade da alma, espera a felicidade para depois da morte

39 Idéia do BemOs homens deveriam procurar nesta vida a contemplação das idéias [Idéia do Bem] Sumo BemO ideal buscado pelo homem virtuoso é a imitação ou assimilação de Deus: aderir ao divino [Sumo Bem] Platão Platão : sistematizador das idéias de Sócrates

40 Bem superiorA partir deste Bem superior, o homem deve procurar descobrir uma escala de bens que o ajudem a chegar ao absoluto sábiohomem virtuoso ordem harmonia equilíbrioO sábio é um homem virtuoso, que busca a vida virtuosa para estabelecer, em sua própria vida, a ordem, a harmonia e o equilíbrio.

41 prática da virtude imitação do cosmos Por isso a prática da virtude [areté] é a coisa mais preciosa para o homem é uma imitação do cosmos. aderir ao divino O ideal buscado pelo homem virtuoso é a imitação ou assimilação de Deus: aderir ao divino [Sumo Bem].

42 Aristóteles Aristóteles ( a.C.) Herdeiro do pensamento de Platão Pensador especulativo Profundo psicólogo Observador empírico

43 correlação entre o Ser e o Bem Partindo da correlação entre o Ser e o Bem, insiste sobre a variedade dos seres, e daí conclui que os bens [no plural] também devem variar. Para cada ser deve haver um bem Para cada ser deve haver um bem, conforme a natureza ou a essência do ser estará o respectivo bem, ou o que é bom para aquele ser.

44 homem Como ser complexo, o homem necessita não apenas do melhor dos bens mas de vários, de tipos diferentes, como amizade, saúde e até riqueza.

45 Quais os melhores? A virtude, a força, o poder, a riqueza, a beleza, os prazeres? bem do seu ser viversentirrazão viver de acordo com a razão O argumento é que o homem tem o bem do seu ser no viver, no sentir e na razão: ele não pode apenas viver mas precisa viver de acordo com a razão.

46 vontade humana deliberaçãoesforço em busca de bons hábitos Aristóteles valoriza, mais do que Platão, a vontade humana, a deliberação e o esforço em busca de bons hábitos. virtudes intelectuais Para ele, o homem precisa converter suas melhores disposições naturais em hábitos, de acordo com a razão: virtudes intelectuais.

47 auto-educação esforço voluntário virtude provém da liberdade Esta auto-educação supõe um esforço voluntário, de modo que a virtude provém da liberdade, que delibera e elege inteligentemente. Virtude razão livre Virtude é uma espécie de segunda natureza, adquirida pela razão livre.

48 ÉTICA NA IDADE MÉDIA Os valores éticos são condicionados pela religião cristã, especificamente o Catolicismo.

49 Santo Agostinho de Hipona São Tomas de Aquino Entre a fé e a razão

50 Agostinho (séc. IV) foi importante para o batismo do pensamento grego e sua entrada na tradição cristã e posteriormente na tradição intelectual européia.

51 fé e razão, unidas em sua orientação comum rumo a Deus A partir de Tomaz de Aquino (séc. XIII) a Igreja tem uma teologia (fundada na revelação) e uma filosofia (baseada no exercício da razão humana) que se fundem numa síntese definitiva: fé e razão, unidas em sua orientação comum rumo a Deus.

52 Sendo a Idade Média européia o período cristão do Ocidente, o pensamento ético que conhecemos está totalmente ligado à religião, à interpretação da Bíblia e à teologia.

53 Surge a Ética do Amor ao Próximo Ênfase à revelação dos livros sagrados. O Pai, o Filho e o Espírito Santo determinam as normas de conduta. Surge a Ética do Amor ao Próximo. ÉTICA NA IDADE MÉDIA

54 ética laica estrutura transcendental da subjetividade humana Síntese entre o pensamento ético-filosófico e a doutrina da Revelação Cristã: a busca de uma ética laica, racional, baseada numa lei natural ou numa estrutura transcendental da subjetividade humana, comum a todos os homens.

55 Para os gregos: a busca teórica e prática da idéia do Bem [Platão] ou na felicidade, entendida como uma vida virtuosa [Aristóteles]. espíritoamor fraternidade No cristianismo, esses ideais se identificaram com os ideais religiosos: espírito, amor, fraternidade. OS IDEAIS ÉTICOS

56 liberdadeigualdade fraternidade Com o Renascimento e o Iluminismo, o ideal seria viver de acordo com a própria liberdade pessoal, ou, em termos coletivos: liberdade, igualdade, fraternidade.

57 ideal da autonomia individual Kant (século XVIII) pensador da burguesia, identificou o ideal ético com o ideal da autonomia individual ÉTICA NA IDADE MODERNA Aja sempre de tal modo que a máxima de sua ação possa sempre valer como princípio universal de conduta.

58 ideal ético vida livre dentro de um estado livre consciência moral leis do estado nem separadas nem em contradição Para Hegel, o ideal ético estava numa vida livre dentro de um estado livre, preservando o direito e cobrando deveres, onde a consciência moral e as leis do estado não estivessem nem separadas nem em contradição.

59 ideal ético Assim, o pensamento social e dialético buscou como ideal ético uma vida social com a superação das injustiças econômicas. construção de um mundo mais humano A ética se volta para as relações sociais, esquece o céu e se preocupa com a terra, procurando apressar a construção de um mundo mais humano.

60 A DIMENSÃO ÉTICA NA SOCIEDADE MODERNA Não é a consciência dos homens que determina o seu ser, mas, ao contrário, é o seu ser social que determina sua consciência."

61 ao tentar transformar a natureza, o homem também se transforma A ação humana se define como trabalho, como técnica: ao tentar transformar a natureza, o homem também se transforma; ao trabalhar, se faz trabalhador, se produz.

62 técnica prática ideais de comunicação Habermas (século XX) e as duas dimensões do agir humano: técnica [trabalho produtivo] e prática [ética, no sentido grego], representada pelo amor e por ideais de comunicação. ação comunicativa A ação comunicativa supõe o entendimento entre os indivíduos sociabilidade, espontaneidade, solidariedade, cooperação. A DIMENSÃO ÉTICA NA SOCIEDADE MODERNA

63 sujeito livre saber-fazer ético A reflexão ético-social do século XX trouxe uma massificação que desafia o sujeito livre ao saber-fazer ético.

64 competência ética, É nesse contexto que VARELA propõe sua visão de uma competência ética, ao mesmo tempo pessoal e social, individual e coletiva, biológica e cultural.

65 FRANCISCO VARELA Sobre a competência ética Lisboa: Ed. 70, 1995

66 autopoiético A tese fundamental de Varela baseia-se na visão do observador como sistema vivo, autopoiético (isto é, auto-organizador)...

67 resposta à pressão do devir biológico da espécie integrado num contexto histórico e social o qual, por sua vez, deve-se olhar como resposta à pressão do devir biológico da espécie, no seu longo esforço de adaptação ao ambiente.

68 cérebro evolução biológicadiálogo com o meio ambiente configuração neuronal sistema auto-referente autônomodeterminista relativista Sendo o nosso cérebro o resultado da evolução biológica, existe um diálogo com o meio ambiente, com a conseqüente configuração neuronal, constituindo um sistema auto-referente, autônomo, determinista e relativista...

69 domínios de descrições quadros de referência gerando múltiplas narrativas, sucessivos domínios de descrições ou quadros de referência, mediados pela linguagem e alimentados pela interação social.

70

71

72 Os termos da questão como fazer o que fazer habilidade de confronto (ou respostaimediatoa conhecimento intencional juízo racional Diferença entre know-how [como fazer] e know-what [o que fazer], uma diferença entre habilidade de confronto (ou resposta) imediato(a) e conhecimento intencional (ou juízo racional).

73 saber- fazer éticoQual o melhor modo de compreender o saber- fazer ético? saberComo este saber se desenvolve e progride nos seres humanos?

74 compreensão da habilidade de confronto resposta imediatoa Por um lado, é necessário constatar que tem sido dada a pouca atenção à compreensão da habilidade de confronto ou resposta imediato(a) nas ciências que estudam a mente e o conhecimento.

75 unidades apropriadas de conhecimento concretas corporificadasvividas Por outro lado, um ponto de vista emergente nas ciências cognitivas reside na convicção de que as unidades apropriadas de conhecimento são, antes de mais nada, concretas, corporificadas, vividas.

76 alguma coisa em que temos parte movemostocamos respiramoscomemos Pois o mundo não é algo que nos é dado, mas é alguma coisa em que temos parte graças ao modo como nos movemos, tocamos, respiramos e comemos.

77 cognição ações corporizadas Assim, a cognição não é formada por representações, mas por ações corporizadas. habilidade de confronto ou respostaimediatoa saber intencional E a habilidade de confronto (ou resposta) imediato(a) se coloca em contraposição ao saber intencional.

78 está centrada na habilidade de confronto ou resposta imediatoa Pois a maior parte da nossa vida mental e ativa está centrada na habilidade de confronto (ou resposta) imediato(a), que é transparente e adquirida ao longo da história.

79 saber intencional Devemos nos dar conta de que passamos só uma pequena parte da nossa vida na análise deliberada, explícita, que é peculiar ao saber intencional.

80 trabalhar mover-sefalarcomer saber-fazer Uma enorme parte da nossa vida trabalhar, mover-se, falar, comer se manifesta como saber-fazer.

81 saber-fazertrabalhar, mover-se, falar, comer responder às necessidades dos outros autêntico cuidar de si Na lista precedente do saber-fazer [trabalhar, mover-se, falar, comer] podemos acrescentar: responder às necessidades dos outros, definida como o autêntico cuidar de si.

82 autêntico cuidar de si verdadeiro fundamento do Ser prática ética Assim, concluímos, com Varela, que o autêntico cuidar de si representa o verdadeiro fundamento do Ser, e pode se tornar plenamente manifesto através de uma bem sucedida prática ética.

83 reencantamento da sabedoria ação não- intencional Esta é uma proposta para um reencantamento da sabedoria, entendida como ação não- intencional.

84 saber viver prática transformadora natureza virtual Este saber viver baseia-se numa prática transformadora, a qual nada mais requer do que uma consciência, momento a momento, da natureza virtual de nós próprios.

85 autêntico cuidar de si No seu desabrochar, representa uma abertura mental entendida como autêntico cuidar de si.

86 competência da ética prática transformadora Assim, o ponto central na competência da ética consiste no reconhecimento da exigência, na vida humana, de uma prática transformadora

87 ação espécie humana como gregária solidária consciente que pode colocar em ação a afirmação científica da espécie humana como gregária, solidária e consciente.

88 Deficiências Deficiências [Mário Quintana] Deficiente é aquele que não consegue modificar sua vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.Louco é quem não procura ser feliz com o que possui.

89 Paralítico é quem não consegue andar na direção daqueles que precisam de sua ajuda. Diabético é quem não consegue ser doce. E finalmente, a pior das deficiências é ser miserável, pois Miseráveis são todos que não conseguem falar com Deus.

90 Grata pela atenção!


Carregar ppt "A ÉTICA NA PROFISSÃO por Isa Maria Freire Doutora em Ciência da Informação IBICT."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google