A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Comitê Transfusional HCUFPR -2013 REAÇÕES TRANSFUSIONAIS HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - COMITÊ TRANSFUSIONAL MS ENF LEOMAR ALBINI-

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Comitê Transfusional HCUFPR -2013 REAÇÕES TRANSFUSIONAIS HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - COMITÊ TRANSFUSIONAL MS ENF LEOMAR ALBINI-"— Transcrição da apresentação:

1 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÕES TRANSFUSIONAIS HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - COMITÊ TRANSFUSIONAL MS ENF LEOMAR ALBINI- HCUFPR 1COMITÊ TRANSFUSIONAL

2 RISCOS TRANSFUSIONAIS

3 RISCO RESIDUAL DE TRANSMISSÃO DE VÍRUS POR TRANSFUSÃO HBV1 em transfusões HTLV I/II1 em transfusões HIV1 em transfusões HCV1 em transfusões RISCO DE UMA TRANSFUSÃO ABO INCOMPATÍVEL* 1 caso em 38 a transfusões 6% destas são fatais

4 TRANSFUSÕES X REAÇÕES ANO ANO 2011 NÚMERO DE TRANSFUSÕES NÚMERO DE REAÇÕES ANO 2010 NÚMERO DE TRANSFUSÕES NÚMERO DE REAÇÕES 93 93

5 REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Todas as condições exigidas são satisfeitas 5 a 6% de complicações transfusionais Todas as condições exigidas são satisfeitas 5 a 6% de complicações transfusionais Desde reações leves, até aquelas severas podendo levar à ÓBITO Desde reações leves, até aquelas severas podendo levar à ÓBITO A freqüência de reações é inversamente proporcional aos cuidados na obtenção e preparação de hemocomponentes, A freqüência de reações é inversamente proporcional aos cuidados na obtenção e preparação de hemocomponentes, somado ao acompanhamento do ato transfusional

6 INCIDENTES TRANSFUSIONAIS Incidentes transfusionais são uma realidade em todos os locais que realizam transfusão sangüínea. Freqüência de reações transfusionais adversas: 0,5 a 3,0 % das transfusões realizadas (Linden JV e Bianco C, 2001). Incidentes Transfusionais: Imediatos Imediatos (> 90%) e Tardios Tardios (< 10%).

7 CAUSAS DE REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Uso de equipamentos inadequados ou descalibrados Uso de insumos inadequados Processos de trabalho equivocados Erros de identificação Fatores intrínsecos do receptor

8 REAÇÕES TRANSFUSIONAIS O principal responsável pelas reações de maior gravidade, ainda é o fator humano (identificação, coleta de amostras para tipagem, administração).

9 SINTOMAS MAIS FREQÜENTES DAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Qualquer sintoma durante ou logo após à administração de um hemocomponente ou hemoderivado deve ser considerado como reação transfusional até que se prove o contrário Qualquer sintoma durante ou logo após à administração de um hemocomponente ou hemoderivado deve ser considerado como reação transfusional até que se prove o contrário

10 ADMINISTRAÇÃO Sinais e Sintomas MENORES MENORES - Febre- Náuseas - Hipertensão- Calafrios - Hipotensão - Urticária - Dor lombar- Vômitos - Taquicardia MAIORES - Dispnéia - Urina escura =Hemoglobinúria - Dispnéia - Urina escura =Hemoglobinúria - Icterícia- Oligúria ou anúria = Ins. renal aguda - Choque- Sangramento generalizado = CIVD - Cianose- Edema agudo de pulmão

11 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Transfusão : evento irreversível. Transfusão : evento irreversível. Qualquer evento desfavorável que o paciente sofra em decorrência da transfusão, durante ou após a sua administração. Qualquer evento desfavorável que o paciente sofra em decorrência da transfusão, durante ou após a sua administração. Imunes/ não imunes Imunes/ não imunes Agudas/ tardias ou crônicas Agudas/ tardias ou crônicas 11COMITÊ TRANSFUSIONAL

12 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÕES TRANSFUSIONAIS REAÇÃO TRANSFUSIONAL IMEDIATATARDIA IMUNOLÓGICA Febril não-hemolítica HemolíticaAlérgicaTRALIAloimuneHemolíticaDECH NÃO-IMUNOLÓGICAHemolíticaSépticaCirculatóriaMetabólicaEmbólicaHipotermiaInfecciosaBacterianaViralParasitária Sobrecarga de ferro 12COMITÊ TRANSFUSIONAL

13 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Produto utilizado / Tipo do receptor Produto utilizado / Tipo do receptor Ex: 1 a 2 % das transfusões CH - Reação Febril Não Hemolítica (RFNH) Ex: 1 a 2 % das transfusões CH - Reação Febril Não Hemolítica (RFNH) 38% das transfusões plaquetas randômicas sem leucodepleção – RFNH 38% das transfusões plaquetas randômicas sem leucodepleção – RFNH Diagnóstico preciso de uma reação – Estratégia adequada para prevenção de novos episódios Diagnóstico preciso de uma reação – Estratégia adequada para prevenção de novos episódios 13COMITÊ TRANSFUSIONAL

14 Comitê Transfusional HCUFPR SINTOMAS MAIS FREQÜENTES DAS REAÇÕES TRANSFUSIONAIS Qualquer sintoma durante ou logo após à administração de um hemocomponente ou hemoderivado deve ser considerado como reação transfusional até que se prove o contrário Qualquer sintoma durante ou logo após à administração de um hemocomponente ou hemoderivado deve ser considerado como reação transfusional até que se prove o contrário 14COMITÊ TRANSFUSIONAL

15 Comitê Transfusional HCUFPR CONDUTA CLÍNICA Suspender imediatamente a transfusão – MANTER A CALMA Suspender imediatamente a transfusão – MANTER A CALMA Comunicar o médico Comunicar o médico Retirar o equipo de transfusão, mantê-lo estéril com a bolsa intacta, não jogar no lixo Retirar o equipo de transfusão, mantê-lo estéril com a bolsa intacta, não jogar no lixo Manter acesso venoso com soro fisiológico Manter acesso venoso com soro fisiológico Verificar novamente os sinais vitais Verificar novamente os sinais vitais Verificar todos os registros, formulários e identificação do receptor Verificar todos os registros, formulários e identificação do receptor 15COMITÊ TRANSFUSIONAL

16 Comitê Transfusional HCUFPR Avaliar com o médico se ocorreu reação Avaliar com o médico se necessário uma conduta de emergência como nos casos de reação hemolítica, TRALI, anafilaxia e septicemia associada à transfusão Avaliar com o médico se necessário uma conduta de emergência como nos casos de reação hemolítica, TRALI, anafilaxia e septicemia associada à transfusão 16COMITÊ TRANSFUSIONAL

17 Comitê Transfusional HCUFPR Avaliar com o médico a conduta a ser realizada naquela reação Em todos os casos de reação transfusional, exceto urticária e sobrecarga de volume, coletar amostra pós transfusional de sangue do paciente: Em todos os casos de reação transfusional, exceto urticária e sobrecarga de volume, coletar amostra pós transfusional de sangue do paciente: - um tubo para o banco de sangue - também hemocultura se o paciente estiver com febre e/ou calafrios e/ou tremores e/ou dispnéia/hipotensão 17COMITÊ TRANSFUSIONAL

18 Comitê Transfusional HCUFPR Preencher a FICHA DE NOTIFICAÇÃO TRANSFUSIONAL e enviar ao Banco de Sangue juntamente com a amostra do paciente e com a bolsa e o equipo de transfusão intactos. Preencher a FICHA DE NOTIFICAÇÃO TRANSFUSIONAL e enviar ao Banco de Sangue juntamente com a amostra do paciente e com a bolsa e o equipo de transfusão intactos. Se só urticária ou sobrecarga de volume enviar somente a ficha de notificação transfusional preenchida Se só urticária ou sobrecarga de volume enviar somente a ficha de notificação transfusional preenchida 18COMITÊ TRANSFUSIONAL

19 Comitê Transfusional HCUFPR Enviar ao laboratório central a Enviar ao laboratório central a amostra de hemocultura do paciente amostra de hemocultura do paciente Avaliar a próxima urina do paciente, em alguns casos uma amostra da urina pode ser necessária Avaliar a próxima urina do paciente, em alguns casos uma amostra da urina pode ser necessária 19COMITÊ TRANSFUSIONAL

20 Comitê Transfusional HCUFPR TIPOS DE REAÇÕES TRANSFUSIONAIS 20COMITÊ TRANSFUSIONAL

21 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÃO HEMOLÍTICA AGUDA A mais temida A mais temida Freqüência: 1/ Freqüência: 1/ Hemocomponente envolvido: concentrado de hemácias Hemocomponente envolvido: concentrado de hemácias 21COMITÊ TRANSFUSIONAL

22 Comitê Transfusional HCUFPR QUADRO CLÍNICO: Inicialmente mau estar, ansiedade e angústia respiratória Inicialmente mau estar, ansiedade e angústia respiratória Febre, tremores, calafrios, náuseas, vômitos, dores, cianose labial/extremidades, dispnéia, hipotensão, taquicardia, urina escura podendo evoluir para falência renal, coagulação intravascular disseminada e até óbito Febre, tremores, calafrios, náuseas, vômitos, dores, cianose labial/extremidades, dispnéia, hipotensão, taquicardia, urina escura podendo evoluir para falência renal, coagulação intravascular disseminada e até óbito 22COMITÊ TRANSFUSIONAL

23 Comitê Transfusional HCUFPR A gravidade depende da quantidade de sangue incompatível transfundido A gravidade depende da quantidade de sangue incompatível transfundido REAÇÃO HEMOLÍTICA AGUDA 23COMITÊ TRANSFUSIONAL

24 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÃO HEMOLÍTICA AGUDA Mais comum no paciente O que recebe sangue A Mais comum no paciente O que recebe sangue A Sequela principal é a insuficiência renal pela isquemia e necrose tubular Sequela principal é a insuficiência renal pela isquemia e necrose tubular 24COMITÊ TRANSFUSIONAL

25 Comitê Transfusional HCUFPR TRATAMENTO DA REAÇÃO HEMOLÍTICA AGUDA O médico deverá solicitar exames complementares de hemólise e coagulação O médico deverá solicitar exames complementares de hemólise e coagulação Enviar amostras e ficha de reação transfusional Verificar erro de tipagem do paciente e da bolsa, troca de amostras do paciente e bolsas, troca de unidades de sangue e troca de etiquetas 25COMITÊ TRANSFUSIONAL

26 Comitê Transfusional HCUFPR Hidratação vigorosa Hidratação vigorosa Monitorização da diurese Monitorização da diurese Diuréticos Diuréticos TRATAMENTO DA REAÇÃO HEMOLÍTICA AGUDA 26COMITÊ TRANSFUSIONAL

27 TRATAMENTO DA REAÇÃO HEMOLÍTICA AGUDA Observação: respeitar o intervalo de 30 minutos, quando não é uma situação emergencial, entre a transfusão de uma unidade de hemácias e outra para ajudar na diferenciação do tipo da reação transfusional Observação: respeitar o intervalo de 30 minutos, quando não é uma situação emergencial, entre a transfusão de uma unidade de hemácias e outra para ajudar na diferenciação do tipo da reação transfusional Comitê Transfusional HCUFPR COMITÊ TRANSFUSIONAL

28 Comitê Transfusional HCUFPR PREVENÇÃO DA REAÇÃO HEMOLÍTICA AGUDA Checar nome do paciente, Tipagem sangüínea na etiqueta da bolsa Checar nome do paciente, Tipagem sangüínea na etiqueta da bolsa Checar nome no prontuário no paciente (inconsciente) Checar nome no prontuário no paciente (inconsciente) Perguntar nome e tipo sangüíneo ao paciente Perguntar nome e tipo sangüíneo ao paciente Confrontar dados com o prontuário e etiqueta da bolsa Confrontar dados com o prontuário e etiqueta da bolsa Qualquer discrepância devolver a bolsa com nova amostra do paciente Qualquer discrepância devolver a bolsa com nova amostra do paciente Cuidar com pacientes com o mesmo nome ou nomes semelhantes Cuidar com pacientes com o mesmo nome ou nomes semelhantes 28COMITÊ TRANSFUSIONAL

29 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÃO FEBRIL NÃO HEMOLÍTICA Elevação de temperatura acima ou igual a 1ºC associada à transfusão sem outra explicação Elevação de temperatura acima ou igual a 1ºC associada à transfusão sem outra explicação Febre Febre Calafrios Calafrios Tremores Tremores Sintomas gerais em idosos e crianças Sintomas gerais em idosos e crianças 29COMITÊ TRANSFUSIONAL

30 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÃO FEBRIL NÃO HEMOLÍTICA TRATAMENTO: Coletar amostra pós transfusional para o banco de sangue e hemocultura do paciente, enviar a bolsa com equipo cuidando com a contaminação Coletar amostra pós transfusional para o banco de sangue e hemocultura do paciente, enviar a bolsa com equipo cuidando com a contaminação Paracetamol, Dipirona Paracetamol, Dipirona Meperidina Meperidina 30COMITÊ TRANSFUSIONAL

31 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÃO FEBRIL NÃO HEMOLÍTICA A RFNH é um diagnóstico de exclusão, afastar processos infecciosos, contaminação bacteriana, TRALI, reação hemolítica aguda A RFNH é um diagnóstico de exclusão, afastar processos infecciosos, contaminação bacteriana, TRALI, reação hemolítica aguda 31COMITÊ TRANSFUSIONAL

32 Comitê Transfusional HCUFPR REAÇÃO URTICARIFORME (ALÉRGICA LEVE) Reação transfusional imediata caracterizada por lesões urticariformes e hipersensibilidade cutânea Reação transfusional imediata caracterizada por lesões urticariformes e hipersensibilidade cutânea Desencadeada por exposição a substâncias solúveis no plasma do doador ao qual o receptor está sensibilizado Desencadeada por exposição a substâncias solúveis no plasma do doador ao qual o receptor está sensibilizado Freqüência de 1 a 3 % das transfusões Freqüência de 1 a 3 % das transfusões 32COMITÊ TRANSFUSIONAL

33 Comitê Transfusional HCUFPR Prurido, eritema, pápulas e/ou máculas, raramente evoluem para Anafilaxia Prurido, eritema, pápulas e/ou máculas, raramente evoluem para Anafilaxia SINAIS DE ALERTA: rouquidão, dispnéia, ansiedade, SINAIS DE ALERTA: rouquidão, dispnéia, ansiedade, cianose, tosse, dor torácica cianose, tosse, dor torácica Dor abdominal, náuseas, vômitos e diarréia podem ocorrer. Dor abdominal, náuseas, vômitos e diarréia podem ocorrer. Não ocorre febre. Não ocorre febre. As urticárias podem desaparecer em até 8 horas As urticárias podem desaparecer em até 8 horas REAÇÃO URTICARIFORME (ALÉRGICA LEVE) 33COMITÊ TRANSFUSIONAL

34 Comitê Transfusional HCUFPR COMITÊ TRANSFUSIONAL

35 Comitê Transfusional HCUFPR Não é raro ocorrer na mesma ocasião transfusional 2 reações, o mais comum é RFNH com RAL Não é raro ocorrer na mesma ocasião transfusional 2 reações, o mais comum é RFNH com RAL Indivíduos propensos a alergias de outras etiologias são mais suceptíveis Indivíduos propensos a alergias de outras etiologias são mais suceptíveis REAÇÃO URTICARIFORME (ALÉRGICA LEVE) 35COMITÊ TRANSFUSIONAL

36 Comitê Transfusional HCUFPR TRATAMENTO DA RAL Suspender a transfusão definitivamente ou temporariamente Suspender a transfusão definitivamente ou temporariamente Difenidramina Difenidramina Na urticária mais generalizada - Hidrocortisona 100mg EV Na urticária mais generalizada - Hidrocortisona 100mg EV Acometimento de trato respiratório alto: intubação orotraqueal e utilização de epinefrina Acometimento de trato respiratório alto: intubação orotraqueal e utilização de epinefrina 36COMITÊ TRANSFUSIONAL

37 Comitê Transfusional HCUFPR PREVENÇÃO DA RAL Se 2 ou mais reações - pré-medicação com difenidramina 25-50mg EV 30 minutos antes da transfusão Se 2 ou mais reações - pré-medicação com difenidramina 25-50mg EV 30 minutos antes da transfusão Naqueles com reações muito freqüentes mesmo com o uso de pré- medicação hemocomponentes lavados podem ser considerados Naqueles com reações muito freqüentes mesmo com o uso de pré- medicação hemocomponentes lavados podem ser considerados 37COMITÊ TRANSFUSIONAL

38 Comitê Transfusional HCUFPR QUADRO CLÍNICO DA RAM E RAG Prurido, urticária, eritema, angioedema, dispnéia, estridor, ansiedade, cianose, obstrução aérea superior ou inferior, hipotensão, perda da consciência, choque, alterações cardíacas, náuseas, vômitos, diarréia Prurido, urticária, eritema, angioedema, dispnéia, estridor, ansiedade, cianose, obstrução aérea superior ou inferior, hipotensão, perda da consciência, choque, alterações cardíacas, náuseas, vômitos, diarréia NÃO CURSA COM FEBRE NÃO CURSA COM FEBRE 38COMITÊ TRANSFUSIONAL

39 Comitê Transfusional HCUFPR TRATAMENTO DA REAÇÃO ALÉRGICA MODERADA/ GRAVE Interromper imediatamente a transfusão e manter acesso venoso, chamar médico Interromper imediatamente a transfusão e manter acesso venoso, chamar médico Oxigênio, intubação orotraqueal, monitorização hemodinâmica, avaliação do intensivista (UTI) Oxigênio, intubação orotraqueal, monitorização hemodinâmica, avaliação do intensivista (UTI) Enviar a amostra pós-transfusional, ficha de notificação, assim como a bolsa e os equipos (evitar a contaminação destes) Enviar a amostra pós-transfusional, ficha de notificação, assim como a bolsa e os equipos (evitar a contaminação destes) 39COMITÊ TRANSFUSIONAL

40 Comitê Transfusional HCUFPR TRATAMENTO DA REAÇÃO ALÉRGICA MODERADA/ GRAVE Adrenalina Adrenalina Difenidramina Difenidramina Hidrocortisona Hidrocortisona 40COMITÊ TRANSFUSIONAL

41 Comitê Transfusional HCUFPR PREVENÇÃO DAS REAÇÕES ALÉRGICAS MODERADAS/ GRAVES Verificar por exame laboratorial a presença de anti IgA Verificar por exame laboratorial a presença de anti IgA Pré-medicação: difenidramina 25 a 50mg EV 30 minutos antes das transfusões Pré-medicação: difenidramina 25 a 50mg EV 30 minutos antes das transfusões Transfusão de hemocomponentes lavados com 2 litros de solução salina em 6 ciclos Transfusão de hemocomponentes lavados com 2 litros de solução salina em 6 ciclos 41COMITÊ TRANSFUSIONAL

42 Comitê Transfusional HCUFPR CUIDADO – RISCO DE ANAFILAXIA Pacientes com história de reação anafilática devem ser transfundidos em locais com atendimento e suporte de emergência imediatamente acessíveis Pacientes com história de reação anafilática devem ser transfundidos em locais com atendimento e suporte de emergência imediatamente acessíveis 42COMITÊ TRANSFUSIONAL

43 Comitê Transfusional HCUFPR TRALI – LESÃO PULMONAR AGUDA RELACIONADA À TRANSFUSÃO Lesão pulmonar aguda relacionada à transfusão ou edema pulmonar agudo não cardiogênico Lesão pulmonar aguda relacionada à transfusão ou edema pulmonar agudo não cardiogênico 43COMITÊ TRANSFUSIONAL

44 Comitê Transfusional HCUFPR QUADRO CLÍNICO Dispnéia, hipoxemia e taquicardia, pode evoluir com febre alta, hipotensão calafrios e cianose Dispnéia, hipoxemia e taquicardia, pode evoluir com febre alta, hipotensão calafrios e cianose Ausculta pulmonar pobre Ausculta pulmonar pobre RX com infiltrado intenso lembrando SARA RX com infiltrado intenso lembrando SARA 44COMITÊ TRANSFUSIONAL

45 Comitê Transfusional HCUFPR -2007

46 Necessidade de suporte de oxigênio em média de 40 horas (2 a 4 dias) Necessidade de suporte de oxigênio em média de 40 horas (2 a 4 dias) 72% necessita de ventilação mecânica 72% necessita de ventilação mecânica Diagnóstico é clínico Diagnóstico é clínico Identificação dos anticorpos do doador ou receptor Identificação dos anticorpos do doador ou receptor Diferenciar com RFNH, RHA, sobrecarga de volume, anafilaxia, embolia, hemorragia pulmonar Diferenciar com RFNH, RHA, sobrecarga de volume, anafilaxia, embolia, hemorragia pulmonar TRALI – LESÃO PULMONAR AGUDA RELACIONADA À TRANSFUSÃO

47 Comitê Transfusional HCUFPR TRATAMENTO DO TRALI Corticoídes Corticoídes Solicitação da avaliação especializada do médico intensivista Solicitação da avaliação especializada do médico intensivista Não usar diuréticos ( diminui o débito cardíaco e agrava a hipotensão) Não usar diuréticos ( diminui o débito cardíaco e agrava a hipotensão) PREVENÇÃO: PREVENÇÃO: Identificação do anticorpo do doador Identificação do anticorpo do doador Identificação do anticorpo do receptor Identificação do anticorpo do receptor leucodepleção leucodepleção

48 Comitê Transfusional HCUFPR SOBRECARGA CIRCULATÓRIA A infusão rápida de volume não é bem tolerada em pacientes com comprometimento cardíaco ou pulmonar e naqueles portadores de anemias crônica com volume plasmático aumentado, pois pode causar sobrecarga volêmica 48COMITÊ TRANSFUSIONAL

49 Comitê Transfusional HCUFPR QUADRO CLÍNICO Dispnéia, cianose, taquicardia, hipertensão arterial, edema pulmonar Dispnéia, cianose, taquicardia, hipertensão arterial, edema pulmonar Suspender a infusão Suspender a infusão Colocar o paciente sentado Colocar o paciente sentado Diurético e oxigênio Diurético e oxigênio 49COMITÊ TRANSFUSIONAL

50 Comitê Transfusional HCUFPR PREVENÇÃO Transfusão lenta e nos pacientes de maior risco, se necessário aliquotar as bolsas Transfusão lenta e nos pacientes de maior risco, se necessário aliquotar as bolsas Administração de diuréticos antes, durante e depois Administração de diuréticos antes, durante e depois 50COMITÊ TRANSFUSIONAL

51 Comitê Transfusional HCUFPR Sintomas: febre, calafrios, náuseas, vômitos, dispnéia, diarréia, choque, oligúria, CIVD, podendo levar a óbito Sintomas: febre, calafrios, náuseas, vômitos, dispnéia, diarréia, choque, oligúria, CIVD, podendo levar a óbito Tratamento: Tratamento: -Antibioticoterapia de largo espectro - Cuidados de terapia intensiva SEPSE ASSOCIADA À TRANSFUSÃO 51COMITÊ TRANSFUSIONAL

52 Comitê Transfusional HCUFPR HEMÓLISE NÃO-IMUNE Hiperaquecimento Hiperaquecimento Transporte e armazenamento inadequados Transporte e armazenamento inadequados Aquecedores desregulados, microondas, banhos-maria malregulados, congelamento inadvertido Aquecedores desregulados, microondas, banhos-maria malregulados, congelamento inadvertido Agulhas de fino calibre, circulação extracorpórea, bombas de infusão rápida Agulhas de fino calibre, circulação extracorpórea, bombas de infusão rápida Hemólise osmótica pela adição de drogas ou soluções hipotônicas Hemólise osmótica pela adição de drogas ou soluções hipotônicas Contaminação bacteriana Contaminação bacteriana 52COMITÊ TRANSFUSIONAL

53 Comitê Transfusional HCUFPR EMBOLIA AÉREA Pode ocorrer quando o sangue em sistema aberto é infundido sob pressão ou quando ar entra na bolsa na troca de componentes Pode ocorrer quando o sangue em sistema aberto é infundido sob pressão ou quando ar entra na bolsa na troca de componentes Sintomas: tosse dispnéia, dor torácica e choque Sintomas: tosse dispnéia, dor torácica e choque 53COMITÊ TRANSFUSIONAL

54 Comitê Transfusional HCUFPR DOR AGUDA REALCIONADA À TRANSFUSÃO Etiologia ainda desconhecida Etiologia ainda desconhecida Dor aguda de curta duração, região lombar, torácica e membros superiores Dor aguda de curta duração, região lombar, torácica e membros superiores Utilização de analgésicos e se não houver melhora, utilizar narcóticos Utilização de analgésicos e se não houver melhora, utilizar narcóticos Não há métodos de prevenção Não há métodos de prevenção 54COMITÊ TRANSFUSIONAL

55 Comitê Transfusional HCUFPR CONSEQUÊNCIAS TARDIAS DA TRANSFUSÃO ALOIMUNIZAÇÃO ERITROCITÁRIA ALOIMUNIZAÇÃO ERITROCITÁRIA ALOIMUNIZAÇÃO HLA ALOIMUNIZAÇÃO HLA REAÇÃO ENXERTO VERSUS HOSPEDEIRO RELACIONADA À TRANSFUSÃO REAÇÃO ENXERTO VERSUS HOSPEDEIRO RELACIONADA À TRANSFUSÃO REAÇÃO HEMOLÍTICA TARDIA REAÇÃO HEMOLÍTICA TARDIA SÍNDROME DE HIPEREMÓLISE SÍNDROME DE HIPEREMÓLISE 55COMITÊ TRANSFUSIONAL

56 Comitê Transfusional HCUFPR CONSEQUÊNCIAS TARDIAS DA TRASNFUSÃO PÚRPURA PÓS-TRANSFUSIONAL IMUNOMODULAÇÃO PÚRPURA PÓS-TRANSFUSIONAL IMUNOMODULAÇÃO SOBRECARGA DE FERRO SOBRECARGA DE FERRO DOENÇAS INFECCIOSAS DOENÇAS INFECCIOSAS 56COMITÊ TRANSFUSIONAL

57 Comitê Transfusional HCUFPR COMITÊ TRANSFUSIONAL

58 Comitê Transfusional HCUFPR COMITÊ TRANSFUSIONAL

59 Comitê Transfusional HCUFPR CONTATOS Comitê Transfusional do HC-UFPR Telefone Biobanco Leomar Albini - Enfermeira Comitê Transfusional HC-UFPR 59COMITÊ TRANSFUSIONAL

60 Comitê Transfusional HCUFPR OBRIGADO!!! 60COMITÊ TRANSFUSIONAL


Carregar ppt "Comitê Transfusional HCUFPR -2013 REAÇÕES TRANSFUSIONAIS HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - COMITÊ TRANSFUSIONAL MS ENF LEOMAR ALBINI-"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google