A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIJUÍ – UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIREITO – 1º/2008. CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO. POFESSOR DEJALMA.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIJUÍ – UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIREITO – 1º/2008. CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO. POFESSOR DEJALMA."— Transcrição da apresentação:

1 UNIJUÍ – UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIREITO – 1º/2008. CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO. POFESSOR DEJALMA CREMONESE Naiara Braatz Garcez 31 de março de 2008.

2 Idade Média

3 A Idade Média ou Idade Medieval foi um período intermédio numa divisão esquemática da História da Europa em quatro "eras": a Idade Antiga, a Idade Média', a Idade Moderna e a Idade Contemporânea. O QUE FOI A IDADE MÉDIA?

4 O período da Idade Média foi tradicionalmente delimitado com ênfase em eventos políticos. Assim, ele teria se iniciado com a desintegração do Império Romano do Ocidente, no século V (476 d. C.), e terminado com o fim do Império Romano do Oriente, com a Queda de Constantinopla, no século XV (1453 d.C.).

5 IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA decorre do século V ao X BAIXA IDADE MÉDIA se estende do século XI ao XV IDADE MÉDIA PLENA IDADE MÉDIA TARDIA A Era Medieval pode também ser subdividida em períodos menores, num dos modos de classificação mais populares ela é separada em dois períodos:

6 A partir do século IX, desenvolveu-se a principal linha filosófica do período, que ficou conhecida como escolástica. A Escolástica teve uma constante de natureza neoplatônica, que combinava elementos do pensamento de Platão com valores de ordem espiritual, reinterpretados pelo Ocidente cristão. No século XIII, Tomás de Aquino incorporou elementos da filosofia de Aristóteles no pensamento escolástico.

7 A questão chave que vai atravessar todo o pensamento filosófico medieval é a harmonização de duas esferas; "a fé" e "a razão". O pensamento de Agostinho (século V) reconhecia a importância do conhecimento, mas defendia uma subordinação maior da razão em relação à fé, por crer que esta última venha restaurar a condição decaída da razão humana. Já a linha de Tomás de Aquino (século XIII) defende maior autonomia da razão na obtenção de respostas, apesar de não negar tal subordinação da razão à fé.

8 A maior parte da arte medieval que chegou aos dias de hoje tem um foco religioso fundamentado no Cristianismo. Essa arte era muitas vezes financiada pela Igreja; bem como por figuras poderosas do clero, como bispos; por grupos comunais, como os dos mosteiros; ou por patronos seculares ricos.

9 A pintura medieval passa a ser predominantemente bidimensional, e as personagens retratadas eram pintadas maiores ou menores de acordo com sua importância.

10 Ao lado da pintura, a tapeçaria foi a mais importante forma de arte medieval. Isso decorre em muito por sua utilidade ao manter o calor interno dos castelos, construídos de pedra, no inverno. As duas principais manifestações arquitetônicas, principalmente relacionadas à construção de catedrais, foram o estilo românico e mais tarde o gótico.

11 Como resultado das migrações bárbaras e da implosão do Império Romano do Ocidente, a Europa Ocidental do início da Idade Média era pouco mais que uma manta de retalhos de populações rurais e tribos bárbaras. Perdeu-se o acesso aos tratados científicos originais da antiguidade clássica, ficaram apenas versões resumidas, e até deturpadas, que os romanos tinham traduzido para o latim.

12 Os estudiosos da época, viviam numa atmosfera que dava prioridade à fé e tinham a mente mais voltada para a salvação das almas do que para o questionamento de detalhes do universo físico.

13 No setor agrícola, temos o desenvolvimento de ferramentas como a charrua, melhorias em carroças e carruagens, arreios para animais de carga, e a utilização de moinhos d'água. Avanços em instrumentos como a bússola e o astrolábio, na confecção de mapas e a invenção das caravelas tornaram possível a expansão marítimo-comercial Européia na Idade Moderna.

14 A tecnologia das grandes navegações permitiria, em séculos futuros, a descoberta de um número extraordinário de novas espécies de animais e plantas, além de novas formações geológicas e climáticas. Os avanços obtidos na óptica logo iriam gerar aparelhos como o microscópio e o telescópio, que, juntamente com a prensa móvel, são vistos como os equipamentos mais importantes já criados para o avanço do conhecimento humano. jdhdughsncmdofmdskfodhshoehgkj eylprjh

15 Mas a herança mais importante do período provavelmente foi o nascimento e multiplicação das universidades, juntamente com o surgimento das primeiras sementes da metodologia científica contemporânea.

16 A Idade Média surge-nos, em termos bélicos, como um período de grandes desenvolvimentos tecnológicos, essencialmente provindos de dois grandes laboratórios, o Médio Oriente e a Península Ibérica. As duas zonas, que desde muito cedo se tornaram palcos de violentas batalhas entre mouros e cristãos, fazem com que a prática, a filosofia, a tecnologia e a própria génese da guerra evoluam.

17 FIM DO IMPÉRIO ROMANO Por volta do século III, o Império Romano passava por uma enorme crise econômica e política. A corrupção dentro do governo e os gastos com luxo retiraram recursos para o investimento no exército romano. Com o fim das conquistas territoriais, diminuiu o número de escravos, provocando uma queda na produção agrícola.

18 Em crise e com o exército enfraquecido, as fronteiras ficavam a cada dia mais desprotegidas. Muitos soldados, sem receber soldo, deixavam as obrigações militares. Os povos germânicos, tratados como bárbaros pelos romanos, estavam forçando a penetração pelas fronteiras do norte do império.

19 No ano de 395, o imperador Teodósio resolve dividir o império em : Império Romano do Ocidente, com capital em Roma e Império Romano do Oriente (Império Bizantino), com capital em Constantinopla. Em 476, chega ao fim o Império Romano do Ocidente, após a invasão de diversos povos bárbaros, entre eles, visigodos, vândalos, burgúndios, suevos, saxões, ostrogodos, hunos, etc.

20 Era o fim da Antiguidade e início de uma nova época chamada de Idade Média, uma etapa necessária na História e que abriu caminho para o Renascimento.

21 A conquista de Ceuta pelos portugueses marca o início da expansão marítimo-comercial européia Santa Joana D'Arc liberta a França Johannes Gutenberg inventa a prensa móvel A Tomada de Constantinopla, pelos Turcos Otomanos, põe fim ao Império Bizantino, terminando com o pouco que restava do antigo Império Romano Fim da Guerra dos Cem Anos Viagem de Cristóvão Colombo à América Central Vasco da Gama descobre o caminho marítimo para a Índia Viagem de Pedro Álvares Cabral à América do Sul, e assim, descobrimento do Brasil Publicação das 95 Teses de Martinho Lutero, que dá início à reforma protestante O "Act of Supremacy" de Henrique VIII dá origem à Igreja Anglicana.

22 O FIM DA IDADE MÉDIA TAMBÉM FOI MARCADO POR FATOS DE GRANDE RELEVÂNCIA NA HISTÓRIA DENTRE ELES: a ascensão das monarquias nacionais européias; os Descobrimentos Marítimos; o início da recuperação demográfica e econômica após a Peste Negra; O feudalismo e o mercantilismo a Reforma Protestante, a partir de 1517.

23 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: Wikipédia, a enciclopédia livre. Disponível em < Acesso em 18 de março de media/. Acesso em 18 de março de Acesso em 18 de março de 2008.


Carregar ppt "UNIJUÍ – UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIREITO – 1º/2008. CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA GERAL DO ESTADO. POFESSOR DEJALMA."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google