A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

A PARTICIPAÇÃO DA MULHER NA GESTÃO DO ESPORTE BRASILEIRO: ENTRAVES E DESAFIOS Ludmila Mourão - UFJF/FAEFID Euza Gomes – UNIVERSO.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "A PARTICIPAÇÃO DA MULHER NA GESTÃO DO ESPORTE BRASILEIRO: ENTRAVES E DESAFIOS Ludmila Mourão - UFJF/FAEFID Euza Gomes – UNIVERSO."— Transcrição da apresentação:

1 A PARTICIPAÇÃO DA MULHER NA GESTÃO DO ESPORTE BRASILEIRO: ENTRAVES E DESAFIOS Ludmila Mourão - UFJF/FAEFID Euza Gomes – UNIVERSO

2 Contexto Participação feminina no espaço esportivo; Participação de mulheres atletas nos Jogos Olímpicos 20% em 1976, 38% em 2000, 49,5% em 2004 e 46,7% em 2008; Lacuna de informações sobre a participação da mulher brasileira na gestão do esporte de alto rendimento; Agenda políticas de Ação Afirmativa do COI - Obter em 2000 um mínimo de 10% de mulheres em todos os postos diretivos em 2000; Até 2005 dobrar estes percentuais (§5, Carta Olímpica, Regra 2, nº 5).

3 Onde atuam as mulheres gestoras no esporte de alto rendimento no Brasil? Que desafios e barreiras as mulheres enfrentam para se inserir e permanecer no campo da gestão esportiva brasileira? O que pensam sobre a participação feminina nesta postos de poder do esporte de alto rendimento nas diferentes instituições esportivas nacionais? Federativas Confederativas Secretaria Nacional de Alto Rendimento do Ministério dos Esportes Comitê Olímpico Brasileiro Comitê Paraolímpico Brasileiro Desafios

4 PARTICIPAÇÃO DAS MULHERES NAS INSTITUIÇÕES ESPORTIVAS NOS PAÍSES SUL-AMERICANOS PaísÓrgão Máximo de Administração Esportiva Efetivo do órgão Total de Mulheres % de Mulheres Argentina Secretaria de Esportes – subordinada ao Chefe do Gabinete dos Ministros 2015% Bolívia Vice-Ministério Esportes - subordinado ao Ministério da Educação Cultura e Esporte -- 1 BrasilMinistério dos Esportes822024,3% Chile Instituto Nacional Esporte - subordinado à Secretaria de Governo 1100% Colômbia Instituto Colombiano do Esporte – subordinado à Secretaria de Cultura 200% Equador Ministério da Educação e Cultura - Conselho de Esportes ,30% GuiannaMinistério de Cultura e Esporte4250% Guianna Francesa Comissão Esporte e Cultura7228,50% ParaguaiComitê Olímpico Paraguai2328,60% PeruInstituto Peruano de Esporte3425,80% SurinameIndisponível UruguaiComissão de Academia Olímpica Uruguaia911% Venezuela Ministério Educação, Esportes – Instituto Nacional do Esporte 9444%

5 Participação das mulheres no comando dos principais órgãos diretivos do Esporte Nacional ÓrgãosNúmero de cargos Efetivo feminino Porcentagem % Gabinete do Ministério dos Esportes6116,7% Secretaria Executiva8112,5% Consultoria Jurídica4375,0% Secretaria Nacional de Esporte Educacional7114,3% Secretaria Nacional Desenvolvimento Esporte e Lazer 7114,3% Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento 7114,3% Conselho Nacional dos Esportes2229,1% Comissão Nacional de Atletas35822,9% Secretarias Estaduais Extraordinarias1616,3% Comitê Paraolímpico Brasileiro10330,0% Comitê Olímpico Brasileiro5024,0% Confederações Vinculadas/Filiadas5711,8% Federações Esportivas Nacionais584386,5% Total813637,7%

6 Gestoras Nomeadas Nome GestoraInstituiçãoCargoEstado 1. Marly Teresa Rangel LicassaliSNEAR - MECoordenadoraDF 2. Maristela Medeiros N. GonçalvesSNEAR - MECoordenadoraDF 3. Magic PaulaSNEAR-MESecretária NacionalSP 4. Christiane Paquelet AbeidCOBChefe AdministrativoRJ EeleitasCargo 5. Caroline KesslerConfederaçãoVice-Pres. BadmintonRJ 6. Vicélia Ângelo FlorenzanoConfederaçãoPresidente GinásticaPR 7. Andréa JoãoFederaçãoPresidente GinásticaRJ 8. Maria Aparecida de OliveiraFederaçãoPresidente BoxeSP 9. Sarita BacciottiFederaçãoPresidente GinásticaMS 10. Rosilene de Araújo GomesFederaçãoPresidente FutebolPB 11. Vera Lúcia MastrascusaFederaçãoPresidente BadmintonRS 12. Claudia SalibaFederaçãoDesporto AquáticoMS 13. Ieda BotelhoFederaçãoPresidente CiclismoRJ 14. Maria RosaídesFederaçãoPresidente HandebolAC

7 Perfil das Gestoras do Esporte Brasileiro GestoraCargo InstituiçãoGraduaçãoEstado CivilFilhosIdade 1. MarlyCoordenadora. SNEAR Ministério dos Esportes Educ. FísicaCasada MaristelaCoordenadora-Geral Excelência Esportiva - SNEAR - ME PublicidadeCasada Magic Paula1ª Secretária Nacional Esporte Alto Rendimento (SNEAR) ME. Educ. FísicaSolteira ChristianeChefe Administrativo Membro Eleito Assembléia - COB MuseólogaCasada CarolineVice Presidente Confederação BadmintonEduc. FísicaSolteira VicéliaPresidente Confederação GinásticaEduc. FísicaSolteira Andréa JoãoPresidente Federação Carioca GinásticaEduc. FísicaSolteira Maria AparecidaPresidente Federação São Paulo BoxeEduc. FísicaDivorciada SaritaPresidente Federação MG Sul GinásticaEduc. FísicaSolteira RosilenePresidente Federação Futebol ParaíbaPsicólogaCasada VeraPresidente Federação e Diretora Técnica Confederação de Badminton, RS Educ. FísicaSolteira CláudiaPresidente da Federação de Desportos Aquáticos, MS Sul Engenheira Agrônoma Casada IedaPresidente Federação Carioca CiclismoProgramação Visual Divorciada Maria RosaidesPresidente Federação Handebol AcreEduc. FísicaSolteira-42

8 Qualidades para a Gestão A articulação entre o conhecimento e a capacidade de liderar com carisma e organização. A função da federação é administrar o esporte, ela regulamenta, direciona, difunde, promove, desenvolve e incentiva os atletas, para tudo isso tem que ter paixão (Andréa João).

9 Motivações para a Gestão Dedicação integral ao cargo; São movidas pelo desafio de reestruturarem suas entidades esportivas; Sonham em poder levar seu esporte a ser praticado pelo maior número de pessoas; Buscam reconhecimento social através da dedicação e persistência no cotidiano de trabalho. Sou insistente e gosto de desafios, enquanto puder lutarei pela evolução do esporte. (Ieda).

10 Entraves Dificuldades econômicas que passam as federações; Permanecer na gestão do negócio é a grande dificuldade (Vicélia). Burocracia do serviço público e a troca constante dos dirigentes são geradoras de instabilidade dos cargos; Nós que temos cargos de confiança estamos sujeitas a isso. Meu cargo era de direção e o dirigente queria nomear outra pessoa da confiança dele, quando agente trabalha com esses cargos estamos sujeitas a essa instabilidade (Marly). Pouca agilidade no planejamento e descontinuidade de projetos.

11 Desafios da Gestão Atingir excelência no trabalho; Romper com continuísmo no cargo (na direção, assessoramento e coordenação geral); Ascender a presidência de suas respectivas confederações; Trabalhar para o sucesso e a visibilidade de sua modalidade esportiva, conquista de pódios Olímpicos; Investir na formação profissional para a gerência do esporte.

12 Considerações As mulheres que se inseriram na área da gestão esportiva de alto rendimento, não encontraram resistências de gênero mais apontam a presença da metáfora do Teto de Vidro para ascenderem na área; Tendem a manter os cargos para os quais foram eleitas por sua persistência, dedicação e competência aliadas a paixão; A renovação dos cargos aparece como uma das principais críticas a estrutura das organizações esportivas que não oportunizam a entrada de novos dirigentes, tanto homens quanto mulheres;

13 Considerações As tradicionais características atribuídas às mulheres como a sensibilidade, a emoção e o afeto são rearranjadas e combinadas com as qualidades do poder de negociar, identificando um novo perfil de liderança feminina; Conhecem as dificuldades para ascender num meio predominantemente masculino, mais não desistem de ter sua competência reconhecida e não hesitam em se engajar na modernização de normas gerontocráticas que ainda barram a entrada do novo nas instituições.

14 Obrigada !


Carregar ppt "A PARTICIPAÇÃO DA MULHER NA GESTÃO DO ESPORTE BRASILEIRO: ENTRAVES E DESAFIOS Ludmila Mourão - UFJF/FAEFID Euza Gomes – UNIVERSO."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google