A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Asfaltos: Noções Gerais Bloco 2 Asfaltos: Noções Gerais.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Asfaltos: Noções Gerais Bloco 2 Asfaltos: Noções Gerais."— Transcrição da apresentação:

1 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Asfaltos: Noções Gerais Bloco 2 Asfaltos: Noções Gerais

2 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Autoria As aulas contidas neste CD foram elaboradas pela seguinte equipe de professores: Liedi Légi Bariani Bernucci - Universidade de São Paulo Jorge Augusto Pereira Ceratti - Universidade Federal do Rio Grande do Sul Laura Maria Goretti da Motta - Universidade Federal do Rio de Janeiro Jorge Barbosa Soares - Universidade Federal do Ceará

3 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Este CD contém 30 aulas, em 10 blocos organizados por assunto: Lista dos assuntos do CD completo Bloco 1 – Introdução Bloco 2 – Asfaltos Bloco 3 – Agregados e Fíler Bloco 4 – Tipos de Revestimentos Asfálticos Bloco 5 – Dosagem de Misturas Asfálticas e de Tratamento superficial Bloco 6 – Propriedades Mecânicas de Misturas Asfálticas Bloco 7 – Materiais de Bases e Soluções de Pavimentação Asfáltica Bloco 8 – Técnicas Executivas Bloco 9 – Avaliação de Pavimentos Asfálticos Bloco 10 – Técnicas de Restauração e Reabilitação de Pavimentos Asfálticos

4 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Observação O conteúdo das aulas aqui apresentadas tem caráter educacional e foi elaborado pelos quatro autores a partir das respectivas experiências em ensino, pesquisa e extensão. As informações possuem a contribuição de alunos e profissionais envolvidos nestas atividades. Na melhor de suas possibilidades, os autores registraram o crédito devido nas diversas informações, incluindo fotos e figuras. Nenhuma informação deverá ser entendida como conselho ou recomendação de qualquer ordem. Os materiais referidos não poderão ser copiados, reproduzidos, adaptados, publicados ou distribuídos em qualquer forma sem o consentimento prévio dos autores.

5 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Materiais asfálticos - definições BETUME: mistura de hidrocarbonetos de elevado peso molecular, solúvel no bissulfeto de carbono, que compõe o asfalto e o alcatrão. ASFALTO: material cimentante, preto, sólido ou semi-sólido, que se liquefaz quando aquecido, composto de betume e alguns outros metais. Pode ser encontrado na natureza (CAN), mas em geral provém do refino do petróleo (CAP).

6 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos ALCATRÃO: líquido negro viscoso resultante da destilação destrutiva de carvão, madeira e açúcar, constituindo um subproduto da fabricação de gás e coque metalúrgico. Em desuso em pavimentação. Materiais asfálticos - definições

7 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Importância do asfalto A maioria das rodovias no Brasil são de revestimentos asfálticos. O CAP representa de 25 a 40% do custo da construção do revestimento. Quase sempre é o único elemento industrializado usado nas camadas do pavimento.

8 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Propriedades do asfalto para pavimentação Adesivo termoplástico: passa do estado líquido ao sólido de maneira reversível; a colocação no pavimento se dá a altas temperaturas; através do resfriamento o CAP adquire as propriedades de serviço comportamento visco-elástico. Impermeável à água. Quimicamente pouco reativo: garante boa durabilidade; contato com o ar acarreta oxidação lenta, que pode ser acelerada por temperaturas altas; para limitar risco de envelhecimento precoce: evitar temperatura excessiva de usinagem e espalhamento e alto teor de vazios.

9 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Adesivo termoplástico: comportamento visco-elástico. Impermeável à água. Quimicamente pouco reativo. Comportamento visco-elástico relacionado à consistência e à suscetibilidade térmica: tráfego rápido comportamento elástico tráfego lento comportamento viscoso Propriedades do asfalto para pavimentação

10 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Tipos básicos de ligantes asfálticos Cimento asfáltico: mistura química complexa cuja composição varia com o petróleo e processo de produção. Do seu peso molecular >95% são hidrocarbonetos. Para ser usado deve ser aquecido. Cimento asfáltico de petróleo (CAP) é classificado pela penetração desde Antes ( ) classificado pela viscosidade ou pela penetração.

11 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Tipos básicos de ligantes asfálticos Cimento asfáltico: CAP Numa separação com solventes, uma composição química é: asfaltenos, maltenos e resinas. Atualmente: Método SARA S – hidrocarbonetos Saturados A - hidrocarbonetos Aromáticos R – Resinas A - Asfaltenos

12 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Tipos básicos de ligantes asfálticos Asfalto Diluído (ADP) Diluição de CAP em derivados de petróleo para permitir a utilização a temperatura ambiente. Denominação dada segundo a velocidade de evaporação do solvente: Cura rápida (CR) – solvente é a gasolina ou a nafta. Cura média (CM) – solvente é o querosene. Avaliado em relação à viscosidade cinemática. Ex: CM 30, CR 250.

13 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Tipos básicos de ligantes asfálticos Emulsão Asfáltica (EAP) Dispersão do CAP em água com o uso de emulsificante e energia mecânica. Existem vários tipos, identificados pelo tempo de ruptura, pela carga da partícula e pela finalidade. Devem ser usadas preferencialmente as catiônicas.

14 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Emulsão Asfáltica (EAP) Pelo tempo de ruptura podem ser: RR = ruptura rápida. RM = ruptura média. RL = ruptura lenta. Ruptura controlada. Existem emulsões para lama asfáltica e modificadas por polímeros. Tipos básicos de ligantes asfálticos

15 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Produção de CAP No Brasil há 9 refinarias da PETROBRAS que produzem asfalto: REDUC, REFAP, REVAP, RLAM, REGAP, LUBNOR, REMAN, REPAR, REPLAN. Vários processos Vários petróleos, a maioria petróleo nacional (atualmente: auto-suficiência na produção)

16 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Caracterização de Materiais Asfálticos (Ligantes) Petróleo Bruto ou Cru Quase todo o asfalto em uso hoje em dia é obtido do processamento de petróleo bruto (ou cru). Muitas refinarias são localizadas próximas a locais com transporte por água, ou supridos por dutos a partir de terminais marítimos. A composição dos petróleos varia de acordo com a fonte. Cada petróleo leva a diferentes quantidades de resíduos de cimentos asfálticos (CAP) e outras frações destiláveis.

17 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Rendimento de CAP por petróleos (exemplos)

18 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Produção de CAP (esquema geral)

19 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Produção de asfalto Destilação em apenas um estágio Produção de asfalto Destilação em apenas um estágio PARA SISTEMA DE VÁCUO GASÓLEO LEVE PETRÓLEOGASÓLEO PESADO ASFÁLTICO FORNO TORRE DEASFALTO (C A P) VÁCUO Tonial e Bastos, 1995

20 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Produção de asfalto Dois estágios de destilação Produção de asfalto Dois estágios de destilação GÁS COMBUSTÍVEL G L P TORRE ATMOSFÉRICA NAFTA LEVE NAFTA PESADA QUEROSENE ÓLEO DIESEL FORNO DESSALGADORA PETRÓLEO PARA SISTEMA DE VÁCUO TORRE DE VÁCUO GASÓLEO LEVE GASÓLEO PESADO ASFALTO (C A P) Tonial e Bastos, 1995

21 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Mistura de RV de alta e baixa viscosidade Tonial e Bastos1995

22 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Mistura de RASF e diluente Tonial e Bastos, 1995

23 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Semi-sopragem SEMI- SOPRAGEM Tonial e Bastos, 1995

24 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Produção de asfalto unidade de desasfaltação a propano Tonial e Bastos, 1995

25 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Produção brasileira de asfalto (T)

26 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos O derivado de petróleo usado como ligante dos agregados minerais denomina se, no Brasil, cimento asfáltico de petróleo (CAP). É um material semi-sólido, de cor marrom escura a preta, impermeável à água, visco-elástico, pouco reativo, com propriedades adesivas e termoplásticas. Cimento Asfáltico de Petróleo

27 ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Tipos de ligantes asfálticos cimentos asfálticos de petróleo - CAP; asfaltos diluídos de petróleo - ADP; emulsões asfálticas - EAP; asfaltos oxidados ou soprados; asfaltos modificados; agentes rejuvenescedores.


Carregar ppt "ASFALTOS Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras de Asfaltos Asfaltos: Noções Gerais Bloco 2 Asfaltos: Noções Gerais."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google