A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

LIXO MARINHO E GERENCIAMENTO COSTEIRO RESULTADOS DA AÇÃO PRAIA LOCAL, LIXO GLOBAL NO LITORAL DA BAHIA Isaac Rodrigues dos Santos Fabiano Prado Barretto.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "LIXO MARINHO E GERENCIAMENTO COSTEIRO RESULTADOS DA AÇÃO PRAIA LOCAL, LIXO GLOBAL NO LITORAL DA BAHIA Isaac Rodrigues dos Santos Fabiano Prado Barretto."— Transcrição da apresentação:

1 LIXO MARINHO E GERENCIAMENTO COSTEIRO RESULTADOS DA AÇÃO PRAIA LOCAL, LIXO GLOBAL NO LITORAL DA BAHIA Isaac Rodrigues dos Santos Fabiano Prado Barretto David Neves Ana Cláudia Friedrich

2 DEFINIÇÕES Resíduos sólidos: materiais que podem ser subdivididos em categorias como plásticos, vidros, borrachas, metais, tecidos, isopor e madeira antropogênica Lixo Marinho: qualquer resíduos sólido manufaturado ou processado que entra no ambiente marinho Introdução e definições

3 O lixo marinho pode ser tão perigoso para a biota marinha quanto óleo ou compostos químicos (IMO) Considerados um dos cinco maiores problemas referente à saúde dos oceanos (IMO, 1992). CARACTERÍSTICAS: -Persistência -Baixas taxas de acumulação -Aumento dos fluxos com o tempo -Dispersão Introdução e definições 5 principais problemas de poluição marinha para o século XXI (Goldberg, 1995): - Nutrientes e eutroficação - Biotoxinas - Estrógenos ambientais (DDTs, PCBs...) - Espécies alienígenas - Plásticos

4 Fontes FONTES DE LIXO MARINHO 1)Terrígenas (land-based): usuários de praias, agricultura, lixões, esgotos e drenagem urbana. 2)Marinhas (marine-based): embarcações e plataformas de óleo e gás. A determinação da fonte normalmente é especulativa. Mas as técnicas incluem: 1)Presença de incrustações biológicas 2)Proximidade de centros urbanos 3)Itens indicadores de atividades específicas 4)Estatística (correlação entre a provável origem e conseqüência) 5)Informações das embalagens (código de barras, etc).

5 Plástico é o material mais comum Tipos e quantidades

6 Tipos e quantidades Fonte: Derraik (2002) RAZÕES DA DOMINÂNCIA DOS PLÁSTICOS -Persistente -Abundante e crescente utilização pela sociedade -inexistência de programas de gerenciamento de resíduos sólidos -capacidade de ser transportado por longas distâncias

7 m Tipos e quantidades Nibs -Matéria prima para fabricação de utensílios plásticos -Até 5 mm de diâmetro -Perdidos durante manuseio e transporte -Concentrações até itens por metro de praia (Nova Zelândia) Granulados -Entre mesh -utilizados para limpeza de maquinários ou como esfoliantes de pele contidos em cosméticos -Concentrações comparáveis ao material detrítico em suspensão em localidades do Atlântico norte FORMAS NÃO CONVENCIONAIS DE PLÁSTICOS

8 Tipos e quantidades DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA -Acumulação em regiões de convergência oceânica. -Acumulação de até 250 resíduos/mês/km em ilhas sub-antárticas. -Registros no leito marinho em profundidades de até 3000 m. -No giro oceânico do Pacífico norte a massa de plástico excede a massa de zooplâncton Os padrões de distribuição do lixo flutuante são controlados por ventos, correntes, proximidade das fontes e tempo de residência das partículas.

9 Impactos e conflitos Há 3 formas principais de impacto: 1)À biota marinha 2)À segurança dos usuários de praias 3)Ao turismo e economia de municípios costeiros

10 Fonte: Laist (1997) Impactos e conflitos Enredamento e ingestão por animais marinhos Ingestão é mais freqüente em aves marinhas, principalmente albatrozes e petréis Enredamento mais freqüente em mamíferos marinhos Tartarugas afetadas através de ambos mecanismos

11 -RS: plásticos em ~60% das carcaças (Bugoni et al., 2001). -Açores: 6% dos indivíduos enredados (Laist, 1997) -Colônia do Havaí: 7,5% de enredamento -Austrália: ~1500 mortes por ano (Page et al., 2004)

12 Impactos e conflitos Cobertura do fundo do mar: Implicações ainda desconhecidas, mas plásticos inibem a transferência de gases na interface sedimento-água, o que pode ser importante localmente (Goldberg, 1994) Implicações biogeográficas: - Em comparação com água de lastro, a possibilidade de introdução de espécies alienígenas através desse mecanismo é remota, mas não é desprezível. -Exemplo: o briozoário Electra tenella expandiu sua abundância no Atlântico norte devido a presença de plásticos flutuantes (Winston, 1982) Fonte: Winston, 1997 Contaminação química associada: Correlações positivas entre a quantidade de plástico no conteúdo estomacal e níveis de PCBs em tecidos de petréis (Ryan et al., 1988).

13 Impactos e conflitos Você já teve algum problema com o lixo na praia? O que aconteceu? Problemas à saúde e seguranças de usuários de praia -Enredamento de banhistas em redes fantasma -Ferimentos causados por materiais cortantes

14 Impactos e conflitos Problemas ao turismo e economia de municípios costeiros Qual é o principal problema na praia do Cassino? A presença de lixo é o fator mais importante para escolha de praia a ser freqüentada. Praias com mais de 10 resíduos por metro são evitadas por mais de 50% dos turistas na África do Sul (Ballance et al., 2000) - 10% dos acidentes com navios são atribuídos ao lixo nos EUA. - Sacolas plásticas são a principal causa de danos à motores na Nova Inglaterra

15 Impactos e conflitos Educação ambiental é a medida mais efetiva para combater o lixo vindo do turismo. Correlações entre a densidade de visitantes e a geração de resíduos na praia do Cassino. Geração de resíduos na praia do Cassino: Menor escolaridade: 2,2 resíduos/pessoa Elevada escolaridade: 1,3 resíduos por pessoa Na praia de Tamandaré (PE), cada pessoa gera 2 resíduos (Araújo e Costa, 2003).

16 O litoral norte da Bahia -Turismo é a principal atividade econômica -Área de reprodução de tartarugas Primeiros passos de Praia Local, Lixo Global

17 PROGRAMAS EM AÇÃO Reúne pessoas interessadas em participar das atividades de recolhimento e catalogação de lixo internacional

18 Visa a difusão de conceitos ambientais no mundo do surfe (apoio de atletas como Wilson Nora e Armandro Daltro).

19 Busca identificar as origens do lixo na Costa dos Coqueiros através de sua classificação e quantificação. Monitoramento a partir de 2001.

20 Principais resultados do monitoramento Total de 1974 embalagens de origem internacional. Resíduos manufaturados em 69 países. Registro mais diverso já reportado na literatura

21 A origem do lixo correlaciona-se razoavelmente bem com o ranking da balança comercial brasileira

22 Europa > Américas > Ásia > África > Oceania Acumulação em setores restritos da praia

23 Plástico é o tipo de material predominante

24 Água mineral Inseticidas Produtos de limpeza

25 FONTE: NAVIOS -Resíduos típicos de atividades marítimas - Ausência de indicação de importadores nos rótulos - Acúmulos específicos em áreas restritas

26

27

28 Os lightsticks - Risco ao ecossistema marinho - Risco à saúde pública

29 O Anexo V da MARPOL determina: (1)proibição completa do descarte de plásticos; (2)aplicação a todas embarcações, incluindo plataformas flutuantes; (3)portos e terminais são obrigados a receber o lixo das embarcações de forma adequada. A prevenção é a melhor solução, especialmente no caso do lixo marinho submerso Qual será a solução? Algumas regras do Anexo V da MARPOL

30 Estudos sugerem que a acumulação e impactos do lixo marinho NÃO diminuíram após implementação do Anexo V da MARPOL (Henderson, 2001; Ribic et al., 1997) Alguns motivos: (1)Educação (falta de) (2)Ausência de fiscalização (3)Elevados custos (4)Infra-estrutura dos portos (5)Corrupção Típicos, mas não restritos, de países em desenvolvimento 6,5 milhões de toneladas por ano, pelo menos

31 A solução para o problema passa essencialmente por um maior reconhecimento do lixo marinho como problema e maior envolvimento dos diferentes atores da zona costeira Coe & Rogers, 1997


Carregar ppt "LIXO MARINHO E GERENCIAMENTO COSTEIRO RESULTADOS DA AÇÃO PRAIA LOCAL, LIXO GLOBAL NO LITORAL DA BAHIA Isaac Rodrigues dos Santos Fabiano Prado Barretto."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google