A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

HSF 1 Farmácia na Antiguidade pré- clássica. HSF 2 Povos primitivos.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "HSF 1 Farmácia na Antiguidade pré- clássica. HSF 2 Povos primitivos."— Transcrição da apresentação:

1 HSF 1 Farmácia na Antiguidade pré- clássica

2 HSF 2 Povos primitivos

3 HSF 3 Paleopatologia Paleopatologia: É a ciência das doenças que podem ser demonstradas em vestígios humanos procedentes de épocas remotas. Com a sua utilização podemos averiguar que tipo de patologias os nossos antepassados sofriam

4 HSF 4 Material de estudo da paleopatologia Ossos Sangue Dentes São sujeitos a exames: – Macroscopicos, microscopicos, químicos, radiográficos, estatísticos; técnicas serologicas

5 HSF 5 Doenças que sofriam os povos primitivos Anomalias congénitas Problemas endócrinos Gota Lesões inflamatórias diversas Neoplasias Fracturas Afecções dentárias

6 HSF 6 Origem da doença podia ser Natural: exemplo são as fracturas ou feridas Sobrenatural: havia que descobrir qual a sua causa, que podia ser – Devida a um Deus do mal – Resposta a uma falta cometida pelos homens – Acção de uma força sobrenatural misteriosa – Mau olhado deitado por algum mortal invejoso ou rancoroso

7 HSF 7 Terapêutica das doenças Envolvia – Crenças e ritos mágicos; – Produtos de origem natural, tanto vegetais, como minerais, como animais.

8 HSF 8 Povos primitivos que ainda vivem Na Oceânia As tribos da Amazónia Reservas índias da América do Norte Tribos do Saara na Africa Povos do Ceilão, do Bornéu e da Índia Esquimós na região polar, etc.

9 HSF 9 Vamos estudar as práticas médico- farmacêuticas dos povos Mesopotâmia Egipto Pérsia (Iranianos) Índia Povo hebreu (Israelitas) Povos milenares do continente americano (Incas, Maias, Aztecas)

10 HSF 10 Mesopotâmia Zona geográfica compreendida entre os rios Tigre e Eufrates Desde o Neolítico (4º milénio a.c.) que é pano de fundo de várias culturas históricas, depois extintas: – Suméria – Assíria – Babilónia

11 HSF 11 Mesopotâmia e Egipto

12 HSF 12 Saúde e Magia na Mesopotâmia Os conceitos terapêuticos assírio-babilónicos baseavam-se na crença de que todos os fenómenos encontravam-se estreitamente unidos e subordinados à vontade dos deuses Marduk é o Deus criador do homem para os Babilónios Shêrtu: significava simultaneamente doença, pecado ou castigo divino. Pharmakon (grego): tem simultaneamente o significado de medicamento e veneno

13 HSF 13 Fontes escritas na Mesopotâmia Tabuinhas de argila gravadas com um estilete em escrita cuneiforme; O mais antigo documento farmacêutico conhecido é uma tabuinha suméria (Tábua de Nippur) do último quartel do 3º milénio a.C.

14 HSF 14 Egipto Persistia a crença divina das doenças que seriam o resultado de castigos em função dos pecados cometidos pelos homens. Tratamentos das doenças consistiam em sacrificios, preces e rituais mágicos Deuses com intervenção na medicina: – Thot (Deus da sabedoria) – Isis (protectora das mulheres e crianças) – Horus (filho de Isis e ao qual ela revelou o segredo da farmácia) – Anepu ou Anubis (o farmacêutico dos deuses) – Khonsu (Deus das doenças mentais) – Imhotep (figura divinizada depois da conquista do Egipto por Cambises).

15 HSF 15 Imothep Para além de ser considerado o primeiro médico, foi escriba, astrólogo, poeta, arquitecto, sacerdote, ministro anos após a sua morte foi deificado e tornou-se o principal deus egípcio da medicina

16 HSF 16 Fontes que nos informam sobre a medicina Egípcia Textos religiosos Instrumentos cirúrgicos Desenhos Baixos relevos Múmias Técnicas de embalsamento Papiros médicos

17 HSF 17 Papiros São constituídas por fibras de papiro maceradas e aglutinadas até constituírem folhas compridas que se conservavam enroladas e eram escritas com a ponta de uma cana. Tem escrita hierática. Formulas neles existentes são quantitativas, contrariamente ao que acontecia com as fontes mesopotâmicas; Papiro de Ebers (1550 a.C.): apresenta um vasto conteúdo médico, muito variado no que diz respeito ao formulário medicamentoso e, ainda às descrições clínicas. Tem + de 20 metros com referencia a + de 7000 substâncias medicinais e com + de 800 fórmulas.

18 HSF 18 Antiga Pérsia Medicina tinha acentuada carga mágico-religiosa; Deuses médicos: Thrita, Traetona e Ahriman Outros deuses: Kshara (tratamentos cirúrgicos), Ameretap (deusa da vida), Mithra (deusa da saúde) Médicos-sacerdotes e os cirúrgiões Cirúrgiões usavam drogas de origem vegetal (alóes, assafétida, benjoim, mirra, gálbano, óleos diversos) e de origem animal (cães tinham alma) Fundadores da cosmética Práticas de higiene do espírito e de higiene corporal.

19 HSF 19 Índia Antiga Deuses responsáveis pelo destino do homem; Brahma (constrói), Wischnu (conserva), Siva (destrói). Livros Veda (1500 a.c.) textos religiosos com importância na história da medicina e farmácia. Susruta e Charaka são médicos importantes na difusão da medicina indiana; Corpo era constituído por ar, água, terra, fogo e éter. Para dar vida era necessário 3 elementos Vata (movimento), Pitta (calor), Kafa (alimentação) Drogas de origem vegetal (açafrão, maná, gengibre, cardamomo, canafístula), animal (cantáridas, víboras, leite, mel, bílis) e mineral (borax, carbonato de amónio, mercúrio, sulfato ferroso)

20 HSF 20 Povo hebreu Doença era relacionada com impureza; Bíblia fonte de cuidados médico-farmacêuticos, que envolviam práticas higiénicas para a purificação do corpo. Tratamento das doenças consistia em práticas, suscitando a intervenção de Deus; práticas higiénicas, e numa terapêutica medicamentosa adequada

21 HSF 21 Incas, Maias, Aztecas Doença era resultado de um pecado Drogas eram de maioritariamente de origem vegetal – Incas: coca; quina – Maias: unguentos, unções (mistura e extracção são técnicas utilizadas) – Aztecas: guaiaco, jalapa, óleo de ricino, salsaparrilha. Usavam banhos sulfurosos e de vapor.

22 HSF 22 FIM


Carregar ppt "HSF 1 Farmácia na Antiguidade pré- clássica. HSF 2 Povos primitivos."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google