A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

TURISMO INTERNACIONAL Fonte: OMT Nota: Valores em milhões (chegadas) e em mil milhões de dólares dos EUA (receitas); previsões a tracejado.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "TURISMO INTERNACIONAL Fonte: OMT Nota: Valores em milhões (chegadas) e em mil milhões de dólares dos EUA (receitas); previsões a tracejado."— Transcrição da apresentação:

1 TURISMO INTERNACIONAL Fonte: OMT Nota: Valores em milhões (chegadas) e em mil milhões de dólares dos EUA (receitas); previsões a tracejado

2

3 7,1 1,9 6,1 6,5 0, ,6 16,9 9,1 7,6 6,2 -6,4 2,8 3,9 2,9 3,6 3,5 3,8 9,2 3,63,2 4,9 4, /891991/901992/911993/921994/931995/941996/951997/961998/971999/982000/992001/00 Mesma região Outras regiões (Fonte: OMT) Turismo de proximidade Tendência das chegadas de turistas internacionais por região O efeito do 11 de Setembro

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14 QUOTAS DE MERCADO PARA PORTUGAL (PAÍS RECEPTOR)

15 PARTICULARIDADES RECENTES DO TURISMO: Crescimento muito forte do turismo mundial na segunda metade do século XX; A perturbação da lógica de crescimento entre 2001 e 2003; A recuperação após 2004 (relançamento da economia mundial; alta dos preços do petróleo parcialmente absorvida pelas economias sem prejudicar a confiança dos consumidores; diminuição dos aspectos psicológicos ligados à insegurança); A primazia do turismo interno (segundo a OMT, deverá representar actualmente 10 vezes mais do que o turismo internacional); Recuperação do turismo de negócios, o qual continua contudo a evoluir mais lentamente que o turismo de lazer; Desenvolvimento da Internet como canal privilegiado para reservas e vendas; Penetração crescente do denominado fenómeno das viagens aéreas a baixo custo; Redução das estadas e multiplicação das pausas; viagens independentes e férias por tema; reservas tardias e forte sensibilidade aos preços; O turismo de longa distância revigorou-se igualmente, o que produziu um forte crescimento do tráfego aéreo (tarifas de baixo custo, expansão da rede de linhas aéreas para o Leste Europeu e aumento das companhias aéreas nas ligações inter regionais). TENDÊNCIAS FUTURAS DO TURISMO CONTEXTUALIZAÇÃO INTERNACIONAL

16 Novas oportunidades para o lazer (necessidades e desejos); A persistência de determinadas características bem evidentes nos últimos anos por parte dos consumidores, com particular destaque para o reforço do turismo individual; O turista do futuro irá privilegiar aspectos como a informação, a qualidade, a segurança, a cultura e as férias activas, recorrendo com maior frequência a pequenas pausas e a férias secundárias fora da época alta; Uma procura acrescida de fórmulas de férias por medida, sendo que o recurso às novas TIC ajudará na personalização da oferta; As férias "activas" podem ser substituídas por uma prática de experiências enriquecedoras (novos conhecimentos ou emoções fortes e inesquecíveis); O aumento do número de turistas de 3ª idade; Segmentação da procura mais complexa por força do alargamento das motivações tradicionais de viagem. TENDÊNCIAS FUTURAS DO TURISMO CONTEXTUALIZAÇÃO INTERNACIONAL

17 TENDÊNCIAS FUTURAS DO TURISMO PERFIL DO TURISTA: CARACTERÍSTICAS MARCANTES Novas oportunidades para o lazer (necessidades e desejos); A persistência de determinadas características bem evidentes nos últimos anos por parte dos consumidores, com particular destaque para o reforço do turismo individual; O turista do futuro irá privilegiar aspectos como a informação, a qualidade, a segurança, a cultura e as férias activas, recorrendo com maior frequência a pequenas pausas e a férias secundárias fora da época alta; Uma procura acrescida de fórmulas de férias por medida, sendo que o recurso às novas TIC ajudará na personalização da oferta; As férias "activas" podem ser substituídas por uma prática de experiências enriquecedoras (novos conhecimentos ou emoções fortes e inesquecíveis);

18 TENDÊNCIAS FUTURAS DO TURISMO PERFIL DO TURISTA: CARACTERÍSTICAS MARCANTES O aumento do número de turistas de 3ª idade; Segmentação da procura mais complexa por força do alargamento das motivações tradicionais de viagem; Ênfase da qualidade - os turistas serão cada vez mais exigentes e estarão cada vez mais dispostos a gastar um pouco mais, mas na condição de a qualidade do serviço, o alojamento, a alimentação, a gama de actividades propostas, a limpeza e o ambiente geral serem de nível elevado; Procura acrescida para regiões interiores, criando novas oportunidades de desenvolvimento em localizações não costeiras; contudo, as férias baseadas na praia continuarão a constituir a forma dominante, sobretudo na Europa; Uso crescente da segunda residência ou apartamento (imobiliária de lazer); Exigência da segurança nas viagens e nas deslocações.

19

20

21 .. c

22 A UNIÃO EUROPEIA E O TURISMO

23 Falta de reconhecimento político do sector e consequente impossibilidade de actuação numa base interministerial; Falta de identidade sectorial do turismo face à sua diversidade e à natureza fragmentada das suas componentes; Conflito de interesses entre os países predominantemente receptores (Europa do Sul) e emissores (Norte e Centro da Europa); Ausência de uma intervenção planeada e global no turismo; Inadequação das relações existentes em matéria de articulação entre os vários agentes de fenómeno turístico. FACTORES QUE TÊM PREJUDICADO A INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA A UNIÃO EUROPEIA E O TURISMO

24 . Comité Consultivo do Turismo (1987) Ano Europeu do Turismo (1990) Tratado de Maastricht (1992) Directiva 95/57/CE do Conselho relativa à recolha de informações estatísticas no sector do turismo (1995) Livro Verde da Comissão O papel da União em matéria de Turismo (1995) Eliminação do Conselho de Turismo, o qual passa a integrar o do Mercado Interno (1999) Grupo de Alto Nível sobre o Turismo e Emprego (1999) O turismo é remetido para uma Unidade na divisão D – Serviços, Comércio e Turismo, no quadro da Direcção-Geral de Empresas (2000) Presidência portuguesa e reunião de Vilamoura (2000) Documento da Comissão Europeia sobre a Abordagem Cooperativa para o futuro do Turismo Europeu (2001) Orientações Básicas para a Sustentabilidade do Turismo Europeu, documento da Comissão Europeia aprovado no Conselho da Competitividade (2003) Inclusão no projecto do novo Tratado Constitucional de um Artigo específico sobre o Turismo (2004) A Agenda para a sustentabilidade e competitividade do turismo europeu (2007) A abordagem institucional do turismo – notas significativas

25 Estimativa das viagens efectuadas pelos residentes dos países da EU em 2005 (deslocações com estada de um ou mais dias) A dimensão europeia do turismo interno

26

27

28

29 ÚLTIMOS INDICADORES ACTUAIS: O TURISMO NA UNIÃO EUROPEIA TURISMO PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS 10 ANOS CRIAÇÃO NA PRÓXIMA DÉCADA DE 2,2 A 3,3 MILHÕES DE EMPREGOS 5,5% do PIB Comunitário 6% do Emprego 30% do Comércio Extreno TURISMO Volume de Negócios - aumento médio anual de 2,5% a 4% Emprego - aumento médio anual de 1% a 1,5%

30 .. DIMENSÃO EMPRESARIAL – A coexistência entre as PME e as estratégias de integração das grandes empresas

31 CHEGADAS DE TURISTAS INTERNACIONAIS Europa Ásia Oriental/Pacífico América África Médio Oriente Ásia do Sul TOTAL Fonte: OMT ,1 +6,5 +3,8 +5,5 +7,4 +6,2 +4,1 59,5 14,3 19,5 3,5 2,5 0,7 100,0 45,9 25,5 18,1 4,9 4,4 1,2 100,0 1995/ Quotas de Mercado (%) Variação % Média Anual REGIÕES DE DESTINO (Milhões) A UNIÃO EUROPEIA E O TURISMO

32 CHEGADAS DE TURISTAS A NÍVEL MUNDIAL POR REGIÕES DE PROVENIÊNCIA Europa Ásia Oriental/Pacífico América África Médio Oriente Ásia do Sul TOTAL 2020 (milhões) Fonte: OMT ,5 +6,5 +3,1 +6,1 +5,5 +4,1 58,6 15,7 20,5 2,7 1,8 0,7 100,0 49,6 27,2 15,6 4,2 2,3 1,1 100,0 1995/ Distribuição dos Fluxos (%) Variação % Média Anual REGIÕES DE ORIGEM A UNIÃO EUROPEIA E O TURISMO

33 CHEGADAS DE TURISTAS EUROPEUS A TODOS OS PAÍSES DO MUNDO Movimento Intraeuropeu Longa Distância - Américas - África - Ásia Oriental/Pacífico - Médio Oriente - Ásia do Sul TOTAL 2020 (milhões) Fonte: OMT ,9 +5,6 +5,8 +4,4 +6,7 +7,4 +6,9 +3,5 87,0 13,0 5,2 2,6 3,1 1,5 0,6 100,0 78,6 21,4 8,5 2,6 6,2 2,8 1,3 100,0 1995/ Distribuição dos Fluxos (%) Variação % Média Anual REGIÕES DE DESTINO A UNIÃO EUROPEIA E O TURISMO

34

35 .. A questão da base jurídica e do título autónomo no Tratado da UE - A tese que tem prevalecido - Tem sido irrealista defender a inclusão de um título autónomo no Tratado da UE sobre uma política comunitária de turismo; O receio da padronização e do consequente esbatimento da diversidade histórica, social, económica e cultural de cada região; No estado actual, o enquadramento jurídico que melhor se adapta às características do turismo, decorre da aplicação do princípio da subsidiariedade; Em conformidade, há que articular as actividades desenvolvidas nas instituições nacionais, regionais ou locais, evidenciar as boas práticas existentes e assegurar através dos mecanismos adequados, a realização integral das diversas políticas comunitárias, que cada uma no seu âmbito, podem favorecer o turismo.

36

37 .

38

39

40

41

42

43

44 .. O turismo tem reforçado a sua posição económica e social no quadro da UE, mas não tem logrado a obtenção do reconhecimento político e institucional; Face à concorrência global acrescida a Europa vai ter que pensar em desenvolver actuações promocionais concertadas em países terceiros; A liberalização dos transportes irá contribuir para o desenvolvimento do turismo na UE; As novas TIC irão desempenhar um papel cada vez mais importante no turismo europeu; Face às características dos consumidores, a necessidade de se avançar para a normalização internacional ao nível de standards de qualidade, sendo que a UE terá um papel fundamental neste domínio; A Agenda 21 europeia para o turismo APONTAMENTO FINAL

45

46 A UNIÃO EUROPEIA E O TURISMO

47


Carregar ppt "TURISMO INTERNACIONAL Fonte: OMT Nota: Valores em milhões (chegadas) e em mil milhões de dólares dos EUA (receitas); previsões a tracejado."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google