A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Engenharia de Tecidos Propriedades da pele Licenciatura em Engenharia Biomédica Biomecânica dos tecidos IST/FML Abril, 2008 Serviço de Cirurgia Plástica,

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Engenharia de Tecidos Propriedades da pele Licenciatura em Engenharia Biomédica Biomecânica dos tecidos IST/FML Abril, 2008 Serviço de Cirurgia Plástica,"— Transcrição da apresentação:

1 Engenharia de Tecidos Propriedades da pele Licenciatura em Engenharia Biomédica Biomecânica dos tecidos IST/FML Abril, 2008 Serviço de Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Maxilo-Facial Hospital de Santa Maria – Lisboa Manuel Caneira

2 Propriedades físicas da pele Diferem dependendo da localização Diferem dependendo da localização Diferem com a idade Diferem com a idade

3 Propriedades físicas da pele Fibras de colagénio Fibras de colagénio Muito longas quando comparadas com a sua espessura Muito longas quando comparadas com a sua espessura Orientadas em diversas direcções Orientadas em diversas direcções Aparência varia com a idade Aparência varia com a idade Numerosas curvaturas nos indivíduos jovens Numerosas curvaturas nos indivíduos jovens Curvaturas diminuem com a idade Curvaturas diminuem com a idade

4 Propriedades físicas da pele Fibras de colagénio Fibras de colagénio Alinham-se e alongam-se com o estiramento da pele Alinham-se e alongam-se com o estiramento da pele Aumento de carga sobre as fibras diminui curvaturas promovendo um alinhamento paralelo ao vector das forças aplicadas Aumento de carga sobre as fibras diminui curvaturas promovendo um alinhamento paralelo ao vector das forças aplicadas A partir de determinada altura existem estruturas alinhadas resistentes a estiramento adicional A partir de determinada altura existem estruturas alinhadas resistentes a estiramento adicional Impede aproximação de bordos de ferida a partir de determinada altura Impede aproximação de bordos de ferida a partir de determinada altura

5 Propriedades físicas da pele Fibras de colagénio Fibras de colagénio Fibras de colagénio são mais finas perto da epiderme Fibras de colagénio são mais finas perto da epiderme Provavelmente funcionando como factor de amortecimento e protecção das células epiteliais Provavelmente funcionando como factor de amortecimento e protecção das células epiteliais

6 Propriedades físicas da pele Fibras elásticas Fibras elásticas Muito mais finas que as fibras de colagénio Muito mais finas que as fibras de colagénio Ao contrário das fibras de colagénio têm uniões terminolaterais Ao contrário das fibras de colagénio têm uniões terminolaterais A sua principal função é fazer retornar a rede de fibras colagéneas à posição inicial de relaxamento A sua principal função é fazer retornar a rede de fibras colagéneas à posição inicial de relaxamento São responsáveis, em parte, pela tensão natural da pele São responsáveis, em parte, pela tensão natural da pele

7 Propriedades físicas da pele Meio intermédio Meio intermédio O sistema requer um meio de lubrificação O sistema requer um meio de lubrificação Mucopolissacáridos Mucopolissacáridos Disperso em torno das fibras de colagénio e fibras elásticas Disperso em torno das fibras de colagénio e fibras elásticas As fibras de colagénio não existem despidas mas sempre revestidas de mucopolissacáridos separando umas fibras das outras As fibras de colagénio não existem despidas mas sempre revestidas de mucopolissacáridos separando umas fibras das outras

8 Propriedades físicas da pele Outros sistemas Outros sistemas Coexistem com a rede de fibras de colagénio e elásticas Coexistem com a rede de fibras de colagénio e elásticas Rede vascular Rede vascular Rede linfática Rede linfática Rede nervosa Rede nervosa Anexos cutâneos Anexos cutâneos Não contribuem directamente para as funções físicas da pele mas alteram a rede de fibras à sua passagem Não contribuem directamente para as funções físicas da pele mas alteram a rede de fibras à sua passagem

9 Propriedades físicas da pele Propriedades viscoelásticas Propriedades viscoelásticas Propriedades tensionais Propriedades tensionais Propriedades de extensibilidade Propriedades de extensibilidade Variações direccionais Variações direccionais

10 Propriedades viscoelásticas Creep Creep Stress relaxation Stress relaxation

11 Propriedades viscoelásticas Creep Creep Ocorre quando a pele é estirada e a força de estiramento se mantém constante Ocorre quando a pele é estirada e a força de estiramento se mantém constante A pele continua a distender-se (dependendo das forças aplicadas) A pele continua a distender-se (dependendo das forças aplicadas)

12 Propriedades viscoelásticas Stress relaxation Stress relaxation É o corolário do creep É o corolário do creep Ocorre quando um fragmento de pele é estirada até determinada distância e essa distância é mantida constante Ocorre quando um fragmento de pele é estirada até determinada distância e essa distância é mantida constante A força necessária para manter essa distância de estiramento reduz-se gradualmente A força necessária para manter essa distância de estiramento reduz-se gradualmente

13 Propriedades viscoelásticas Stress relaxation e creep Stress relaxation e creep O factor tempo é importante O factor tempo é importante A não valorização do factor tempo leva a discordâncias de conceitos A não valorização do factor tempo leva a discordâncias de conceitos

14 Propriedades viscoelásticas creep creep Tem relevância clínica Tem relevância clínica Importante no encerramento de feridas Importante no encerramento de feridas Manutenção de estiramento durante algum tempo pode permitir um ganho adicional no encerramento de ferida que não se conseguiria na impressão inicial Manutenção de estiramento durante algum tempo pode permitir um ganho adicional no encerramento de ferida que não se conseguiria na impressão inicial Atenção: risco de necrose Atenção: risco de necrose Estiramento repetido de tecido permite ganho adicional de distância dentro de certos limites Estiramento repetido de tecido permite ganho adicional de distância dentro de certos limites

15 Propriedades viscoelásticas creep creep Tem relevância clínica Tem relevância clínica Uma das explicações possíveis é o facto da substância intersticial poder ser progressivamente removida do espaço entre a fibras Uma das explicações possíveis é o facto da substância intersticial poder ser progressivamente removida do espaço entre a fibras Quanto maior o fluído na derme maior a possibilidade de creep Quanto maior o fluído na derme maior a possibilidade de creep O processo é mais evidente com retalhos recentemente transpostos O processo é mais evidente com retalhos recentemente transpostos

16 Propriedades viscoelásticas stress relaxation stress relaxation Parece não ter relevância clínica Parece não ter relevância clínica No entanto pode justificar o facto de um retalho que imediatamente após a cirurgia apresenta estiramento excessivo poder melhorar ao fim de algum tempo No entanto pode justificar o facto de um retalho que imediatamente após a cirurgia apresenta estiramento excessivo poder melhorar ao fim de algum tempo

17 Propriedades tensionais É importante na cicatrização É importante na cicatrização A qualidade da cicatriz depende em parte das forças tensionais presentes e portanto da orientação da ferida A qualidade da cicatriz depende em parte das forças tensionais presentes e portanto da orientação da ferida Maiores forças tensionais traduzem-se por maior probabilidade de cicatrizes hipertróficas Maiores forças tensionais traduzem-se por maior probabilidade de cicatrizes hipertróficas Necessidade de escolher linhas de menor força tensional na colocação das feridas Necessidade de escolher linhas de menor força tensional na colocação das feridas

18 Propriedades tensionais Feridas suturadas ao longo das pregas condicionam melhores cicatrizes Feridas suturadas ao longo das pregas condicionam melhores cicatrizes Necessário considerar orientação de musculatura subjacente Necessário considerar orientação de musculatura subjacente Necessidade de considerar articulações Necessidade de considerar articulações Na base de técnicas como as plastias em Z Na base de técnicas como as plastias em Z

19 Propriedades tensionais As forças tensionais diminuem com a idade As forças tensionais diminuem com a idade Cicatrizes quase indetectáveis são frequentes em pele laxa devido à idade Cicatrizes quase indetectáveis são frequentes em pele laxa devido à idade O mesmo é verdade para escroto e pénis O mesmo é verdade para escroto e pénis Zonas de maior risco são o ombro e região pré- esternal (cicatrizes hipertróficas quase inevitáveis) Zonas de maior risco são o ombro e região pré- esternal (cicatrizes hipertróficas quase inevitáveis)

20 Propriedades tensionais São presumivelmente resultado de função da rede elástica (fibras elásticas) São presumivelmente resultado de função da rede elástica (fibras elásticas) As fibras de colagénio não têm capacidade de retracção As fibras de colagénio não têm capacidade de retracção Em algumas áreas a gravidade assume relevância Em algumas áreas a gravidade assume relevância P.e. peso de mamas contribuindo para cicatrizes alargadas no ombro P.e. peso de mamas contribuindo para cicatrizes alargadas no ombro Existem outros factores, nomeadamente individuais, impredictíveis Existem outros factores, nomeadamente individuais, impredictíveis

21 Propriedades tensionais Efeito da tensão na pele normal Efeito da tensão na pele normal A pele normal adjacente a uma contractura por queimadura não estira o necessário para corrigir o defeito A pele normal adjacente a uma contractura por queimadura não estira o necessário para corrigir o defeito Excisões seriadas podem levar a deformidades consideráveis pois a pele adjacente não compensa o defeito produzido Excisões seriadas podem levar a deformidades consideráveis pois a pele adjacente não compensa o defeito produzido

22 Efeito da tensão na pele stretching stretching Expansão Expansão Roptura Roptura Descoloração Descoloração

23 Efeito da tensão na pele stretching stretching P.e. linfedema, adiposidade P.e. linfedema, adiposidade A pele pode aumentar muitas vezes o seu tamanho original A pele pode aumentar muitas vezes o seu tamanho original A pele pode manter a sua espessura que muitas vezes aumenta A pele pode manter a sua espessura que muitas vezes aumenta Depende de numerosos factores nomeadamente biológicos Depende de numerosos factores nomeadamente biológicos É diferente do fenómeno puramente mecânico do creep É diferente do fenómeno puramente mecânico do creep

24 Efeito da tensão na pele Expansão da pele Expansão da pele Tornado popular com técnicas de reconstrução mamária para obtenção de pele Tornado popular com técnicas de reconstrução mamária para obtenção de pele Envolve a colocação de dispositivos subcutâneos (expansores) Envolve a colocação de dispositivos subcutâneos (expansores) Resulta da combinação de creep e fenómenos biológicos Resulta da combinação de creep e fenómenos biológicos

25 Efeito da tensão na pele Roptura e estrias Roptura e estrias Quando é aplicada uma força rapidamente progressiva Quando é aplicada uma força rapidamente progressiva Gravidez, Cushing, body-building Gravidez, Cushing, body-building Habitualmente prependiculares às linhas de Langer (direcção da distensibilidade mínima) Habitualmente prependiculares às linhas de Langer (direcção da distensibilidade mínima)

26 Efeito da tensão na pele Descoloração Descoloração Quando a rede fibrosa é deformada e os pequenos capilares obliterados Quando a rede fibrosa é deformada e os pequenos capilares obliterados Se mantida conduz a necrose Se mantida conduz a necrose Retalhos, úlceras de pressão Retalhos, úlceras de pressão Pode minimizar-se por reposicionamento de retalhos, incisões de descarga ou efeito de creep (muito discreto) Pode minimizar-se por reposicionamento de retalhos, incisões de descarga ou efeito de creep (muito discreto)

27 Propriedades de extensibilidade A pele é extensível de forma a permitir os movimentos do corpo A pele é extensível de forma a permitir os movimentos do corpo Devido ao posicionamento articular a pele habitualmente tem maior extensibilidade numas direcções que noutras Devido ao posicionamento articular a pele habitualmente tem maior extensibilidade numas direcções que noutras É maior na infância É maior na infância As propriedades elásticas da pele de retornar à posição inicial vai diminuíndo com a idade As propriedades elásticas da pele de retornar à posição inicial vai diminuíndo com a idade Relevância clínica: p.e. lipoaspiração Relevância clínica: p.e. lipoaspiração

28 Propriedades de extensibilidade A extensibilidade da pele, ao contrário da tensão, pode ser realmente medida in vivo A extensibilidade da pele, ao contrário da tensão, pode ser realmente medida in vivo Pinçamento de pele ou instrumental próprio Pinçamento de pele ou instrumental próprio Sobre a tíbia a pele é praticamente inextensível Sobre a tíbia a pele é praticamente inextensível Medidas in vivo podem diferir de in vitro Medidas in vivo podem diferir de in vitro Aderências aos tecidos profundos Aderências aos tecidos profundos

29 Variações direccionais das propriedades da pele Karl Langer ( ) Karl Langer ( ) Anatomista de viena Anatomista de viena Trabalho em cadáver fresco usando instrumento aguçado Trabalho em cadáver fresco usando instrumento aguçado Linhas de Langer Linhas de Langer Perfurações cilindricas dão origem a fendas na maioria dos locais do corpo organizando-se em linhas Perfurações cilindricas dão origem a fendas na maioria dos locais do corpo organizando-se em linhas Algumas perfurações deram origem a orifícios irregulares (p.e triangulares) nas zonas de interssecção de diferentes linhas Algumas perfurações deram origem a orifícios irregulares (p.e triangulares) nas zonas de interssecção de diferentes linhas

30

31 Variações direccionais das propriedades da pele Karl Langer ( ) Karl Langer ( ) Subjacentes aos achados encontrados estavam as fibras da derme Subjacentes aos achados encontrados estavam as fibras da derme Quando a pele era cortada prependicularmente às linhas encontradas verificava-se que as fibras subjacentes eram cortadas de forma prependicular ou oblíqua Quando a pele era cortada prependicularmente às linhas encontradas verificava-se que as fibras subjacentes eram cortadas de forma prependicular ou oblíqua Incisões paralelas às linhas seccionavam menos fibras da derme Incisões paralelas às linhas seccionavam menos fibras da derme

32 Variações direccionais das propriedades da pele Karl Langer ( ) Karl Langer ( ) Tiras de pele retiradas de cadáver contraíam- se para uma dimensão inferior à verificada in vivo Tiras de pele retiradas de cadáver contraíam- se para uma dimensão inferior à verificada in vivo Infelizmente não dispunha de técnicas de coloração para identificar fibras elásticas Infelizmente não dispunha de técnicas de coloração para identificar fibras elásticas O padrão das fibras da derme não era geneticamente determinado O padrão das fibras da derme não era geneticamente determinado Nos recém nascidos as linhas estabelecem círculos em torno do tronco e membros (provavelmente devido ao crescimento e forma deste) Nos recém nascidos as linhas estabelecem círculos em torno do tronco e membros (provavelmente devido ao crescimento e forma deste) Por volta dos 2,5 anos as linhas tornam-se mais definidas Por volta dos 2,5 anos as linhas tornam-se mais definidas O padrão pode mudar no adulto sempre as forças assim o imponham (gravidez, tumores, etc) O padrão pode mudar no adulto sempre as forças assim o imponham (gravidez, tumores, etc)

33 Variações direccionais das propriedades da pele Karl Langer ( ) Karl Langer ( ) Nas zonas em as forças de tensão são iguais em todas as direcções Nas zonas em as forças de tensão são iguais em todas as direcções Vortex Vortex Pré-esternal (cicatrizes hipertróficas?) Pré-esternal (cicatrizes hipertróficas?)

34 Variações direccionais das propriedades da pele Karl Langer ( ) Karl Langer ( ) Linhas de clivagem e linhas de tensão Linhas de clivagem e linhas de tensão São idênticas São idênticas Experiência com incisões circulares Experiência com incisões circulares

35 Variações direccionais das propriedades da pele Karl Langer ( ) Karl Langer ( ) Linhas de clivagem e extensão da pele Linhas de clivagem e extensão da pele Extensibilidade da pele é maior prependicularmente às linhas de clivagem que ao longo destas Extensibilidade da pele é maior prependicularmente às linhas de clivagem que ao longo destas

36 Com a idade a laxidão substitui a tensão da pele

37 Características da pele

38

39

40

41

42

43 Aumento de produção de pele Crescimento Crescimento Gravidez Gravidez Desenvolvimento mamário Desenvolvimento mamário Obesidade Obesidade Utilização de expansores Utilização de expansores

44 Situações fisiológicas Situações fisiológicas Gravidez Gravidez Crescimento Crescimento Situações patológicas Situações patológicas Tumores Tumores Obesidade mórbida Obesidade mórbida Sociedades primitivas Sociedades primitivas Expansão tissular

45 Não se encontra limitado à fase de crescimento Não se encontra limitado à fase de crescimento Sujeito a estímulos não genéticos Sujeito a estímulos não genéticos Expansão tissular

46

47 Epiderme - estudo histológico Epiderme - estudo histológico Aumento de espessura após cirurgia (1 semana) Aumento de espessura após cirurgia (1 semana) Independentemente do enchimento do expansor Independentemente do enchimento do expansor Afastamento dos apêndices cutâneos (sem necrose) Afastamento dos apêndices cutâneos (sem necrose) Sem células inflamatórias Sem células inflamatórias M.E. revela M.E. revela Diminuição dos espaços intercelulares Diminuição dos espaços intercelulares Ondulação da lâmina basal Ondulação da lâmina basal Expansão tissular

48 Epiderme - estudo autorradiográfico Epiderme - estudo autorradiográfico Aumento do número de mitoses Aumento do número de mitoses Repete-se com introdução de mais soro no expansor Repete-se com introdução de mais soro no expansor Reduzem-se com retirada de soro Reduzem-se com retirada de soro Inibição por contacto? Inibição por contacto? Ganho real de tecido Ganho real de tecido Expansão tissular

49 Nervos - estudos morfológicos e funcionais Nervos - estudos morfológicos e funcionais Sem perda significativa de função Sem perda significativa de função Alongamentos podem atingir 100% Alongamentos podem atingir 100% Edema do endonervo com afastamento dos axónios Edema do endonervo com afastamento dos axónios Desmielinização focal Desmielinização focal Conservação do citoesqueleto Conservação do citoesqueleto Expansão tissular

50 Fisiopatologia - Conceitos clássicos (Gibson) Fisiopatologia - Conceitos clássicos (Gibson) Extensibilidade inerente Extensibilidade inerente Mechanical Creep Mechanical Creep Biological creep Biological creep Expansão tissular

51 Fisiopatologia Fisiopatologia Conceito de Mechanical creep é contestado Conceito de Mechanical creep é contestado Deslocação de fluídos Deslocação de fluídos Recrutamento de tecidos vizinhos Recrutamento de tecidos vizinhos Expansão tissular

52 Fisiopatologia Fisiopatologia Aumento da vascularização dos retalhos (microangiografia) Aumento da vascularização dos retalhos (microangiografia) Aumento da sobrevivência de retalhos maiores Aumento da sobrevivência de retalhos maiores Efeito semelhante ao Delay Efeito semelhante ao Delay Hipóxia condiciona angiogénese Hipóxia condiciona angiogénese Tensão exercida no endotélio estimula proliferação Tensão exercida no endotélio estimula proliferação Expansão tissular

53 Dimensões do expansor Dimensões do expansor Determinar área, comprimento e largura do defeito Determinar área, comprimento e largura do defeito No mínimo a base do expansor deve igualar o defeito No mínimo a base do expansor deve igualar o defeito Expansor que forme retalho 2 a 3 vezes superior ao defeito Expansor que forme retalho 2 a 3 vezes superior ao defeito Expansão tissular

54 a b r h r 2 rh A = axb A = d/2 Dimensões do expansor Expansoterapia

55 Dimensões do expansor Dimensões do expansor Sobredimensionar ligeiramente o expansor Sobredimensionar ligeiramente o expansor Permite encerramento sem tensão Permite encerramento sem tensão Compensa retracção que sempre ocorre Compensa retracção que sempre ocorre Compensa erros geométricos Compensa erros geométricos (na prática podem-se encher mais) (na prática podem-se encher mais) Fazer medição na fase final da expansão Fazer medição na fase final da expansão Expansão tissular

56 Dimensões do expansor Dimensões do expansor Factores de erro a considerar: Factores de erro a considerar: Vértices arredondados dos expansores Vértices arredondados dos expansores Depressão dos tecidos abaixo do expansor Depressão dos tecidos abaixo do expansor Efeito de ponte nos ângulos rectos Efeito de ponte nos ângulos rectos Expansoterapia

57 Dimensões do expansor Dimensões do expansor Plano mole Plano ósseo Deformação em ponte Ângulos arredondados Expansoterapia

58 Enchimento do expansor Enchimento do expansor Início de expansão 2 semanas após a cirurgia Início de expansão 2 semanas após a cirurgia Intervalos de 2 semanas a 3-4 dias Intervalos de 2 semanas a 3-4 dias Habitualmente semanal ou bissemanal Habitualmente semanal ou bissemanal Agulha 23G ou mais fina Agulha 23G ou mais fina Buterfly possibilita mobilização Buterfly possibilita mobilização Possibilidade de injecção no domicílio Possibilidade de injecção no domicílio Expansão tissular

59 Enchimento do expansor Enchimento do expansor Período de repouso após expansão Período de repouso após expansão Antes da segunda intervenção Antes da segunda intervenção 4 a 6 meses após última sessão de injecção de soro 4 a 6 meses após última sessão de injecção de soro Relaciona-se com: Relaciona-se com: Menor retracção do retalho Menor retracção do retalho Menor contractura capsular Menor contractura capsular Expansão tissular

60 Enchimento do expansor Enchimento do expansor I. Enchimento intermitente I. Enchimento intermitente 1. Convencional com intervalos de 4 a 8 dias 1. Convencional com intervalos de 4 a 8 dias 2. Expansão rápida 2. Expansão rápida a) Intraoperatória a) Intraoperatória b) Intervalos de 24 horas b) Intervalos de 24 horas c) Intervalos de 48 horas c) Intervalos de 48 horas 3. Técnica de sobreenchimento 3. Técnica de sobreenchimento 4. Expansão rápida (intervalos de 48h) + sobreenchimento 4. Expansão rápida (intervalos de 48h) + sobreenchimento 5. Expansão rápida (intervalos de 24h) + Sobreenchimento cíclico (experimental) 5. Expansão rápida (intervalos de 24h) + Sobreenchimento cíclico (experimental) Expansão tissular

61 Enchimento do expansor Enchimento do expansor II. Enchimento contínuo II. Enchimento contínuo 1. Fluxo constante 1. Fluxo constante 2. Pressão de enchimento constante (experimental) 2. Pressão de enchimento constante (experimental) 3. Controlada por doente (Full load) 3. Controlada por doente (Full load) Expansão tissular

62 Enchimento do expansor Enchimento do expansor Expansão intraoperatória Expansão intraoperatória Expansões cíclicas e curtas (minutos) Expansões cíclicas e curtas (minutos) Parece depender de recrutamento de tecidos vizinhos Parece depender de recrutamento de tecidos vizinhos Pode complementar expansão lenta Pode complementar expansão lenta Expansão tissular

63 Novos dispositivos de expansão/extensão tissular Novos dispositivos de expansão/extensão tissular Aparelho de tracção mecânica das margens da ferida Aparelho de tracção mecânica das margens da ferida Dois pinos para margens Dois pinos para margens Aparelho de tracção mecânica Aparelho de tracção mecânica Pressão controlada por cirurgião Pressão controlada por cirurgião Utilização intraoperatória ou não (20min a 3 dias) Utilização intraoperatória ou não (20min a 3 dias) Utilização em diversas áreas anatómicas Utilização em diversas áreas anatómicas Autor advoga o não descolamento dos tecidos Autor advoga o não descolamento dos tecidos Expansão tissular

64 Novos dispositivos de expansão/extensão tissular Novos dispositivos de expansão/extensão tissular Aparelho de tracção elástica para couro cabeludo Aparelho de tracção elástica para couro cabeludo Duas fiadas de ganchos unidos por elastómero Duas fiadas de ganchos unidos por elastómero Tracção constante progressivamente menor Tracção constante progressivamente menor Processo de Extensão demora 30 a 40 dias Processo de Extensão demora 30 a 40 dias Pode-se variar força e forma do elastómero Pode-se variar força e forma do elastómero Não causa deformação durante o processo Não causa deformação durante o processo Resultados mais rápidos que excisões seriadas Resultados mais rápidos que excisões seriadas Exige presença de gálea Exige presença de gálea Expansão tissular

65 Elastómero Ganchos Expansão tissular


Carregar ppt "Engenharia de Tecidos Propriedades da pele Licenciatura em Engenharia Biomédica Biomecânica dos tecidos IST/FML Abril, 2008 Serviço de Cirurgia Plástica,"

Apresentações semelhantes


Anúncios Google