A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Fotografia 6º. ENCONTRO Curso Aprender & Comunicar Programa Nas Ondas do Rádio SME/SP São Paulo, 2011.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Fotografia 6º. ENCONTRO Curso Aprender & Comunicar Programa Nas Ondas do Rádio SME/SP São Paulo, 2011."— Transcrição da apresentação:

1 Fotografia 6º. ENCONTRO Curso Aprender & Comunicar Programa Nas Ondas do Rádio SME/SP São Paulo, 2011

2 Neste encontro... 2 FOTOGRAFIA: CONHECIMENTO S BÁSICOS Operação básica Escolha do equipamento

3 1 Por que fotografar bem?

4 Bons motivos Existem várias e importantes razões para se aprender a fotografar: 1.O Registro em si é algo importante para a preservação da memória histórica de pessoas, eventos e instituições. DICA: Há alguma exposição fotográfica perto de você? Informe-se e programe uma visita! 2. Num mundo obcecado por imagens, a Fotografia também ocupa um papel preponderante como forma de comunicação.

5 Bons motivos 3. O ato de fotografar também pode ser um Discurso, formando ou mudando opiniões. 4. No âmbito da escola, fotografar educa o olhar para ser crítico em relação às imagens DICA: Observe as capas de jornais e revistas. É possível avaliar a importância das fotos para o jornalismo?

6 2 Escolha seu equipamento

7 A Câmera certa A tecnologia digital predomina então, a menos que você deseje aprender revelação química por razões artísticas ou profissionais, não precisará se preocupar com filmes e revelação DICA: Pesquise sobre fotografia Pinhole em Esta regra tem uma exceção: confeccionar máquinas Pinhole, basicamente caixas (ou latas) com um buraquinho daí o nome buraco de alfinete que usam de filme fotográfico, pode ensinar bastante sobre a tecnologia e a linguagem desta arte.

8 A câmera certa Levando-se em conta que as câmeras analógicas domésticas já são um equipamento obsoleto, vamos tratar das opções, em ordem de preço, da mais barata para a mais cara: DICA: Muitas câmeras de vídeo fotos, assim como várias câmeras fotográficas que gravam vídeos. As últimas costumam levar vantagem TIPOEXEMPLOSVANTAGENSDESVANTAGENS Câmeras digitais de baixo custo Webcams Dispositivos fotográficos incluídos em celulares. Custo baixo, portabilidade, discrição. Baixa qualidade de imagem, fragilidade. Câmeras de uso amador Câmeras com lentes fixas e ajustes automáticos. Custo baixo a médio, com vários recursos automáticos. Poucas possibilidades técnicas,fragilidade. Câmeras Semi- profissionais Câmeras com lentes intercambiáveis. Excelente qualidade (custo- benefício), recursos manuais. Preço alto, pouca resistência Câmeras profissionais Câmeras com lentes intercambiáveis. Excelente qualidade, recursos manuais, resistência. Preço altíssimo.

9 3 Aprendendo a fotografar

10 Precauções DICA: Teste vários ajustes diferentes da câmera fotografando o mesmo objeto. Faça a mesma experiência Ajuste as câmeras para uma resolução média a boa. Caso a imagem necessite ser reduzida, diminua a qualidade na edição. Atente para um bom enquadramento, enfocando com precisão o objeto da imagem. Não tente conciliar retrato e paisagem: ou é um, ou é outro. Evite bater sempre a mesma foto: busque ângulos ousados e inesperados. Use o Flash mesmo durante o dia: ele equilibra melhor a luz nas imagens. Nas externas, evite a luz direta do sol, especialmente nos horários próximos ao meio dia.

11 Praticando DICA: Garanta a melhor produção de imagens que for possível. Lembre-se: a maioria dos problemas NÃO pode ser resolvida na edição. Use um tripé ou, ao menos um monopé. É muito difícil obter uma imagem sem um apoio fixo. Só recorra ao Zoom quando não puder se aproximar do objeto enquadrado. Evite particularmente o uso do Zoom digital. As câmeras digitais modernas contam com bons ajustes automáticos de abertura e foco. Para abrir mão deles, é necessário ser um operador experiente. Mais do que tudo: TENTE! A ordem é experimentar. DICA: Garanta a melhor produção de imagens que for possível. Lembre-se: a maioria dos problemas NÃO pode ser resolvida na edição.

12 Finalizando Câmeras com saída em CD ou cartão de memória (desde que haja um leitor disponível) são mais úteis do que as que necessitam transmitir as imagens via cabo). Dê preferência aos formatos com boa qualidade para entrada, como o JPEG de alta resolução para fotos. Dê preferência aos formatos leves para saída MPEG 4 para vídeo e JPEG de baixa resolução para fotos. A menos que você seja um expert bem equipado, suas opções de software para Para edição de imagens, há o GIMP (software livre para Windows e Linux) como opção ao Paint ou o Photo Editor do Windows.

13 Na cobertura Todas as pessoas cuja imagem venham a ser veiculadas deverão manifestar sua autorização para a publicação das mesmas. Há sites específicos para fotos e para vídeos. Todos necessitam de uma conta com cadastramento prévio que deve ser providenciado ANTES do evento. Por maior que pareça ser o espaço disponível nesses repositórios, a transmissão de arquivos de mídia ainda é problemática. Por isso, limite o tamanho (5 Mb) e a duração dos arquivos AVI. A cobertura deve ser um trabalho integrado, com horários definidos para a captação de material (cerca de uma hora), edição (uma hora e meia a duas horas) e publicação (30 minutos a uma hora). Assim, leve em conta um período de três a quatro horas bem aproveitadas para o cumprimento da meta de uma postagem diária. DICA: Discuta a pauta da cobertura foto-videográfica com as equipes de Rádio e Mídia Impressa para evitar lacunas e redundâncias.

14 4 Registro e Avaliação

15 No final e depois... Os arquivos digitais do material bruto e das produções finalizadas são a base do portifólio e da midiateca. Devem ser descarregados das câmeras e salvos em mídias de backup como CDs e DVDs. Depois de finalizada a cobertura, é necessária uma reunião com a equipe na qual todos os participantes expressem sua avaliação pessoal. A avaliação final da atividade deve ser levada ao conhecimento de todos os participantes. Elaborar um relatório final com os aspectos relevantes da ação realizada garante aos educadores a justificativa pedagógica para o desenvolvimento de novos projetos educomunicativos.

16 Atividade

17 Neste encontro... (1)Crie ou adapte uma anedota (historieta de curta duração) para ser contada. (2)Estabeleça um limite oito quadros são suficientes e procure desenvolver a anedota ao longo das imagens fotográficas. (3)Caso você não queira utilizar sua própria imagem, vale tudo: usar colaboradores, objetos inanimados e até desenhos fotografados. (4)Apresente o resultado no próximo encontro (ou poste-o em midiateca, a critério do mediador). (5)Os aspectos técnicos e comunicativos da sua fotonovela serão desenvolvidos no próximo encontro. Nos anos 1960/1970, as fotonovelas foram muito populares no Brasil. Com uma linguagem próxima à dos quadrinhos, as narrativas sequenciais abusavam do romantismo e aproveitavam, inclusive, atores e atrizes da ainda incipiente TV brasileira.

18 Quem somos? Realização Secretaria Municipal de Educação da Cidade São Paulo Programa Nas Ondas do Rádio – DOT/SME Coordenação do Programa Nas Ondas do Rádio Carlos Alberto Mendes de Lima Equipe de Formadores Alda Ribeiro Carlos E. Fernandez Carmen Gattás Eveline Araujo Izabel Leão Marciel Consani Paola Prandini Silene Araujo


Carregar ppt "Fotografia 6º. ENCONTRO Curso Aprender & Comunicar Programa Nas Ondas do Rádio SME/SP São Paulo, 2011."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google