A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Lilia Blima Schraiber Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Departamento de Medicina Preventiva. 2006 8o. Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Lilia Blima Schraiber Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Departamento de Medicina Preventiva. 2006 8o. Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva."— Transcrição da apresentação:

1 Lilia Blima Schraiber Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Departamento de Medicina Preventiva o. Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva E 11o. Congresso Mundial de Saúde Pública Painel Violência contra a mulher e Saúde: a Invisibilidade como questão para a pesquisa e os serviços de saúde Grupo interdisciplinar de pesquisa e intervenção Violência e Gênero nas práticas de saúde

2 1 322 mulheres ( anos) Rede pública MSP Questionário e Leitura Prontuários perguntas abertas e fechadas mulheres ZMP 1172 mulheres MSP (15 -49anos) Questionário domiciliar(4299) 16 Grupos focais homens; mulheres Entrevistas mulheres (12); Profissionais (39) 3193 mulheres ( anos) Rede pública GSP Questionário e Leitura Prontuários 11Grupos focais – mulheres Entrevistas profissionais (51) Prevalências e percepções de violência contra a mulher Estudos articulados: com mulheres, com homens, em serviço e populacional homens ( anos) Rede pública MSP Questionário e Leitura Prontuários 06 Grupos focais - homens 01 serviço serviços WHO VAW serviços

3 Perguntas sobre Violência comparáveis: Psicológica (VP) a) Insultou-a ; b) depreciou ou humilhou-a c) Fez com que se sentisse mal Física (VF) a) deu um tapa ou jogou algo que poderia machucá-la? b) Empurrou-a ou deu-lhe um tranco/chacoalhão? c) Machucou-a com um soco ou com algum objeto? d) Deu-lhe um chute, arrastou ou surrou? e) estrangulou-a ou queimou-a de propósito? f) ameaçou usar ou realmente usou arma de fogo, faca ou outro tipo de arma contra você? Sexual (VS) a) forçou-a fisicamente a manter relações sexuais quando você não queria? b) forçou-a a uma prática sexual que não gostasse (degradante ou humilhante)? Percepção: Considera que sofreu violência [ foi violento] na vida?

4 Referências teórico-conceituais e práticas Violência como violação de Direitos da perspectiva ética e legal [esfera pública] VCM como questão de gênero Por Parceiro Íntimo e Doméstica [esfera privada] Na saúde: Objeto médico-social Interdisciplinaridade na pesquisa Intersetorialidade e Trabalho em equipe na assistência

5 Tema complexo Romper com determinismos e simplificações explicativas Incorporar incertezas, contradição, pluralidade Reconhecer a insuficiência das disciplinas isoladas Tema sensível Da ordem do possível mais do que do previsível A singularidade da experiência na compreensão e na revelação Experiência humana de fortes emoções: a dor que não tem nome Desafios : Especificidades do tema violência Especial dinâmica entre o visível e o invisível

6 INVISIBILIDADE da Violência Por ter sentidos diferentes em diferentes culturas Por ter sentidos diferentes para homens e mulheres Por não ter sentido tecnológico na saúde Silêncios e Recusas de natureza social, de gênero e de medicalização da saúde pesquisa e na assistência em saúde

7 Invisibilidade em diferentes culturas Naturalização e banalização parecem ser representações comuns entre as diversas culturas Ocorrem e se expressam de formas diferentes nas diferentes culturas Adquirem significados e sentidos particulares Valorização; Revelação; Forma de lidar

8

9 Prevalência da VPI em 15 regiões de 10 países

10 WHO VAW Study – VPI A mulher é vista como transgressora de uma ordem, transgressora a ser controlada VCM se estabelece como conflito interpessoal: do desacordo verbal à agressão física/ abuso sexual, em situações de conflitos sobre dinheiro, relacionamentos afetivos (ciúmes e sentimento de posse do Outro) a mulher se encontra com baixo poder de agir/atuar a violência seja uma norma sócio-cultural Todos os fatores associados requerem um contexto em que Pobreza (quando não extrema), baixa escolaridade, abuso de álcool, experiência de violência na infância parecem ser fatores mais permanentes É permanentea associação entre prevalência e a mulher achar natural ou justificada Há um leque de prevalências; há variação de fatores associados e as associações nem sempre se mantém pelos países Há sempre altas taxas: maiores nas regiões rurais e menores nas grandes cidades; mantêm-se o parceiro como principal agressor [Garcia Moreno et al, 2005; Jewkes, 2002]

11 Invisibilidades para homens e mulheres: a naturalização Estudo com população de baixa renda por grupos focais Em abstrato: Mulheres – Injustificável Homens – Tolerável, pode ocorrer (conflitos graves) Necessária, como disciplina ou controle Concretamente, no dia-a-dia: Natural para Homens: Instintiva ou por Impulso ela me faz perder a cabeça Natural para as Mulheres: Fatalidade ou Destino quando ele bebe, perde a cabeça Não há sobre o que falar; não há porque falar Não há questão

12 VF/S QQ 41%; 40,6% PI 28,9%; 36.9% WHO VAW n = 1172 (940) SP; 1473 (1095) PE Projeto II Usuárias 19 Serviços n =3193 (3088) Projeto III VF/S QQ 54,8% PI 45,4% Invisibilidades para homens e mulheres: a banalização Alta prevalência no cotidiano doméstico: evento trivial Parceiro, principal agressor evento íntimo e pessoal Não se fala sobre a vida doméstica ou sobre o corriqueiro; revela-se apenas o fato fora do comum Há questão, mas não é importante, não é violência Agressores VPI 57%; 73%

13 VCM segundo homens e mulheres usuários de um serviço de saúde Projetos III e IV VCM por ParceiroRelato de violência sofrida por mulheres n= 282 Relato de violência praticada por homens n= 387 Violência Psicológica 52,5%42,4% Violência Física38,3%33,9% Violência Sexual19,3%4,7% P< 0,05

14 Freqüência dos episódios de agressões físicas e Percepção de violência Para as Mulheres: 34,3% poucas vezes 35,2% uma única vez 30,5% muitas vezes 28,4% consideraram ter sofrido violência Para os Homens: 76,3% poucas vezes 15,3% uma única vez 8,4% muitas vezes 28,6% consideraram ter praticado violência

15 Invisibilidades: Polissemia do termo violência 44,4% relataram agressões físicas; 76,9% por parceiro ou familiar 11,5% relataram relações sexuais forçadas; 62,2% por parceiro ou familiar 322 mulheres foram entrevistadas em Centro de Saúde Projetos I 46,9% consideraram sofrer violência na vida 70,3% consideraram sofrer violência na vida Perguntadas : O que é Violência A resposta: abuso ou agressão sexual por estranhos

16 Invisibilidades: os profissionais e a medicalização Os profissionais como Homens e Mulheres sob a medicalização Projeto II e III Porque o pessoal de saúde não pergunta? è A violência é um problema da polícia ou do judiciário, não da saúde èNão saberiam o que fazer e por isto tem medo de perguntar èNão devem se intrometer e não sabem como perguntar èA pressão para atender muitas pessoas por turno não lhes permite mencionar a violência que chama novas e desconhecidas ações èTêm medo do agressor e/ou de represálias èOs próprios profissionais sofrem /sofreram, testemunharam ou cometem violência; esta proximidade dificulta a ação

17 INTERVENÇÃO TÉCNICA APROPRIADA: o fazer diverso da terapêutica biomédica ORGANIZAÇÃO GLOBAL DO SERVIÇO que inclua a violência como questão Invisibilidades: as práticas em saúde e a medicalização VER E FAZER-VER: da assistência a casos eventuais por motivação pessoal do profissional à organização global do serviço para dar visibilidade CAPACIDADE COMUNICATIVA: valorizar relatos que não são a linguagem da doença ou seus riscos, dando crédito e escuta às narrativas


Carregar ppt "Lilia Blima Schraiber Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Departamento de Medicina Preventiva. 2006 8o. Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google