A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

No período Pré-Colonial (1500 a 1530), não havia interesse de Portugal pelo Maranhão, em 1531, Diogo Leite, chega ao rio Gurupi no Maranhão, porém o envio.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "No período Pré-Colonial (1500 a 1530), não havia interesse de Portugal pelo Maranhão, em 1531, Diogo Leite, chega ao rio Gurupi no Maranhão, porém o envio."— Transcrição da apresentação:

1

2 No período Pré-Colonial (1500 a 1530), não havia interesse de Portugal pelo Maranhão, em 1531, Diogo Leite, chega ao rio Gurupi no Maranhão, porém o envio desta expedição e as descobertas por ela feitas não significou a imediata inclusão da área ao processo colonizador português, isto só ocorreria posteriormente com as capitanias hereditárias.

3 A CONQUISTA DO MARANHÃO Após o estabelecimento de uma gradativa estratégia de contato e aproximação com nativos – que já exploravam a costa maranhense desde o fim do século XVI – os franceses fundaram em 1612, o Forte São Luís, sob o comando dos capitães Daniel de La Touche e Francois de Razilly, para o estabelecimento de uma colônia.

4 A primeira ilha onde os franceses aportaram chamaram-na Upaon-Nirim (ilha pequena), atual ilha de Santana, no município de Humberto de Campos, posteriormente os franceses se transferiram para Upaon – Açu (Ilha Grande) hoje São Luis. Preocupados em defender a região ocupada contra ataques portugueses, os franceses construíram uma fortaleza que recebeu o nome de Forte São Luis, em homenagem ao futuro rei da França, Luis XIII.

5 A REAÇÃO PORTUGUESA Logo que soube disso, o Governador Geral do Brasil Gaspar de Sousa, nomeou Jerônimo de Albuquerque como Capitão da Conquista e descobrimento das terras do Maranhão, a fim de expulsá-los, ele derrotou os franceses em 02 de novembro de 1615, na batalha de Guaxenduba.

6 A BANDEIRA DO MARANHÃO Nossa bandeira foi idealizada pelo poeta maranhense Sousândrade. Suas listas, em vermelho, branco e preto, representam as três etnias que formam o nosso povo: o índio, o branco e o negro. A estrela branca, contida no retângulo azul no canto superior esquerdo, simboliza o Estado do Maranhão no céu do Brasil.

7 MARANHÃO: ESPAÇO TROPICAL Astronomicamente, o Maranhão localiza-se em dois hemisférios do globo terrestre, de acordo com os seguintes referenciais: Em relação a linha do Equador, o espaço maranhense encontra-se totalmente no hemisfério Sul, em relação ao meridiano de Greenwich, as terras maranhenses pertencem ao hemisfério Oeste.

8 PONTOS EXTREMOS Ao Norte – corresponde à foz do rio Gurupi – no município de Carutapera. Ao Sul – Nascente do rio das águas quentes, Tabatinga, Mangabeira – município de Alto Parnaiba. Ao Leste – Foz do rio Parnaiba, confluência com o Iguaraçu – município de Araioses A Oeste – Confluência do rio Tocantins com o Araguaia – município de São Pedro da água Branca.

9 LIMITES O Maranhão é quase totalmente delimitado por água, por isso é quase uma ilha: Ao Norte, limita com o Oceano Atlântico Ao Sul, limita com os Estados do Piauí e Tocantins – linha divisória (rio Tocantins e Manoel A. Grande) separa MA-TO. Ao Leste, limita com o estado do Piauí – linha divisória (rio Parnaiba) separa MA-PI. A Oeste, limita com os estados do Pará e Tocantins – linha divisória (rio Gurupi) separa MA-PA.

10 OBSERVAÇÕES 8º estado mais extenso do Brasil. 2º estado mais extenso do Nordeste. 10ª população absoluta do Brasil. 4ª população absoluta do Nordeste. Densidade demográfica 16,9 hab/km. Crescimento vegetativo 1,9%. Taxa de fecundidade 4 filhos por mulher. Expectativa de vida 56 anos de idade. Taxa de analfabetismo 29,6%. Mortalidade infantil de 54 por mil.

11 ZONAS FISIOGRÁFICAS

12 CARACTERÍSTICAS CLIMÁTICAS No território maranhense, observamos a fidelidade às características da tropicalidade, entre as quais destacam- se no contexto natural: Elevadas temperaturas durante o ano Alto índice pluviométrico Dias e noites com a mesma duração Existência prática de apenas uma estação do ano – o verão.

13 SITUAÇÃO GEOGRÁFICA Para o IBGE o estado do Maranhão está localizado na macro-região Nordeste do Brasil. O estado se divide em 5 meso-regiões, 21 micro-regiões e 217 municípios. O estado do Maranhão têm como capital a cidade de São Luís (Norte Maranhense). As principais cidades além da capital são: Imperatriz (Oeste); Bacabal e Barra do Corda (Centro); Caxias, Timon e Codó (Leste); Balsas (Sul).

14 REGIÕES GEOCONÔMICAS

15 OBSERVAÇÕES Na regionalização do Brasil em regiões geoeconômicas, o território maranhense está em duas regiões. A porção leste é considerada Nordeste. A porção oeste é considerada Amazônia. Essa regionalização leva em consideração aspectos físicos, históricos, culturais e geoeconômicos.

16 OBSERVAÇÕES O Nordeste é dividido em 4 sub-regiões: Zona da Mata, Agreste, Sertão e Meio- Norte. O Meio-Norte também pode ser chamado Nordeste Ocidental. Fazem parte do Meio-Norte os estados do Piauí e do Maranhão. O Maranhão é o estado menos nordestino.

17 HORA DO BRASIL Encontra-se no fuso –3 em relação a GMT. Encontra-se no 2º fuso horário brasileiro. Tem a mesma hora oficial do Brasil. Não participa do horário de verão brasileiro.

18 OBSERVAÇÕES Mais da metade do Maranhão faz parte da chamada Amazônia Legal. A antiga SUDAM, hoje ADA, atua no território maranhense. O Projeto SIVAM abrange parte do estado do Maranhão. O oeste maranhense faz parte do Programa Grande Carajás.

19 CRIAÇÃO DOS MUNICÍPIOS Hoje o Maranhão possui 217 municípios, sendo que 81 deles foram instalados em A criação de municípios na maioria das vezes está ligada a interesses eleitoreiros. Quase sempre os municípios criados não tem potencial sócio-econômico para se desenvolverem. Os custos para a implantação do novo município são muito altos.

20 EXTENSÃO TERRITORIAL

21 OBSERVAÇÕES 8º estado mais extenso do Brasil. 2º estado mais extenso do Nordeste. 10ª população absoluta do Brasil. 4ª população absoluta do Nordeste. Densidade demográfica 16,9 hab/km. Crescimento vegetativo 1,9%. Taxa de fecundidade 4 filhos por mulher. Expectativa de vida 56 anos de idade. Taxa de analfabetismo 29,6%. Mortalidade infantil de 54 por mil.

22 ESTRUTURA GEOLÓGICA MARANHENSE

23 RELEVO MARANHENSE

24 OBSERVAÇÕES O terreno maranhense apresenta apenas bacias e escudos, não existindo dobramentos modernos. Predominam as bacias sedimentares. Os escudos ocupam 10% do espaço maranhense (Baixo Munim e Baixo Itapecuru/Núcleo de perizes; e no noroeste do estado, o Núcleo Gurupi). A sedimentação se dá desde a Era Paleozóica. A sedimentação mais antiga está nas maiores altitudes do centro-sul do estado. O centro-norte é constituído por bacias em processo de formação.

25 OBSERVAÇÕES Apresenta altitudes moderadas em relação ao relevo brasileiro (70% das terras estão abaixo de 200 m). Declive em direção sul-norte. É pouco acidentado. O sul do estado apresenta as maiores altitudes. Para Aroldo de Azevedo e Aziz AbSaber apresenta: planícies e planaltos. Para Jurandyr Ross: depressões, planaltos e planícies.

26 UNIDADES DO RELEVO MARANHENSE Planície Costeira – ocupa a área litorânea formada por sedimentação quaternária e economicamente destaca- se o a pesca, turismo, extração de sal marinho e dinânica portuária. Costas de Rias Costas de Dunas

27 AS ELEVAÇÕES MARANHENSES Noroeste – Serra da Piranhinha – divisa de Santa Luzia do Paruá e Cândido Mendes. Oeste – Serra do Tiracambu – divisa de Bom Jardim e Carutapera – Serra do Gurupi – nos municípios de Imperatriz, Açailândia e João Lisboa. Sudoeste – Serra da Cinta – Sítio Novo e Porto Franco – Serra da Menina – Sítio Novo, Grajaú e Estreito – Serra do Oeste de Carolina – Chupador e Grande – Serra do Leste. Sul – Chapada das Mangabeiras.

28 DOMINÍOS GEOLÓGICOS Centro-Sul – Domínios de Chapadões, Chapadas, Tabuleiros – sendo as maiores altitudes, a medida que se dirige para o Norte diminuem gradativamente. Região Central – superfície semi-plana. Golfão Maranhense – Ocupa o centro litoral, resultante de uma intensa sedimentação fluvial com domínios de planície aluviais Lençois Maranhenses – ocupa o litoral oriental, com uma média de 50 Km do continente sob o domínio de dunas. Costa de Rias, dominam a porção ocidental do litoral com pontas, ilhas, reentrâncias e manguezais.

29 SOLOS DO MARANHÃO Entre os principais tipos de solos no espaço maranhense podem destacar-se: Latossolo Podzolicos Plintossolos Areias Quartzosas Litólicos Indiscriminados de Mangues Roxo Estruturado Aluviais Planossolo Cambissolo Vertissolo Hidromórficos

30 HIDROGRAFIA MARANHENSE

31 HIDROGRAFIA O Maranhão é o estado nordestino de maior potencial hídrico, pois sua periferização amazônica proporciona- lhe a maior rede hidrográfica da região, com rios perenes e volumes dágua sazonais, bom índice de chuvas, rede lacustre e um grande litoral.

32 OBSERVAÇÕES O Maranhão em virtude de sua localização geográfica e condições climáticas possui uma rica hidrografia. O Maranhão possui rios limítrofes e genuínos. Os limítrofes são: Tocantins, Gurupi, Manuel Alves Grande e Parnaíba. Os principais rios genuinamente maranhenses são: Munim, Itapecuru, Mearim e Pindaré (Golfão Maranhense). Os rios maranhenses correm no sentido Sul- Norte.

33 BACIAS HIDROGRÁFICAS NO MARANHÃO.

34 BACIAS HIDROGRÁFICAS Os rios que banham o espaço maranhense, pertencem naturalmente em dois grupos de bacias hidrográficas: As bacias limítrofes e as bacias genuinamente maranhenses constituídas pelos rios que nascem e banham somente o espaço maranhense. Limítrofes – Parnaiba – tocantins - gurupi

35 BACIA DOS RIOS GENUINAMENTE MARANHENSE Golfão Maranhense 1-Bacia do Munim 2-Bacia do Itapecuru 3-Bacia do Mearim 4-Bacia do Pindaré Bacias Secundárias Litoral Ocidental – (Bacia do Maracaçumé – Bacia do Turiaçu – Bacia de Pericumã). Litoral Oriental – (Bacia do Periá e do Preguiça)

36


Carregar ppt "No período Pré-Colonial (1500 a 1530), não havia interesse de Portugal pelo Maranhão, em 1531, Diogo Leite, chega ao rio Gurupi no Maranhão, porém o envio."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google