A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

ÉonEraPeríodoMilhões de anos ÉpocaEvolução física da TerraDesenvolvimento de plantas e animais Quaternário1,8 Holoceno Pleistoceno GlaciaçõesDesenvolvimento.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "ÉonEraPeríodoMilhões de anos ÉpocaEvolução física da TerraDesenvolvimento de plantas e animais Quaternário1,8 Holoceno Pleistoceno GlaciaçõesDesenvolvimento."— Transcrição da apresentação:

1

2

3 ÉonEraPeríodoMilhões de anos ÉpocaEvolução física da TerraDesenvolvimento de plantas e animais Quaternário1,8 Holoceno Pleistoceno GlaciaçõesDesenvolvimento da espécie humana Cenozóica (vida atual) Terciário 65,5Plioceno Mioceno Oligoceno Eoceno Dobramentos modernos: Andes, Rochosas, Himalaia, Alpes, Cadeia dos Atlas Idade dos mamíferos; extinção dos dinossauros e de muitas outras espécies Paleoceno MesozóicaCretássico145,5Separação dos continentes, formação de bacias sedimentares e de petróleo Plantas com flores,dinossauros dominantes, Idade dos répteis Fanerozóico(vida intermediária)Jurássico199,6 Triássico245 Permiano299Intenso processo de sedimentação e formação de bacias carboníferas (Pântanos, florestas de samambaias e coníferas foram destruídos) Animais e plantas marinhos, répteis, anfíbios, insetos, peixes e trilobitas. Pântanos de carvão, plantas terrestres Carbonífero359Pangeia PaleozóicoDevoniano416 (vida antiga)Siluriano443 Ordoviciano488 Cambriano542 ProterozóicoPré-Cambriano 2.500Formação de escudos cristalinos e minerais metálicosOrganismos multicelulares Arqueozóico(vida primitiva)4.030Formação de rochas magmáticas e dos dois primeiros continentes Organismos unicelulares Hadeano 4.566Início da Terra Nenhum sinal de vida

4 Esses períodos se subdividem em épocas e idades. Cada uma dessas subdivisões corresponde a algumas importantes alterações ocorridas na evolução da Terra, como pode ver na tabela abaixo:

5 Segundo esta teoria, há aproximadamente 200 milhões de anos não existia separação entre os continentes, ou seja, havia uma única massa continental chamada de Pangeia e um único Oceano, o Pantalassa. Depois de milhões de anos houve uma fragmentação que deu origem a dois grandes continentes chamados de Laurásia e Godwana. A partir daí os continentes foram se movendo e se adequando às configurações atuais. O ponto crucial para o desenvolvimento dessa teoria, que na sua essência significa movimentação dos continentes, ou ainda, placas tectônicas que se movem, é a constatação de que a Terra não é estática. Alguns pontos que comprovam essa teoria são a descoberta de fósseis de animais da mesma espécie em continentes diferentes e o fato da costa da África possuir um contorno que se encaixa na costa da América do sul, levando a acreditar que no passado os dois continentes se encontravam juntos.

6 Permiano 225 milhões de anos Triássico 200 milhões de anos Jurássico 35 milhões de anos Cretássico 65 milhões de anos Atualmente Teoria da Deriva Continental Wegener

7 Teoria da Tectônica de Placas A litosfera dividida em placas se movem sobre o manto superior (ou astenosfera) As placas podem se chocar, se separar ou deslizar ao longo de outras.

8 Se um determinado bloco for suportado por materiais mais plásticos e mais densos que ele, então, estes blocos devem flutuar nesse substrato de acordo com o princípio de Arquimedes, tal como acontece quando se colocam blocos de madeira, gelo ou barcos num dado volume de água. De um modo análogo, as placas tectônicas da crosta terrestre poderia ser comparadas a um conjunto de blocos rochosos, "flutuando" em equilíbrio sobre a parte superior de um substrato mais denso (o manto). Teoria do Equilíbrio Isostático (Isostasia)

9 Equilíbrio isostático Equilíbrio entre a Crosta Terrestre (sólida e menos densa) e o Manto (magma pastoso com altas temperaturas – mais denso)

10 Um dos casos que pode ser referido como exemplo de anomalia isostática negativa é o levantamento do bloco escandinavo. Através de registros históricos, foi constatado que durante o século XIX o golfo de Botnia se elevou aproximadamente cerca de 9 mm/ano. Antigas praias, com cerca de anos, estão agora situadas 400 m acima do nível atual do mar. No último milhão de anos esta zona estava coberta por uma "calota" glaciária, o que obrigaria a um equilíbrio isostático de acordo com essas condições. Há cerca de anos, no período pós-glaciário, com a fusão dessas massas de gelo que cobriam a Escandinávia, o bloco começou a elevar-se. Um exemplo

11 A descoberta e os estudos realizados ao longo das Cadeias Meso-oceânicas (oceanic spreading ridge) que constitui um sistema contínuo de elevações do piso oceânico, com forte atividade sísmica e vulcânica, deu margem ao desenvolvimento da Tese de Expansão do Fundo Oceânico. Um exemplo é a Cadeia Meso-Atlântica, que se estende continuamente no centro do Oceano Atlântico. Pode-se dizer que a Teoria de Placas Tectônica é fruto dos estudos de Deriva Continental e dos estudos da Expansão do Fundo Oceânico. Tese da Expansão do Fundo dos Oceanos

12 O conhecimento do interior da Terra é possível através de estudos do grau geotérmico, dos abalos sísmicos e das erupções vulcânicas. Grau geotérmico – aumento da temperatura na razão de 1º C para cada 30 a 40 metros de profundidade. A 50 km de profundidade a temperatura terá aproximadamente 1 800º C. Exemplo – A Mina de Morro Velho tem profundidade de metros e sua temperatura é de 64º C. (elevação de 46º C até o fundo da mina). As camadas da Terra

13 Sólido (?) Níquel e ferro Líquido Material muito denso, talvez liga de ferro, silício e enxofre. Situa-se entre 500 km e km e tem um leve aumento de densidade em profundidade. Rico em ferro e magnésio. Pode atingir profundidades de até 350 km. Menos denso que o manto inferior. Rico em ferro e magnésio 0,2 % da massa da Terra. Espessura de 20 a 90 km. Crosta oceânica – 7 km

14 As distribuições contínuas por vários continentes de quatro tipos de fósseis constituíram os argumentos paleontológicos que Wegener apresentou na sua teoria (adaptado de Kious)argumentos paleontológicos Para fundamentar a Teoria da Deriva dos Continentes, Wegener baseou-se em diversos argumentos:Teoria da Deriva dos Continentes MorfológicosMorfológicos - a semelhança de encaixe entre as costas de diversos continentes, em particular entre a América do Sul e a África; PaleontológicosPaleontológicos - a ocorrência de fósseis idênticos em zonas continentais hoje separadas por oceanos; LitológicosLitológicos - a ocorrência de rochas idênticas em continentes hoje distantes. Wegener provou que as rochas das costas atlânticas da América do Sul e da africana tinham a mesma origem; PaleontológicosPaleontológicos - a existência de marcas de depósitos glaciários em zonas onde atualmente existem climas tropicais, como na África.

15

16 O movimento contínuo das placas da crosta terrestre pode comprimir, esticar ou quebrar os estratos rochosos, deformando-os e produzindo falhas (falhamentos) e dobras (dobramentos). Este movimento é denominado movimento orogênico. Movimentos Tectônicos ou Diastróficos O movimento lento que provoca subida e descida de grandes áreas denomina-se movimento epirogênico.

17 De acordo com a teoria tectônica de placas, as placas litosféricas deslizam e às vezes colidem entre si em uma velocidade que oscila entre 1 e 10 cm/ano. Os movimentos realizados por elas são distintos e variados, a seguir os principais: Movimento de convergência (colisão e soerguimento) corresponde ao choque entre duas placas litosféricas, as camadas de rochas elásticas dão origem às cadeias de montanhas, em diversas vezes vulcânicas, com essa característica de formação temos as cordilheiras dos Andes e o Himalaia. I - Movimentos orogênicos

18 Uma dobra é a curvatura de uma camada rochosa causada por compressão. Ocorrem em rochas elásticas. Os flancos das dobras que convergem para cima são os anticlinais. Os flancos das dobras que convergem para baixo são os sinclinais. anticlinal sinclinal Movimentos orogênicos - dobramentos

19 As dobras variam de tamanho. Podem ter de poucos milímetros de comprimento à cadeias montanhosas dobradas com centenas de quilômetros de extensão. Himalaia Parte de uma rocha dobrada

20 Um relevo montanhoso dobrado que sofreu erosão

21 Surgem quando ocorre compressão em rochas mais rígidas Movimentos orogênicos - falhamentos

22 Partes de um falhamento

23

24 Movimento de deslizamento: é responsável, em certos casos, pelos abalos sísmicos, ocorre pelo fato de duas placa deslizarem em sentido contrário.

25 Movimento de afastamento (divergência) Consiste no distanciamento entre duas placas, com isso forma-se uma lacuna que é preenchida com fragmentos de rochas oriundas do manto em estado líquido. Quando ocorre no fundo dos oceanos provoca o crescimento do assoalho oceânico.

26 Movimento de convergência (subducção, colisão) Ocorre quando duas placas se chocam e a borda de uma fica debaixo da outra até chegar ao manto.

27

28 Falhas no Brasil

29

30

31 Nordeste

32 Outro fenômeno causado pelo movimento de placas são os vulcões, que podem começar pela saída de rochas derretidas, o magma, que se encontra no interior da Terra e sai quando as placas se chocam ou se afastam. II - Vulcanismo

33 Visão incrível no Pacífico Sul Em agosto de 2006 o iate "Maiken" estava navegando no Pacífico Sul quando a tripulação teve uma estranha visão. Olhe estas fotos e tente imaginar o espanto que este fenômeno causou.

34 Uma praia no meio do Pacífico?

35 São cinzas vulcânicas flutuando

36 O barco no meio das cinzas

37 O rastro do barco

38 O céu fica negro de cinzas

39 Uma coluna de água fervendo se eleva

40 Uma coluna de lava é lançada onde antes só existia água

41 As lavas começam a se acumular na superfície do oceano

42 A cratera de um vulcão submarino aparece dando origem a uma nova ilha


Carregar ppt "ÉonEraPeríodoMilhões de anos ÉpocaEvolução física da TerraDesenvolvimento de plantas e animais Quaternário1,8 Holoceno Pleistoceno GlaciaçõesDesenvolvimento."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google