A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

REMOÇÃO DA FASE SÓLIDA DO CAUDAL DERIVADO E TURBINADO EM PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS Dimitry ZNAMENSKY Eng. Prof. DSc - Membro do CBDB.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "REMOÇÃO DA FASE SÓLIDA DO CAUDAL DERIVADO E TURBINADO EM PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS Dimitry ZNAMENSKY Eng. Prof. DSc - Membro do CBDB."— Transcrição da apresentação:

1 REMOÇÃO DA FASE SÓLIDA DO CAUDAL DERIVADO E TURBINADO EM PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS Dimitry ZNAMENSKY Eng. Prof. DSc - Membro do CBDB

2 POTENCIA DE PCH / MCH (kgf/m 3 )- peso específico da mistura ou do fluido (composto pelas fases liquida, sólida e gasosa) e que constitui o caudal turbinado ; (m)-desnível total, ou queda bruta do curso de água, proporcionado pelo relevo no local do aproveitamento. ( m 3 /s)- vazão natural disponível (garantida) do curso de água no local do aproveitamento;

3 VAZÃO DA MISTURA COMO SOMA DA VAZÃO LÍQUIDA E SÓLIDA (m3/s) Vazão Sólida (m3/s) Vazão Líquida

4 VAZÃO DA MISTURA (LÍQUIDOS E SÓLIDOS) E SUA CONCENTRAÇÃO

5 PESO ESPECÍFICO DA MISTURA EM FUNCÃO DA CONCENTRACÃO VOLUMÉTRICA - peso específico da mistura bifásica ou uma grandeza física função de: - peso específico de água ou do meio dispersóide; - peso específico de sólidos ou do meio disperso; - coeficiente de concentração volumétrica adimensional, ou a relação entre o volume dos sólidos e o volume total da mistura.

6 UNIVERSO DAS POSSIVEIS MISTURAS

7 POTENCIA CONDICIONADA PELA VAZÃO LIQUIDA E SÓLIDA DE UMA MATRIZ BIFÁSICA. -x-x-x-

8 CORRIDA DETRÍTICA

9 Diâmetro Designa ç ão Dimensões Mil í metros (mm) Metros (m)/ M í crons ( ) -12Blocos de rocha>40004,0 (Metros) -11Matacões muito grandes4000-20004,0-2,0 -10Matacões grandes2000-10002,0-1,0 -9 Matacões m é dios 1000-5001,0-0,5 -8Matacões pequenos500-2500,50-0,25 -7Pedras de mão grandes250-1300,25-0,13 -6Pedras de mão pequenas130-640,130-0,064 -5 Cascalho muito gra ú do 64-320,064-0,032 -4 Cascalho gra ú do 32-160,032-0,016 -3 Cascalho m é dio 16-80,016-0,008 -2Cascalho fino8-40,008-0,004 Cascalho muito fino4-20,004-0,002 0Areia muito grossa2-12.000-1.000 (Microns) +1Areia grossa1,0-0,51.000-500 +2 Areia m é dia 0,50-0,25500-250 +3Areia fina0,250-0,125250-125 +4Areia muito fina0,125-0,062125-62 +5Silte grosso0,062-0,03162-31 +6 Silte m é dio 0,031-0,01631-16 +7Silte fino0,016-0,00816-8 +8Silte muito fino0,008-0,0048-4 +9Argila grossa0,004-0,0024-2 +10 Argila m é dia 0,002-0,0012-1 +11Argila fina0,0010-0,00051-0,5 +12Argila muito fina0,0005-0,000240,5-0,24 TABELA DE SEDIMENTOS SEGUNDO AGU

10 BARRAGEM TIPO ABERTA PROVIDA DE GRELHA PARA RETENÇÃO E SEPARAÇÃO DE SEDIMENTOS MACROMERÍTICOS DAS CORRIDAS DETRÍTICAS P. T. da Cruz (2001) VISTA LATERAL AMONTANTE VISTA FRONTAL AMONTANTE P. T. da Cruz (2001) Evolução do vertedor tipo Tirol passando de uma soleira de fundo, com galeria de descarga, para uma estrutura mais complexa e eficiente. Introdução de planos distintos de seleção de sedimentos, variando desde um plano horizontal até um plano (sub)vertical.

11 RETENCÃO DE SÓLIDOS

12 Esta apresentação estará disponível para download, a partir do dia 28/04/08, no site: www.cbdb.org.br/vispmch

13

14


Carregar ppt "REMOÇÃO DA FASE SÓLIDA DO CAUDAL DERIVADO E TURBINADO EM PEQUENAS E MÉDIAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS Dimitry ZNAMENSKY Eng. Prof. DSc - Membro do CBDB."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google