A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

PROVA BRASIL 2009. SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Portaria Ministerial nº 931, de 21/03/2005 Objetivos Gerais: a) avaliar a qualidade do ensino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "PROVA BRASIL 2009. SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Portaria Ministerial nº 931, de 21/03/2005 Objetivos Gerais: a) avaliar a qualidade do ensino."— Transcrição da apresentação:

1 PROVA BRASIL 2009

2 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Portaria Ministerial nº 931, de 21/03/2005 Objetivos Gerais: a) avaliar a qualidade do ensino ministrado nas escolas, de forma que cada unidade escolar receba o resultado; b) contribuir para o desenvolvimento, em todos os níveis educativos, de uma cultura avaliativa que estimule a melhoria da qualidade e equidade da educação brasileira;

3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Portaria Ministerial nº 931, de 21/03/2005 Objetivos Gerais: c) concorrer para a melhoria da qualidade de ensino, redução das desigualdades e democratização do ensino público nos estabelecimentos oficiais, em consonância com as metas e políticas estabelecidas pelas diretrizes da educação nacional; d) oportunizar informações sistemáticas sobre as unidades escolares.

4 Compete ao Estado definir uma maneira de verificar se o direito ao aprendizado está garantido para cada um dos alunos. Parte dessa necessidade foi atendida com a introdução da Prova Brasil, um instrumento de medida do processo de aprendizagem que é aplicado no intervalo de dois anos para os alunos da 4ª e 8ª série. PDE/PROVA BRASIL (2009) AVALIAÇÃO DO SISTEMA EDUCACIONAL

5 PROVA BRASIL Implantado em 2005, o exame é organizado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), em parceria com as redes estaduais e municipais de educação.

6 A Prova Brasil foi criada para possibilitar o retrato da realidade de cada escola, em cada município. O resultado da Prova Brasil, quase censitário, amplia a gama de informações. Estas subsidiarão a adoção de medidas que superem as deficiências detectadas em cada escola avaliada. PDE/PROVA BRASIL (2009) PROVA BRASIL

7 Os resultados do SAEB e da Prova Brasil (2005/2007) mostraram, com mais clareza e objetividade, o desempenho dos alunos da educação básica, o que permite uma análise com vistas a possíveis mudanças das políticas públicas sobre educação e de paradigmas utilizados nas escolas brasileiras. PDE/PROVA BRASIL (2009) PROVA BRASIL E SAEB

8 Semelhanças e diferenças A avaliação é amostral, ou seja, apenas parte dos estudantes das séries avaliadas participam da prova. A avaliação é quase universal: todos os estudantes das séries avaliadas, com mais de 20 alunos. Avalia alunos das escolas públicas e privadas, em áreas urbana e rural do Brasil. Avalia as escolas públicas localizadas em área urbana do Brasil. Em 2009 avaliará as escolas rurais. SAEBProva Brasil

9 Semelhanças e diferenças Avalia estudantes de 4ª e 8ª séries do EF e também do 3º ano do EM. Avalia estudantes de ensino fundamental, de 4ª e 8ª séries. Língua Portuguesa (foco em leitura) e Matemática (foco na resolução de problemas). A primeira aplicação foi em 1990 e as últimas em 2005 e A primeira aplicação foi em 2005, a segunda em SAEBProva Brasil

10 PROVA BRASIL E SAEB

11 Em 2009, também farão a prova alunos de escolas rurais. Serão avaliados alunos de escolas de todo o país urbanas e 10 mil rurais. A seleção dos aplicadores será de responsabilidade do Diretor da Escola. Obrigatoriamente deverá ser professor. Todas as informações serão repassadas através dos Núcleos Regionais de Educação. PROVA BRASIL E SAEB

12 A Prova Brasil e o SAEB constituem a base para a definição do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), desde o lançamento do Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), em abril de PDE/PROVA BRASIL (2009) PROVA BRASIL E SAEB

13 13 Padrões e Critérios que combinam: IDEB TAXA DE APROVAÇÃO, REPETÊNCIA E EVASÃO RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES DE APRENDIZAGEM FLUXO ESCOLAR PROVA BRASIL (4ª e 8ª séries) E SAEB (3ª série do Ensino Médio)

14 14 O Paraná teve variação positiva em todos os níveis e etapas de ensino, em relação à nota (rendimento escolar) e fluxo (aprovação de alunos). O MELHOR IDEB DO BRASIL

15 15 Taxa de Aprovação ª série + 6ª série + 7ª série + 8ª série + Prova Brasil 2009 CÁLCULO IDEB 2009

16 16 Art. 205 A educação, direito de todos e dever do Estado e da Família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania com base no seguinte princípio: Igualdade de condições para o acesso e permanência na escola. CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988

17 ª SÉRIE 77,2% 80,5% 80,8% 6ª SÉRIE 78,2% 80,9% 79,1% 7ª SÉRIE 80,2% 82,1% 79,7% 8ª SÉRIE 83,4% 84,3% 82,1% TAXA DE APROVAÇÃO

18 18 Acompanhamento do trabalho pedagógico realizado em sala de aula. Organização do espaço escolar para possibilitar boas condições de trabalho. Integrar a escola e a comunidade. Propor encaminhamentos que contribuam para o acesso e permanência. Intervir com o NRE e SEED quando necessário (equipe disciplinar). Qual é a responsabilidade do Diretor Escolar no cumprimento do artigo 205?

19 19 Liderar significa compartilhar objetivos, ouvir sugestões, delegar poder, informar, debater, mobilizar esforços, transformar grupos em verdadeiras equipes.... O líder promove a verdadeira gestão democrática, que ultrapassa as fronteiras da escola e amplia a interação com a sociedade. Como consequência, ocorre o aumento da competência profissional de cada pessoa envolvida. O Diretor Escolar como Líder

20 ...o poder é a possibilidade de alguém impor sua vontade sobre o comportamento de outras pessoas (Weber) Liderança envolve diretamente a capacidade de influenciar pessoas. Então podemos dizer que poder e liderança estão fortemente relacionados, como diz Vergara (1999), liderança é poder, contudo, o inverso não é verdadeiro. Diretor Escolar e a questão do Poder

21 OS 10 PECADOS CAPITAIS DO GESTOR PÚBLICO Sérgio Roberto Bacury de Lira - Professor de Economia da UFPA, Doutorando em Economia, Conselheiro do Conselho Federal de Economia (COFECON).

22 1º Pecado - Não programa as suas ações de forma planejada, mas sim as concebe no dia a dia, conforme a urgência de cada situação. 2º Pecado - Não dá importância ao orçamento público, concebendo-o como entrave burocrático à sua administração. 3º Pecado - Não gosta de descentralizar decisões, pois entende que isto significa perda de poder. 4º Pecado - Não investe em capacitação e nem tampouco busca as melhores referências profissionais. O seu foco é político e não técnico. 5º Pecado - Tem receio de ser transparente, pois teme ser questionado sobre as suas ações. Gestor Público

23 6º Pecado - Não tem o hábito de socializar informações e de utilizá-las em sua estratégia de ação. 7º Pecado - Fica tentando inventar a roda, quando poderia aperfeiçoar e adequar para a sua realidade, situações já existentes. 8º Pecado - Não acredita que será punido se cometer erros ou prejuízos à sociedade. 9º Pecado - Administra a coisa pública como se fosse uma administração doméstica e baseada em contabilidade de botequim. 10º Pecado - Não se preocupa em ser responsável do ponto de vista legal, mas sim em ser eficiente do ponto de vista político. Gestor Público

24 24 A atuação do diretor e sua capacidade de gerenciar e formar equipes é, sabidamente, um dos fatores de sucesso de escolas bem sucedidas. Como democratizar a gestão escolar, de forma que a saída de um diretor eficaz não represente o fim do trabalho cooperativo e coerente na escola? Fundação Carlos Chagas / BID / MEC / 2009 Pesquisa das Melhores Práticas no Ensino Médio Diretor Escolar e a qualidade do trabalho na Escola

25 25 - Conhecer os resultados da Escola. - Divulgar os resultados para a comunidade escolar. - Utilizar os resultados para propor ações efetivas de superação dos mesmos. Diretor Escolar e os resultados da Prova Brasil e SAEB

26 Resultados da Escola

27

28 Os resultados da avaliação de Matemática e Língua Portuguesa são organizados em uma escala de proficiência. A escala é numérica e varia de 0 a 500. Como os números indicam apenas uma posição, é feita uma interpretação pedagógica dos resultados por meio da descrição, em cada nível, do grupo de conceitos que os alunos demonstraram ter desenvolvido, ao responderem às provas. ESCALA DE PROFICIÊNCIA

29 É possível saber, pela localização numérica do desempenho na escala, quais conceitos os alunos já construíram, quais eles estão desenvolvendo e quais ainda faltam ser alcançados. ESCALA DE PROFICIÊNCIA

30 30 - Informar aos alunos e professores a importância da Prova Brasil. - Promover ações que apresentem a Prova Brasil aos alunos e professores. Diretor Escolar e os resultados da Prova Brasil e SAEB

31 31 - Reflete o trabalho do Diretor Escolar. - Promove a Instituição Escolar. - Valoriza os profissionais. - Cumpre a função social da escola. - Incentiva os alunos. BOM RESULTADO NO IDEB

32 32 - Caderno de atividades em PDF; - Questões do caderno de atividades em JPEG e em PPT; - Modelo de provas do MEC; - Material do MEC (Matriz de referência). MATERIAIS DO DVD

33

34 MATERIAIS PRODUZIDOS PELO DEB - Tradição e Cultura – Cozinha Quilombola do Paraná; - Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas; - Caderno Pedagógico de História do Paraná; - Caderno de Musicalização: canto e flauta doce; - Orientações Pedagógicas para a Educação Infantil; - Orientações Pedagógica para a Sala de Apoio.

35 Materiais didático-pedagógicos Dicionários: Português-Espanhol/Espanhol- Português para alunos, Inglês-Inglês para professores, Português-Inglês/Inglês Português para alunos; Dicionário de política; Dicionários do pensamento social do séc. XX; Dicionário do pensamento marxista; Dicionário das religiões;

36 Materiais didático-pedagógicos Diversos conjuntos: algeplan, círculo de frações, barras e medidas, blocos lógicos, material dourado, regras numéricas, sólidos geométricos, sólidos geométricos em acrílico, dominó de subtração, dominó de multiplicação; Geoplano e sistema de coordenadas cartesianas; Kit de desenho geométrico para professor; Fantoches e teatro de fantoches;

37 Materiais didático-pedagógicos Bola de borracha; Colchonetes; Cone de PVC; Jogo de xadrez; Kit mini voleibol; Xadrez de parede; Relógio analógico; Raquete de frescobol; Mesa para Tênis;

38 Materiais didático-pedagógicos Pancake; TNT branco e preto; Baquetas; Flauta doce soprano; Pincéis, tinta, lápis de cor, gizão de cera; Papel canson A3 branco; Alfabeto móvel; Compasso escolar; Conjunto de réguas de frações;

39 Materiais didático-pedagógicos Tabuada completa; Régua de madeira; Tesoura escolar; Diversos jogos: dominó, brincando com as palavras, palavras cruzadas, loto leitura, sequência lógicas de animais, de profissões, de trânsito, jogo de memória, alfabeto silábico, dominó associação de ideias, vamos formar palavras; Escala cuisenaire, relógio didático, tangram, torre de Hanói.

40 MATEMÁTICA

41 Funções Tratamento da Informação Números e Álgebra Números e Operações / Álgebra e Funções Grandezas e Medidas GeometriasEspaço e Forma DIRETRIZES CURRICULARES DO PARANÁ Prova Brasil / SAEB Matriz de Referência de Matemática 8ª Série / 9º Ano do Ensino Fundamental

42 As matrizes da Prova Brasil e SAEB não englobam todo o currículo escolar e não podem ser confundidas com procedimentos, estratégias de ensino ou orientações metodológicas. É composta por unidades chamadas Descritores, que estão sempre associados a um conteúdo que o estudante deve dominar na etapa de ensino em análise. MATRIZES DA PROVA BRASIL

43 Os Cadernos de Atividades disponibilizados (MEC / DEB) auxiliam professor e aluno no entendimento dos conteúdos porque apresentam questões que aprofundam os conhecimentos matemáticos desenvolvidos em sala de aula e, assim, podem melhorar o processo de ensino-aprendizagem que ocorre nas escolas públicas do Estado do Paraná. CADERNOS DE ATIVIDADES

44 1ª Questão Para chegar à escola, Carlos realiza algumas mudanças de direção como mostra a figura. As mudanças de direção que formam ângulos retos estão representadas nos vértices: (A) B e G (B) D e F (C) B e E (D) E e G

45 Os 40% dos alunos que assinalaram as alternativas A ou C mostraram diferenciar ângulos agudos. Esses alunos consideram ângulos rasos como retos; 20 % dos alunos julgam que ângulos retos são agudos. O QUE O RESULTADO INDICA?

46 Atividades em que o ângulo de 360° é dividido em dois (rasos), e estes em dois, novamente dividos em dois. Os ângulos obtidos, que medem 90°, são chamados de retos. Deve-se também solicitar aos alunos, além da identificação, a construção de ângulos retos, agudos e obtusos. SUGESTÕES PARA TRABALHAR ESSE TIPO DE QUESTÃO

47 2ª Questão: O resultado da expressão 2x 2 – 3x + 10, para x = - 2, é: 2x 2 – 3x + 10, para x = - 2, é: (A) -4 (B) 0 (C)12 (D) 24

48 Apenas 24% dos alunos mostraram dominar o conceito. Os 71 % que optaram pelas alternativas A, B e C provavelmente erraram no cálculo da potência e na multiplicação entre números negativos. O QUE O RESULTADO INDICA?

49 Atividades frequentes com números inteiros, explorando as operações fundamentais. O aluno deve ser instigado a compreender os significados das operações em vez de memorizar regras. Deve ser também enfatizado o cuidado na substituição das variáveis por números inteiros, principalmente os negativos. SUGESTÕES PARA TRABALHAR ESSE TIPO DE QUESTÃO

50 3ª Questão A professora Lisiane de Matemática realizou um levantamento para saber a preferência musical dos alunos das 7ª séries A e B. O gráfico seguinte mostra o resultado obtido. Com base no gráfico anterior é possível dizer que: a) O estilo musical preferido pela maioria dos alunos é Hip Hop. b) A maioria dos alunos prefere Sertaneja. c) O estilo musical preferido pela maioria dos alunos é Pop. d) O estilo musical menos ouvido é MPB.

51 Esse é um assunto de grande relevância para o entendimento dos fatos nos dias de hoje. É fundamental que o professor trabalhe com gráficos e tabelas em sala de aula. Esse tipo de atividade é riquíssimo para desenvolver os objetivos propostos e para bem situar o aluno nos acontecimentos e problemas da atualidade. SUGESTÕES PARA TRABALHAR ESSE TIPO DE QUESTÃO

52 4ª Questão Bianca e suas amigas saíram para comer uma pizza. Depois de 20 minutos de conversa elas já haviam comido 50 % da pizza. Qual fração abaixo representa o total da pizza que elas já comeram? a) 2/4 b) 5/4 c) 3/8 d) 4/2

53 Este assunto é um dos problemas de maior dificuldade de assimilação pelos alunos. Para que os alunos operem adequadamente com frações articulando com porcentagem, é fundamental que tenham compreendido bem o significado dos números racionais. SUGESTÕES PARA TRABALHAR ESSE TIPO DE QUESTÃO

54 -Verificar através da escala numérica quais conteúdos os alunos já dominam e quais precisam ser melhor trabalhados -Reunir os professores de 8º série e discutir algumas ações possíveis para um trabalho interdisciplinar que vise a realização da Prova Brasil -Fazer análise, comparando os conteúdos contemplados nos cadernos do MEC e do DEB com o Plano Trabalho Docente do professor e as Diretrizes Curriculares Estaduais SUGESTÕES PARA TRABALHAR COM A MATEMÁTICA

55 - Trabalhar as questões propostas nos cadernos, de forma articulada com os conteúdos da matriz curricular que estão sendo desenvolvidos no momento. - Ao trabalhar as questões com os alunos, verificar quais são as maiores dificuldades apresentadas por eles e retomar o conteúdo (acertos e erros). - Realizar com os alunos a prova dos anos anteriores no mesmo formato (alternativas, gabarito e cartão resposta). SUGESTÕES PARA TRABALHAR COM A MATEMÁTICA

56 LÍNGUA PORTUGUESA

57 Matriz de referência - Língua Portuguesa 8ª Série / 9° Ano do Ensino Fundamental

58 TÓPICOS DA MATRIZ DE REFERÊNCIA DIRETRIZES CURRICULARES DO PARANÁ I - Procedimentos de leituraConteúdo temático; finalidade do texto; elementos composicionais do gênero. II - Implicações do suporte, do gênero e/ou enunciador na compreensão do texto Marcas linguísticas como aspas, travessão, negrito; vozes sociais presentes no texto. III - Relação entre textosIntertextualidade; semântica; léxico. IV - Coerência e coesão no processamento do texto Marcas linguísticas: coesão e coerência. V - Relações entre recursos expressivos e efeitos de sentido Discurso ideológico presente no texto, léxico, semântica.

59 O propósito dos cadernos é trabalhar os conteúdos de Língua Portuguesa explicitados nas Diretrizes Curriculares Estaduais da disciplina. Assim sendo, o professor não se limitará a resolver questões com os alunos. CADERNOS DE ATIVIDADES

60 - Leitura dos textos (texto verbal e não-verbal), pois o não-verbal não pode ser deixado de lado; - Identificação e diferenciação dos diversos gêneros; - Condições de produção (quem escreveu, quando, para quem, onde, etc.). CADERNOS DE ATIVIDADES

61 1ª Questão

62 1) O questionamento da criança ao pai, na charge acima, mostra que: a) A criança, por ser muito pequena, é ingênua. b) A criança não sabe o que é teto. c) Não há diferença social no país. d) A curiosidade da criança não tem fundamento.

63 2ª Questão

64 2) O humor na charge está presente, principalmente: a) Na pergunta da dona da galinha. b) Na pergunta/resposta da vizinha e seu olhar. c) No objeto apresentado pela vizinha. d) Na expressão fisionômica das personagens.

65 3ª Questão

66 3) A atitude de Romeu em relação a Dalila revela : (A) compaixão. (B) companheirismo. (C) insensibilidade. (D) revolta.ABCD6%21%66%5%

67 O QUE O RESULTADO INDICA? A questão exige que o aluno demonstre compreensão do texto a partir da combinação da leitura do texto verbal e não- verbal (cenário, expressões faciais, tipos de balões, etc.). Os alunos que não acertaram (32%) a questão demonstraram pouco conhecimento acerca do gênero tirinha e do léxico da língua.

68 SUGESTÕES PARA TRABALHAR ESSE TIPO DE QUESTÃO Explorar a análise dos recursos gráficos, do não-verbal no texto, por exemplo: a postura do casal, o fato de Romeu não abaixar o jornal durante a conversa, as reticências na fala de Dalila. Levar para a sala de aula diversidade de textos (verbais e não-verbais), que dialoguem entre si, como: peças publicitárias, charges, gráficos, mapas, tabelas, entre outros.

69 4ª Questão

70 3) O fato que gerou a história narrada na tira é: (A) a indiferença de Helga. (B) a preguiça de Hagar. (C) a preocupação de Helga. (D) o desinteresse de Hagar.ABCD5%46%28%20%

71 O QUE O RESULTADO INDICA? 52% dos alunos erraram a questão, provavelmente, porque não conhecem a estrutura narrativa da tirinha. Não estão familiarizados com a construção de sentidos a partir da utilização da ironia, do humor.

72 SUGESTÕES PARA TRABALHAR ESSE TIPO DE QUESTÃO Trabalhar com diferentes textos que abordem a estrutura da narrativa. Explorar os efeitos de sentido a partir de expressões que denotem ironia, humor. Trabalhar com a intertextualidade nos textos verbais e não-verbais.

73 SUGESTÕES PARA TRABALHAR COM A LÍNGUA PORTUGUESA Analisar o caderno do MEC Prova Brasil, verificando quais são as porcentagens de acertos e erros das questões exemplificadas. Trabalhar com o caderno de atividades do DEB, não apenas como resolução de questões, mas pensando em conteúdos de língua que irão acrescentar conhecimentos.

74 SUGESTÕES PARA TRABALHAR COM A LÍNGUA PORTUGUESA Procurar, nos diferentes gêneros abordados no caderno, desenvolver os conhecimentos acerca das condições de produção do texto: Qual a finalidade? Quem produziu? Onde foi produzido? Onde circula o texto? Para quem foi produzido? Aproveitar os recursos da TV Multimídia, o DVD e o caderno para o desenvolvimento dessas atividades.

75 SUGESTÕES PARA TRABALHAR COM A LÍNGUA PORTUGUESA Verificar o conteúdo do DVD ( no material em JPEG de Língua Portuguesa não estão os textos referentes às questões). Imprimir os textos, que poderão ser recolhidos e utilizados em outras turmas. Salvar no pendrive todas as questões para trabalhar em sala com os alunos. Identificar as maiores dificuldades da turma e focar o trabalho nelas.

76 SUGESTÕES PARA TRABALHAR COM A LÍNGUA PORTUGUESA Incentivar os alunos a lerem e discutirem a respeito do texto a ser trabalhado. Acrescentar ao material, se possível, vídeos que estimulem o enriquecimento das discussões e dos conteúdos. O trabalho desenvolvido poderá suscitar produções textuais, uma vez que o material privilegia a prática de oralidade e leitura.

77 MARY LANE HUTNER Chefe do Departamento de Educação Básica Lucimar Donizete Gusmão - MATEMÁTICA Iris Mirian M. do Vale Iris Mirian M. do Vale – LÍNGUA PORTUGUESA Telefones: (41) /


Carregar ppt "PROVA BRASIL 2009. SISTEMA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO BÁSICA Portaria Ministerial nº 931, de 21/03/2005 Objetivos Gerais: a) avaliar a qualidade do ensino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google