A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Relações Estigma e preconceito como expressões das relações na escola Adriana Tessaro Will Mestre em Educação – UEM Pedagoga da Rede Estadual de Ensino.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Relações Estigma e preconceito como expressões das relações na escola Adriana Tessaro Will Mestre em Educação – UEM Pedagoga da Rede Estadual de Ensino."— Transcrição da apresentação:

1 Relações Estigma e preconceito como expressões das relações na escola Adriana Tessaro Will Mestre em Educação – UEM Pedagoga da Rede Estadual de Ensino

2 O agir sem reflexão, de forma aparentemente imediata perante alguém marca o preconceito (CROCHIK, 1995) Preconceito do latim prejudicium (julgamento ou decisão anterior, um precedente ou um prejuízo).

3 O termo estigma surgiu na Grécia Antiga, para se referir aos sinais do corpo que os gregos interpretavam como algo mau daquela pessoa. Assim negativamente marcada, a pessoa deveria ser evitada, especialmente em lugares públicos. Do grego stigma (cicatriz, marca, sinal).

4 (...) os sinais eram feitos com cortes ou fogo no corpo e avisavam que o portador era um escravo, um criminoso ou traidor – uma pessoa marcada, ritualmente poluída, que devia ser evitada, especialmente em lugares públicos (GOFFMAN, 1980) Ou seja, a pessoa estigmatizada era colocada à margem da sociedade. Ou seja, a pessoa estigmatizada era colocada à margem da sociedade.

5 Atualmente, estigma é a evidência que se faz a qualquer marca diferencial de uma pessoa, reduzindo- a socialmente a esse sinal. Estigmatizar é colocar um rótulo em alguém. Sanção normalizadora (qualquer traço que fuja dos padrões normais, pode levar um grupo social a discriminar, rejeitar ou excluir uma pessoa ou grupo.)

6 A definição de estigma está apoiada na cultura, no tempo e na sociedade, podendo variar entre as regiões e os períodos históricos. Assim, o atributo que desqualifica, que é percebido como estigma em um dado contexto social pode não o ser em outro.

7

8 A formação do pensamento preconceituoso, estigmatizante, estereotipado, estabelece uma relação vertical de superioridade-inferioridade em que se considera o homem melhor do que a mulher, o branco superior ao negro, o rico melhor do que o pobre, o sulista como superior ao nordestino e o homossexual inferior ao heterossexual.

9 O pensamento através de clichês, que fragmenta o mundo em bom e mau, perfeito e imperfeito, útil e inútil provém da própria realidade que se organiza de forma binária, classificatória, esquemática, ou seja, da mesma forma que o funcionamento dos processos de produção. (CROCHÍK, 1995)

10 (...) a classe burguesa produz preconceitos em muito maior medida que todas as classes sociais conhecidas até hoje. Isso não é apenas conseqüência de suas maiores possibilidades técnicas, mas também de seus esforços ideológicos hegemônicos: a classe burguesa aspira a universalizar sua ideologia. (HELLER,1989)

11 A escola não pode ser compreendida fora do contexto social e econômico em que está inserida. Sendo assim, podemos dizer que o papel que vem desempenhando ao longo do tempo é o de atender, predominantemente, aos interesses da classe dominante, do capital, ajudando na reprodução da ordem estabelecida.

12

13 Portanto, a escola transforma-se, nestas condições, em uma engrenagem do sistema que tende a referendar as diferenças sociais, mesmo quando dá a ilusão de valorizar a democratização.

14 A escola dissimula uma verdadeira violência simbólica. Essa violência é a arma ideológica dos dominantes sobre a classe dominada, por meio da inculcação dos modos de pensar, agir e sentir de um determinado grupo. (BOURDIEU e PASSERON, 1982)

15

16 O processo de individualizar questões políticas e educacionais é mais um engodo da sociedade capitalista para universalizar sua ideologia. Que se desvela no currículo Que se desvela no currículo

17 Collares e Moysés (1996) afirmam que em uma sociedade que prega a igualdade entre os homens e que se funda na desigualdade, crer em mitos e preconceitos que coloquem nas pessoas a responsabilidade por sua desigualdade é essencial para a manutenção desse sistema.

18 A sociedade passa a delegar para o indivíduo a responsabilidade de seus atos. Se isto, por um lado, aponta para autonomia, de outro lado, encobre as próprias condições sociais que não a permitem. O indivíduo passa a ser responsabilizado pelo seu estado de minoridade, deixando-se de pensar o que impede a sua maioridade. (CROCHÍK, 1995) Para os professores, as causas de as crianças não aprenderem na escola são externas à instituição escolar, devendo ser buscadas na criança, e em sua família (MOYSÉS, 2001)

19 Em 2004, realizou-se uma pesquisa em uma escola pública municipal onde encontrou-se duas crianças de 3ª série do Ensino Fundamental que, segundo os membros da escola, sofriam de negligência familiar. Constatou-se em sala de aula, o estabelecimento de relações preconceituosas da professora para com estes alunos, uma vez que os mesmos recebiam tratamento diferenciado, tanto no aspecto pedagógico quanto humano. Esses alunos porque não pertenciam ao modelo nuclear de família eram estigmatizados como aqueles que não são capazes de aprender.

20 Constatou-se que a relação pedagógica entre a professora e esses alunos estava marcada pela denominada profecia auto-realizadora, em que a professora faz uma previsão de fracasso, de insucesso dos alunos desde o início do ano letivo, constatando, mais tarde, que não aprendem devido às suas dificuldades de aprendizagem.

21 A Juli tem tudo pra ser uma prostituta, pois é constantemente largada pela mãe, que não trabalha fora e também não cuida da filha, pois manda-a pra creche no período da tarde. tem aluno aqui que tem tudo pra ser um marginal, principalmente aqueles que a família não está nem aí. (referindo-se a Diogo, que segundo a escola, é filho de alcoólatra).

22 Estigmas: preguiçoso, monte, mal educado, traste, marginal, mal amado, plasta, balão humano.

23 A ausência de conhecimento da realidade social, de reflexão, de análise histórica dos fatos, gera preconceitos de diversas ordens. E que caminho seguir para tentar romper e superar com o preconceito e estigmas que dele advém ??

24 Compreendendo as relações existentes na sociedade como um todo e na escola, em particular; Adotando um método, enquanto referencial teórico- metodológico que leve à análise e à compreensão histórica da prática social.

25 * BOURDIEU, Pierre e PASSERON, Jean-Claude. A reprodução - elementos para uma teoria do sistema de ensino. 2. ed. Trad. Reynaldo Bairão. Rio de Janeiro: Francisco Alves, * CROCHIK, José Leon. Preconceito: indivíduo e cultura. São Paulo: Robe, * GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Rio de Janeiro: Zahar, * HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. 3. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, ٭ COLLARES, Cecília A. L.; MOYSÉS, M. Aparecida. Preconceito no cotidiano escolar: ensino e medicalização. São Paulo: Cortez, ٭MOYSÉS, Maria Aparecida Affonso. A institucionalização invisível: crianças que não-aprendem-na-escola. Campinas, SP: Mercado de Letras; São Paulo: Fapesp, REFERÊNCIAS


Carregar ppt "Relações Estigma e preconceito como expressões das relações na escola Adriana Tessaro Will Mestre em Educação – UEM Pedagoga da Rede Estadual de Ensino."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google