A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Laboratório de Ecotoxicologia Química Orgânica Ambiental.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Laboratório de Ecotoxicologia Química Orgânica Ambiental."— Transcrição da apresentação:

1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Laboratório de Ecotoxicologia Química Orgânica Ambiental

2 CONTAMINAÇÃO DA VIDA AQUÁTICA POR COMPOSTOS ORGÂNICOS Dra Rosana Maria de Oliveira Freguglia Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos – ESALQ/USP;Mestre em Ciência e Tecnologia de Alimentos – ESALQ/USP; Doutorado em Ciências Aplicada à Energia Nuclear - CENA/USP;Doutorado em Ciências Aplicada à Energia Nuclear - CENA/USP; Pós Doutorado em Ecologia Aplica pelo CENA/USPPós Doutorado em Ecologia Aplica pelo CENA/USP

3 A ÁGUA A água é essencial para os humanos e para todas as formas de vida. Ela age como reguladora de temperatura, na diluição de sólidos e no transporte de nutrientes e resíduos por entre os vários órgãos.

4

5 Waterworld, 1995 Mad Max 3, 1985

6 ÁGUA NO MUNDO Assembleia Geral da ONU declarou 2003 o Ano Internacional da Água Potável. Neste mesmo ano criou a ONU Água – um mecanismo interagencial para coordenar as ações do Sistema das Nações Unidas para alcançar as metas relacionadas à água. Assembleia Geral da ONU declarou 2003 o Ano Internacional da Água Potável. Neste mesmo ano criou a ONU Água – um mecanismo interagencial para coordenar as ações do Sistema das Nações Unidas para alcançar as metas relacionadas à água.

7 Assembleia Geral proclamou a Década Internacional de Ação, Água para a Vida (2005 – 2015). A Década começou em 22 de março de 2005, data na qual é comemorada anualmente o Dia Mundial da Água.

8 NO BRASIL: Lei das Águas - sancionada a Lei das Águas (Lei n 9.433) que estabeleceu a Política Nacional de Recursos Hídricos (PNRH) e criou o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos (Singreh). ambiente/legislacao-e-orgaos/lei-das-aguas

9 CONAMA: O Conselho Nacional do Meio Ambiente é o órgão consultivo e deliberativo do Sistema Nacional do Meio Ambiente - SISNAMA, foi instituído pela Lei 6.938/81, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, regulamentada pelo Decreto /90. O CONAMA possui um representante da ANA.

10 ANA - A Agência Nacional de Águas tem como missão implementar e coordenar a gestão compartilhada e integrada dos recursos hídricos e regular o acesso a água, promovendo seu uso sustentável em benefício das atuais e futuras gerações.

11 CBH - Os Comitês de Bacia Hidrográfica são organismos colegiados que fazem parte do Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos e existem no Brasil desde Suas principais competências são: aprovar o Plano de Recursos Hídricos da Bacia; arbitrar conflitos pelo uso da água, em primeira instância administrativa; estabelecer mecanismos e sugerir os valores da cobrança pelo uso da água. Também são vinculados a ANA.

12 NOS MUNICÍPIOS NOS ESTADOS Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos CETESB – Companhia Ambiental do Estado de São Paulo

13 Fonte: A ÁGUA QUE CONSUMIMOS

14 Bebemos água para ajudar na diluição e funcionamento normal dos órgãos para em seguida ser eliminada pela urina e por evaporação nos poros, mantendo a temperatura corporal e eliminando metabólitos tóxicos e ácidos. A ÁGUA QUE CONSUMIMOS

15 A palavra potável vem do Latim POTABILIS, que significa, o que pode ser bebido e de POTARE, que significa beber. Uma água contaminada não pode ser bebida e portanto é definida como não sendo potável. A ÁGUA QUE CONSUMIMOS

16 RESOLUÇÃO CONAMA Nº 357, DE 17 DE MARÇO DE 2005 Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. 5.pdf A ÁGUA QUE CONSUMIMOS

17 POLUIÇÃO E CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA Os principais poluentes da água são os dejetos eliminados: industriais e domiciliares que entram através da eliminação inadequada sem tratamento. Exemplos de fontes poluidoras nesta categoria são descarga diretamente nos efluentes sem tratamento, uma fábrica ou escoamento de enxurradas nas cidades.

18 Fonte: contaminantes-da-agua_22.html FONTES DE CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA

19 A POLUIÇÃO TÓPICA, onde o foco de poluição facilmente identificável como emissora de poluentes, como no caso de águas residuais, industriais, mistos ou de minas. A POLUIÇÃO TÓPICA, onde o foco de poluição facilmente identificável como emissora de poluentes, como no caso de águas residuais, industriais, mistos ou de minas. A POLUIÇÃO DIFUSA, onde não existe propriamente um foco definido de poluição, sendo a origem difusa, tal como acontece nas drenagens agrícolas, águas pluviais e escorrimento de lixeiras. A POLUIÇÃO DIFUSA, onde não existe propriamente um foco definido de poluição, sendo a origem difusa, tal como acontece nas drenagens agrícolas, águas pluviais e escorrimento de lixeiras.

20 Os contaminantes podem ser classificados em: AGENTES QUÍMICOS; AGENTES QUÍMICOS; AGENTES FÍSICOS; AGENTES FÍSICOS; AGENTES BIOLÓGICOS AGENTES BIOLÓGICOS.

21 AGENTES QUÍMICOS Orgânicos (biodegradáveis ou persistentes): Proteínas, gorduras, hidratos de carbono, ceras, solventes entre outros. Inorgânicos: Ácidos, alcoóis, tóxicos, sais solúveis ou inertes. AGENTES FÍSICOS Radioatividade, calor, modificação do sistema terrestre, através de movimentação de terras ou similares. AGENTES BIOLÓGICOS Os coliformes são um bioindicador normalmente utilizado na análise da qualidade microbiológica da água, embora não seja uma real causa de doenças.

22 EFEITOS DOS POLUENTES NOS MEIOS AQUÁTICOS EFEITOS DOS POLUENTES NOS MEIOS AQUÁTICOS A introdução de substâncias poluentes nos corpos aquáticos, ao modificar as características do meio, altera a relação entre produtores e consumidores. A introdução de substâncias poluentes nos corpos aquáticos, ao modificar as características do meio, altera a relação entre produtores e consumidores. Fonte:

23 CONTAMINAÇÃO POR COMPOSTOS ORGÂNICOS Os poluentes orgânicos que podem ser comumente encontrados nos efluentes domésticos e industriais são detergentes, solventes, bifenilas policloradas (PCB), dioxinas, furanos, fármacos residuais e hormônios.

24 Alguns poluentes orgânicos de origem antropogênica são resistentes à degradação química, fotolítica e biológica e são denominados poluentes orgânicos persistentes (POP).

25 PESTICIDAS - DEFINIÇÃO: Substâncias químicas destinadas a prevenir, destruir ou repelir, direta ou indiretamente, qualquer forma de vida, animal ou vegetal, que seja nociva a animais, plantas (produtos e subprodutos) e ao Homem.

26 PESTICIDAS - CLASSIFICAÇÃO Compostos inorgânicos: Compostos a base de bário, bromo, chumbo, antimônio, tálio, mercúrio, cádmio além de calda sulfocalcica e óleos minerais; Compostos inorgânicos: Compostos a base de bário, bromo, chumbo, antimônio, tálio, mercúrio, cádmio além de calda sulfocalcica e óleos minerais; Compostos de origem vegetal, bacteriana ou fúngica; Compostos de origem vegetal, bacteriana ou fúngica; Compostos orgânicos: Organoclorados, organofosforados, carbamatos e piretródes. Compostos orgânicos: Organoclorados, organofosforados, carbamatos e piretródes.

27 DESTINO DE PESTICIDAS NO AMBIENTE A atividade agrícola pode contaminar a água com pesticidas que são carregados pela chuva ou infiltrados no solo atingindo águas subterrâneas. Representação esquemática dos processos que determinam o comportamento e o destino de pesticidas no ambiente

28 Contaminação do solo: passa também a se refletir nos ambientes aquáticos. Exemplos: Aspersões sem controle de dosagens; Aspersões sem controle de dosagens; Manuseios indevidos dos recipientes; Manuseios indevidos dos recipientes; Descargas de restos de produtos e lavagens de galões utilizados nas águas naturais; Descargas de restos de produtos e lavagens de galões utilizados nas águas naturais; Observação do afastamentos necessários das plantações das margens dos rios; Observação do afastamentos necessários das plantações das margens dos rios; Sistemas de drenagem. Sistemas de drenagem.

29 São os pesticidas: aldrin, clordano, DDT, dieldrin, endrin, heptacloro, hexaclorobenzeno, mirex e toxafeno; os produtos químicos industriais: PCB (bifenilpoliclorado) e hexaclorobenzeno; e subprodutos não deliberados, como as dioxinas e os furanos. Esses poluentes são conhecidos como dúzia suja (dirty dozen) e são acusados de causar doenças graves. São os pesticidas: aldrin, clordano, DDT, dieldrin, endrin, heptacloro, hexaclorobenzeno, mirex e toxafeno; os produtos químicos industriais: PCB (bifenilpoliclorado) e hexaclorobenzeno; e subprodutos não deliberados, como as dioxinas e os furanos. Esses poluentes são conhecidos como dúzia suja (dirty dozen) e são acusados de causar doenças graves. DIRTY DOZEN

30 A maioria dos 12 compostos da lista já foi banida ou teve seu uso reduzido em boa parte do mundo. O Brasil, por exemplo, não produz diretamente nenhum dos doze compostos, mas até 2007 importou três deles para uso industrial (heptacloro, aldrin e DDT). Estes compostos podem ser encontrados em locais distantes de qualquer fonte emissora, tornando-se, portanto, um problema global.

31 Compostos organicos: Principais características Elevada estabilidade química; Elevada estabilidade química; Alta solubilidade em água; Alta solubilidade em água; Alto poder residual; Alto poder residual; Alta persistência no tecido adiposo; Alta persistência no tecido adiposo; Absorvido pelo organismo por diferentes modos de exposição; Absorvido pelo organismo por diferentes modos de exposição;

32 EUTROFIZAÇÃO OU EUTROFICAÇÃO o fenômeno no qual o ambiente aquático caracteriza-se por uma elevada quantidade de nutrientes – principalmente nitratos e fosfatos. Este fenômeno é resultante da poluição das águas por ejeção de adubos, fertilizantes, detergentes e esgoto doméstico sem tratamento prévio que provocam o aumento de minerais e, consequentemente, a proliferação de algas microscópicas que localizam-se na superfície.

33 EUTROFIZAÇÃO Fonte:

34 OUTRA FORMA DE CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA Vazamentos, derrames e acidentes durante a exploração, refinamento, transporte, e operações de armazenamento do petróleo e seus derivados. Os hidrocarbonetos monoaromáticos, benzeno, tolueno, etilbenzeno e os três xilenos orto, meta e para (compostos BTEX) são os constituintes da gasolina que têm maior solubilidade em água e, portanto, são os contaminantes que primeiro irão atingir o lençol freático.

35 Poluentes atmosféricos: chegam na água por precipitação são os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA). Formam-se na queima incompleta da matéria orgânica e são gerados em quantidade substancial na produção de derivados do alcatrão de hulha, o creosoto, usado para preservar a madeira submersa das embarcações. Poluentes atmosféricos: chegam na água por precipitação são os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA). Formam-se na queima incompleta da matéria orgânica e são gerados em quantidade substancial na produção de derivados do alcatrão de hulha, o creosoto, usado para preservar a madeira submersa das embarcações. OUTRA FORMA DE CONTAMINAÇÃO DA ÁGUA Fonte:

36 A presença de compostos orgânicos demonstram claramente que os problemas de contaminação das águas devem ser resolvidos na fonte geradora, uma vez que atingidas as águas naturais, pouco se pode fazer no sentido de reverter os prejuízos de qualidade que, neste caso, são muito sérios.

37 DETERMINAÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NA ÁGUA GC - ECD GC/MS HPLC/MS

38 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Laboratório de Ecotoxicologia Química Orgânica Ambiental


Carregar ppt "UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Centro de Energia Nuclear na Agricultura Laboratório de Ecotoxicologia Química Orgânica Ambiental."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google