A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Profª: Rose Cléa Universidade Castelo Branco. O homem necessita comunicar-se, é uma questão de sobrevivência (bebês, surdos, mudos) A capacidade de usar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Profª: Rose Cléa Universidade Castelo Branco. O homem necessita comunicar-se, é uma questão de sobrevivência (bebês, surdos, mudos) A capacidade de usar."— Transcrição da apresentação:

1 Profª: Rose Cléa Universidade Castelo Branco

2 O homem necessita comunicar-se, é uma questão de sobrevivência (bebês, surdos, mudos) A capacidade de usar a língua é característica e caracterizadora da raça humana (Travaglia) A língua é um fato social, é coersiva, é imposta ao falante. A língua é o arame farpado de acesso ao poder (Gnerre) O falante deve ser poliglota em sua própria língua (Bechara) Não há sociedade sem linguagem, não sociedade sem comunicação.

3 Língua é um sistema de signos vocais (idioma). Linguagem é a capacidade de comunicar-se por meio desses signos. LINGUAGEM X LÍNGUA Heterogêneahomogênea Multifacetadaunificada Psíquica/fisiológicaexterior ao indivíduo Individualde grupo Socialsocial

4 LANGUE (LÍNGUA)X PAROLE (FALA) Homogêneaheterogênea Constantevariável Conservadorainovadora Realidade mentalrealidade física Fato socialato individual Unidadediversidade(Tia/tia/ e /tia) Se realiza na parolefaz evoluir a langue Instrumento e produtoé a langue em ação da parole Socialindividual (sul e norte/língua =,fala )

5 FALAx ESCRITA (IDEAL) Naturalartificial Espontâneapensada – planejada Contextualizadadescontextualizada Redundantecondensada Fragmentadanão-fragmentada É processoresultado do processo Dinâmica (evolui)estática (tenta permanecer imóvel)

6 A língua falada ocorre em tempo real e em espaço situacional condicionado, é produto textual, interativa por excelência e por isso exige cooperação. A língua escrita é comunicação unilateral, é mais sintética e objetiva, não é interativa, é solitária (mas prevê cooperação). É produto textual.

7 Primeira Narrativa: E capotou. Quer dizer, a frente do carro dele pegou no primeiro carro; e o segundo ele ficou debruçadinho assim, saca? Que gracinha! Aí, né, chegaram: Ô num sei que, num sei que lá, qué que houve? Viraram o carro, né. Cê ta legal, aí? Ô tudo bem, tudo bem. Que cara! P., que barbeiro! Segunda Narrativa: E o carro capotou. Capotou e foi em cima de mais dois carros que estavam do outro lado da rua, que, inclusive, amassou bastante. Certo? Aí, toda aquela confusão, começou a aglomerar gente ali. Todo mundo preocupado com o que tinha acontecido com ele. Perguntaram se ele estava bom. Falou que estava.

8 As diferenças de situação envolvendo o tema, a forma de comunicação e os interlocutores são chamadas de registro e elas determinam diferentes níveis de linguagem: mais formal, menos formal. Numa mesma língua, alguns usos aparecem apenas em determinados meios. Conforme o meio, o uso será privilegiado ou não. Haveria, assim, níveis de linguagem. Um mesmo falante pode empregar vários níveis, conforme se desloque entre os meios.

9 Língua culta padrão, é a língua oficial normalmente usada na forma escrita. Ex: Assisti ao filme. Cheguei ao encontro. Língua coloquial, comum, popular, usada no cotidiano. Fim: comunicação Ex: Assisti o filme. Cheguei no encontro.

10 LÍNGUAGEM CULTA é a variante de maior prestígio e aquela ensinada nas escolas. Sua sintaxe é mais complexa, seu vocabulário mais amplo e há nela uma absoluta obediência à gramática normativa e à língua dos escritores clássicos. LINGUAGEM COLOQUIAL que é utilizada pelas pessoas que fazem uso de um nível menos formal, mais cotidiano, mais espontâneo, desenvolvendo-se livre e indisciplinadamente e, não raro, isola-se em falares típicos regionais e em gírias.

11 Estou preocupado. (norma culta) Tô preocupado. (língua popular) Tô grilado. (gíria, limite da língua popular) Em rigor, ninguém comete erro em língua, exceto nos casos de ortografia. O que normalmente se comete são transgressões da norma culta.

12 (ENADE 2008) Vamos supor que você recebeu de um amigo de infância seu colega de escola um pedido, por escrito, vazado nos seguintes termos: Venho mui respeitosamente solicitar-lhe o empréstimo do seu livro de redação para Concurso, para fins de consulta escolar. Essa solicitação em tudo se assemelha à atitude de uma pessoa que (A) comparece a um evento solene vestindo smoking completo e cartola. (B) vai a um piquenique engravatado, vestindo terno completo, calçando sapatos de verniz. (C) vai a uma cerimônia de posse usando um terno completo e calçando botas. (D) frequenta um estádio de futebol usando sandálias de couro e bermudas de algodão. (E) veste terno completo e usa gravata para proferir uma conferência internacional.

13

14

15 O locutor (ou emissor) é a amiga de Helga O interlocutor (ou receptor) é Helga: aquele com quem o locutor se comunica. A mensagem é o texto (Helga, qual é a posição do seu marido a respeito de ajudar (...) casa?). O código é a língua portuguesa: a convenção social que permite ao interlocutor compreender a mensagem. O canal (ou contato) é a linguagem oral (som e ar): meio físico que conduz a mensagem ao outro. O referente (ou contexto) é a colaboração de Hagar (marido de Helga) nos serviços domésticos: o assunto da mensagem.

16 1-Mulher. [do lat. muliere] S.f. 1. pessoa do sexo feminine após a puberdade. [aum.: mulherão, mulheraça, mulherona] 2. Esposa. (FUNÇÃO METALINGUÍSTICA) 2- Amor é fogo que arde sem se ver; É ferida que dói e não se sente; É um contentamento descontente; É dor que desatina sem doer. (FUNÇÃO POÉTICA)

17 3-Os irmãos Cravinhos e Susanne foram condenados num julgamento repleto de fortes emoções, no qual a mãe dos rapazes teve participação determinante. (Jornal Extra- 10/08/2006) (FUNÇÃO REFERENCIAL/DENOTATIVA) 4- A Stella Barros está lançando uma novidade on ice: os novos programas para as mais incríveis estações de esqui dos EUA.. A Stella Barros cuida de tudo e você descobre uma nova opção para esfriar a cabeça sem esquentar com o preço. Dê um gelo na rotina, ligue agora mesmo para Stella Barros. (FUNÇÃO CONATIVA/APELATIVA)

18 5- Não ofereço perigo algum: sou quieta como a folha de outono esquecida entre as páginas de um livro, sou definida e clara como o jarro com a bacia de ágata, cuja água é usada para que se possa refrescar o rosto mas, se tocada por dedos bruscos, num segundo me estilhaço em cacos, me esfarelo em poeira dourada. (FUNÇÃO EMOTIVA/EXPRESSIVA)

19 6- Você acha justo que se comemore o Dia Internacional da mulher? Nada mais justo! Afinal de contas, você está entendendo, a mulher há séculos, certo, vem sendo vítima de exploração e discriminação, concorda? Já houve alguns avanços, sabe, nas conquistas femininas. Você percebeu? (FUNÇÃO FÁTICA)


Carregar ppt "Profª: Rose Cléa Universidade Castelo Branco. O homem necessita comunicar-se, é uma questão de sobrevivência (bebês, surdos, mudos) A capacidade de usar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google