A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Bioestatística FOP/UNICAMP MÉTODOS ESTATÍSTICOS Aplicados à ÁREA DE SAÚDE MÉTODOS ESTATÍSTICOS Aplicados à ÁREA DE SAÚDE Área de Bioestatística FOP/UNICAMP.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Bioestatística FOP/UNICAMP MÉTODOS ESTATÍSTICOS Aplicados à ÁREA DE SAÚDE MÉTODOS ESTATÍSTICOS Aplicados à ÁREA DE SAÚDE Área de Bioestatística FOP/UNICAMP."— Transcrição da apresentação:

1 Bioestatística FOP/UNICAMP MÉTODOS ESTATÍSTICOS Aplicados à ÁREA DE SAÚDE MÉTODOS ESTATÍSTICOS Aplicados à ÁREA DE SAÚDE Área de Bioestatística FOP/UNICAMP Área de Bioestatística FOP/UNICAMP Profa. Gláucia Maria Bovi Ambrosano

2 Bioestatística FOP/UNICAMP Importância da Bioestatística na Pesquisa Científica; Metodologias Estatísticas mais utilizadas nas pesquisas na área de saúde; Principais problemas observados em artigos e sugestões para solução dos mesmos;

3 Bioestatística FOP/UNICAMP Por serem mais precisos do que as palavras, os números são particularmente mais adequados para transmitir as conclusões científicas. (PAGANO e GAUVRE 2004 )

4 Bioestatística FOP/UNICAMP No entanto tal como se pode mentir com palavras, pode-se fazer o mesmo com números.

5 Bioestatística FOP/UNICAMP É atribuída ao primeiro ministro Britânico Benjamin Dissaeli a seguinte frase: Existem 3 tipos de mentiras: mentiras, mentiras condenáveis e estatísticas.

6 Bioestatística FOP/UNICAMP É fácil mentir com a estatística, mas é mais fácil mentir sem ela.

7 Bioestatística FOP/UNICAMP O estudo da estatística explora: o planejamento e a coleta; a organização; a análise e a interpretação dos dados.

8 Bioestatística FOP/UNICAMP Seus conceitos podem ser aplicados aos diversos campos que incluem: Economia; Psicologia; Agricultura. Quando o foco está nas ciências Biológicas e da Saúde: Bioestatística

9 FOP/UNICAMP complicação matemática instrumento extremamente útil na organização e na interpretação de dados.

10 Bioestatística FOP/UNICAMP No planejamento, ela auxilia: na escolha das situações experimentais; na determinação da quantidade de indivíduos a serem examinados. Na análise dos dados indica técnicas para resumir apresentar as informações comparar as situações experimentais.

11 Bioestatística FOP/UNICAMP De um modo geral, não existe certeza sobre a correção das conclusões científicas; no entanto, os métodos estatísticos permitem determinar a margem de erro associada às conclusões, com base no conhecimento da variabilidade observada nos resultados.

12 Bioestatística FOP/UNICAMP Para o desenvolvimento de uma pesquisa científica com qualidade é necessário: um bom planejamento; obtenção dos dados com precisão; correta exploração dos resultados.

13 Bioestatística FOP/UNICAMP Em experimentos com seres humanos essa preocupação é ainda MAIOR !

14 Bioestatística FOP/UNICAMP Melhoria na qualidade da pesquisa científica Significativo aumento no número de experimentos com análises estatísticas.

15 Bioestatística FOP/UNICAMP Facilidades que a informática tem proporcionado: Complexidade das análises estatísticas ; Possibilidade de se manejar muitas informações; Enfrentar situações multivariadas; De abordar relações complexas não lineares.

16 Bioestatística FOP/UNICAMP Fato aparentemente favorável associado a um aumento no número de erros ANALISE INADEQUADA Pode comprometer seriamente a validade do trabalho, levando o leitor a acreditar em conclusões não verdadeiras. ANALISE INADEQUADA Pode comprometer seriamente a validade do trabalho, levando o leitor a acreditar em conclusões não verdadeiras.

17 Bioestatística FOP/UNICAMP Pesquisadores com um pouco de experiência em planejamento e análise estatística podem observar em periódicos na área da saúde, ERROS que chegam muitas vezes a INVALIDAR as conclusões alcançadas no trabalho.

18 Bioestatística FOP/UNICAMP Poucos Médicos e Cirurgiões dentistas apreciam a estatística. Mas os métodos estatísticos são COMPONENTES FUNDAMENTAIS dos trabalhos científicos

19 Bioestatística FOP/UNICAMP Muitos autores têm discutido os currículos das Faculdades de Medicina criticando aquelas que não incluem os conteúdos de BIOESTATÍSTICA e aquelas que os incluem em semestres nos quais os estudantes ainda têm noções de pesquisa científica.

20 Bioestatística FOP/UNICAMP Familiaridade com os métodos estatísticos Profissionais: Leitura crítica de artigos e interpretação dos resultados publicados. Pesquisadores: Apresentação dos resultados com base em rigorosos critérios científicos.

21 Bioestatística FOP/UNICAMP Do grau de familiaridade do leitor com as técnicas estatísticas depende o quanto ele pode analisar criticamente os resultados de pesquisa. Vários artigos têm sido publicados enfatizando a freqüência, adequação e relevância da utilização de técnicas estatística em periódicos na área MÉDICA.

22 Bioestatística FOP/UNICAMP Identificação daquelas que devem receber atenção especial pelos pesquisadores e professores de Bioestatística.

23 Bioestatística FOP/UNICAMP Avaliados 690 artigos (1990 a 2000), em 7 periódicos da área de Odontologia: Journal of the American Dental Association, Journal of Dental Research, Caries Research, Journal of Periodontology, Revista de Odontologia da Universidade de São Paulo, Brazilian Dental Journal, Revista de Odontologia da UNESP. Na ODONTOLOGIA:

24 Bioestatística FOP/UNICAMP 66% nacionais 93% internacionais ANÁLISE ESTATÍSTICA 66% nacionais 93% internacionais ANÁLISE ESTATÍSTICA

25 Bioestatística FOP/UNICAMP Dos artigos que UTILIZARAM metodologia estatística 97% dos nacionais; 98% dos internacionais; INFORMAM A TÉCNICA UTILIZADA. Dos artigos que UTILIZARAM metodologia estatística 97% dos nacionais; 98% dos internacionais; INFORMAM A TÉCNICA UTILIZADA.

26 Bioestatística FOP/UNICAMP WHITE (1979) Utilização correta da metodologia estatística; Descrição completa da metodologia; A interpretação da análise deve se restringir as limitações da técnica empregada. WHITE S.J. Statistical errors in papers in the British Journal of Psychiatry. Br J Psychiatry 135:336-42, 1979.

27 Bioestatística FOP/UNICAMP Literatura Odontológica: cita programa estatístico sem indicar a técnica utilizada; o programa estatístico é citado como método utilizado para analisar os dados.

28 Bioestatística FOP/UNICAMP 3,8% de artigos não identificaram as técnicas utilizadas 3,3% identificaram apenas algumas das técnicas. RUDOLPH et al (1985) RUDOLPH A, McDERMOTT R J, GOLD R S Use of statistics in the Journal of School Health : a content analysis. J Sch Health 55(6):230-3, 1985.

29 Bioestatística FOP/UNICAMP MORRIS (1988) 57,3% dos artigos (Journal of Bone and Joint Sugery) dados claramente apresentados; 64% deveriam apresentar análise estatística; 23% deles apresentaram; Desses 23%, 66,7% descrevem a técnica utilizada; Em 60% dos artigos as conclusões apresentadas não parecem ser justificada pelos resultados. MORRIS R W A statistical study of papers in the Journal of Bone and Joint Surgery J Bone Joint Surg 70(2):242-6, 1988.

30 Bioestatística FOP/UNICAMP CRUESS (1989) em periódico da área MÉDICA 29% dos artigos não utilizaram estatística; afirmam que estes seriam beneficiados se tivessem utilizado alguma metodologia. CRUESS D F. Review of use of statistics in The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene for January- December Am J Trop Med Hyg 41(6):619-26, 1989

31 Bioestatística FOP/UNICAMP MORA RIPOLL et al. (1996) em periódico da área de MÉDICA mais de 75% dos artigos utilizaram algum tipo de técnica; essa porcentagem tem aumentado em relação a trabalhos anteriores. MORA RIPOL R, ARCASO T C, SENTIS V J Current use of statistics in biomedical research: a comparison of general medicine journals. Med Clin (Barc) 106(12):451-6, 1996.

32 Bioestatística FOP/UNICAMP CUMSILLE et al. (1996) utilização de métodos estatísticos na literatura médica Chilena entre 1983 e % dos artigos descrevem o método estatístico utilizado. CUMSILLE F, CUMSILLE M A, DECINTI E, MONTESINOS N. Assessment of the use of statistical methods in health research. Rev Med Chil 124(9): , 1996.

33 Bioestatística FOP/UNICAMP METODOLOGIAS UTILIZADAS METODOLOGIAS UTILIZADAS

34 Bioestatística FOP/UNICAMP EMERSON e COLDITZ (1983) 58% nenhum método ou só estatística descritiva; 24% teste t; 15% tabelas de contingência; 6% testes não paramétricos. EMERSON J D, COLDITZ G A. Use of statistical analysis in the New England Journal of Medicine. N Engl J Med 309(12):709-13, 1983.

35 Bioestatística FOP/UNICAMP RUDOLPH et al. (1985) Journal of School Health 18,6% tabelas de contingência; 13,3% Análise de Variância (ANOVA); 12,3% teste t; 6,6% testes de comparações múltiplas; 3% correlação de Pearson; 3% testes não paramétricos.

36 Bioestatística FOP/UNICAMP HOKANSON et al. (1986) Leitores na literatura da área de Psiquiatria tenham familiaridade com as seguintes metodologias: estatística descritiva; 2 ; estatística para epidemiologia; teste t; Correlação e regressão linear; ANOVA; transformações de dados; testes não paramétricos.

37 Bioestatística FOP/UNICAMP CRUESS (1989) Profissionais: estatística descritiva: compreensão de 60% das técnicas empregadas em artigos de Medicina; teste t e % das técnicas ; estatística não paramétrica, teste exato de Fisher, regressão e correlação linear - 91% das técnicas; ANOVA, regressão e correlação múltipla e análise de sobrevivência - 100%;

38 Bioestatística FOP/UNICAMP Na Odontologia (1990 a 2000) Artigos nacionais - metodologias mais utilizadas: ANOVA teste t 2 Kruskal Wallis Mann Whitney teste de Tukey correlação linear simples Distribuição de freqüências e/ou estatística descritiva

39 Bioestatística FOP/UNICAMP E nos internacionais : ANOVA teste t Wilcoxon 2 Mann Whitney Regressão linear Correlação de Pearson Distribuição de freqüências e/ou estatística descritiva

40 Bioestatística FOP/UNICAMP JUZYCH et al. (1992) Periódicos da área de Oftalmologia (1970, 1980 e 1990): Medida de tendência central; Medidas de dispersão; Teste t; Tabelas de contingência. Testes não paramétricos - 8,3% dos artigos

41 Bioestatística FOP/UNICAMP Cirurgiões Dentistas Curso Básico de Bioestatística (tabelas, gráficos, medidas de tendência central e dispersão, teste t, regressão e correlação). Avaliar criticamente 38% das técnicas utilizadas nos artigos nacionais e 43% dos internacionais. ANOVA, Tukey e Duncan em 82% dos nacionais e 70% dos internacionais.

42 Bioestatística FOP/UNICAMP Para ter acesso a toda literatura: Além da estatística ministrada nos cursos básicos de Bioestatística Scheffé Tukey-Kramer Regressão Múltipla Análise Multivariada Estatística não paramétrica Estatística para Epidemiologia

43 Bioestatística FOP/UNICAMP Profissionais que escrevem ou lêem literatura médica devem estar familiarizados com: Teste t Estatística descritiva Intervalo de confiança Tabela de contingência Estatística para epidemiologia BECKER et al (1995)

44 Bioestatística FOP/UNICAMP CUMSILLE et al. (1996) observaram na literatura médica Chilena: 32,2% dos artigos utilizaram estatística descritiva 34% utilizaram 2 ou exato de Fisher 32,9% teste t 10,2% correlação 9,5% ANOVA

45 Bioestatística FOP/UNICAMP Os autores enfatizam o fato de que não se deve incentivar a utilização de métodos complexos desnecessariamente, mas incentivar métodos de análises que dêem uma resposta mais integral à pesquisa, assim os autores acreditam ser positiva a utilização de métodos multivariados na pesquisa médica.

46 Bioestatística FOP/UNICAMP MORA RIPOLL et al (1996) Revista Clínica Espanhola 42% teste t 12% ANOVA 23% estatística descritiva 20% testes não paramétricos 17% análise de sobrevivência 22% estatística para epidemiologia 56% tabelas de contingência

47 Bioestatística FOP/UNICAMP Wang e Zhang (1998) 5 periódicos Chineses da área de medicina nos anos de 1985 (n=640) e 1995 (n=954). A porcentagem de artigos que utilizaram estatística aumentou de 40% para 60%; Mais métodos estatísticos sofisticados foram usados.

48 Bioestatística FOP/UNICAMP Nos dois anos, os métodos estatísticos mais comumente utilizados foram: teste t e as tabelas de contigência. Nos dois anos, os métodos estatísticos mais comumente utilizados foram: teste t e as tabelas de contigência.

49 Bioestatística FOP/UNICAMP Taddese (2001) Avaliou 232 artigos publicados em periódicos da área médica na Etiópia quanto a metodologia estatística. Desvio padrão, erro padrão, teste t foram os mais utilizados; EPI-INFO foi usado em 61% dos artigos que utilizaram algum software.

50 Bioestatística FOP/UNICAMP Miettunen, Nieminen, Isohanni (2002) Descreveram a freqüência com que os vários delineamentos e métodos estatísticos são utilizados em periódicos na área de Psiquiatria. The American Journal of Psychiatry (AJP) The Archives of General Psychiatry (AGP) The British Journal of Psychiatry (BJP) The Nordic Journal of Psychiatry (NJP)

51 Bioestatística FOP/UNICAMP Comparando com revisões anteriores, os leitores na área de Psiquiatria encontram maior freqüência de utilização de técnicas multivariadas.

52 Bioestatística FOP/UNICAMP Lee CM, Soin HK, Einarson TR (2004) Avaliaram a freqüência das técnicas estatísticas na pesquisa na área de farmacologia. American Journal of Health-System Pharmacy The Annals of Pharmacotherapy Canadian Journal of Hospital Pharmacy Formulary Hospital Pharmacy Journal of the American Pharmaceutical Association (144 artigos)

53 Bioestatística FOP/UNICAMP 98% empregaram estatística descritiva 28% só estatística descritiva Porcentagem 90% Média 74% Desvio padrão 58%

54 Bioestatística FOP/UNICAMP Qui-quadrado 33% Teste t 26% Correlação de Pearson 18% ANOVA 14% Regressão logística 11%

55 Bioestatística FOP/UNICAMP PROBLEMAS OBSERVADOS PROBLEMAS OBSERVADOS

56 Bioestatística FOP/UNICAMP AVRAM et al. (1985) Alta incidência de erros em delineamentos experimentais e análise estatística nos periódicos Anesthesia and Analgesiae Anesthesiology.

57 Bioestatística FOP/UNICAMP Testes para observações independentes e pareadas; Testes para comparar 2 grupos e mais de 2 grupos. Os erros mais freqüentes envolvem o emprego de testes de hipóteses elementares.

58 Bioestatística FOP/UNICAMP CRUESS (1989) 73,5% dos artigos tinham algum erro de estatística. Problemas mais comuns: Não definição do teste estatístico; Observações pareadas tratadas como independentes.

59 Bioestatística FOP/UNICAMP JAMART (1992) Na literatura médica é muito comum se dar muita atenção ao resultados do teste (p-valor) e nenhuma atenção às proporções, médias, índices. O autor culpa o fato de que o p-valor tem sido considerado um passaporte para a publicação. Nem sempre quando os testes estatísticos comprovam a significância estatística, há uma significância clínica!

60 Bioestatística FOP/UNICAMP Na Odontologia Muitos autores apresentam o quadro da análise de variância, mas não apresentam nenhuma medida de tendência central dos diferentes grupos, nem discutem se a diferença encontrada como estatisticamente significativa é clinicamente importante.

61 Bioestatística FOP/UNICAMP Os trabalhos que necessitam de maior revisão estatística são os que utilizam métodos mais simples; Discutidos em livros e cursos introdutórios de estatística ; Análises são normalmente realizadas pelo próprio pesquisador. Algumas vezes sem conhecimento de conceitos básicos de estatística

62 Bioestatística FOP/UNICAMP AUSTIN e ATTANASIO (1991) Criticam a utilização de média, desvio padrão ou variância para variáveis ordinais. Aritmeticamente correta mas totalmente inapropriada; Muito freqüente na literatura médica; Para observações nominais e ordinais são mais apropriadas tabelas de freqüência absolutas e relativas; Mediana ou moda. Aritmeticamente correta mas totalmente inapropriada; Muito freqüente na literatura médica; Para observações nominais e ordinais são mais apropriadas tabelas de freqüência absolutas e relativas; Mediana ou moda.

63 Bioestatística FOP/UNICAMP BECKER et al. (1995) 51% dos artigos publicados em periódicos da área médica utilizaram metodologia estatística INCORRETA; Mas essa porcentagem pode ser MAIOR, pois 16% dos artigos não especificaram a metodologia e podem ter utilizado processos não adequados.

64 Bioestatística FOP/UNICAMP Wang e Zhang (1998) Entre os que usaram estatística, a porcentagem que utilizou métodos impróprios aumentou de 22% a 46% de 1985 para Problemas mais comuns: Apresentação do p-valor sem especificar o teste usado; Uso de múltiplos teste t no lugar de análise de variância; Uso de teste t não pareado quando testes pareados deveriam ser utilizados.

65 Bioestatística FOP/UNICAMP CAUSA DOS ERROS CAUSA DOS ERROS

66 Bioestatística FOP/UNICAMP COLTON (1975) a opinião de professores de Bioestatística em relação aos estudantes, eles acreditam que: 4% acham aborrecedor 31% não gostam 49% toleram Uma pesquisa comparando 18 Disciplinas para estudantes de Medicina na Grã Bretanha a Estatística ficou em último lugar no ranking em interesse e a primeira em dificuldade.

67 Bioestatística FOP/UNICAMP GLANTZ (1980) A principal causa dos erros: Poucos pesquisadores e clínicos tiveram treinamento formal em Bioestatística

68 Bioestatística FOP/UNICAMP Segundo MOSES e LOUIS (1984) os erros ocorrem porque normalmente a conversa entre o pesquisador e o estatístico é muitas vezes feita por telefone começando pela frase: Eu tenho um simples problema de estatística e precisaria tomar um minuto de seu tempo. Após o mesmo já ter coletado os dados ou mesmo após o trabalho ter retornado para a correção da análise estatística. Segundo MOSES e LOUIS (1984) os erros ocorrem porque normalmente a conversa entre o pesquisador e o estatístico é muitas vezes feita por telefone começando pela frase: Eu tenho um simples problema de estatística e precisaria tomar um minuto de seu tempo. Após o mesmo já ter coletado os dados ou mesmo após o trabalho ter retornado para a correção da análise estatística.

69 Bioestatística FOP/UNICAMP JUZYCH et al. (1992) Estudo realizado com residentes na área de cirurgia nos Estados Unidos. 25% A compreensão de procedimentos estatísticos é muito importante para a leitura e completa compreensão de uma artigo; 62% Responderam ser importante.

70 Bioestatística FOP/UNICAMP Quando questionados sobre o seu conhecimento em Estatística: 57% responderam que tinha muito pouco conhecimento; 10% disseram que não tinham nenhum.

71 Bioestatística FOP/UNICAMP Já para HAMMER e BUFFINGTON (1994) Os profissionais não apreciam a disciplina de Estatística pelo fato dela ser ministrada na maioria das Faculdades de maneira clássica. Os estudantes nessa área necessitam aprender a interpretar e aplicar métodos estatísticos e não saber os teoremas matemáticos envolvidos.

72 Bioestatística FOP/UNICAMP SUGESTÕES

73 Bioestatística FOP/UNICAMP O s periódicos da área médica devem incluir consultores em estatística WHITE (1979); JAMART (1992).

74 Bioestatística FOP/UNICAMP Ter um Estatístico incluído na equipe de pesquisa desde o início do experimento. WHITE (1979) AVRAM et al. (1985) JAMART (1992) BECKER et al. (1995)

75 Bioestatística FOP/UNICAMP Comitês de éticas em pesquisa com humanos devem exigir projetos bem delineados e com análise dos dados descrita corretamente. GLANTZ (1980) Os editores dos periódicos devem exigir a aplicação correta da estatística. GLANTZ (1980)

76 Bioestatística FOP/UNICAMP Tanto os comitês de ética como os periódicos têm responsabilidades sobre os artigos publicados e é antiético colocar pacientes a riscos para a coleta de dados em estudos cientificamente inválidos.

77 Bioestatística FOP/UNICAMP Comissão editorial dos periódicos: adotar um formato mínimo padronizado para descrição das técnicas estatísticas. HOKANSON et al.(1987) Incluindo: Tamanho da amostra; Técnica utilizada; Nível de significância.

78 Bioestatística FOP/UNICAMP Os pesquisadores devem saber estatística suficiente para a CORRETA ANÁLISE de seus trabalhos quando necessitam de testes mais simples e reconhecer as situações em que NECESSITAM da colaboração do estatístico. JAMART (1992) Os pesquisadores devem saber estatística suficiente para a CORRETA ANÁLISE de seus trabalhos quando necessitam de testes mais simples e reconhecer as situações em que NECESSITAM da colaboração do estatístico. JAMART (1992)

79 Bioestatística FOP/UNICAMP Os testes devem ser adequadamente descritos para que o leitor possa avaliar CRITICAMENTE a sua aplicação. SCHWART et al (1996) Os testes devem ser adequadamente descritos para que o leitor possa avaliar CRITICAMENTE a sua aplicação. SCHWART et al (1996)

80 Bioestatística FOP/UNICAMP Considerando o papel importante dos periódicos na atualização dos profissinais, a NÃO UTILIZAÇÃO e o USO IMPRÓPRIO de metodologias estatísticas são preocupantes. Considerando o papel importante dos periódicos na atualização dos profissinais, a NÃO UTILIZAÇÃO e o USO IMPRÓPRIO de metodologias estatísticas são preocupantes.

81 Bioestatística FOP/UNICAMP Recomenda-se que tanto o pesquisador como os clínicos participem de CURSOS DE BIOESTATÍSTICA para que se familiarizem com as técnicas.


Carregar ppt "Bioestatística FOP/UNICAMP MÉTODOS ESTATÍSTICOS Aplicados à ÁREA DE SAÚDE MÉTODOS ESTATÍSTICOS Aplicados à ÁREA DE SAÚDE Área de Bioestatística FOP/UNICAMP."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google