A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

MEDIDAS DE DISPERSÃO Medidas de tendência central fornecem um resumo parcial das informações de um conjunto de dados. A necessidade de uma medida de variação.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "MEDIDAS DE DISPERSÃO Medidas de tendência central fornecem um resumo parcial das informações de um conjunto de dados. A necessidade de uma medida de variação."— Transcrição da apresentação:

1 MEDIDAS DE DISPERSÃO Medidas de tendência central fornecem um resumo parcial das informações de um conjunto de dados. A necessidade de uma medida de variação é aparente, para que nos permita, por exemplo, comparar conjuntos diferentes de valores. Algumas característica desta medida devem ser atendidos como veremos a seguir.

2 MEDIDAS DE DISPERSÃO Amostragem A: 8, 8, 9, 10, 11, 12, 12 Média 10; Mediana 10 e Bimodal (8, 12) Amostragem B: 5, 6, 8, 10, 12, 14, 15 Média 10; Mediana 10 e sem Moda Amostragem C: 1, 2, 5, 10, 15, 18, 19 Média 10; Mediana 10 e sem Moda As medidas de tendência central pouco ou nada informam a respeito da dispersão dos dados O conceito de medida de dispersão é relativamente difícil. O quanto informativo é dizer que as três amostragens possuem dispersão 4, 10 e 18 (Y7-Y1)?

3 MEDIDAS DE DISPERSÃO Amostragem D: 8, 9, 10, 10, 10, 11, 12 Média 10; Mediana 10 e Modal 10 Amostragem E: 5, 7, 9, 10, 11, 13, 15 Média 10; Mediana 10 e sem Moda Amostragem F:1, 5, 8, 10, 12, 15, 19 Média 9; Mediana 10 e sem Moda Estes três conjuntos de dados também possuem dispersão máxima igual a 4, 10 e 18, respectivamente. As amostras A, B e C apresentam um maior número de observações mais distantes da média, enquanto nas amostras D, E e F ocorre um maior número de observações concentradas em torno da média. Torna-se interessante que haja uma definição a qual use todas as observações e que seja um pequeno valor quando as observações se aproximam da média e grande quando estas são espaçadas.

4 MEDIDAS DE DISPERSÃO Por fim considere os dados destas duas amostras: Amostra A: 5, 6, 8, 10, 12, 14, 15 Amostra B: 105, 106, 108, 110, 112, 114, 115 A dispersão (Y7-Y1) é igual nas duas amostra e, portanto, independe do tamanho dos números.

5 MEDIDAS DE DISPERÇÃO O critério geralmente utilizado é aquele que mede a concentração dos dados em torno da média, e algumas medidas são as mais usadas: desvio médio, variância, desvio padrão e Coeficiente de Variação. Ex: 3, 4, 5, 6, 7 (média 5), os desvios x i -x, são: -2, -1, 0, 1,2. 1, 3, 5, 7, 9 (média 5), os desvios x i -x, são: -4, -2, 0, 2, 4. É fácil observar que a soma dos desvios é igual a zero, o que torna inviável esta medida. As opções são: a)Considerar o total dos desvios em valor absoluto (módulo) ou, b)Considerar o total dos quadrados dos desvios. Assim teríamos: Para a amostra: 3, 4, 5, 6, 7 = 2 + 1 + 0 + 1 + 2 = 6 (a) 2 = 4 + 1 + 0 + 1 + 4 = 10 (b)

6 DESVIO MÉDIO O desvio médio (DM) refere-se à média dos desvio em valor absoluto, como na fórmula a seguir, aplicada a amostra 3, 4, 5, 6, 7. DM(x) = /n, usando o exemplo anterior DM(x) = 6/5 = 1,2 Para a amostra 1, 3, 5, 7, 9 teríamos: DM(x) = /n, DM(x) = 12/5 = 2.4 Baseado nos dados, pode-se dizer que a primeira amostra é mais homogênea.

7 VARIÂNCIA A medida que contempla os aspectos apresentados e que é mais utilizada é a Variância. A variância é representada por dois símbolos: 2 (letra grega sigma) para população e s 2 para uma amostra. As fórmulas para a variância da população e da amostra são apresentadas abaixo. População: 2 = 2 /n Amostra: s 2 = 2 /n-1, O denominador n-1 tem o propósito de tornar a variância da amostra a estimativa da variância da população. N-1 é conhecido como grau de liberdade e refere-se ao número de somas independentes lineares numa soma de quadrados. A variância é uma medida que expressa um desvio quadrático médio. A unidade da variância é portanto o quadrado dos dados originais. Ex: para dados expressos em centímetros a variância será expressa em centímetros quadrados.

8 VARIÂNCIA Para as amostras 3, 4, 5, 6, 7 e 1, 3, 5, 7, 9 As variâncias seriam: S 1 2 = (3-5) 2 + (4-5) 2 + (5-5) 2 + (6-5) 2 + (7-5) 2 /4 S 1 2 =2,5 S 2 2 = (1-5) 2 + (3-5) 2 + (5-5) 2 + (7-5) 2 + (9-5) 2 /4S 2 2 =10 A amostra 3, 4, 5, 6, 7 é mais homogênea.

9 VARIÂNCIA Média = (0*4)+(1*5)+(2*7)+(3*3)+(5*1))/20=1,65 DM(x) = 4*(0-1,65) + 5* (1-1,65) + 7* (2-1,65) + 3* (3-1,65) + 1* (5-1,65)/20 = 0,98 Variância S 2 = 4*(-1,65) 2 + 5* (-0,65) 2 + 7* (0,35) 2 + 3* (1,35) 2 + 1* (3,35 )2 /19 = 1,6

10 DESVIO PADRÃO Sendo a variância uma medida que expressa um desvio quadrático médio, esta pode causar alguns problemas de interpretação. Para evitar isto, costuma-se usar o desvio padrão, que é definido como a raiz quadrada positiva da variância. Desta forma, tem-se uma medida de variabilidade expressa na mesma unidade dos valores do conjunto de dados. O desvio padrão (, para população e s para amostras) pode ser calculado através das seguintes fórmulas: = e s = O DESVIO PADRÃO DAS AMOSTRAS 3, 4, 5, 6, 7 e 1, 3, 5, 7, 9 seria: S1= =1,58 S2= =3,16

11 COEFICIENTE DE VARIAÇÃO A variação ou dispersão real, determinada a partir do desvio padrão, ou qualquer outra medida de dispersão, é denominada dispersão absoluta. Entretanto, uma variação ou dispersão de 10 cm, na medida de uma distância de 1.000 m, é inteiramente diferente, quanto ao efeito, da mesma variação em uma distância de 20 cm. A medida desse efeito é proporcionada pela dispersão relativa, definida por: Dispersão relativa = Dispersão absoluta/média Se a dispersão absoluta é o desvio padrão s e a média é a aritmética, a dispersão relativa é denominada Coeficiente de Variação ou de Dispersão. CV=

12 COEFICIENTE DE VARIAÇÃO O coeficiente de variação é geralmente expresso em percentagem. O C.V. é independente das unidades adotadas. Por essa razão, é vantajosa para a comparação de distribuições cujas unidades podem ser diferentes. Uma desvantagem do C.V. é que ele deixa de ser útil quando a média esta próximo de zero. Baixa dispersão: CV 15% Média dispersão: CV 15-30% Alta dispersão: CV 30%

13 ERRO PADRÃO DA MÉDIA (S x ) Quando se obtém uma amostra aleatória de tamanho n, estima-se a média populacional. É bastante intuitivo supor que se uma nova amostra aleatória for realizada a estimativa obtida será diferente daquela primeira. Desta forma, reconhece-se que as médias amostrais estão sujeitas à variação e formam populações de médias amostrais, quando todas as possíveis amostras são retiradas de uma população. O erro padrão analisa a variabilidade de uma média

14 Erro padrão Fornece um mecanismo de medir a precisão com que a média populacional foi estimada

15 Exercícios Dada a tabela abaixo, calcule: Desvio médio, Variância, Desvio padrão, Coeficiente de variação e erro padrão da média 3335 3941 42454748 5052535455 575960 616465 66 6768 697173 74 7677 78 80818485 8889919497


Carregar ppt "MEDIDAS DE DISPERSÃO Medidas de tendência central fornecem um resumo parcial das informações de um conjunto de dados. A necessidade de uma medida de variação."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google