A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Faculdade Campo Real Engenharia de Produção. Sociologia e relações étnicas afro- brasileiras Fundadores da Sociologia Prof. Ms. luigi chiaro 08.2013.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Faculdade Campo Real Engenharia de Produção. Sociologia e relações étnicas afro- brasileiras Fundadores da Sociologia Prof. Ms. luigi chiaro 08.2013."— Transcrição da apresentação:

1 Faculdade Campo Real Engenharia de Produção. Sociologia e relações étnicas afro- brasileiras Fundadores da Sociologia Prof. Ms. luigi chiaro

2 3ª etapa Os fundadores da Sociologia e sua relevância para compreender e viver a modernidade. De Condorcet a Comte e o surgimento do Positivismo: as relações sociais em luzes científicas. Papel revolucionário da burguesia e do proletariado para a constituição da modernidade na análise materialista de Karl Marx. O normal e o desviante na integração social e a necessidade do método na sociologia funcionalista de Émile Durkheim. O mapeamento da ação social e da racionalidade capitalista nos estudos do poder político e da organização burocrática em Max Weber. A Sociologia no Brasil: Do movimento modernista a Florestan Fernandes.

3 Augusto Comte Idéia central: máxima objetividade (física social) Compreende : espírito científico Ausência de pré-conceitos Saber p/prever, a fim de prover Lei dos 3 estados : Evolução humanidade passa por três fases: - Fictício - teológico - Metafísico - abstrato -Positivo – científico

4 ÈMILE DURKHEIM Compreender a sociedade pela ação=fatos sociais PINCÍPIOS BÁSICOS: CONSCIÊNCIA COLETIVA : soma crenças, sentimentos comuns à média dos membros da comunidade. SOLIDARIEDADE MECÂNICA : baseada semelhanças, base para grupo, não há divisão do trabalho papeis - (hoje) SOLIDARIEDADE ORGÂNICA : baseada na diversidade papeis + (hoje) a solidariedade organiza a sociedade

5 ÈMILE DURKHEIM - Trata os fenômenos como coisas - Pesquisador livre pré-noções e objetivo - Fatos são isolados - Fato pode ser normal ou patológico (anomia, sinal de doença) FATO SOCIAL : Fenômenos objetos, suscetível de Exercer sobre indivíduo uma coerção (obrigam) Exterior ( independe da vontade do ind) Geral (comum a todos os membros)

6 MAX WEBER 1864 – 1920 SOCIOLOGIA É O ESTUDO DAS INTERAÇÕES SIGNIFICATIVAS DE INDIVÍDUOS FORMANDO UMA TEIA DE RELAÇÕES SOCIAIS (PARA ENTENDER A SOCIEDADE) PRINCÍPIO BÁSICO: PROCURA COMPREENDER A CONDUTA HUMANA FORMA SUBJETIVA AÇÃO SOCIAL TRADICIONAL EMOCIONAL/CARISMÁTICA RACIONAL/OBJETIVA/LEGAL

7 MAX WEBER WEBER BUSCA COMPREENDER O SIGNIFICADO/SENTIDO SUBJETIVO DA AÇÃO TIPO IDEAL (MODELO) -Seu método como ferramenta de análise É O TIPO IDEAL/MODELO - São pontos de referência para análise, servem para tornar compreensíveis certas ações dos agentes sociais. -Estudando a história de um ponto de vista comparativo criou o conceito que existe no plano das idéias sobre os fenômenos e não nos próprios fenômenos.

8 MAX WEBER TIPOS BÁSICOS DE AÇÃO SOCIAL Racional (age por ter um objetivo – político) Afetiva (age pelo afeto/amor – passeio com...) Social (age pro hábito –pedir benção ao sair) Tradicional Legal (age pela imposição – lei transito)

9 KARL MARX PRINCÍPIO BÁSICO DETERMINISMO ECONÔMICO É QUE DÁ A ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE Compreender a sociedade pela LUTA DE CLASSE SOCIEDADE DIVIDE-SE :INFRA-ESTRUTURA SUPRAESTRUTURA FORÇAS MEIOS TERRA PRODUTIVAS PRODUÇÃO FÁBRICA MODO CAPITAL PRODUÇÃO TRABALHO RELAÇÕES PRODUÇÃO

10 SUPRAESTRUTURA - Abrange as normas jurídicas, os comportamentos sociais e políticos, as manifestações religiosas, a base ética, filosófica e moral, ou seja, a rede complexa de correlações formada entre os sistemas político e ideológico. - As formas como relações de produção e forças produtivas existem numa dada sociedade, denomina-se modo de produção. - Contradição entre forças produtivas e relações de produção gera mudanças. - Relações de produção determinam caráter geral sociedade, isto é, como os homens se organizam para executar a atividade produtiva. - As transformações sociais se estruturam de acordo com o modo de produção dominante.

11 MARX (alguns conceitos) MATERIALISMO HISTÓRICO As condições materiais vigentes na sociedade é que determinavam nosso pensamento e nossa consciência. Ele dizia que não eram os pressupostos espirituais que levavam a modificações materiais, mas exatamente o oposto:as condições materiais é que determinariam em última instância, os espirituais, sendo decisivas para a evolução da História. Sua posição materialista pressupõe que a essência precede a consciência. ALIENAÇÃO Mostra que a industrialização, a propriedade privada e o assalariamento separa o trabalhador dos meios de produção,que se tornam propriedade privada do capitalista.Separa o trabalhador do fruto do seu trabalho,que também é apropriado pelo capitalista. Politicamente o homem se tornou alienado pelo princípio da representatividade onde elege seus representantes que agem pelo poder delegado. Uma vez alienado, o homem só pode recuperar sua condição humana pela crítica radical ao sistema econômico,político e filosófico que o excluíram da participação efetiva na vida social. Ele se massifica, passa a pertencer à massa e não a si mesmo. IDEOLOGIA Conjunto de idéias que explicam e caracterizam um sistema, uma corrente filosófica. Trata-se de um sistema de idéias peculiar a determinado grupo e ligado,geralmente,aos interesses desse grupo. Ideologia é a forma de ver o mundo. MAIS-VALIA Exemplo, um operário tem nove horas trabalho dia e faz um par a cada três horas. Nas três horas ele cria uma quantidade de valor correspondente ao seu salário.As outras seis ele produz sapatos que geram valor maior do que lhe foi pago em salário. Em valores,fazendo 3 pares/dia cada par custa 150,00. Assim um sapato=120,00(meios de produção)mais 30,00 (salário/dia)=150,00. Em nove horas 120,00x3=360,00(meios de produção)30,00(salário)=390,00 :3 =130,00. Ao final dia operário recebe 30,00 o capital 20,00 em cada par, porque ele vende por 150,00. Esse valor a mais é a mais-valia.

12 Sociologia e sociólogos Brasileiros

13 Sociologia Brasileira? 1.Parafraseando Faoro (os donos do poder): existe um pensamento sociológico brasileiro? 2.Problema: Ideias vindas do centro capitalista (1º mundo) X Ideias da periferia capitalista (BR) 3.Urge: interpretar O Brasil ou os Brasis

14 Tomar consciência de: Somos distintos de outros povos Possuímos um poder criador e libertador ( Vianna ) Passamos pela colonização de um sistema capitalista ( Caio Prado Junior ) Mesclamos público e privado ( Hollanda ) Dependemos por motivos internos e casamos arcaico e moderno mantendo a desigualdade ( Florestan Fernandes )

15 Portanto: Existe uma sociologia Brasileira porque existe uma sociedade Brasileira com uma identidade em permanente construção Como se desenvolve?

16 AAntes de 1930 Interesse para compreensão da Sociedade BR Raças Civilização Cultura Depois de 1930 Estrutura social

17 BQuem motiva? 1. Movimento modernista ( semana de arte moderna 1922 ): independência da Arte BR. 2. Partido comunista ( ideário: criar uma cultura socialista Brasileira em favor do povo ). 3. Movimento armado 1935 ( levante Comunista )

18 Etapas: 3 na visão de Ianni A Implantação Desde estudo histórico (descritivo) Canudos 1897 até 1920 Pesquisa de campo o Br das muitas raças riqueza, racismo europeu) atraso = feudal+explorado urbanização+dependência+ marginalização (hoje?)

19 1ª etapa. Euclides da Cunha ( ) RJ Estudo histórico (descritivo) Canudos 1897 (os Sertões) Tentativa de leitura do desejo republicano a ser consolidado.

20 2ª etapa. Pesquisa de campo Gilb. Freyre ( ) Casa grande e senzala (1933). Vida social do BR no séc. XIX. É conservador (não racista) a sociedade BR deve muito aos negros (e Índios). A governar somente pode ser a elite Branca ) Fernando de Azevedo ( ) (Princípios de Sociologia 1935); Sociologia educacional. A favor do ensino laico, gratuito, público. As informações provocam os alunos.

21 CAIO PRADO JUNIOR ( ) Formação do Brasil contemporâneo (42) Marxista, criticado e crítico do PC) Contribui com a história $ do BR Procura aplicar o processo de colonização periférica e exploratória (isto é: Portugal nos atrasou e explorou)

22 Sergio Barque de Hollanda Raizes do Brasil (36) é Weberiano. Homem cordial

23 3ª etapa Após era Vargas BR se abre para uma nova leitura: 1. Formação das classes sociais 2. Evolução histórica da sociedade BR OTAVIO IANNI OTAVIO IANNI (1926 – 2004) Colapso do populismo no BR (a $ leva os militares ao poder) a sociedade global BR no circuito internacional: parceiro ou copeiro?

24 (1920 – 1995) FLORESTAN FERNANDES/ (1920 – 1995) Vai alem das reflexões existentes. Marxista Ponto de partida da análise crítica: fundamentos da organização social geradores de contradições: deveríamos nos emancipar mas nos dominam. Maior contribuição: CAPITALISMO DEPENDENTE BR: subdesenvolvido por herança histórica. Não conseguimos superar a dependência.

25 (1920 – 1995) FLORESTAN FERNANDES/ (1920 – 1995) Somos uma sociedade civil, mas não civilizada; uma burguesia débil, incapaz de propor um projeto nacional e ampliar a democracia. Por isso nossa revolução burguesa foi substituída por outro modelo: Qual? Acomodação da classe dominante com o IMPERIALISMO, manutenção de uma DEMOCRACIA RESTRITA com seus subprodutos: PatrimonialismoMandonismo PaternalismoClientelismo Fisiologismo Político

26 (1920 – 1995) FLORESTAN FERNANDES/ (1920 – 1995) Como Superar O Capitalismo Dependente? Autonomia (do 1º mundo) + Emancipação (social interna) integração de todos (Negros e Brancos) ação de desenvolvimento $ por parte dos Estados Movimento popular manter-se autônomo. Como lê o Golpe de 64. Opção nacional de desenvolvimento com segurança ara o capital.

27 Cardoso (1931)/ Marxista – eclético não dogmático Weberiano - ética da responsabilidade Teoria da dependência: Cria-se uma relação de SUBORDINAÇÃO no sistema CAPITALISTA entre $ CENTRAIS $ PERIFÉRICAS estas últimas continuam como COLONIAS e um desenvolvimento tardio.

28 Cardoso/ DEPENDÊNCIA necessária, mas geradora de uma não autonomia da Política $. Qual a novidade? Afirma: a Relação Interna das classes sociais possibilita a dependência. A Dependência não é sinônimo de estagnação ao contrário: permite a industrialização dos paises periféricos continua gerando uma não justiça social.

29 Cardoso/ Acumulo de capital benefício: industrias de base Dependência do capital CRÍTICA A CARDOSO: Não existe dependência positiva

30 Hoje? Sociologia BR entra na Globalização Neoliberal Confere novos significados às realidades Locais Nacionais Regionais (Blocos) A sociedade volta a ser lida e interpretada na $ globalizada e no eixo: $ desemprego - produção estilo de vida – inserção mundial Pensamos como desenvolvidos mas: violência, analfabetismo, populismo, etc...

31 Para debater/ Quais os desafios do Br e no Br atual? corrupção violência solidão urbana abandono do campo ! !redescoberta do interior Continuamos dependentes? Pentecostalismo Assistencialismo Educação precária titulação fácil BR: AINDA PÚBLICO OU JÁ POVO?

32 Para debater/ Somos realmente distintos dos demais povos? Justifique. Compare as diferenças entre sociedade Européias e Brasileira. Continuamos dependentes? NO que e por que?


Carregar ppt "Faculdade Campo Real Engenharia de Produção. Sociologia e relações étnicas afro- brasileiras Fundadores da Sociologia Prof. Ms. luigi chiaro 08.2013."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google