A apresentação está carregando. Por favor, espere

A apresentação está carregando. Por favor, espere

Verificação e Validação de Requisitos. Verificação e Validação dos Requisitos Verificar conflitos de requisitos Verificar consistência de requisitos Verificar.

Apresentações semelhantes


Apresentação em tema: "Verificação e Validação de Requisitos. Verificação e Validação dos Requisitos Verificar conflitos de requisitos Verificar consistência de requisitos Verificar."— Transcrição da apresentação:

1 Verificação e Validação de Requisitos

2 Verificação e Validação dos Requisitos Verificar conflitos de requisitos Verificar consistência de requisitos Verificar completude de requisitos Verificar existência de requisitos ambíguos Analista de Requisitos p/ Inspeção Plano e Casos de Teste Casos de Uso e Esp. Suplementar Garantir a rastreabilidade dos requisitos Validar requisitos com o cliente Inspetor Especificação de Requisitos Atualizada Resultado dos Casos de Teste

3 Diretrizes para uma boa especificação 1.Separe funcionalidade de implementação 2.É necessária uma linguagem de especificação de sistemas orientada ao processo 3.A especificação deve abranger o sistema do qual o software é um componente 4.Uma especificação deve abranger o ambiente no qual o sistema opera 5.Uma especificação de sistema deve ser um modelo cognitivo 6.Uma especificação deve ser operacional 7.A especificação do sistema deve ser tolerante com a não completude e ser expansível 8.Uma especificação deve ser localizada e fracamente acoplada (Balzer, Goldman, Wile, 1978)

4 Revisão da Especificação (nível macroscópico) Os revisores tentam garantir que a especificação seja completa, consistente e precisa Questões: –Metas e objetivos do software permanecem consistentes com metas e objetivos do sistema? –O fluxo e a estrutura de informação são adequadamente definidas para o domínio da informação? –O modelo de casos de uso estão claros? –Foram descritas as interfaces importantes para todos os elementos do sistema?

5 Revisão da Especificação (nível macroscópico) As funções importantes permanecem dentro do escopo e cada uma foi adequadamente descrita? O comportamento do software é consistente com a informação que ele deve processar e as funções que deve executar? As restrições de projeto são realísticas? Qual é o risco tecnológico de desenvolvimento? Requisitos de software alternativos foram considerados? Critérios de Validação foram declarados detalhadamente? Eles são adequados para descrever um sistema bem sucedido? Existem inconsistências, omissões ou redundâncias? Como as estimativas do Plano de Projeto de Software foram afetadas?

6 Revisão da Especificação (nível detalhado) A preocupação é com o enunciado da especificação. Tenta-se descobrir problemas que possam estar ocultos no conteúdo da especificação Diretrizes: –Esteja alerta para perceber conectivos persuasivos (certamente, claramente, obviamente) e perguntar por que eles estão presentes –Procure termos vagos e peça esclarecimento (algum, às vezes, usualmente, freqüentemente) –Quando forem fornecidas listas que não sejam completas, certifique-se de que todos os itens sejam entendidos (evite colocar etc, tal como, assim por diante)

7 Revisão da Especificação (nível detalhado) Esteja certo de que os limites declarados não contenham pressuposições não declaradas –os códigos válidos variam de 0 a números inteiros ou reais? Cuidado com verbos vagos. Há muitas maneiras de interpretá-los –manuseado, rejeitado, pulado Cuidado com pronomes "pendentes –o módulo I/O comunica-se com o módulo de validação de dados e seu sinal de controle está ligado. Sinal de controle de qual dos dois módulos? Procure declarações que impliquem certeza (sempre, cada, todos, nunca) e depois peça prova

8 Revisão da Especificação (nível detalhado) Quando um termo for explicitamente definido num lugar, evite utilizar outras definições para o mesmo termo (normalização dos termos: documento - arquivo) Quando uma estrutura for descrita em palavras, verifique se há um gráfico ou uma figura para auxiliar a compreensão Quando um cálculo for especificado, desenvolva pelo menos dois exemplos

9 Desenvolvimento orientado a reuso

10 O que vem depois? A especificação de Requisitos e os modelos elaborados na Análise são a base para o design do sistema A fase de design vai evoluir os modelos incorporando características de implementação Neste momento –é importante uma abordagem gerencial para incrementar a produtividade –é importante garantir que os modelos do software atendam aos requisitos

11 Desenvolvimento orientado a reuso Baseado em reutilização de componentes de software Podem ser acessados com alguma infra-estrutura de integração para estes componentes Design com reuso: –reuso de sistemas de aplicações: COTS –reuso de componentes –reuso de funções Vantagens: –reduzir a quantidade de software a ser desenvolvido –reduzir o prazo de desenvolvimento –reduzir os custos

12 Sistemas COTS COTS (Commercial off-the-shelf) Produtos de Prateleira: componente oferecido por um terceiro Um sistema de aplicações pode ser reutilizado pela sua incorporação, sem mudança, em outros sistemas Exemplo: –Sistemas de Comércio Eletrônico Base de Dados Compra e Venda de Produtos (carrinho de compra) Processo de Pagamento

13 Sistemas COTS Desvantagens: –O produto final pode não ser aquele que o cliente pediu –Adequação dos requisitos é inevitável –Problemas com interoperabilidade de sistemas COTS –Controle fraco sobre a evolução do sistema –Suporte técnico dos fabricantes de COTS

14 Validação dos Requisitos

15 Será que realmente entendí o que o cliente deseja? Devo me certificar de que não houve falha em nossa interação (comunicação) Há diversas técnicas de validação

16 Validação de Requisitos Demonstrar que os requisitos definem o sistema que o cliente realmente deseja Custos com erros de requisitos são altos –Consertar um erro de requisitos após entrega do sistema pode custar mais de 100 vezes o custo de um erro de implementação

17 Validade: O sistema possui as funções para suprir as necessidades dos usuários? Completude: Foram incluídas todas as funções requisitadas pelo cliente? Consistência: Existe algum requisito conflitante? Não ambíguos: Todos estão descritos de forma clara e objetiva? Verificação: Os requisitos podem ser verificados? Rastreáveis: os requisitos tem definidos: –A origem? –As interdependências entre os requisitos? –Os relacionamentos com os diagramas de projeto e componentes de implementação? Validação de Requisitos

18 Técnicas de Validação de Requisitos Revisões de Requisitos –Análise manual sistemática dos requisitos Prototipação –Uso de modelo executável (interfaces) do sistema para avaliar requisitos Geração de Casos de Teste –Desenvolver testes específicos para avaliar os requisitos –Análise de Consistência Automática –Avaliar uma especificação dos requisitos

19 Processo de Projeto de Sistemas - Prototipação

20 Uma forma de avaliação de interface é a prototipação Provê a avaliação das interfaces junto aos clientes, com o auxílio de técnicas apropriadas (usabilidade) –A partir desta avaliação um novo ciclo de especificação, prototipação e avaliação deve ser realizada

21 Processo de Projeto de Interfaces

22 Prototipação O protótipo permite ao projetista avaliar seu projeto ao longo do processo de criação A prototipação é parte essencial do processo de projeto de interface

23 Prototipação O esforço envolvido na especificação, no projeto e na implementação de uma interface com o usuário representa parte significativa dos custos de desenvolvimento de aplicações Como este é um artefato não-acabado e com finalidade de testes, a sua construção deve ser rápida e de baixo custo

24 Ferramenta para especificar e gerenciar requisitos

25 Ferramentas de Especificação Automatizadas 1 a categoria: –técnicas automatizadas que nada mais são do que um método manual que foi complementado com uma ferramenta CASE –possibilitam que o analista atualize informações e rastreie as conexões entre representações novas e existentes do sistema –Ex: RequisitePro (IBM)

26 Ferramentas de Especificação Automatizadas 2 a categoria: –técnicas automatizadas que fazem uso de uma notação especial (na maioria dos casos, essa é uma linguagem de especificação de requisitos) que foi explicitamente projetada para processamento usando-se uma ferramenta automatizada –Ex: PSL/PSA (linguagem de especificação: PSL)

27 Rastreabilidade e Gestão de Mudanças

28 Avaliar o impacto nos requisitos Validar com o cliente Notificar os envolvidos Atualizar as especificações de requisitos Garantir a rastreabilidade nos requisitos Necessidade Documento de Visão Atualizado Solic. Mudança Analista de Requisitos Analista de Negócios Especificação de Requisitos Atualizada

29 Gerência de Mudanças Requisitos são inevitavelmente incompletos e inconsistentes –Requisitos novos surgem durante o processo mudanças nas necessidades do negócio melhor entendimento do sistema que está sendo desenvolvido –Diferentes pontos de vista têm diferentes requisitos e esses geralmente são contraditórios –É função do analista durante a elicitação de requisitos identificar Requisitos contraditórios Tendências de mudanças

30 Processo de Gerência de Mudanças

31 Baseline – linha base Uma baseline é uma 'imagem' de uma versão de cada artefato no repositório do projeto Funciona como um padrão oficial básico para os trabalhos subseqüentes Somente mudanças autorizadas podem ser efetuadas na baseline Uma baseline de requisitos é uma versão da especificação de requisitos –Todo o conjunto O que é Baseline ?

32 Gerência de Mudanças O Gerenciamento de Mudanças envolve: –a identificação da baseline de requisitos –a restrição de mudanças –a auditoria das mudanças Que mudanças já foram efetuadas? Por que? Quais os problemas? Uma mudança nos requisitos pode implicar em alterações em um ou mais modelos subsequentes do software

33 Gerência de Mudanças Mudança –Terá que ser efetuado um planejamento para acomodação da mudança Custo Prazo –Revisar requisitos para evitar a introdução de conflitos –Questionar stakeholders que especificaram um requisito sendo alterado para obter concordância com a alteração

34 Rastreabilidade

35 Responsável por dependências entre requisitos, suas origens e projeto do sistema Rastreamento de Origem –Associação entre requisitos e stakeholders que propuseram tais requisitos

36 Rastreabilidade Rastreamento de Requisitos –Associação entre requisitos dependentes Rastreamento de Projeto –Associação dos requisitos com o projeto Usar hipertexto ou referência cruzada –Ou matriz de rastreamento

37 Projeto ModelosSuítes Teste Teste 2 3 Req A 1 Requisitos Detalhados (Casos de Uso) Req B Plano Doc. Usuário 4 Rastreabilidade

38 Links dos requisitos devem ser marcados como suspeitos Links suspeitos devem ser analisados Req A antes if return value > $5 Req B Req C if return value > $2 Req A depois Req C Req B Rastreabilidade: Análise de Impacto

39 Exemplos de padrões de Rastreabilidade Doc. Visão Doc. Regras de Negócio Glossário Esp. Caso de Uso Esp. Suplementar

40 Rastreabilidade Requisito de Produto Requisito de Negócio Necessidades Glossário Regra de Negócio

41 Gerência de Escopo

42 Gerência de escopo O escopo de um projeto é definido pelo conjunto de requisitos alocados para ele Para o projeto se adequar aos recursos disponíveis (tempo, pessoas e dinheiro) é primordial o gerenciamento de escopo com êxito

43 Gerência de escopo Inclui certificar-se que o projeto não crescerá além dos: –Requisitos necessários –Orçamento planejado –Prazo estabelecido

44 Gerência de escopo É feito com o detalhamento do fluxo de trabalho com a finalidade de: –Priorizar e refinar as informações fornecidas para selecionar as características e os requisitos que serão incluídos –Listar o conjunto de casos de uso (ou cenários) que representam alguma funcionalidade central e significativa –Definir quais atributos dos requisitos e rastreabilidades devem ser mantidas

45 Exemplos de Template adotado numa grande empresa de TI

46 Documento de Visão (VIS) Glossário (GLOS) Documento de Especificação de Caso de Uso (UCS) Documento de Especificação Suplementar (SUPL) Documento de Regras de Negócio (RN)

47 Informações de Todos os Documentos Código do Software Nome do Software Histórico de Revisões –Data –Versão –Descrição –Autor

48 Documento de Visão (VIS) 1/2 Objetivo Referências Visão Geral do Problema Visão Geral do Ambiente Atual Envolvidos (Função/Papel, Descrição, Órgão) Usuários (Função/Papel, Descrição, Órgão, Envolvido) Visão Geral da Solução Proposta

49 Documento de Visão (VIS) 2/2 Requisitos de Negócio –Funcionais –Não Funcionais –Inversos Restrições

50 Documento de Visão (VIS): exemplo

51 Glossário (GLOS) Definições – Referências

52 Glossário (GLOS): exemplo

53 Documento de Especificação de Caso de Uso (UCS) Breve Descrição Referências Atores Pré-condições – Fluxos de Eventos –Fluxo Básico 1. Este caso de uso começa quando o –Fluxos Alternativos A1 – –Se no passo do fluxo [básico|alternativo] então: –1.... –2.... – | o Caso de Uso termina.

54 Documento de Especificação de Caso de Uso (UCS) Pontos de Extensão – Se no passo do fluxo [básico|alternativo], o caso de uso é acionado. Casos de Uso Incluídos Pós-Condições Outros Diagramas

55 Documento de Especificação de Caso de Uso (UCS): exemplo

56 Documento de Especificação Suplementar (SUPL) Usabilidade – Confiabilidade – Desempenho: – Ambiente Operacional: – Segurança e Controle de Acesso: – Outras Categorias de Requisitos: – Referências

57 Documento de Especificação Suplementar (SUPL): exemplo

58 58 Documento de Regras de Negócio (RN) Regras de Negócio – Referências Documento Opcional

59 Documento de Regras de Negócio (RN): exemplo

60 Rastreabilidade Proposta Matrizes de Rastreabilidade: –Regra de Negócio para Caso de Uso –Termo para Regra de Negócio –Requisito de Negócio para Caso de Uso –Requisito de Negócio para Especificação Suplementar

61 Rastreabilidade Proposta

62 Exercício Extra Os grupos apresentam a Agenda Telefônica, sendo discutida a modelagem proposta –entregar solução aos professores –distribuir solução xerocada, como exemplo

63 Referências Bibliográficas 1/2 Balzer, R.M.; Goldman, N.;Wile, D. Informality in program specifications. IEEE Transactions on Software Engineering, Ney York, V.SE-4, p , Breitman, K.; Sayão, M. Gerência de Requisitos. Simpósio Brasileiro de Engenharia de Software - SBES, Delicato, F. Modelagem de Requisitos. Notas de Aula. RN L UFRN Engenharia de Requisitos. RJ: PUC-Rio. rio.br/cgi-bin/PRG_0599.EXE/6954_3.PDF?NrOcoSis=19742&CdLinPrg=en Fortes, R.P.M. Capítulo 6 Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos Engenharia de Software – Pressman. Notas de aula. SP : USP, Leite, J. III. Requisitos são Frases. Notas de aula. RJ : Puc-Rio Mota, A. Engenharia de Requisitos. Notas de aula. PE : UFPE PETROBRAS, Documento de Gerenciamento de Requisitos. PI-PR TI/IDTA, 2006.

64 Referências Bibliográficas 2/2 Processos da Engenharia de Requisitos: elicitação e análise de requisitos. Notas de aula. BA : UFBa, 2005 Sanchez, M.L. Modelagem Semi-formal de Sistemas: Orientação a Objetos. Notas de Aula. UFF, Sommerville, I. Engenharia de Software, São Paulo: Pearson Addison Wesley, Techniques for Requirements Elicitation. rio.br/~karin//pos/goguen.pdfhttp://www-di.inf.puc- rio.br/~karin//pos/goguen.pdf Valacich, J et al. Essential of systems Analysis & Design. New Jersey : Pearson Education, 2001.


Carregar ppt "Verificação e Validação de Requisitos. Verificação e Validação dos Requisitos Verificar conflitos de requisitos Verificar consistência de requisitos Verificar."

Apresentações semelhantes


Anúncios Google